Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
Silvio Dutra

Todas imagens extraídas da galeria do Google.
kuryos - Silvio Dutra
RSS - As recentes de:Silvio Dutra
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



Silvio Dutra
Aniversário: 25/11
Cadastrado desde: 29/08/2012 -

Texto mais recente: Perseverança dos Santos Capítulo 5 - O Argumento das Promessas de Deus

Textos & Poesias || Evangélicas

Imprimir
Como Podemos Fazer com que Nossos Corações Suportem Reprovação
10/02/2018
Autor(a): Silvio Dutra

Como Podemos Fazer com que Nossos Corações Suportem Reprovação


   John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

“Fira-me o justo, será isso uma benignidade; e repreenda-me, isso será como óleo sobre a minha cabeça; não o recuse a minha cabeça; mas continuarei a orar contra os feitos dos ímpios.” (Salmo 141: 5)
Em geral, os expositores consideram que este salmo, como o que o precede, com os dois que se seguem, foram compostos por Davi no tempo de seu banimento, ou fuga, da coorte de Saul. O estado em que ele se descreveu, a questão dos seus apelos e orações contidos neles, com diversas circunstâncias expressas em relação a essa época, e sua condição nas mesmas, manifestam que foi o tempo de sua composição. Que o salmista estava agora, em alguma angústia, de que ele era profundamente sensível, é evidente a partir dessa veemência de seu espírito que ele expressa na reiteração de seu pedido ou súplica, versículo 1; e por seu desejo de que sua oração possa vir diante do Senhor como incenso; e o levantamento de suas mãos como o sacrifício da noite, verso 2. Os expositores judeus supõem, não ser improvável, que, nessa alusão, ele considerava sua exclusão atual dos santos serviços do tabernáculo; que em outros lugares ele se queixa profundamente. Para a questão de sua oração, neste começo do salmo (pois não vou olhar além do texto), ele deseja que sua conduta possa ser inofensiva e santa, tornando-se e útil para os outros. E que ele estava propenso, por duas maneiras, a se desviar, primeiro, por uma exasperação de espírito muito alta contra seus opressores e perseguidores; e, em segundo lugar, por um cumprimento fraudulento e pusilânime com eles em seus cursos perversos; que são os dois extremos aos quais os homens estão aptos a se encontrar em tais condições, - ele ora firmemente para ser livrado de ambos. Ao primeiro ele se refere no versículo 3: "Põe, ó Senhor, uma guarda à minha boca; vigia a porta dos meus lábios!", ou seja, que ele não viesse, sob aquelas grandes provocações que lhe foram dadas, a entrar em uma intemperança indecente contra os seus injustos opressores; que às vezes crueldades irracionais arrancarão de espíritos muito ternos e moderados. Mas era o desejo deste santo salmista, pois, em casos semelhantes, deveria ser o nosso, para que seu coração sempre se conservasse em tal quadro, sob a conduta do Espírito de Deus, para não se surpreender com uma expressão de paixão destemperada em qualquer uma das suas palavras ou provérbios. O outro ele considera em sua súplica sincera para ser libertado dele, versículo 4: "Não inclines o meu coração para o mal, nem para se ocupar de coisas más, com aqueles que praticam a iniquidade; e não coma eu das suas gulodices!" Há duas partes de seu pedido para o propósito pretendido. Primeiro, que, pelo poder da graça de Deus que influenciaria sua mente e alma, seu coração não se inclinaria a nenhuma comunhão ou sociedade com seus adversários perversos em sua maldade. Em segundo lugar, para que ele possa ser preservado de um gosto ou um anseio por aquelas coisas que são as iscas e seduções pelas quais os homens podem ser atraídos para sociedades e conspirações com os trabalhadores da iniquidade: "E não coma eu das suas iguarias." Veja Provérbios 1: 10-14. Pois ele descreve a condição de homens que prosperam por uma temporada em um curso de iniquidade; - em primeiro lugar, dão a si próprios à prática da iniquidade, e então juntam-se com as satisfações de suas concupiscências, que seu poder e seu interesse no mundo lhes fornecem. Estas são as "delícias" das quais um anseio impotente e desejo traem as mentes de pessoas instáveis para um cumprimento de maneiras de pecado e loucura; pois eu vejo essas "iguarias" como se referindo ao    que "a