Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
Silvio Dutra

Todas imagens extraídas da galeria do Google.
kuryos - Silvio Dutra
RSS - As recentes de:Silvio Dutra
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



Silvio Dutra
Aniversário: 25/11
Cadastrado desde: 29/08/2012 -

Texto mais recente: John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P4

Textos & Poesias || Evangélicas

Imprimir
Resquícios de Pecado em Crentes – Cap 6
10/01/2018
Autor(a): Silvio Dutra

Resquícios de Pecado em Crentes – Cap 6


   John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

CAPÍTULO 6.
O trabalho desta inimizade contra Deus por meio de oposição - Primeiro, Ele é lógico – Em que a concupiscência do pecado consiste - É surpreendente na alma - Prontidão para fechar com as tentações - Em segundo lugar, sua luta e guerra - 1. Na rebelião contra a lei da graça - 2. Ao assaltar a alma.
Como esta inimizade a Deus funciona por meio da aversão foi declarado, assim como os meios que a alma deve usar para prevenir seus efeitos e prevalência. A segunda maneira pela qual ela se manifesta é pela oposição. A inimizade se opõe e lida com aquilo em que é de inimizade; é assim em coisas naturais e morais. Como luz e escuridão, calor e frio, então virtude e vício se opõem. Assim é com pecado e graça; disse o apóstolo: "Estes são contrários um ao outro." Gálatas 5:17. Eles são colocados em oposição mútua, e isso continuamente e constantemente, como veremos.
Agora, há duas maneiras pelas quais os inimigos efetuam uma oposição - primeiro, pela força; e, em segundo lugar, por fraude e engano. Então, quando os egípcios se tornaram inimigos dos filhos de Israel e exerceram uma inimizade contra eles, Êxodo 1:10, Faraó disse: "Vamos tratar com sabedoria" ou "ser astutos e sutis com esse povo"; pois assim Estevão, com respeito a esta palavra, expressa isso em Atos 7:19, ele usou "todo tipo de sofismas fraudulentos". E para esse engano, eles adicionaram força em suas penosas opressões. Este é o caminho e a forma de coisas em que existe uma inimizade prevalecente; e ambos são usados pela lei do pecado em sua inimizade contra Deus e nossas almas.
Começo com o primeiro, ou atuando, por assim dizer, de uma forma de força, em uma oposição aberta a Deus e à sua lei, ou ao bem que uma alma crente faria em obediência a Deus e à sua lei. E, neste assunto, devemos ter cuidado para orientar o nosso caminho corretamente, tomando a Escritura para ser nosso guia, com razão espiritual e experiência para nossos companheiros; pois há muitas coisas em nosso curso que devem ser evitadas com diligência, para que ninguém que considere essas coisas seja incomodado sem causa, ou seja consolado sem uma base justa.
Neste primeiro caminho, por meio do qual este pecado exerce sua inimizade em oposição, ou seja, por força - há quatro coisas, expressando tantos graus distintos em seu progresso e procedimento na busca de sua inimizade:
Primeiro, sua inclinação geral: "luxúria", Gálatas 5:17.
Em segundo lugar, sua maneira particular de lutar: "lutas ou guerras", Romanos 7:23; Tiago 4: 1; 1 Pedro 2:11.
Em terceiro lugar, seu sucesso neste concurso: "traz a alma em cativeiro à lei do pecado", Romanos 7:23.
Em quarto lugar, o seu crescimento e raiva sobre o sucesso: leva à "loucura", como um inimigo enfurecido fará, Eclesiastes 9: 3.
Primeiro, em geral, vem a luxúria: Gálatas 5:17, "A carne luta contra o Espírito". Esta palavra expressa a natureza geral dessa oposição que a lei do pecado faz contra Deus e o governo de seu Espírito ou graça naqueles que creem; e, portanto, o menor grau dessa oposição é expresso aqui. Quando faz alguma coisa, ela cobiça; como, porque a queima é a ação geral do fogo, seja lá o que for, também queimará. Quando o fogo faz qualquer coisa, ele queima e quando a lei do pecado faz qualquer coisa acende os desejos.
Por isso, todas as ações desta lei do pecado são chamadas "Os desejos da carne": Gálatas 5:16: "Não cumprireis a concupiscência da carne"; Romanos 13:14: "Não faça provisão para a carne, para cumprir suas concupiscências". Nem esses desejos da carne são os únicos pelos quais os homens agem com sua sensualidade em motim, embriaguez, impureza e coisas semelhantes; mas compreendem todas as ações da lei do pecado, seja em todas as faculdades e afeições da alma. Assim, Efésios 2: 3, menciona os desejos, ou vontades, ou "desejos da mente", bem como da "carne". A mente, a parte mais espiritual da alma, tem suas concupiscências, nada menos que o apetite sensual, que às vezes parece ser mais apropriado chamar de "a carne". E, nos produtos dessas luxúrias, há "impurezas do espírito", bem como da "carne", 2 Coríntios 7: 1, isto é, da mente e do entendimento, também do apetite e afeições, e da corpo que atende a seu serviço. E na inocência de tudo isso consiste a nossa santidade: 1 Tessalonicenses 5:23:
"E o próprio Deus de paz vos santifique completamente; e o vosso espírito, e alma e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo."
