Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
Juliana B.

Ler é divagar, criar e admirar a alma de um belo poeta.
JuAlmeida - Juliana B.
RSS - As recentes de:Juliana B.
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



Juliana B.
Aniversário: 15/07
Cadastrado desde: 08/11/2010 -

Texto mais recente: Ascensão ao Desconhecido

Textos & Poesias || Esperança

Imprimir
Ascensão ao Desconhecido
09/12/2012
Autor(a): Juliana B.

99149: Ascensão ao Desconhecido JuAlmeida - Juliana B.
Ascensão ao Desconhecido

   Dá vontade de parar o jogo na metade, porque já está tão bonito que, mesmo que não tenha mais alternativa, vale mais à pena deixar ali apenas para ser admirado do que estragar aquele para começar um novo. Mas e o resto da minha vida? O que vou fazer até lá? Queria que tivéssemos como contabilizar quanto tempo gastamos fazendo o quê. Já parou pra pensar nas coisas que quis fazer, mas não fez por medo ou por vergonha?
   Conversa! Pare de pensar que é impotente, e seja imponente. Quem foi que lhe disse que tu não conseguirias? Ah, foi você, não é, coração? Que foi pra ferida sarar e parar de doer, pro seu coração não choramingar e parar de sofrer. Com a desculpa de que não magoaria mais ninguém se parasse por ali e, mesmo que não fizesse o que queria, fez bem porque nenhuma lágrima foi ao chão.
   Temos que entristecer algumas pessoas para sermos felizes. Não é isso que fazem o tempo todo conosco e a gente nem nota? Não serei a mesma, mudarei até o fim da vida. E que assim seja, pois assim procurarei fazer só pra não ficar nessa prisão psicológica de cotidiano ilusório, que é pra não matar a alma de tédio, tristeza.
   Quero acordar de madrugada sem saber onde estou, mas ter uma grana pra passar o dia ou para conseguir alguma a mais. Saber que valeu à pena pelos bosques que passei, pelas cachoeiras que atravessei e líquidos que derramaram em mim enquanto a música alta me deixava aos poucos cada vez menos ouvinte. Quero viver como cigana e não ter para onde voltar, porque já estou onde devo estar. O mundo é meu quintal e eu sou minha própria casa. Segura em mim, nas minhas decisões e em tudo o que eu farei na vida, porque nada vem a mim por acaso e porque ninguém que conheci me deixou sem ter deixado um pouquinho de si.
   Como é bom caminhar apenas olhando a frente, mesmo que sem rumo, porque é para onde quero ir.

Publicado no site: O Melhor da Web em 09/12/2012
Código do Texto: 99149

AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
Sou Fã de...
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.