luxúria dos olhos, a luxúria da carne ou o orgulho da vida" podem pagar. De todos estes Davi pede para ser libertado de qualquer inclinação, especialmente quando são feitas as seduções de um curso de pecado. No gozo dessas iguarias, é prática comum dos homens ímpios aprovar e se encorajar mutuamente no caminho em que estão envolvidos. E isso completa essa felicidade que neste mundo tantos aspiram, e de que só eles são capazes. A totalidade disso é apenas uma sociedade em perecer por prazeres sensuais, sem controle e com aplausos mútuos um do outro. A isto, o salmista teve uma consideração especial; que, lançando seus olhos em direção a outra comunhão e sociedade, pela qual ele ansiava, versículo 5, que, em primeiro lugar, se apresenta a ele, o que é o mais oposto aos aplausos mútuos e alegrias de um a outro que são o sal e o cimento de todas as sociedades doentias, ou seja, repreensões e reprovações para os menores desvios espontâneos que devem ser observados. Agora, enquanto que as iguarias, que alguns desfrutam em um curso de maldade próspera, são únicas, o que parece ter qualquer coisa nelas que para eles seja desejável; e, do outro lado, repreensões e reprovações são aqueles que parecem ter qualquer nitidez, ou matéria de desconforto e desagrado, na sociedade dos piedosos; Davi equilibra o que parece ser mais afiado na única sociedade contra o que parece ser mais doce na outra, e, sem respeito a outras vantagens, prefere o que está acima da outra. Daí alguns leem o começo das palavras: "Que os justos me melhorem ao me ferir", com respeito a essa comparação e equilíbrio. "Fira-me o justo, será isso uma benignidade; e repreenda-me, isso será como óleo sobre a minha cabeça; não o recuse a minha cabeça; mas continuarei a orar contra os feitos dos ímpios." A visão de nossa tradução evidenciará as palavras para serem elípticas no original, vários suplementos que fazemos para preencher o sentido delas e torná-las coerentes; e isso colocou alguma dificuldade na interpretação do texto e causou uma variedade de apreensões em expositores sóbrios e sábios. Não é para o meu presente propósito se envolver em uma discussão de todas as dificuldades do texto, vendo que eu não queria encontrar outra doutrina sobre isso, do que tudo reconhecerá estar contido nas palavras e sua coerência. Só devo, portanto, abrandá-las brevemente com respeito ao nosso propósito atual, e seu interesse nelas. - "O justo", é qualquer um que se opõe aos trabalhadores da iniquidade, versículo 4, - qualquer pessoa justa, qualquer que seja da sociedade e da comunhão dos justos: para todos os que se enquadram nesta condição, como aparecerá um dia. "Deixe-o me ferir:" a palavra μlæh; raramente é usado na Escritura, senão para significar "um derrame cerebral severo", que sacode o doente e o faz tremer. Veja os Provérbios 23:35; 1 Samuel 14:16; salmo 74: 6. E é usado para "o golpe do martelo na bigorna", na forja do ferro, Isaías 41: 7. Portanto, a palavra justo, pode ser tomada adverbialmente, como um lenitivo dessa severidade que esta palavra importa: "Deixe-me me ferir", mas, "gentilmente, amigavelmente e misericordiosamente". E assim, algumas traduções leem as palavras: "Deixe os justos me ferirem amigavelmente, ou gentilmente”. Mas não há necessidade de arrumar a palavra para um sentido tão incomum; pois o salmista pretende mostrar, para que ele seja libertado da sociedade dos homens ímpios e desfrute da comunhão dos justos, ele não depreciaria as maiores severidades que, de acordo com o governo, poderiam ser exercidas ao repreendê-lo ou reprová-lo. E nisso ele tem uma satisfação tão plena, com uma avaliação tão alta da vantagem que ele deveria ter, - que ele não diz, que ele iria suportar pacientemente e silenciosamente, mas; será para mim "uma benignidade, uma misericórdia, uma bondade", como a palavra importa. E, como parece que algumas repreensões, pelo menos, - algumas relações regulares de pessoas justas conosco - podem vir como um golpe que nos faz temer e tremer; por isso é um bom avanço na sabedoria espiritual,    descobrir bondade e misericórdia naqueles que são tão dolorosos para nossos espíritos naturais, - para carne e sangue. "E deixe ele me repreender." Isto manifesta o que ele pretende usando as palavras precedentes. É uma reação