Sim, pela "carne" nesta matéria, todo o velho homem, ou a lei do pecado, se destina: João 3: 6: "O que nasceu da carne é carne", isto é, é tudo assim, e nada mais; e tudo o que resta da velha natureza no novo homem ainda é carne. E essa carne é o fundamento de toda a sua oposição a Deus. E isso faz de duas maneiras: uma propensão escondida e próxima a todo o mal. Isso ocorre habitualmente. Enquanto um homem está no estado da natureza, completamente sob o poder e o domínio desta lei do pecado, diz-se que "toda invenção do seu coração é má, e isso continuamente", Gênesis 6: 5. Pode moldar, produzir ou agir com nada além do que é mal; porque essa propensão habitual ao mal que está na lei do pecado é absolutamente predominante no homem. Está no coração como um veneno que não tem nada para aliviar suas qualidades venenosas e, portanto, infecta o que quer que seja. E onde o poder e o domínio dela estão quebrados, ainda que, em sua própria natureza, ainda é uma propensão habitual para o que é mau, onde a sua cobiça consome. Mas aqui devemos distinguir entre o quadro habitual do coração e a propensão natural ou inclinação habitual da lei do pecado no coração. A inclinação habitual do coração é gerada pelo princípio que é soberano nele; e, portanto, nos crentes é para o bem, para Deus, para a santidade, para a obediência. O coração do crente não é habitualmente inclinado ao mal pelos resquícios do pecado residente; mas este pecado no coração tem uma propensão constante e habitual ao mal em si mesmo ou em sua própria natureza. Isto o apóstolo denota por dizer que está presente conosco: "Está presente comigo"; isto é, sempre e para o seu próprio fim, que é para conduzir ao pecado. É com o pecado interior como é com um rio. Enquanto as fontes dele estão abertas, as águas são continuamente fornecidas aos seus riachos, e se é colocada uma barragem antes dele, isso faz com que ele se eleve e inche até que transborde. Deixe essas águas abaixarem, secarem-se em boa medida nas suas fontes, e o restante pode ser contido. Mas ainda assim, enquanto houver qualquer água corrente, ela continuará pressionando sobre o que está diante dela, de acordo com seu peso e força, porque é sua natureza assim fazer. Assim é com pecado interior; enquanto as fontes estão abertas, em vão é para os homens colocar uma barreira diante dele por suas convicções, resoluções, votos e promessas. Eles podem reduzi-lo por um tempo, mas aumentará, se elevará, em um momento ou outro, até que ele remova todas as convicções e resoluções, ou se torne uma passagem subterrânea por alguma luxúria secreta, que deve dar-lhe uma saída total. Mas agora, suponha que as suas fontes estejam muito secas da graça regeneradora, as correntes ou as suas ações diminuíram pela santidade, ainda que, enquanto alguma coisa permaneça nele, estará pressionando constantemente para ter aberturas, para avançar para o pecado real; e esta é a sua luxúria. E essa propensão habitual nele é descoberta de duas maneiras:
(1). Em suas surpreendentes experiências da alma em invenções tolas e pecaminosas, que não procurava, nem era administrada em nenhuma ocasião. É com o pecado interior como é com o princípio contrário da graça santificadora. Isso dá à alma, se assim posso dizer, uma grande vantagem. Ele muitas vezes produz um quadro santo e espiritual no coração e na mente, quando não tivemos quaisquer considerações racionais anteriores para trabalhá-las. E isso revela que é um princípio habitual que prevalece na mente: então experimentamos o que se diz em Cantares 6:12, "Antes de eu o sentir, pôs-me a minha alma nos carros do meu nobre povo.”, isto é, livre, disposto e pronto para a comunhão com Cristo. "Eu não sabia, mas fui movido pelo poder do Espírito da graça, de modo que eu não me lembrei disso, até a sua conclusão". As atuações frequentes da graça dessa maneira, em atos de fé, amor e complacência em Deus são evidentes de muita força e prevalência na alma. E, portanto, também é com o pecado interior; antes que a alma esteja ciente, sem qualquer provocação ou tentação, quando não sabe, é lançada em um quadro vão e tolo. O pecado produz suas invenções secretamente no coração e evita a consideração da mente sobre o que se trata. Quero dizer, esses primeiros atos da alma; que até agora são involuntários, na medida em que eles não têm o consentimento real da vontade para eles, mas são voluntários, na medida em que o pecado tenha sua residência na vontade. E estas ações surpreendentes, se a alma não estiver acordada para cuidar rapidamente da prevenção de sua tendência, muitas vezes desencadeiam tudo como fogo e envolvem a mente e as afeições para o pecado real; pois, como por graça, muitas vezes somos inconscientemente, "feitos