Espaço Literário

O Melhor da Web

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
kuryos - Silvio Dutra
Silvio Dutra
Cadastrado desde: 29/08/2012

Texto mais recente: Crescimento na Graça



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de Silvio Dutra , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6704

 
Textos & Poesias || Evangélicas
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Só Há Perfeição Espiritual Pela Nova Aliança – Parte 1 Hebreus 8
09/11/2012
Autor(a): Silvio Dutra
VOTE!
TEXTO ELEITO
0
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
Só Há Perfeição Espiritual Pela Nova Aliança – Parte 1 Hebreus 8

Heb 8:1    Ora, o essencial das coisas que temos dito é que possuímos tal sumo sacerdote, que se assentou à destra do trono da Majestade nos céus,
Heb 8:2 como ministro do santuário e do verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu, não o homem.
Heb 8:3 Pois todo sumo sacerdote é constituído para oferecer tanto dons como sacrifícios; por isso, era necessário que também esse sumo sacerdote tivesse o que oferecer.
Heb 8:4 Ora, se ele estivesse na terra, nem mesmo sacerdote seria, visto existirem aqueles que oferecem os dons segundo a lei,
Heb 8:5 os quais ministram em figura e sombra das coisas celestes, assim como foi Moisés divinamente instruído, quando estava para construir o tabernáculo; pois diz ele: Vê que faças todas as coisas de acordo com o modelo que te foi mostrado no monte.
Heb 8:6 Agora, com efeito, obteve Jesus ministério tanto mais excelente, quanto é ele também Mediador de superior aliança instituída com base em superiores promessas.
Heb 8:7 Porque, se aquela primeira aliança tivesse sido sem defeito, de maneira alguma estaria sendo buscado lugar para uma segunda.
Heb 8:8 E, de fato, repreendendo-os, diz: Eis aí vêm dias, diz o Senhor, e firmarei nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá,
Heb 8:9 não segundo a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os conduzir até fora da terra do Egito; pois eles não continuaram na minha aliança, e eu não atentei para eles, diz o Senhor.
Heb 8:10 Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o Senhor: na sua mente imprimirei as minhas leis, também sobre o seu coração as inscreverei; e eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.
Heb 8:11 E não ensinará jamais cada um ao seu próximo, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece ao Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até ao maior.
Heb 8:12 Pois, para com as suas iniqüidades, usarei de misericórdia e dos seus pecados jamais me lembrarei.
Heb 8:13 Quando ele diz Nova, torna antiquada a primeira. Ora, aquilo que se torna antiquado e envelhecido está prestes a desaparecer.

Este capítulo é um prosseguimento dos argumentos apresentados no capítulo anterior quanto à evidente superioridade da Nova Aliança em relação à Antiga, por causa da excelência e superioridade da mediação de Cristo, conforme havia sido prometido por Deus desde o Antigo Testamento.
A razão de ser da Antiga Aliança era a Nova, porque se afirma que o fim da Lei é Cristo para a justiça de todo aquele que crê.
A Antiga Aliança foi instituída para nos conduzir a Cristo; para que fôssemos instruídos acerca das coisas relativas ao Cristo prometido, que esmagaria a cabeça da serpente.
Quando esta epístola foi escrita, os sacerdotes de Israel ainda oficiavam no templo de Jerusalém, motivo pelo qual o autor de Hebreus afirmou que se Jesus estivesse na terra, certamente não estaria no exercício do sumo sacerdócio, porque Ele havia sido rejeitado pelos judeus, especialmente pelos sacerdotes de Israel, em razão do endurecimento deles no pecado,    e também porque não havia sido designado como eles, para ser sacerdote segundo a ordem de Arão, conforme haviam sido constituídos pela Lei dada a Moisés.
Jesus não havia sido designado para exercer Seu ofício sumo sacerdotal na terra, mas no céu, porque não é sacerdote de um templo terreno, mas do tabernáculo celestial.
Ele é o rei e sacerdote eterno da graça e da verdade. É o rei de um reino que é, sobretudo espiritual e invisível, e não de um ofício temporal que estava destinado por Deus a desaparecer, uma vez tendo sido cumprido o propósito para o qual Ele o havia instituído, até que Cristo viesse, e inaugurasse a aliança prometida desde o Velho Testamento, que estava sendo aguardada por sucessivas gerações de pessoas piedosas, especialmente de Israel.      
Nunca foi do propósito de Deus manter a Antiga Aliança em vigência para sempre, até a volta de Cristo, ao contrário, Ele havia falado pela boca dos profetas do Velho Testamento, que faria uma Nova Aliança para vigorar no lugar da Antiga, por meio de Jesus Cristo.
Tal promessa é citada em Jeremias 31.31-35; e o autor de Hebreus transcreveu os termos usados pelo profeta nos versos finais deste capítulo de sua epístola, para demonstrar aos cristãos Hebreus que era por causa desta aliança que os seus pecados passados eram inteiramente perdoados e esquecidos por Deus, e que nesta aliança não haveria nenhum incrédulo, mas somente cristãos, que conheceriam a Deus pela habitação do Espírito.
Ainda que os judeus tivessem se recusado a reconhecer a revogação da Antiga Aliança, o culto deles no templo estava prestes a desaparecer, conforme efetivamente ocorreu em 70 d.C., quando os romanos expulsaram os judeus da Palestina e destruíram o templo, deixando apenas de pé, o que conhecemos hoje por Muro das Lamentações.
A destruição do templo, e a expulsão dos judeus comprovaram para todos, que de fato uma Nova Aliança foi inaugurada no lugar da Antiga, conforme prometido desde os profetas.
Assim, este oitavo capítulo começa a descrever quais eram as bases diferentes do sumo-sacerdócio de Cristo, da ordem de Melquisedeque, em relação ao sacerdócio dos levitas no Antigo Pacto, que vigorou no    período do Antigo Testamento.
Este sumo-sacerdócio do Senhor foi designado pelo Pai, para que os pecados das pessoas que constituiriam o Seu povo fossem perdoados, de forma a se dotar todos os aliançados, de um novo coração criado e    habitado pelo Espírito Santo.   

Isto jamais poderia ser feito mediante as bases da Antiga Aliança, ou Lei, como também é chamada. Por isso é declarada a sua fraqueza e inutilidade para o cumprimento deste propósito eterno de Deus, de dar vida eterna por meio da graça, mediante a fé.


Publicado no site: O Melhor da Web em 09/11/2012
Código do Texto: 97662
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):