que ele pretende; e a estas, ele chama de ferrão, em oposição à complicação lisonjeira dos homens ímpios, um com o outro no gozo de suas guloseimas. Mas esta palavra, expressando diretamente esse assunto do qual eu pretendo tratar, deve ser novamente falada. Essas palavras têm uma dupla interpretação; pois elas podem ser depreciadoras de um mal implícito, ou declarativas do sentido do salmista quanto ao bem que ele desejava. Joseph dividiu as palavras do texto, e começou aqui um novo sentido, em que o salmista volta ao fim do quarto verso: "Deixe-me não comer de suas guloseimas" e não "Deixe o seu óleo precioso" - isto é, suas lisonjas e suores no pecado "quebrar minha cabeça", mas que as repreensões dos justos me preservem. E este sentido é seguido pelo latim vulgar, "Oleum autem peccatorum non impingat caput meum", mas a outra construção e sentido das palavras é mais natural. O "óleo da cabeça", "um óleo excelente", e um semblante pode ser dado a essa interpretação de Êxodo 30:23, onde é bem definida, por "especiarias principais". Mas eu penso que o "óleo derramado na cabeça" - que era a maneira de todas as unções solenes - é aqui referido. Este sendo um grande privilégio e o símbolo da comunicação de grande misericórdia, o salmista o compara às repreensões dos justos; e, portanto, ele acrescenta: "Não deve quebrar a minha cabeça". Considerando repreensões em sua própria natureza, ele as chama de "golpes"; alguns deles são muito afiados, pois é necessário que eles estivessem onde nós somos obrigados a repreender, "de maneira penetrante e cortante", 2 Coríntios 13:10; Tito 1:13. Mas com respeito ao seu uso, benefício e vantagem, eles são semelhantes a esse óleo de unção que, sendo derramado na cabeça, era gentil e agradável, e uma promessa da comunicação de privilégios espirituais, de onde não ocorrerão inconvenientes. A última frase das palavras que não pertencem ao nosso desígnio atual, não devo insistir na sua explicação. Algumas coisas devem estar mais dependentes da nossa principal intenção quanto à natureza dessas repreensões, que são propostas como uma questão de tal vantagem no texto. E, - 1. A palavra ferir; aqui usada, significa "argumentar, disputar, argumentar em julgamento", bem como "repreender ou reprovar". Sua primeira significação é "argumentar" ou "invocar uma causa com argumentos". "Por isso, é usada como um termo comum entre Deus e o homem, denotando os motivos, reais ou aparentes, de um lado e outro. Então, Deus fala com seu povo, em Isaías 1:18: " Vinde, pois, e arrazoemos " ratifiquemos ou discutamos "juntos", e Jó o chama de seus argumentos em oração a Deus, capítulo 23: 4, "eu preencheria minha boca com argumentos". Portanto, só tem a verdadeira natureza de uma repreensão, aquilo que é acompanhado de razões e argumentos para demonstrar o que isso tende a. As censuras, as injustiças, as cenas e as censuras precipitadas, são perversas em si mesmas e, no presente caso, sem consideração. Nem, de fato, alguém deve se engajar na gestão de repreensões, que não sejam fornecidas com regras e argumentos para evidenciar sua necessidade e torná-las efetivas. Às vezes, as coisas podem ser tão condicionadas, que uma repreensão deve carregar sua própria razão e convicção eficaz junto com ela, que não haverá necessidade de argumentar para torná-la útil. Assim, a aparência de nosso bendito Salvador sobre Pedro, nas circunstâncias do caso, era uma reprovação suficiente, embora ele não falasse uma única palavra em sua confirmação. Mas normalmente, razões convincentes são os melhores meios de repreensão para as mentes dos homens, sejam eles de que tipo forem. 2. As exigências sempre se referem a uma falha, um mal, um desvio ou um pecado, naqueles que são reprovados. Pode haver mútuas comunicações e exortações entre os cristãos, com respeito a diversas coisas no curso de sua fé e obediência, sem consideração a qualquer mal ou desvio. A natureza geral de uma repreensão é uma admoestação ou exortação; mas tem sua natureza especial em relação a uma falha em curso, ou fato particular. E, portanto, a palavra significa também "castigar", em que é uma correção, e os meios de uma recuperação de um desvio espontâneo, 2 Samuel 7:14: "Eu vou repreendê-lo com a vara dos homens", isto é, castigá-lo. Isto, portanto, é essa repreensão que pretendemos, - um aviso, admoestação ou exortação, dado a qualquer um, pelo qual eles são repreendidos por algum mal moral ou pecado em seu curso, caminho, prática ou qualquer desvio particular, como pode torná-los desagradáveis para Deus, ou dignos do seu castigo; pois é essencial para uma repreensão regular, que, naquele que a concede, deva ser acompanhada, ou que proceda, de uma apreensão de que a pessoa reprovada é, por questão de reprovação, desagradável a Deus . 