como os carros de um povo disposto", e somos muito envolvidos na mente celestial e na comunhão com Cristo, acelerando como em uma carruagem; assim, pelo pecado somos muitas vezes, antes de termos consciência, carregados em afeições destemperadas, imaginações tolas e tendo prazer em coisas que não são boas nem lucrativas. Daí a cautela do apóstolo, em Gálatas 6: 1, "Se um homem for surpreendido de forma inesperada com uma falha, ou em uma transgressão." Não duvido que a sutileza de Satanás e o poder da tentação são aqui levados em consideração pelo apóstolo, o que faz com que ele exprima a queda de um homem pelo pecado por " ser    surpreendido." O trabalho do pecado residente também tem consideração nele, e no lugar principal, sem o qual nada mais poderia nos surpreender, pois sem a ajuda dele, tudo o que vem do exterior, de Satanás ou do mundo, deve admitir algum argumento na mente antes de ser recebido, mas é de dentro, de nós mesmos, que estamos sendo surpreendidos. Por isso somos desapontados e forçados a fazer o que não queremos, e impedidos de fazer aquilo que gostaríamos. Por isso é, que, quando a alma muitas vezes faz como se fosse uma outra coisa, engajada em outro desígnio, o pecado começa no coração ou imaginação que o transporta para o que é mau e pecaminoso. Sim, para manifestar seu poder às vezes, quando a alma está seriamente envolvida na mortificação de qualquer pecado, ele, de uma maneira ou de outra, a levará a uma queda com esse mesmo pecado cuja mortificação ela está buscando! Mas, como há nesta operação da lei do pecado uma tentação ou emaranhado especial, devemos falar dela completamente depois. Agora, essas ações surpreendentes podem ser de uma simples propensão ao mal no princípio de onde procedem; não uma inclinação habitual ao pecado real na mente ou no coração. Quanto a comunhão com Deus é impedida, quantas meditações são perturbadas, quanto as mentes e as consciências dos homens foram contaminadas por esta ação de pecado, alguns podem ter observado. Não conheço nenhum fardo maior na vida de um crente do que essas ações surpreendentes    da alma; involuntariamente, eu digo, quanto ao consentimento real da vontade, mas não em relação a essa corrupção que está na vontade, e é o princípio delas. E é a respeito disso que o apóstolo faz sua queixa, em Romanos 7:25: “De modo que eu mesmo com o entendimento sirvo à lei de Deus, mas com a carne à lei do pecado.”
(2). Essa inclinação habitual manifesta-se em sua prontidão, sem disputa ou altercação, para se juntar e fechar com cada tentação, pela qual possivelmente é excitada. Como sabemos, é da natureza do fogo queimar, porque imediatamente se acha em tudo o que é combustível, que qualquer tentação seja proposta a um homem, a adequação de cuja matéria a suas corrupções, ou a maneira de sua proposta, faz com que uma tentação; ele não só tenha a ver com a tentação imediatamente, como proposto externamente, mas também com seu próprio coração sobre isso. Sem maior consideração ou debate, a tentação tem um amigo nele. Não há espaço de um momento entre a proposta e a necessidade que incumbe a alma de olhar para o inimigo dentro dela. E isso também argumenta uma propensão constante e habitual ao mal. Nosso Salvador disse sobre os assaltos e tentações de Satanás: "Chega o príncipe deste mundo, e ele não faz parte de mim", João 14:30. Ele teve mais tentações, intensas e extensivas, em número, qualidade e fúria, de Satanás e do mundo, do que nunca teve nenhum dos filhos dos homens; mas, em todas elas, ele tinha que lidar apenas com o que veio de fora. Seu santo coração não tinha nada para elas, adequado para elas, nem pronto para dar-lhes entretenimento: "O príncipe deste mundo não tinha nada nele". Então foi com Adão quando em inocência. Quando uma tentação aconteceu com ele, ele tinha apenas a proposta externa a ser vista; tudo estava bem em seu interior até a tentação externa ter ocorrido e prevalecer. Conosco, não é assim. Em uma cidade que está em unidade em si, compacta e inteira, sem divisões, se um inimigo se aproximar dela, os governantes e os habitantes não têm nenhum pensamento, senão apenas como podem se opor ao inimigo que se aproxima. Mas se a cidade estiver dividida em si mesma, se houver facções e traidores dentro dela, a primeira coisa que eles fazem é olhar para os inimigos em casa, os traidores de dentro, para cortar a cabeça de Seba, para que eles estejam seguros. Tudo estava bem com Adão dentro das portas quando Satanás veio, de modo que ele não teve nada além de olhar para seus assaltos e abordagens. Mas agora, no acesso de qualquer tentação, a alma é instantaneamente levada a olhar, onde encontrará este traidor no trabalho, fechando com as iscas de Satanás e roubando o coração; e isso sempre acontece, o que evoca a existência de uma inclinação habitual. No Salmo 38:17, Davi diz: "Estou prestes a tropeçar." Estou preparado e disposto a deslizar o meu pé em pecado, versículo 16, como ele expõe o significado dessa frase. Havia no pecado interior uma disposição contínua nele para escorregar, tropeçar, parar, em cada ocasião ou tentação. Não há nada tão vão, tolo, ridículo, nada tão vil e abominável, nada tão ateísta ou execrável, mas, se for proposto à alma em uma tentação, existe nessa lei do pecado que está pronta para responder antes de ser condenada pela graça. E esta é a primeira coisa nesta lei do pecado, - consiste na sua propensão habitual para o mal, manifestando-se pelas experiências involuntárias da alma para o pecado, e sua prontidão, sem disputa ou consideração, para juntar a todas as tentações o que quer que seja. Sua cobiça consiste no seu apego real ao que é mau e oposição real àquilo que é bom. O exemplo anterior mostrou sua constante prontidão para este trabalho; isso agora trata do trabalho em si. Não está apenas pronto, mas na maior parte sempre comprometido. "Ele cobiça", diz o Espírito Santo. Isso é tão contínuo. Agita-se na alma por um ato ou outro constantemente, quase como o sangue nas veias. A isso o apóstolo chama a sua tentação: Tiago 1:14, "Todo homem é tentado por sua própria cobiça". Agora, o que é ser tentado? É ter proposto à consideração de um homem que, se ele praticar o que é mau, é pecado para ele. Este é o comércio do pecado: está levantando-se no coração, e propondo à mente e às afeições, o que é mau; tentando, por assim dizer, se a alma vai fechar com suas sugestões, ou até onde elas as carregam, embora não preveja completamente. Agora, quando tal tentação vem do exterior, é para a alma uma coisa indiferente, nem boa nem má, a menos que seja consentida; mas a própria proposta de dentro, sendo o próprio ato da alma, é seu pecado. E esta é a obra da lei do pecado, - o estar levando e agitando sem parar e propondo inúmeras formas diversas e aparências do mal, com esse ou aquele tipo que a natureza do homem é capaz de exercer a corrupção. Algo em matéria, ou maneira, ou circunstância, desordenado, não espiritual, sem resposta ao governo, ele sugere e propõe à alma. E este poder do pecado engloba invenções e ideias do mal real no coração. Assim, o apóstolo afirma em 1 Tessalonicenses 5:22, "Abstende-vos de toda espécie de mal." Pois a palavra usada não significa, em nenhum lugar, uma forma externa ou aparência: nem é a aparência do mal, mas uma ideia ou invenção maligna a que se destina. E essa lei do pecado é aquilo que o profeta expressa nos homens perversos, em quem a lei é predominante: Isaías 57:20: "Mas os ímpios são como o mar agitado; pois não pode estar quieto, e as suas águas lançam de si lama e lodo.", uma semelhança mais viva, expressando as luxúrias da lei do pecado, incansavelmente e continuamente borbulhando no coração, com imaginações e desejos perversos, tolos e imundos. Isto, então, é a primeira coisa na oposição que essa inimizade faz a Deus, isto é, em sua inclinação geral, ela "cobiça".
Em segundo lugar, há sua maneira particular de lutar, - luta ou guerreia; isto é, age com força e violência, como os homens fazem na guerra. Em primeiro lugar, desejando e movendo produtos desordenados na mente, desejos no apetite e nas afeições, propondo-os para a vontade. Mas não descansa, não pode descansar; ele pressiona e persegue suas propostas com seriedade, força e vigor, lutando para obter seu fim e propósito. Se apenas agitasse e propusesse coisas para a alma, e imediatamente concordasse com a sentença e julgamento da mente, que a coisa é má, contra Deus e sua vontade, e não mais além de ser insistido, muito pecado poderia ser evitado, e que agora é produzido; mas não reside aqui, - prossegue em seu projeto, e com seriedade e contenção. Por isso, os homens perversos "inflamam-se", Isaías 57: 5. Eles são autoinflamados, como a palavra significa, para o pecado; toda centelha do pecado é acarinhada neles até crescer em uma chama; e isso acontecerá nos outros, onde é tão apreciado. Agora, essa luta ou guerra do pecado consiste em duas coisas: 1. Na sua rebelião contra a graça, ou a lei da mente. 