Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
Silvio Dutra

Todas imagens extraídas da galeria do Google.
kuryos - Silvio Dutra
RSS - As recentes de:Silvio Dutra
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



Silvio Dutra
Aniversário: 25/11
Cadastrado desde: 29/08/2012 -

Texto mais recente: Habitantes do Céu

Textos & Poesias || Evangélicas

Imprimir
A Palavra de Justiça
12/07/2017
Autor(a): Silvio Dutra

A Palavra de Justiça


A. W. PInk (1886-1952)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra

"A Palavra de justiça." (Hebreus 5:13)
Em nenhum caso, a singularidade dos oráculos divinos aparece de forma mais notável do que em seus ensinamentos em relação à justiça. Esses ensinamentos estão em contraposição direta com as crenças e presunções dos homens em todo o mundo - de fato tão radicais e desagradáveis são seus pronunciamentos sobre esse assunto, que muitos dos que professam receber as Escrituras como uma revelação divina, esgotaram sua ingenuidade em tentar explicar algumas das suas declarações mais simples. A afirmação abrangente de que, entre os filhos dos homens, "não há justo, nem sequer um", mas que "todo o mundo" é "culpado diante de Deus" (Romanos 3: 10,20), é aquela que nunca teve sua origem em qualquer cérebro humano.
A declaração de que "todas as nossas justiças são trapos imundos" (Isaías 64: 6) é muito desagradável para o orgulhoso coração do homem caído por ter sido inventado pela "Igreja". A pergunta, "como os injustos podem se tornar justos diante do Juiz Divino?" É aquela que, quando devidamente pesada, desafia a solução pela sabedoria humana. Se ele não tivesse outra evidência para a inspiração das Escrituras do que o ensino sobre a justiça, bastaria convencer esse escritor de sua Divina Autoria.
A palavra justiça é uma palavra "legal", sendo a antítese da culpa. Reduzida à sua forma mais simples, significa justo, ou o padrão exigido. Portanto, pressupõe uma regra pela qual a conduta é medida, e essa Regra é a vontade de Deus revelada em Sua Palavra. A vontade de Deus para o homem é resumida na Lei Divina, e a justiça não é nada mais ou menos que uma perfeita conformidade com a Lei no coração e na vida. Por isso, encontramos o Senhor dizendo: " E farei o juízo a linha para medir, e a justiça o prumo." (Isaías 28:17), isto é, tudo será medido pelo padrão imutável de Sua Lei.
Assim, podemos dizer, em primeiro lugar, que a Palavra de Deus recebe esse título particular, porque a própria justiça não tem outra Regra pela qual ser regulada. "Toda a Escritura é dada por inspiração de Deus, e é proveitosa para a doutrina, para a repreensão, para a correção, para a instrução na justiça" (2 Timóteo 3:16).
Em segundo lugar, a Palavra é assim denominada, porque a justiça é sua principal e inexorável demanda. A Lei é inflexível e implacável. Não faz concessões favoráveis para deficiências humanas, fraquezas constitucionais ou defeitos pessoais. É excluída toda possibilidade de equívocos nesta matéria, se ponderarmos a sua declaração solene: "Maldito seja todo aquele que não continua a fazer tudo que está escrito no Livro da Lei" (Gálatas 3:10).
"Maldito é todo mundo" - sem qualquer exceção de pessoas, sem qualquer consideração aos motivos da fraqueza humana ou tentações violentas.
"Quem não continua" - não basta observar esses mandamentos sagrados no teor geral de nossas vidas - nosso curso de conduta deve ser sem o menor intervalo, desde o início da razão até o último suspiro que dermos. Em todas as coisas - devemos abster-nos de todo pecado proibido e a menor aproximação a eles; e praticar todas as virtudes encarregadas e todos os deveres impostos. A Lei insiste em uma obediência perfeita em seu princípio, perfeita em todas as suas partes, perfeita em todos os graus - e em cada um desses aspectos, perpétua; e pronuncia uma maldição sobre o menor fracasso.
A espiritualidade e rigor de tal Lei, revela a inefável pureza e a justiça imaculada de seu Autor. Isso mostra que Sua natureza é tão santa e Sua vontade tão imutável, que Ele não tolerará o menor pecado nem poupará a menor transgressão. Ele nos diz que aqueles pecados em que a luz da natureza pode discernir, senão pouca turbulência, que aquelas falhas que a luz da razão está pronta para desculpar como simples bagatelas - são incontestavelmente odiosos e intoleráveis aos olhos de Jeová. Somente quando a alma é agudamente consciente disso - clama com o salmista: "Minha carne treme com medo de você, eu aceito suas leis" (Sal 119: 120). É por causa de sua insensibilidade sobre isso, que a grande maioria de nossos companheiros estão dormindo em uma falsa segurança e sonhando com uma esperança presunçosa, em vez de clamar a Deus por misericórdia e fugir da ira que virá. É por causa da ignorância voluntária e da cegueira despreocupada, que a multidão religiosa não sabe que "pelas obras da Lei, nenhuma carne será justificada aos Seus olhos" (Romanos 3:20).