3. Pode também ser considerado que a reprovação não é deixada arbitrariamente para as vontades dos homens. Tudo o que parece ser assim, perde a sua natureza, se não for um dever naquele que repreende, e ficará sem sua eficácia. Não é sábio que o homem repreenda, senão quando é seu dever fazer assim. O comando é geral, com respeito a irmão e próximo, Levítico 19:17: "Não odiarás a teu irmão no teu coração; não deixarás de repreender o teu próximo, e não levarás sobre ti pecado por causa dele." Mas quanto ao particular destaque deste trabalho como dever, deve haver um ofício especial ou uma relação especial, ou uma concordância de circunstâncias por sua garantia. Deus, em sua sabedoria e cuidado, deu regras e limites para nosso compromisso com os deveres; sem um regulamento por meio do qual nós vagaremos neles com intermináveis insatisfações para nós mesmos e provocações desnecessárias para os outros. Mas o dever de reprovar, com o amor, a sabedoria, a ternura e a compaixão exigidos na sua execução, os seus motivos, fins e circunstâncias, suas regras e limitações adequadas, não estão sob a presente consideração; mas essas coisas em geral eram necessárias para se basear no que faz. O que o texto nos instrui pode ser compreendido nesta observação geral: - Observação 1. As reprovações, embora acompanhadas com alguma rigidez, se bem recebidas e devidamente melhoradas (nota do tradutor: o autor, daqui em diante, usará várias vezes esta expressão “melhorar as repreensões” com o sentido de que devem ser bem recebidas por nós, com vistas a permitirmos que produzam em nós o efeito desejado por Deus, relativo ao nosso aperfeiçoamento), são uma misericórdia e vantagem incomparavelmente acima de todas as satisfações que um consentimento conjunto com outros em pecado e prazeres podem pagar. A última parte da proposição que mencionei apenas para expressar o equilíbrio proposto pelo salmista entre as vantagens melhores e mais desejáveis da sociedade perversa, por um lado, e as severidades mais agudas ou desagradáveis que acompanham a comunhão dos justos ou piedosos. Mas não devo lidar com    a comparação, como apenas designando algumas direções sobre como os homens devem se comportar sob repreensões, para que sejam uma bondade e um excelente óleo para eles; ou como eles podem obter benefícios espirituais para suas próprias almas por meio delas. E isso, no entanto, no momento, o assunto pode ser gerenciado, é, por si só, de grande importância. Pois, no estado de fraqueza e imperfeição, de erros e desvios, em que estamos, não há nenhuma ajuda externa ou ajuda de mais uso e vantagem para nós do que reprovações na ocasião apropriada; assim, no correto recebimento e ministração delas, como uma alta prova dos espíritos dos homens, quanto ao seu interesse em sabedoria e tolice, que consista em qualquer coisa que lhes aconteça, ou com a qual eles possam ser provados. Por que, como zombadores de repreensões, aqueles que as ouvem de forma involuntária, que as suportam com altivez e impaciência, com sentimentos de vingança ou desdém, têm o caráter de orgulho e loucura indelevelmente marcados pelo Espírito Santo; assim, a sua devida admissão e ministração está na mesma verdade infalível representada como uma garantia evidente de sabedoria e um meio efetivo de seu aumento. Isso é muito e tão frequentemente insistido nesse grande tesouro de toda a sabedoria, espiritual, natural e política, ou seja, o Livro dos Provérbios, que é completamente desnecessário chamar qualquer testemunho particular para esse propósito. Três coisas que nós devemos investigar, em conformidade com a nossa descrição atual: - I. Como as reprovações podem ser devidamente recebidas. II. As razões pelas quais eles deveriam ser. III. Como elas podem ser devidamente melhoradas.
