Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto

ADRIANO ALVES
Cadastrado desde: 28/04/2010

Texto mais recente: RIO 40 GRAUS - DUAS COISAS ME FAZEM RIR...



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de ADRIANO ALVES , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=4164

 
Textos & Poesias || Crônicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
PAPAI... DEIXA EU LAVAR O CARRO? (HUMOR - VERÍDICO)
23/11/2010
Autor(a): ADRIANO ALVES
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
PAPAI... DEIXA EU LAVAR O CARRO? (HUMOR - VERÍDICO)

                                                   Lá estava ele, com seu carro novinho em folha... Todo equipado, completíssimo, com rodas, som, trio elétrico e principalmente com aquela pintura vermelha linda, toda reluzente e brilhante.    Sempre sonhara em ter um carro vermelho.
                                                   Fazia pouco mais de uma semana que comprara o carro dos seus sonhos. Carrão lindo. Seu sonho de consumo. De fazer inveja em toda a vizinhança. E principalmente na cor que sempre sonha em ter um carro.
                                                   Claro, carro bonito pra continuar bonito tem que ser cuidado, pensava ele em voz alta. Pra valorizar aquele tipo de pintura tinha que sempre andar limpinho. E ele não queria deixar a coisa avacalhar, desde já, queria sempre manter seu carro bem lavado e limpo.
                                                   Lava-jato? Que nada, lava-jato só presta para emporcalhar o possante e esfregar a sujeira na lataria do carro, estragando sua pintura, dizia ele para todos os amigos e familiares.
                                                   Por isso, naquele sábado ensolarado, acordou cedo, pegou flanelas, baldes e todos os demais apetrechos e partiu para dar o primeiro banho em seu tão sonhado carrão.
                                                   Lá estava ele, carro todo molhado, tirando o grosso da sujeira das rodas.
                                                   E lá veio ela... sua filhinha de três aninhos. Que era tão linda. Que ele tanto amava. Que mais parecia um anjinho de cachinhos dourados, mas que na prática era uma criança das mais arteiras que conhecia. Nunca se podia confiar no que ela estava fazendo ou aprontando. Se bobeasse ela sempre fazia algum tipo de traquinagem típica da infância.
                                                   Ela chegou e disse, com sua linguagem truncada e sua voz pueril:
                                                   - Papai... dexa eu lavar carro tamém??? Papai dexa??? Fitando-o com os dois olhinhos pretos que mais pareciam jabuticabas maduras.
                                                   Ele, claro, deixou. Continou lá abaixado, esfregando uma das rodas traseiras do carro, enquanto ela pegou uma esponja e foi para a outra lateral do carro.
                                                   De quando em vez a ouvia falar de lá de onde estava:
                                                   - Papai, eu tá lavando o carro viu??? Eu tá lavando.
                                                   E lá estava ele com a cabeça nas nuvens, pensando em como estava feliz com seu carro novo.
                                                   E lá estava ela, sempre tão levada, simplesmente falando... de quando em vez:
                                                   - Eu tá lavando o carro papai...
                                                   De repente, ela ficou muito quieta e ele num estalo lembrou bem da filha levada que tinha. Veio-lhe à mente que não podia deixar ela muito sozinha e quietinha, pois seu anjinho sempre aprontava alguma.
                                                   Levantou e foi olhar do outro lado do carro o que ela estava fazendo. Quando viu seu queixo caiu...
                                                   Ela estava esfregando a lateral de seu carro novinho em folha, NÃO COM A ESPONJA, mas sim com uma CHAVE DE FENDAS que estava próxima ao carro. Tinha riscado toda a lateral do seu lindo carrão vermelho...
                                                   Fazer o quê? Criança é assim mesmo... sempre apronta... Por isso a infância é uma fase tão divertida.



Publicado no site: O Melhor da Web em 23/11/2010
Código do Texto: 67422
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.