2. Ao atacar a alma, atuando contra a soberania sobre ela. 1. O primeiro é expresso pelo apóstolo, em Romanos 7:23: "Eu acho", diz ele, "outra lei", "rebelando-se contra a lei da minha mente". Há, ao que parece, duas leis em nós, a "lei da carne", ou do pecado; e a "lei da mente", ou da graça. Mas as leis contrárias não podem obter o poder soberano sobre a mesma pessoa, ao mesmo tempo. O poder soberano nos crentes está na mão da lei da graça; assim, o apóstolo declara, no verso 22: "Eu me deleito na lei de Deus no homem interior". A obediência a esta lei é realizada com prazer e complacência no interior, porque a sua autoridade é lícita e boa. Então, mais expressamente, no cap. 6:14, "Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais sob a lei, mas sob a graça." Agora, a guerra contra a lei que tem uma soberania justa é se rebelar, e assim significa, é se rebelar e deveria ter sido assim traduzido: "rebelando-se contra a lei da minha mente". E essa rebelião consiste em uma oposição teimosa e obstinada aos comandos e direções da lei da graça. A "lei da mente" ordena qualquer coisa como dever? Faz isso severamente se levantar contra qualquer coisa que seja má: quando a vontade da lei do pecado se eleva até este grau, ela se opõe à obediência com todas as suas forças, cujo efeito, como o apóstolo nos diz, é "fazer o que nós não queremos, e não fazer o que queremos", cap. 7:15, 16. E podemos reunir um exemplo notável do poder do pecado nessa sua rebelião neste lugar. A lei da graça prevalece sobre a vontade, para fazer o que é bom: "A vontade está presente comigo", versículo 18: "Quando eu quero fazer o bem", versículo 21 e novamente, no verso 19, "E eu faço o mal que não quero". E prevalece sobre o entendimento, para que ele aprove ou desaprove, de acordo com os ditames da lei da graça: o versículo 16, "consinto com a lei que é boa" e versículo 15. O julgamento sempre está no lado da graça. Prevalece também sobre as afeições: o versículo 22, "eu me deleito na lei de Deus no homem interior". Agora, se assim for, essa graça tem o poder soberano no entendimento, na vontade e nas afeições, de onde é que nem sempre prevalece, que nem sempre fazemos o que queremos e fazemos o que não queremos? Não é estranho que um homem não faça o que ele escolhe, a saber, gostar, deleitar-se? Existe alguma coisa mais necessária para nos permitir aquilo que é bom? A lei da graça faz tudo, tanto quanto se pode esperar dela, o que em si é abundantemente suficiente para o aperfeiçoamento de toda santidade no temor do Senhor. Mas aqui reside a dificuldade, na oposição emaranhada que é feita pela rebelião desta "lei do pecado". Também não é exprimido o vigor e a variedade com que o pecado atua neste assunto. Às vezes, propõe diversões, às vezes causa cansaço, às vezes descobre dificuldades, às vezes agita afetos contrários, às vezes engendra preconceitos, e de uma forma ou outra enreda a alma; de modo que nunca permita que a graça tenha um sucesso absoluto e completo em qualquer dever. Verso 18, "Eu não acho o caminho perfeito para resolver, ou realizar, o que é bom", é o que a palavra significa; a partir dessa oposição e resistência que é feita pela lei do pecado. Agora, essa rebelião aparece em duas coisas: (1). Na oposição que ela faz para o propósito geral e curso da alma. (2). Na oposição a deveres particulares. (1.) Na oposição que faz ao propósito geral e curso da alma. Não existe em quem habita o Espírito de Cristo, senão esse desígnio e propósito geral de caminhar com uma conformidade universal com ele em todas as coisas. Mesmo do quadro interior do coração para toda o compasso de suas ações externas, então é com ele. (Nota do tradutor: O Espírito é perfeito, a graça é perfeita, mas nós somos imperfeitos, e daí decorre que todas as nossas ações espirituais sempre serão imperfeitas em algum sentido ou outro). Deus requer em sua aliança: Gênesis 17: 1: "Anda diante de mim, e sê perfeito". Consequentemente, seu desígnio é andar diante de Deus; e seu quadro é de sinceridade e ilimitado. Isto é chamado, "perseverar no Senhor com firmeza de coração", Atos 11:23, isto é, em todas as coisas; e isso não com um propósito preguiçoso, morto e ineficaz, mas como é operacional, e define toda a alma no trabalho em busca disso. Isto o apóstolo estabelece, Filipenses 3: 12-14, "Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas vou prosseguindo, para ver se poderei alcançar aquilo para o que fui também alcançado por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de Deus em Cristo Jesus." Ele usa três palavras expressando de forma excelente a busca universal da alma por este propósito de coração ao se unir a Deus: Primeiro, diz ele, "Eu prossigo", a palavra significa perseguir adequadamente um alvo, o que, sabemos, com o rigor e diligência, geralmente é feito. Em segundo lugar, "Eu avanço", alcançando com grande intensidade de espírito e afeições. É um esforço grande e constante que se expressa nessa palavra. Em terceiro lugar, "pressiono para o alvo"; isto é, mesmo como homens que estão correndo por um prêmio. Tudo estabelece o vigor, a seriedade, a diligência e a constância que são usados na busca deste propósito. E isso, a natureza do princípio da graça exige naqueles em quem se encontra. Mas, no entanto, vemos com que falhas, sim falhas, a sua busca deste curso é atendida. O quadro do coração é alterado, o coração é roubado, as afeições enredadas, as erupções de incredulidade e as paixões destemperadas descobertas, a sabedoria carnal, com todas as suas atuações, está no trabalho; tudo contrário ao princípio geral e ao propósito da alma. E tudo isso é da rebelião desta lei do pecado, agitando e provocando o coração para a desobediência. O profeta dá a este caráter o nome de hipócritas, Oséias 10: 2, "Seu coração está dividido, portanto, eles serão encontrados com defeito". Agora, embora isso seja inteiramente em relação à mente e ao julgamento apenas nos hipócritas, contudo está parcialmente nos crentes sinceros, no sentido descrito. Eles têm uma divisão, não do coração, mas no coração; e daí é que muitas vezes eles são encontrados com defeito. Então diz o apóstolo: "Para que não possamos fazer as coisas que gostaríamos", Gálatas 5:17. Não podemos realizar o desígnio de caminhar de perto de acordo com a lei da graça, por causa da contrariedade e rebelião desta lei do pecado. (2). Ela se revolta também em relação a deveres particulares. Ela levanta uma combustão na alma contra os comandos particulares e designações da lei da graça. "Você não pode fazer as coisas que você quer", isto é, "os deveres que você julga incumbidos a você, que você aprova e se deleita no homem interior, você não pode fazê-los como você queria". Faça um exemplo disso na oração. Um homem se dirige a esse dever; ele não só o executaria, mas ele iria executá-lo da maneira que a natureza do dever e sua própria condição exigem. Ele "oraria no espírito" com fervor" com suspiros e gemidos que não podem ser proferidos"; na fé, com amor e prazer, derramando sua alma ao Senhor. É o que ele pretende. Agora, muitas vezes ele deve encontrar uma rebelião, uma luta da lei do pecado neste assunto. Ele deve encontrar dificuldade para fazer qualquer coisa que pensou em fazer. Não digo que seja sempre assim, mas é assim quando o pecado "guerreia e se rebela"; que expressa uma atuação especial de seu poder. Emaranhados soltos, as criaturas pobres muitas vezes se encontram com essa conta. Em vez disso, de uma comunhão alargada e ampliada com Deus a que eles visam, o melhor a que as suas almas chegam é ficar de luto por sua loucura, morte e indisposição. Em uma palavra, não há nenhum comando da lei da graça que é conhecida, apreciada e aprovada pela alma, mas quando se trata de ser observada, esta lei do pecado de uma maneira ou outra toma a liderança e se revolta contra ela. E esta é a primeira maneira de combater.
2. Não só se rebela e resiste, mas assalta a alma. Ela luta contra a lei da mente e da graça; a qual é a segunda parte de sua guerra: 1 Pedro 2:11, "Elas (as cobiças) lutam, ou guerreiam", contra a alma;" Tiago 4: 1, "Elas lutam", ou guerreiam, "em seus membros". Pedro mostra ao que elas se opõem e lutam contra, ou seja, a "alma" e a lei da graça nela, Tiago, com o que elas lutam - com os "membros" ou a corrupção que está em nossos corpos mortais. É como se rebelar contra um superior, é atacar ou guerrear por uma superioridade. Ela toma a parte de um agressor, bem como de um resistente. Faz tentativas de soberania bem como se opõe ao domínio da graça. Agora, toda guerra e luta tem um pouco de violência nela, e, portanto, há alguma violência naquela ação de pecado que a Escritura chama de "luta e guerra". E essa eficácia assoladora do pecado, como distinta da sua rebelião, antes tratada, consiste nestas coisas que se seguem: (1). Todas as suas atuações positivas ao agitar o pecado pertencem a essa parte. Muitas vezes, ela coloca sobre a alma, a vaidade da mente, ou a sensualidade das afeições, a loucura das imaginações, quando a lei da graça não está realmente atuando no dever; para que não se rebelem. Por isso, o apóstolo clama, Romanos 7:24: "Quem me livrará dele?" "Quem me resgatará da sua mão?", como significa a palavra. Quando perseguimos um inimigo, e ele nos resiste, não clamamos: "Quem nos livrará?" pois somos os agressores; mas, "Quem me resgatará?" é o grito de alguém que é atacado por um inimigo. Então está aqui; um homem que é assaltado por sua "própria luxúria", como Tiago fala. No caminho, no seu emprego, sob um dever, o pecado fixa a alma com imaginações vãs, desejos tolos, e empregaria voluntariamente a alma para providenciar sua satisfação; ao que o apóstolo nos adverte contra, Romanos 13:14, "Não faça provisão para a carne com suas concupiscências." (2). Sua importunidade e urgência parecem ser notadas nesta expressão, de sua guerra. Inimigos na guerra são inquietos, pressionando e importunando; assim é a lei do pecado. Retire seus movimentos; e retorna novamente. Repreenda-a pelo poder da graça; ela se retirará por um tempo e retorna novamente. Coloque diante dela a cruz de Cristo e ela faz como aqueles que vieram levá-lo, - ao vê-lo, eles foram para trás e caíram no chão, mas eles se levantaram e colocaram as mãos sobre ele - o pecado dá lugar a um período de tempo, mas retorna e pressiona novamente a alma. Deixe os pensamentos da mente esforçarem-se para voar dela; segue como nas asas do vento. E por essa importunidade, ela cansa e desgasta a alma; e se o grande remédio, Romanos 8: 3, não vem em tempo, prevalece em uma conquista. Não há nada mais maravilhoso nem terrível no trabalho do pecado do que esse de sua importunidade. A alma não sabe o que fazer com isso; não gosta, abomina o mal a que tende; despreza os pensamentos dele, odeia-os como o inferno; e, no entanto, é imposta por si mesma a eles, como se fosse outra pessoa, um inimigo expresso que vive dentro dela. Tudo isso que o apóstolo descobre, Romanos 7: 15-17: "As coisas que eu faço odeio". Não é de ações externas, mas os levantamentos internos da mente a que se refere. "Eu os odeio", diz ele; "Eu os abomino". Mas por que, então, ele terá mais alguma coisa a ver com eles? Se ele os odeia e se aborrece deles, deixe-os em paz, não têm mais a ver com eles, e assim acabou com o assunto. Ai! diz ele, versículo 17: "Não sou mais eu que o faço, mas o pecado que habita em mim"; "Eu tenho alguém dentro de mim, esse é meu inimigo, que com uma infinita e inquieta importunidade coloca essas coisas sobre mim, mesmo as coisas que eu odeio e abomino. Não posso me livrar delas, estou cansado de mim mesmo, não posso fugir dele.” "Ó homem miserável que eu sou! Quem me livrará?". Não digo que esta seja a condição comum dos crentes, mas, por isso, passam muitas vezes quando esta lei do pecado se levanta em guerra e luta. Não é assim com eles em relação a pecados particulares. Este ou aquele pecado, os pecados externos, os pecados da vida e da conversa, - mas, no entanto, no que diz respeito à vaidade da mente, aos distúrbios internos e espirituais, muitas vezes é assim. Alguns, eu sei, fingem grande perfeição, mas estou decidido a acreditar no que o apóstolo coloca diante de todos eles e de todos. (3). Ele carrega sua guerra emaranhando os afetos e atraindo-os para uma combinação contra a mente. Que a graça seja entronizada na mente e no julgamento, ainda    assim a lei do pecado prende-se e enreda as afeições, ou qualquer um deles, obteve um forte de onde agrava continuamente a alma. Por isso, o grande dever da mortificação é principalmente dirigido a ter lugar sobre as afeições: Colossenses 3: 5, "Mortifique, portanto, seus membros que estão sobre a terra; a fornicação, a impureza, o afeto desordenado, a concupiscência e a avareza, que é idolatria." “Os membros que estão sobre a terra" são nossos afetos; porque na parte externa do corpo o pecado não está assentado, em particular, não a "cobiça", que é enumerada, mortificada entre os nossos membros que estão na terra. Sim, depois que a graça tomou posse da alma, as afeições tornam-se a sede principal dos resquícios do pecado; - e, portanto, Paulo diz que essa lei está "nos nossos membros", Romanos 7:23 e Tiago, que "guerreia em nossos membros", Tiago 4: 1, isto é, em nossas afeições. E não há estimativa a respeito do trabalho de mortificação corretamente, senão pelas afeições. Podemos ver todos os dias pessoas de luz muito eminente, que ainda visivelmente têm corações e conversas não mortificados, suas afeições não foram crucificadas com Cristo. Agora, então, quando esta lei do pecado pode possuir qualquer afeto, seja lá o que for, amor, prazer, temor, ela fará isso e por assaltos terríveis à alma. Por exemplo, tem o amor de alguém enredado com o mundo ou com as coisas dele, a luxúria da carne, a luxúria dos olhos ou o orgulho da vida, - como será observado em todas as ocasiões para quebrar sobre a alma! Não deve fazer nada, não tentar nada, não se encontrar em nenhum lugar ou companhia, não realizar nenhum dever, privado ou público, mas o pecado terá um golpe ou outro nisso; estará de uma forma ou de outra solicitando para si. Esta é a soma do que ofereceremos a esta ação da lei do pecado, de modo a lutar e guerrear contra nossas almas, que é muitas vezes mencionado na Escritura; e uma devida consideração disso é de grande vantagem para nós, especialmente para nos levar ao autoabatimento, para nos ensinar a caminhar com humildade e tristeza diante de Deus. Há duas coisas que se adequam para humilhar as almas dos homens, e são, em primeiro lugar, uma devida consideração de Deus, e então de si mesmos; - de Deus, em sua grandeza, glória, santidade, poder, majestade e autoridade; de nós mesmos, em nossa condição má, abjeta e pecaminosa. Agora, de todas as coisas em nossa condição, não há nada tão adequado a este fim e propósito como o que está diante de nós; a saber, os restos vis de inimizade contra Deus que ainda estão em nossos corações e naturezas. E não é uma pequena evidência de uma alma graciosa quando está disposta a examinar-se neste assunto, e a ser ajudada a partir de uma palavra de verdade; quando é desejável que a palavra mergulhe nas partes secretas do coração, e abra qualquer coisa do mal e da corrupção. O profeta diz de Efraim, Oséias 10:11: "Ele amava trilhar o trigo"; ele gostava de trabalhar quando ele pudesse comer, ter sempre o trigo diante dele: mas Deus, diz dele, "faria com que arasse"; um trabalho não menos necessário, embora no momento não seja tão deleitoso, a maioria dos homens gosta de ouvir a doutrina da graça, do perdão do pecado, do amor livre e suponha que eles encontrem comida ali; no entanto, é evidente que eles crescem e prosperam na vida e noção deles. Mas em quebrar o terreno em pousio de seus corações, indagar sobre as ervas daninhas e os arbustos que crescem neles, eles não se deleitam tanto, embora isso não seja menos necessário do que o outro. Este caminho não é tão espancado quanto o da graça, nem tão pisado, embora seja o único meio de chegar a um verdadeiro conhecimento da própria graça. Pode ser que alguns, sábios e crescidos em outras verdades, possam ser tão pouco habilidosos em sondar seus próprios corações, para que possam estar atentos na percepção e compreensão dessas coisas. Mas essa preguiça e negligência deve ser abalada, se tivermos alguma consideração a nossas próprias almas. É mais do que provável que muitos hipócritas, que se enganaram tanto quanto a outros, porque achavam que a doutrina do evangelho lhes agradava e, portanto, acreditavam que eles poderiam ser libertados de seus enganos espirituais se eles se aplicassem com diligência Eles mesmos para essa sondagem de seus próprios corações. Ou, outros professantes caminhariam com tanta ousadia e segurança como alguns, se considerassem bem o que um inimigo atormentador e mortal carregava continuamente com eles e neles? Estariam muito satisfeitos com as alegrias e prazeres carnais, ou perseguiriam seus assuntos perecíveis com tanta alegria e ganância quanto costumam fazer? Seria desejável que todos apliquemos nossos corações mais a este trabalho, até mesmo para entender verdadeiramente a natureza, o poder e a sutileza deste nosso adversário, para que nossas almas se humilhem; e isso é alcançado:
1. Ao caminhar com Deus. Seu deleite é com os humildes e contritos, aqueles que tremem da sua Palavra, os lamentadores em Sião; e nós somos justos quando temos um devido senso de nossa própria condição vil. Isso gerará reverência a Deus, uma sensação de nossa distância dele, a admiração de sua graça e condescendência, uma devida avaliação da misericórdia, muito acima dessas realizações claras, verbais e arejadas, de que alguns se vangloriaram.
2. Ao caminhar com os outros. Ele prevê evitar os grandes males do julgamento, a implacabilidade espiritual, a censura severa, que eu tenho observado ter sido fingida por muitos, que, ao mesmo tempo, como apareceu, foram culpados de pecados maiores ou piores do que aqueles que eles têm acusado em outros. Isso, eu digo, nos levará à mansidão, compaixão, prontidão para perdoar, passar por ofensas; mesmo quando devemos "considerar" qual é o nosso estado, como o apóstolo claramente declara, em Gálatas 6: 1: “Irmãos, se um homem chegar a ser surpreendido em algum delito, vós que sois espirituais corrigi o tal com espírito de mansidão; e olha por ti mesmo, para que também tu não sejas tentado.”
O homem que entende o mal de seu próprio coração, como é vil, é a única pessoa fiel e obediente, útil, frutífera e sólida. Outros são próprios para se iludir, inquietar famílias, igrejas e todas as relações. Deixe-nos, então, considerar nossos corações com sabedoria, e depois ir e ver se podemos nos orgulhar de nossos dons, nossas graças, nossa avaliação e estima entre os professantes. Vamos então, ao julgar, condenar, repreender outros que foram tentados; devemos encontrar uma grande inconsistência nessas coisas. E muitas coisas de natureza semelhante podem ser aqui adicionadas após a consideração deste efeito selvagem do pecado residente. A maneira de se opor e de derrotar o seu desígnio deve ser posteriormente considerada.


Publicado no site: O Melhor da Web em 10/01/2018
Código do Texto: 136308
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
Sou Fã de...
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.