I. Para que possamos receber repreensões de maneira devida, três coisas devem ser consideradas: 1. A qualificação geral do reprovador; 2. A natureza da repreensão; e, 3. O assunto disso. 1. O salmista aqui deseja que o seu reprovador seja um homem justo: "Que os justos me firam" - "Que ele me reprove." Dar e fazer repreensões, é um ditado da lei da natureza, pelo qual cada homem é obrigado a buscar o bem dos outros e promovê-lo de acordo com sua capacidade e oportunidade. O primeiro é dirigido por esse amor que é devido aos outros; o último, o que é devido a nós mesmos: quais são as grandes regras e dar medida aos deveres de todas as sociedades, sejam civis ou espirituais. Portanto, não elimina uma repreensão, nem libera aquele que é reprovado do dever de atendê-lo, porque para que seja gerido, por aquele que não seja justo, sim, é abominável; pois o dever em si de ser um efeito da lei da natureza, é o mesmo, para a substância, por quem é executado. Sim, muitas vezes tais qualificações morais, ou mesmo imorais, tornam não só a reprovação menos considerável, mas também a própria repreensão, até serem cuidadosamente pesadas e examinadas, desagradáveis às concepções prejudiciais, ocasionam um maior e mais significativo exercício da graça e da sabedoria naquele que foi reprovado do que teria sido provocado se todas as coisas concordassem com a exata regularidade da repreensão. No entanto, é desejável, em muitos relatos, que aquele que nos repreende seja ele mesmo uma pessoa justa, e seja de nós estimado assim. Pois, como tal, alguém só pode ter uma sensação devida do mal reprovado, com um princípio correto e executado no cumprimento de seu próprio dever; de modo que as mentes dos que são reprovados são, por seu senso de integridade, excluídas das insinuações de evasões, que os preconceitos e sugestões de justa causa de reflexão sobre o reprovador lhes oferecerão. Especialmente, sem o exercício de singular sabedoria e humildade, todas as vantagens de uma justa reprovação serão perdidas, onde a prática permitida de maiores pecados e males do que o reprovado é diariamente imputável ao reprovador. Daí a razão dessa reflexão do nosso Salvador sobre a diligência inútil e hipócrita dos homens ao tirar o argueiro dos olhos de seus irmãos enquanto eles têm traves em seus próprios olhos, Mateus 7: 3-5. A regra neste caso é: - Se o reprovador for um justo, considere primeiro o reprovador e depois a repreensão; se ele for de outra forma, considere a repreensão, e não o reprovador. 2. A natureza de uma repreensão também deve ser considerada. E isso é triplo: porque cada repreensão é também, (1.) Autoritária; ou (2.) Fraternal; ou (3.) Simplesmente amigável e ocasional. (1.) Repreensões autoritárias são, [1.] Ministerial; ou [2.] Parental; ou [3.] Despótica. [1.] Existe uma autoridade especial que acompanha as repreensões ministeriais, que devemos especialmente considerar e melhorar. Agora, não entendo essas repreensões doutrinárias quando, na dispensação daquela palavra de graça e verdade que é "útil para correção e repreensão", Timóteo 3:16, eles falam e exortam e "repreendem" os pecados dos homens "Com toda autoridade", Tito 2:15; senão como a aplicação ocasional da palavra às pessoas individuais, sobre a sua irreversibilidade em qualquer coisa até a verdade em que foram instruídos. Pois cada repreensão certa é senão a aplicação ordenada de uma regra de verdade a qualquer pessoa sob seu desvio, para sua cura e recuperação. Onde, portanto, um ministro do evangelho, na pregação da Palavra, declara e ensina o domínio da santa obediência com a autoridade ministerial, se qualquer um dos rebanhos cometidos à sua acusação aparecerá em qualquer coisa para andar em contrário, ou para transgredi-lo em qualquer instância ofensiva, como é seu dever, cuja descarga será exigida no grande dia, em particular para lhe aplicar a verdade no caminho da repreensão privada e pessoal; então ele ainda está acompanhado de sua autoridade ministerial: o que faz com que sua repreensão seja de natureza peculiar e, como tal, seja comprovada. Pois, como ele é assim ordenado, como ministro, para "exortar, repreender, admoestar" e "reprovar" a cada um debaixo da sua autoridade, conforme a ocasião exigir; então, ao fazê-lo, ele descarrega e exerce seu ofício ministerial e poder. E aquele que é sábio não renunciará a considerações que possam dar eficácia a uma justa e devida reprovação; especialmente, não quando alguém, como se fosse negligenciado, não só será um agravamento do mal pelo qual ele é reprovado, mas também acumulará sua culpa com desprezo da autoridade de Jesus Cristo. Portanto, a regra aqui é: quanto mais clara e evidente é a representação da autoridade de Cristo na repreensão, mais diligentes devemos ser e cumpri-la. Ele é o grande reprovador de sua igreja, Apocalipse 3:19. Todo o uso, poder, autoridade e eficácia das repreensões eclesiásticas fluem originalmente e derivam dele. Em repreensões ministeriais, há a aplicação mais expressa e imediata de sua autoridade feita às mentes dos homens; que, se for descuidadamente ou orgulhosamente desprezado, ou rejeitado por arrogantes perversos, como é a maneira de alguns em tais casos, é uma evidência aberta de um coração que nunca mais sinceramente tomou sobre si esta lei e jugo. Essas coisas são ditas sobre as repreensões pessoais que são dadas pelos ministros, principalmente para os seus respectivos rebanhos, como a ocasião exige; em que devo orar para que nosso Senhor Jesus Cristo, o grande Pastor das ovelhas, ainda nos fará mais fiéis e diligentes, pois a época em que vivemos o exige abundantemente. Mas, além disso, as censuras da igreja, em admoestação e excomunhão, têm a natureza e os fins de repreensões ministeriais. Mas o tratamento de sua natureza e uso, com os deveres das pessoas que justamente caem sobre eles, e o benefício que eles podem colher, é um assunto muito longo e grande para ser tratado aqui. [2.] A reprovação autoritária é parental. Repreender é, de fato, um dos maiores e mais importantes deveres dos pais em relação às crianças, e sem o qual todos os outros, em sua maior parte, não os amam para matar e destruir. A negligência é aquilo que nos encheu de tantos Ofnis, Fineias e Absalões, - cujas iniquidades ultrajantes são diretamente carregadas sobre a indignação e negligência pecaminosa, neste assunto, mesmo de pais piedosos. E, na verdade, enquanto alguns pais são abertamente viciosos e desalentados, mesmo aos olhos de seus filhos, em uma negligência sensual e desprezo da luz da natureza, pelo que perdem toda a sua autoridade na reprovação, assim como todos se preocupam com isso; - e considerando que o mais tem tão pouca consideração com o pecado como pecado, enquanto as coisas são bem toleradas em questões externas, que negligenciam a repreensão como tal; e muitos, através de uma prevalência tola e desprezível de carinho afiado, não notarão as loucuras, extravagâncias e desvios espontâneos de seus filhos, até que todas as coisas se desesperem com eles; mas elogiam-nos com tantos efeitos de orgulho, vaidade e simpatia, como deveriam ser severamente reprovados por eles; - A degeneração alegre e terrível da era em que vivemos deve-se muito à horrível negligência dos pais neste dever. Essa repreensão dos pais é um dever ensinado pela lei da natureza, confirmada nas Escrituras, ordenada por severas ameaças e penalidades, exemplificado em casos de bênçãos e vingança em seu desempenho ou negligência, tornado indispensável e necessário por essa depravação de nossa natureza que funciona em crianças desde o útero e cresce em força e eficácia junto com elas, - eu não deveria precisar provar, se estava diretamente diante de mim, sendo uma questão de reconhecimento universal. Só devo dizer que, enquanto há, em muitas contas, uma impressão imediata da autoridade divina sobre as reprovações parentais, o que as crianças devem considerar e conhecer por si só é que uma continuação na negligência ou no desprezo delas é um sinal que raramente falha em se aproximar da destruição temporal e eterna, Provérbios 30:17. [3.] A reprovação autoritária é despótica; ou seja, a dos governadores, magistrados e mestres das famílias. Isso também participa da natureza daquilo que precede, e é um dever fundado na lei da natureza, bem como é aplicado por um mandamento divino positivo, lança uma obrigação peculiar de obediência sobre aqueles que são reprovados. E onde os servos não consideram repreensões sóbrias e cristãs, como a ordenança de Deus para o seu bem, perdem as vantagens de sua condição e podem ser encarados como vítimas não santificadas em estado de escravidão; que tem um caráter especial da primeira maldição sobre ela. (2.) A repreensão é fraterna, ou é mútua entre os membros da mesma igreja, em virtude daquela relação especial em que se encontram, e a obrigação decorrente da observação mútua uns sobre os outros, com admoestações, exortações e repreensões. Como isto é peculiarmente designado por nosso