Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
MANUELA

A poesia é ao mesmo tempo um esconderijo e um altifalante (Nadine Gordimer)
Manu - MANUELA
RSS - As recentes de:MANUELA
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



MANUELA
Aniversário: 22/08
Cadastrado desde: 23/04/2012 -

Texto mais recente: Solidários (Ruy Proença) (+tradução italiana)

Textos & Poesias || Poema

Imprimir
Inseguro como quem procura... (Gilberto Nable) (+tradução italiana)
16/04/2018
Autor(a): MANUELA

Inseguro como quem procura... (Gilberto Nable) (+tradução italiana)

                     A Carlos Machado

Inseguro como quem procura
um interruptor no escuro,
e não encontra outro corpo,
nem sombra de vela,
no mesmo cubo de trevas.

(Cubo de trevas onde nadam
os peixes cegos da insônia,
com sua esquisitas guelras,
e penosas barbatanas.)

Silêncio de mariposas mortas.
O sono se apartou do mundo,
seiva rara em velho tronco.
E nada há por fazer,
senão suportar a espera.

Até que o lodo espesso da noite,
mole feito um desmaio,
vá se diluindo, pouco a pouco,
em cada rua deserta,
em cada pálpebra entreaberta,

e te ofereça, agora sem aflição,
das auroras de festim e gripe,
diferente e novo,
um outro, mesmo dia.


De "O mago sem pombos" (2008)

____________________________________


Tradução italiana de Manuela Colombo


Insicuro come chi cerca...
                     A Carlos Machado

Insicuro come chi cerca
un interruttore al buio,
e non trova altro corpo,
né ombra di candela,
nello stesso cubo di tenebra.

(Cubo di tenebra ove nuotano
i pesci ciechi dell’insonnia,
con quelle strane branchie,
e le taglienti pinne.)

Silenzio di farfalle morte.
Il sonno s’è ritratto dal mondo,
linfa rara per un vecchio tronco.
E non c’è niente da fare,
se non sopportare l’attesa.

Finché lo spesso limo della notte,
molle come un deliquio,
si vada stemperando, poco a poco,
in ogni via deserta,
in ogni palpebra semiaperta,

e ti offra, ora senza lo stordimento
all’indomani di festini e malanni,
differente e nuovo,
un altro, identico giorno.


Publicado no site: O Melhor da Web em 16/04/2018
Código do Texto: 137120
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.