Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
VILMA OLIVEIRA

Enquanto eu tiver perguntas e não houver respostas... continuarei a escrever. Clarice Lispector.
Vilma Oliveira - VILMA OLIVEIRA
RSS - As recentes de:VILMA OLIVEIRA
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



VILMA OLIVEIRA
Aniversário: 14/11
Cadastrado desde: 06/05/2008 -

Texto mais recente: HORAS QUE PASSAM... (Parte I)

Textos & Poesias || Acrósticos

Imprimir
HORAS QUE PASSAM... (Parte I)
04/12/2011
Autor(a): VILMA OLIVEIRA

HORAS QUE PASSAM... (Parte I)

           




Quando lembro do passado (fotos antigas),
é quando chego a conclusão que era feliz e não sabia.
Vivo arrumando e desarrumando sonhos vividos e
revividos (na penumbra do meu quarto quase despido
de meias-verdades).

Consulto meu diário e descubro-me totalmente indefesa
– ré de mim mesma na realeza dos pântanos que
(ao mesmo tempo) devora e acalma minh’alma.
A liberdade? De onde ela virá?

Vejo um par de asas voando em minha direção pedindo-me
para vesti-la. Tento me assegurar que elas são firmes e fortes o suficiente para suportar, superar meu voo até a extremidade do meu inconsciente, atravessando cada corrente fria, o mar
agitado, o barco à deriva entre tantas ondulações de conflitos.

Eu me recolho confusamente encolhida sobre uma cama de palha que me acolhe brandamente...
Fito o céu aberto e sereno, coberto de estrelas e secretas agonias que finjo nada compreender.

O que me resta senão continuar olhando a lua que está sorrindo para mim com seu clarão luminoso?
Vejo-me diante da esquecida mão esquerda que se estende enquanto a direita me guarda de todos os assaltos (males dessa vida). Seria melhor não ter nascido?

Esta vida chega a doer, como se cortasse meus pulsos,
como se estrangulasse minha garganta, em mim é a negação de tudo. Sinto vontade de gritar até cansar, de pular os muros altos da minha solidão, de invadir o infinito... Deixar de viver!

Nada sei, nada compreendo além do corpo que guarda minh’alma como se fosse um pote de barro que conserva a água doce para ser consumida. Deus me observa lá de cima, de bem longe... E aceita os meus defeitos sem acusação na esperança que eu melhore e surpreenda a mim mesma.


Publicado no site: O Melhor da Web em 04/12/2011
Código do Texto: 86009
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Total comentários: 1


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs