Espaço Literário

O Melhor da Web



Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
Manu - MANUELA
MANUELA
Cadastrado desde: 23/04/2012

Texto mais recente: Vento (A.M. Pires Cabral) (+tradução italiana)



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de MANUELA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6281

 
Textos & Poesias || Poema
Imprimir - Impressora!
Imprimir
A Sofreguidão de um Instante (José Jorge Letria) (+tradução italiana)
06/07/2012
Autor(a): MANUELA
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
 
93322 A Sofreguidão de um Instante (José Jorge Letria) (+tradução italiana) Manu - MANUELA
A Sofreguidão de um Instante (José Jorge Letria) (+tradução italiana)

Tudo renegarei menos o afecto,
e trago um ceptro e uma coroa,
o primeiro de ferro, a segunda de urze,
para ser o rei efémero
desse amor único e breve
que se dilui em partidas
e se fragmenta em perguntas
iguais às das amantes
que a claridade atordoa e converte.

Deixa-me reinar em ti
o tempo apenas de um relâmpago
a incendiar a erva seca dos cumes.
E se tiver que montar guarda,
que seja em redor do teu sono,
num êxtase de lábios sobre a relva,
num delírio de beijos sobre o ventre,
num assombro de dedos sob a roupa.

Eu estava morto e não sabia, sabes,
que há um tempo dentro deste tempo
para renascermos com os corais
e sermos eternos na sofreguidão de um instante.

in "Variantes do Oiro"
_______________________________

Tradução italiana de Manuela Colombo


La bramosia d’un istante

Tutto rinnegherò meno l’affetto,
e porto uno scettro e una corona,
il primo di ferro, la seconda d’erica,
perché sono il re effimero
di questo amore unico e breve
che si stempera in addii
e si frammenta in domande
uguali a quelle degli amanti
che la luce del giorno confonde e trasforma.

Lascia che io regni su di te
solo il tempo d’un lampo
che incendia l’erba secca delle cime.
E se dovrò montar la guardia,
che sia per proteggere il tuo sonno,
in un’estasi di labbra sopra l’erba,
in un delirio di baci sopra il ventre,
in un’ebbrezza di dita sotto le vesti.

Io ero morto e non lo sapevo, sai,
che c’è un tempo dentro questo tempo
per rinascere insieme coi coralli
ed essere eterni nella bramosia d’un istante.




Publicado no site: O Melhor da Web em 06/07/2012
Código do Texto: 93322
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.