Espaço Literário

O Melhor da Web


Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
jorgehumberto - JORGE HUMBERTO
JORGE HUMBERTO
Cadastrado desde: 07/12/2008

Texto mais recente: Cada um, à sua maneira, escreve e é escritor.



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de JORGE HUMBERTO , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=833

 
Textos & Poesias || Social
Imprimir - Impressora!
Imprimir
FLOR QUEIMADA II
15/01/2011
Autor(a): JORGE HUMBERTO
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
FLOR QUEIMADA II


Hoje, estou deveras contente.
Em verdade, nada mudou.
Este estar assim, de repente,
é porque o verso, no verso rimou.

A poesia, é por isso, inconstante.
Não que falsei, no quanto escreve,
mas porque ainda vem distante,
o que ela, a quem versa, bem deve.

Passa um navio: vai de viagem,
para uma qualquer ilha, a se perder.
Quando petiz, gostava de canoagem,
como estou feliz, importa o dever.

Não; não quero vinho! Para festejar!
Que a minha boca é seca, ao pecado.
Ao néctar, dos deuses, irei pois olvidar,
agradecendo, que sou bem-educado.

A tarde está fria; cai pungente, no rio.
Um pouco mais longe, nutrido nevoeiro,
às aldeias esquecidas, e atadas com lio,
gretam os lábios das pessoas, com cieiro.

Então uma leve tristeza, se assoma de mim:
eu que estava tão contente, e assas feliz.
Estou infausto nesta hora; e eu, porque vim?
Choram sentidas as flores, do meu jardim.

Tudo tem sua Razão de ser; vi na televisão!
Criança subnutrida, em flor queimada mexia.
Era seu único jogo: nas mãos deu-se a explosão,
e, o menino, tripas no chão, sua voz gemia.

Jaz e arrefece o menino, por todos abandonado.
Tudo por obra destas guerras, que não cessam,
e deixam, ao acaso, engenhos, não cuidados,
por obra e mão de peritos, que não se revezam.

Como posso continuar contente?
Como? Como?... Quem mo dirá?
Se há coisa que não sou é aparente –
muito menos, o verso se subverterá!

Jorge Humberto
15/01/11

Publicado no site: O Melhor da Web em 15/01/2011
Código do Texto: 70499
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.