Terceiro, a Palavra é assim denominada porque a justiça, é a sua grande revelação. Milhares de anos atrás, a questão foi levantada: "Como o homem pode ser justificado com Deus?" (Jó 25: 4) e essa perplexidade teria permanecido sem solução até o fim dos tempos - se o próprio Deus não tivesse fornecido a solução. Nas Escrituras, Ele deu a conhecer uma justiça perfeita para os injustos. Foi por essa razão que o apóstolo declarou: "Não me envergonho do Evangelho de Cristo - seja julgado como loucura pelos gregos sofisticados ou um obstáculo para os judeus carnais - pois é o poder de Deus para a salvação" - o grande Instrumento que Ele ordenou para esse propósito, e que ele certamente corará com o sucesso que Ele designou. E onde está a principal e distintiva glória do Evangelho? "nele está a justiça de Deus revelada, de fé em fé" (Romanos 1: 16,17), não exigida de pecadores impotentes, mas preparada para sua livre aceitação - realizada no alto por um Deus promissor, e apropriada pelas almas que creem.
Depois de fornecer provas conclusivas de que judeus e gentios são indigentes de justiça, o apóstolo prosseguiu dizendo: "Mas agora, a justiça de Deus, além da lei, foi conhecida, a que a lei e os profetas testemunham. Essa justiça de Deus vem pela fé em Jesus Cristo a todos os que creem." (Romanos 3: 21,22). É uma justiça perfeita, que oblitera toda culpa e confere um título inalienável à vida eterna. "É denominado a justiça de Deus, por meio de preeminência superlativa, em oposição a qualquer justiça nossa e em contradição com a justiça de todas as criaturas, seja qual for" (James Hervey). Mas, ainda - é a "justiça de Deus" porque Deus, o Pai, a desenvolveu desde toda a eternidade, Deus, o Filho, a fez aqui na Terra, e Deus, o Espírito Santo, é bom para nós, trabalhando em nós, uma fé que se apropria da mesma. Para resumir Romanos 1:16, 17 e 3:21, 22 - a salvação é por justiça, a justiça é encontrada em Cristo, a justiça que se torna nossa pela fé.
Em Romanos 4, o apóstolo procedeu a ilustrar sua doutrina por dois exemplos notáveis. Abraão, que era o mais eminente dos patriarcas, o mais ilustre padrão de piedade entre todos os Santos, o "amigo de Deus" (Tiago 2:23). Davi, que era o mais zeloso dos reis, o "doce salmista de Israel", um "homem segundo o próprio coração de Deus" (1 Samuel 13,14). Como então eles foram justificados diante de Deus? Não como seres justos que poderiam reivindicá-lo - mas como criaturas pecaminosas que devem implorá-lo; não por sua própria obediência - mas pela fé no Messias prometido. Abraão "não trabalhou" com vistas a obter justificação - mas "acreditou naquele que justifica os ímpios" (vv. 1-5). Como Davi foi justificado? Pelo seu zelo pela glória de Deus, ou por seus nobres serviços para seus semelhantes? Não, mas por justiça imputada, pela a justiça de Cristo, a bendita redenção através da qual "as iniquidades são perdoadas e os pecados são cobertos" (v. 6-8).
Em quarto lugar, a Palavra é assim designada, porque a justiça é a sua principal outorga. "Não pensem que eu vim para abolir a Lei ou os Profetas, não vim para abolir, mas para cumprir." (Mateus 5:17), disse Cristo. Ele cumpriu a Lei, tornando-se uma obediência pessoal, perfeita e perpétua como a Fiança do Seu povo, e no momento em que eles creem salvificamente nEle - Sua obediência é contada em seu favor e se torna sua justiça legal diante de Deus (Romanos 4:24 5:19). A justiça perfeita de Cristo é "sobre todos os que creem" (Romanos 3:22). É a sua "veste de casamento" (Mateus 22:12), a "melhor veste" (Lucas 15:22) pela qual estão cobertos. E assim cada um pode dizer: "No Senhor, tenho justiça e força" (Isaías 45:24). Agora ele pode declarar: "Me alegrarei grandemente no Senhor, a minha alma se alegrará com o meu Deus, porque me vestiu com as vestes da salvação, me cobriu com a túnica da justiça" (Isaías 61:10).
Uma natureza justa também é comunicada, que produz uma conduta justa, "todo aquele que pratica a justiça nasceu de Deus" (1 João 2:29). A justiça imputada e a justiça transmitida constituem nossa salvação. Então, nos unimos ao salmista, exclamando: "A minha boca falará da tua justiça e da tua salvação todo o dia, posto que não conheça a sua grandeza. Virei na força do Senhor Deus; farei menção da tua justiça, da tua tão somente." ( Salmo 71: 15,16).




Publicado no site: O Melhor da Web em 12/07/2017
Código do Texto: 135312
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
Sou Fã de...