Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
MANUELA

A poesia é ao mesmo tempo um esconderijo e um altifalante (Nadine Gordimer)
Manu - MANUELA
RSS - As recentes de:MANUELA
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



MANUELA
Aniversário: 22/08
Cadastrado desde: 23/04/2012 -

Texto mais recente: Um outro homem inacabado (Donizete Galvão) (+tradução italiana)

Textos & Poesias || Poema

Imprimir
Assim me lembro (Gilberto Nable) (+tradução italiana)
13/06/2018
Autor(a): MANUELA

Assim me lembro (Gilberto Nable) (+tradução italiana)

Assim me lembro.
O sol através das vidraças
desenhava coisas no assoalho.
Meu coração inquieto de criança
só amava ver o que não havia.
E nos feixes de luz,
as partículas brilhantes,
poeira leve no ar,
numa fina agitação.
Pó de borboletas,
milhares de minúsculos
mundos habitados:
luminosas constelações.

Minha mãe, tecelã do meu pranto,
já não está mais comigo.
Entanto, ouço a máquina de costura,
entre paredes azuis, naquele quarto.
O calmo pedalar, o voar dos retroses,
dedais, colchas de retalhos,
o cheiro suave de tecido novo.

Ali aprendi minha solidão.
As pessoas se ajeitam, e passam.
Dos projetos, deixam alinhavos,
poucos reparos, teu nome bordado
nas meias, nas camisas de linho.
Mas o quarto, a mãe do menino,
esses ainda hoje existem,
e flutuam,
nalgum dos planetas da poeira,
tão distantes e próximos,
tão infinitos e mínimos.
____________________________________


Tradução italiana de Manuela Colombo


Mi ricordo così...

Mi ricordo così.
Il sole attraverso le vetrate
faceva dei disegni sul parquet.
Il mio cuore inquieto di fanciullo
amava vedere solo quel che non c’era.
E nei fasci di luce,
le particelle brillanti,
pulviscolo danzante,
in fine agitazione.
Polvere di farfalle,
migliaia di minuscoli
mondi abitati:
luminose costellazioni.

Mia madre, tessitrice del mio pianto,
ormai non è più con me.
Eppure io sento la macchina da cucire,
tra le azzurre pareti, in quella stanza.
Il calmo pedalare, il vorticare dei fili,
ditali, coperte di scampoli,
il tenue profumo di tessuto nuovo.

Ho conosciuto lì la mia solitudine.
Le persone s’adattano, e passano.
Dei progetti, lasciano imbastiture,
pochi rammendi, il tuo nome ricamato
sulle calze, sulle camicie di lino.
Ma la stanza, la mamma del bimbo,
loro ancor oggi esistono,
e fluttuano,
in qualche pianeta di polvere,
così distanti e prossimi,
così infiniti e minimi.


Publicado no site: O Melhor da Web em 13/06/2018
Código do Texto: 137708
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.