Espaço Literário

O Melhor da Web


Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
alberto.nett - AjAraujo, o poeta humanista
AjAraujo, o poeta humanista
Cadastrado desde: 20/07/2009

Texto mais recente: A vida é um rio que flui



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de AjAraujo, o poeta humanista , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=2715

 
Textos & Poesias || Poema
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Os Espelhos (Jorge Luis Borges)
12/09/2010
Autor(a): AjAraujo, o poeta humanista
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Os Espelhos (Jorge Luis Borges)

Eu que senti o horror dos espelhos
não só diante do cristal impenetrável
onde acaba e começa, inabitável,
um impossível espaço de reflexos

porem diante da água especular que imita
o outro azul em seu profundo céu
que as vezes aproxima o ilusório vôo
da ave inversa o que um tremor agita

E diante da superfície silenciosa
Do ébano sutil cuja tersura
Repete como um sonho a brancura
De um vago mármore ou uma vaga rosa.

Hoje, ao cabo de tantos e perplexos
anos de errar sob a variável lua,
me pergunto que azar da fortuna
fez que eu temera os espelhos.

Espelhos de metal, mascarado
espelho de caoba que na bruma
de seu roxo crepúsculo esfuma
esse rosto que olha e é olhado.

Infinitos os vejo, elementais
executores de um antigo pacto,
multiplicar o mundo como o ato
generativo, insones e fatais.

Prolonga este vão mundo incerto
Em sua vertiginosa telaranha;
às vezes na tarde os embaça
o hálito de um homem que não morreu.

Nos aproxima o cristal. Se entre as quatro
paredes da alcova existe um espelho,
já não estou só. Há outro. Há o reflexo
que arma no clarear um sigiloso teatro.

Tudo acontrece e nada se recorda
nesses gabinetes cristalinos
onde, como fantásticos rabinos,
lemos os livros da direita para a esquerda.

Claúdio, rei de uma tarde, rei sonhado,
não sentiu que era um sonho até aquele dia
em que um ator mimou sua felonia
com arte silencioso, em um tablado.

Que haja sonhos é raro, que haja espelhos,
que o usual e gasto repertório
de cada dia inclua o ilusório
orbe profundo que urdem os reflexos.

Deus (tenho pensado) põe um empenho
em toda essa inacessível arquitetura
que edifica a luz com a tersura
do cristal e a sombra com o sonho.

Deus criou as noites que se armam
De sonhos e as formas de espelho
Para que o homem sinta que é reflexo
E vaidade. Por isso não alarmam


* Jorge Luis Borges(1899-1986), poeta argentino, bilingue, foi um dos mais brilhantes e polêmicos escritores da América Latina. Cansado do ultraísmo (escola experimental de poesia que se desenvolve a partir do cubismo e do futurismo), tenta fundar um novo tipo de regionalismo, enraizado em uma perspectiva metafísica da realidade. Logo se cansará também destes e se interessará pela narrativa fantástica ou mágica, produzindo algumas das mais extraordinárias ficções deste século. Poema traduzido do original em espanhol.

Publicado no site: O Melhor da Web em 12/09/2010
Código do Texto: 63785
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.