Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
Ecila Yleus - ALICE SUELI DANTAS
ALICE SUELI DANTAS
Cadastrado desde: 06/08/2008

Texto mais recente: Sons dos Pássaros



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de ALICE SUELI DANTAS , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=460

 
Textos & Poesias || Regionais
Imprimir - Impressora!
Imprimir
CANTO DA ASA BRANCA
11/08/2008
Autor(a): ALICE SUELI DANTAS
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
CANTO DA ASA BRANCA

O sabor do cajá faz a boca salivar
As letras escorregando tem sabor de araçá
Tua voz assobia igual o canto do sabiá
Trazendo um ritmo doce, palavras e melodias,
Rimando prazer e dor, tristeza e alegria.
É o sabor de gente de todo canto da terra,
Que chegam e se aglomeram em volta do trovador.
Suas histórias são quimeras, dá gosto de ouvir e ver.
É cheiro verde da semente, plantado em cada ser.
Ah! Sabor brasileiro.
Sabor de manga, goiaba, caju, laranja, mangaba.
Sabor das letras vertentes, dos cantos dos seresteiros,
Dos caboclos sertanejos e dos tupiniquins.
Tudo passa na viola, os repentes, as emboladas,
Os xaxados, os sambinhas, o baião de Luiz.
Falam da saudade dos homens, das vaquejadas,
Das noites de serenata, dos bordejos lá da praça.
Menina, vem pra roda cantar os cantos da terra.
Encanta com tua beleza, a nossa mãe natureza.
Acorde com teu gingado o povo da redondeza,
Mostre pra toda essa gente, tua alma brejeira,
No rodar da tua saia há raízes de sereia.
Venha pra cá seu moço, trazendo seu violão
E a sanfona que acorda Luíz Gonzaga, Rei do Baião.
Terra, fogueira tudo ardendo céu acima
E pra Deus ele pergunta porque tanta injustiça
Com o fogo nas ventas ele toca a sua sina.
Gado, vaquejada que contraste de senão,
Perdido lá para o norte foi-se o seu alazão.
A asa branca e a Rosinha o sanfoneiro e a canção
Molham a terra com olhos de verdadeira paixão.
Fazendo fé na plantação ele um dia vai voltar
Com o sabor do cajá que faz a boca salivar,
Com as letras escorregando entre as folhas do araçá
E a irrigação do nordeste que tem gosto de melodia,
Gosto de melão, umbu-cajá e melancia.
Tua voz soa de longe qual canto da Asa Branca
Trazendo um canto doce, palavras e sinfonias.
Rimando prazer e dor, tristeza e alegria
Canção de esperança ao pé do meio dia.
Volta Asa Branca nas asas da harmonia.

Publicado no site: O Melhor da Web em 11/08/2008
Código do Texto: 4757
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.