Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
mhjalao - MARIA HILDA DE J. ALÃO
MARIA HILDA DE J. ALÃO
Cadastrado desde: 05/03/2009

Texto mais recente: LEMBRANÇAS



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de MARIA HILDA DE J. ALÃO , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=1538

 
Textos & Poesias || Histórias Infantis
Imprimir - Impressora!
Imprimir
A BORBOLETA MARIETA
05/09/2010
Autor(a): MARIA HILDA DE J. ALÃO
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
A BORBOLETA MARIETA

A BORBOLETA MARIETA

Um dia, num belo jardim, a borboleta Marieta apaixonou-se pelo perfumado cravo vermelho. O cravo ficou encantado com o amor da borboleta de asas com desenhos em ouro e prata. A borboleta voejava em torno do cravo com graça e alegria. Era um namoro de cores e perfumes que as outras flores jamais haviam visto outro igual.
Após um tempo, depois de juras de amor sincero, Marieta, a borboleta, partiu para outros jardins distantes deixando o cravo vermelho muito triste a sua espera.
Outras borboletas visitavam o cravo, mas ele só pensava na sua Marieta. À noite o sereno, com pena do cravo, descia suavemente e molhava suas pétalas dizendo:
- Amigo cravo, esqueça essa borboleta ingrata! Viva sua vida. Olhe ao seu redor e veja quantas outras borboletas querem beijá-lo. Não desperdice seu tempo.
Não adiantava falar. Ele não ouvia. Só Marieta estava no seu pensamento, nos seus sonhos.
O tempo passou e Marieta não voltava. Ela continuava a voar para jardins cada vez mais distantes até que um dia as abelhas resolveram expulsá-la.
- Não queremos mais essa borboleta enxerida disputando o pólen das flores conosco. – gritou a abelha rainha.
E todas as abelhas se juntaram e despacharam Marieta daquele jardim. Então ela resolveu voltar para o seu cravo vermelho. Voou de volta ao jardim onde fora muito feliz. Como tempo passou rápido, o belo cravo vermelho estava ressecado em sua haste que pendia para o chão. Marieta chorou. Ficou ali, pousada em uma margarida, olhando para o seu amado cravo vermelho.
Foi nesse momento que uma rosa amarela disse:
- Marieta, você é como os homens que têm uma fortuna nas mãos e a esbanja com frivolidades. Só depois de perder tudo é que se lembrou de alguém que a amava com sinceridade? Aqui você tinha pólen e amor, mas não bastava. Jogou tudo fora, arriscou e perdeu.
Marieta, envergonhada, voou para bem longe e nunca mais se ouviu falar dela.
05/09/10
(histórias que contava para o meu neto)


Publicado no site: O Melhor da Web em 05/09/2010
Código do Texto: 63345
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.