Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
MANUELA

A poesia é ao mesmo tempo um esconderijo e um altifalante (Nadine Gordimer)
Manu - MANUELA
RSS - As recentes de:MANUELA
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



MANUELA
Aniversário: 22/08
Cadastrado desde: 23/04/2012 -

Texto mais recente: Chuva (Nuno Júdice) (+tradução italiana)

Textos & Poesias || Poema

Imprimir
Não há motivo para te importunar (José Luís Peixoto) (+tradução italiana)
09/07/2018
Autor(a): MANUELA

Não há motivo para te importunar (José Luís Peixoto) (+tradução italiana)

Não há motivo para te importunar a meio da noite,
como não há leite no frigorífico, nem um limite
traçado para a solidão doméstica.
 
Tudo desaparece. Nada desaparece. Tudo desaparece
antes de ser dito e tu queres dormir descansada. Tens
direito a um subsídio de paz.
 
Se eu escrever um poema, esse não é motivo para te
importunar. Eu escrevo muitos poemas e tu trabalhas
de manhã cedo.
 
Toda a gente sabe que a noite é longa. Não tenho o
o direito de telefonar para te dizer isso, apesar dessa
evidência me matar agora.
 
E morro, mas não morro. Se morresse, perguntavas:
porque não me telefonaste? Se telefonasse, perguntavas:
sabes que horas são?
 
Ou não atendias. E eu ficava aqui. Com a noite ainda
mais comprida, com a insónia, com as palavras
a despegarem-se dos pesadelos.
 
      in Gaveta de Papéis
_______________________________________


Tradução italiana de Manuela Colombo


Non c’è motivo per disturbarti...

Non c’è motivo per disturbarti a mezzanotte,
come non c’è latte nel frigorifero né un limite
prestabilito per la solitudine domestica.
 
Tutto scompare. Nulla scompare. Tutto scompare
prima d’esser detto e tu vuoi dormire tranquilla. Hai
diritto a un sussidio di pace.
 
Se sto scrivendo una poesia, questo non è motivo per
disturbarti. Io scrivo tante poesie e tu vai al lavoro
presto di mattina.
 
Tutti quanti sanno che la notte è lunga. Non ho
il diritto di telefonarti per dirtelo, malgrado questa
innegabilità mi stia uccidendo.
 
E muoio, senza morire. Se morissi, mi chiederesti:
perché non mi hai telefonato? Se telefonassi, mi chiederesti:
sai che ore sono?
 
O non risponderesti. E io rimarrei qui. Con la notte ancora
più lunga, con l’insonnia, con le parole
che si distaccano dagli incubi.



Publicado no site: O Melhor da Web em 09/07/2018
Código do Texto: 137888
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.