Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
jessebarbosa - JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA
JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA
Cadastrado desde: 11/06/2008

Texto mais recente: COMEDORES DE SOBRAS



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=405

 
Textos & Poesias || Dedicatórias
Imprimir - Impressora!
Imprimir
A FLOR DA SUBJETIVIDADE
11/06/2008
Autor(a): JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
A FLOR DA SUBJETIVIDADE

                                                A FLOR DA SUBJETIVIDADE
                                                   ( DEDICADO A HELEN)


Por que não te assumes como Poetisa, Trigueira Flora?
Por que te martirizas?
Por que não dás vazão á sublime centelha da verborragia,
Em tua masmorra sentimental inexplicavelmente detida?   
Por que não queres que a tua lídima identidade aflore
Para que possamos enxergar nesta, o pélago da tua fantástica
Sensibilidade? Afinal, para descobrirmos se és infensa, imune,
Contrária á vaga de primaveras apaixonadas: sim, pois nela
Reside a febre de lirismos da índole sumária.
Ah, por que não queres te expor aos reveladores raios da magna Aurora, que, aqui fora, caudalosamente, se espraia dardejante e
Suntuosa?                              


Não te diminuas:
Saibas que o compromisso compele o poeta.
Sim, sobretudo quando a faísca em molde de reflexão o cinge:
Daí, a tinta da impressão o reveste e a palavra, que pulula na sua Mente, transposta para o fulcro da Cibernética ou da Celulose, Cria uma própria vida, materializa-se, se consuma, se expande e Absorve. É Como se Cavalgasse sobre o lombo de um furtivo Repente. E, ao capturá-lo,
O parnaso se sentisse alegre, leve, contente. Alegre por domar Cavalos alados. Leve por parir cavalos alados. Contente por
Sê-los.
Ah, contente por ser o Pégasus de verbos sagrados, aspurgentes,
Altaneiros!










Decerto a sensibilidade quer-te quando queres;
A espontaneidade de forma alguma habita este alfobre.
Porque tu, ao contrário do que dizes e pensas,
Queres e necessitas sofregamente da primeira:
Sim, pois nesta jaz a resposta. Que resposta? O poema.
Portanto reside aí, a procura:
De quem?
A dela, a tua!
Claro, aí deita a vossa relação mútua.


Flor, Flor, Flor:
Não sejas tão-somente Flor bela,
Mas também a Florbela. A Flor bela
Que, deflagrando, lacera...
Que, se entregando aos braços do masoquismo,
Espanca a dor, a mágoa, a festa
Das amorosas venturas funestas.
Ah, Florbela,
Por favor, te assume como parnasa.
Ah, Florbela,
Eu imploro, mostra-nos
Que, ao mundo, poetas, parnasas.
Sejas, então, simplesmente, Poeta!
Sejas, enfim, a Maestrina Maior da Lírica
A reger a Mabiosa Orquestra com o bastão de doces lufadas   
Etéreas.


JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA







Publicado no site: O Melhor da Web em 11/06/2008
Código do Texto: 4360
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.