Espaço Literário

O Melhor da Web

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.


Busca por Autores (ordem alfabética)
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto
Manu - MANUELA
MANUELA
Cadastrado desde: 23/04/2012

Texto mais recente: A passagem (Lêdo Ivo) (+tradução italiana)



Necessita estar logado! Adicionar como fã (necessita estar logado)
 
Recado
Contato

Conheça a Página de MANUELA , agora só falta você!
http://www.poesias.omelhordaweb.com.br/pagina_autor.php?cdEscritor=6281

 
Textos & Poesias || Poema
Imprimir - Impressora!
Imprimir
Desencanto (Manuel Bandeira) (+tradução italiana)
11/11/2012
Autor(a): MANUELA
VOTE!
TEXTO ELEITO
1
Após 100 votos, o Texto Eleito será exibido em uma página que irá reunir somente os mais votados.
Só é permitido um voto por Internauta por dia.
Achou o texto ótimo, VOTE! Participe!
ELEJA OS MELHORES TEXTOS DA WEB!
 
97754 Desencanto (Manuel Bandeira) (+tradução italiana) Manu - MANUELA
Desencanto (Manuel Bandeira) (+tradução italiana)

Eu faço versos como quem chora
De desalento. . . de desencanto. . .
Fecha o meu livro, se por agora
Não tens motivo nenhum de pranto.

Meu verso é sangue. Volúpia ardente. . .
Tristeza esparsa... remorso vão...
Dói-me nas veias. Amargo e quente,
Cai, gota a gota, do coração.

E nestes versos de angústia rouca,
Assim dos lábios a vida corre,
Deixando um acre sabor na boca.

– Eu faço versos como quem morre.
_________________________________

Tradução italiana de Manuela Colombo


Disincanto

Io scrivo versi come chi piange
D’avvilimento... di disincanto...
Chiudi il mio libro se per adesso
Non hai motivo alcun di pianto.

Il mio verso è sangue. Voluttà ardente...
Tristezza diffusa... vano dolore...
Mi duole nelle vene. Amaro e cocente,
Cade, goccia a goccia, dal cuore.

E in questi versi d’angoscia roca,
È dalle labbra che la vita scorre,
Lasciando un acre sapore in bocca

Io faccio versi come chi muore.




Publicado no site: O Melhor da Web em 11/11/2012
Código do Texto: 97754
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO! É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!
Caderno Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Obras do(a) Autor(a):