Salvador, Mateus 18:15, em confirmação da ordenança na igreja dos judeus para esse propósito, Levítico 19:17, e confirmado por muitos preceitos e direções no Novo Testamento, Romanos 15:14 ; 1 Tessalonicenses 5:14; Hebreus 3: 12,13, 12: 15,16; de modo que a negligência é aquilo que nos levou a perder não apenas o benefício, mas também a própria natureza das sociedades da igreja. Portanto, nossa melhoria de rejeições nesse tipo depende muito da devida consideração desse dever e amor de onde procedem: para isso, somos, pela lei real do amor, obrigados a crer que onde o amor não está aberto, há uma evidência do contrário. E, como pode ser, as coisas para as quais podemos ser reprovados não são da maior importância em si mesmas, e que por negligência da própria repreensão, contraímos a culpa aberta de desprezar a sabedoria, o amor, e o cuidado de Cristo na instituição desta ordenança. (3). Por fim, as reprovações são amigáveis ou ocasionais, como podem ser administradas por qualquer pessoa, conforme as razões e as oportunidades exigem, do princípio comum do amor universal à humanidade, especialmente para com os que são da família da fé. Estes também, tendo neles toda a natureza das repreensões, cairão sob todas as instruções que se seguem, que têm um respeito geral a isso. Se, então, usarmos devidamente e melhorarmos a nossa vantagem nas reprovações que podem ser dadas. nós, seriamente, consideramos a natureza delas, com respeito àqueles por quem são geridas; pois todas as coisas que mencionamos são adequadas para influenciar nossas mentes para o respeito delas e o cumprimento delas. 3. A questão de uma repreensão é devidamente pesada por quem projeta qualquer benefício. E a primeira consideração disso é, se é verdadeira ou falsa. Não os levarei a uma distribuição mais minuciosa da substância e das circunstâncias da matéria pretendida, da totalidade ou de parte dela; mas suponha que, de uma consideração principal disso, toda repreensão, quanto à sua matéria, pode ser denominada e estimada verdadeira ou falsa. E aqui nossas próprias consciências, com a devida aplicação à regra, são o próprio juiz e árbitro. A consciência, se tiver alguma maneira esclarecida da Palavra, dará uma sentença imparcial sobre a culpa ou a inocência da pessoa, com respeito à questão de uma repreensão. E não pode haver mais evidências infalíveis de um desvio em tal condição, do que quando o orgulho, a paixão ou o preconceito, ou qualquer afeto corrupto, pode sufocar esse cumprimento de uma justa reprovação, para a qual a consciência certamente será sensível, Romanos 2 : 14,15. (1) Se uma repreensão, quanto à matéria, for falsa ou injusta, e assim julgada em uma consciência sem erros, pode ser considerada em termos de direito e de fato. No primeiro caso, o assunto pode ser verdade, e ainda assim a reprovação formalmente falsa e má; no último, o assunto pode ser falso, e ainda assim a reprovação, um dever aceitável. [1.] A repreensão é falsa em matéria de direito, ou formalmente, quando somos reprovados por isso como um mal que é realmente nosso dever evitar. Então, Davi foi reprovado ferozmente por seu irmão Eliabe por ter vindo à batalha contra os filisteus, atribuindo-o ao seu orgulho e à falta de coração. No que ele apenas respondeu: "Que fiz eu agora? porventura não há razão para isso?" 1 Samuel 17: 28,29. E Pedro repreendeu o próprio Senhor Jesus Cristo por declarar a doutrina da cruz, Marcos 8:32. E para que possamos ser reprovados pelos principais deveres que Deus exige de nós. E se os homens fossem tão livres de reprovação, não devemos escapar das repreensões diárias por tudo o que fazemos na adoração de Deus. Agora, embora tais repreensões geralmente possam ser consideradas como tentações, e assim ser imediatamente rejeitadas, como eram nos casos citados; no entanto, podem às vezes, onde procedem do amor, e são gerenciadas com moderação, serem consideradas como precauções necessárias para observar atentamente os motivos e as razões pelas quais prosseguimos nos deveres opostos, nos quais os outros se ofendem. [2.] Se a repreensão é falsa em questão de fato, em que isso é carregado sobre nós, e repreendido em nós, dos quais não somos culpados, três coisas devem ser consideradas, para que não seja inútil para nós: 1. As circunstâncias do reprovado; como, primeiro, se ele prossegue em alguns prováveis erros; ou, em segundo lugar, credulidade e facilidade em apresentar relatórios; ou, em terceiro lugar, sobre o mal, surpresas infundadas próprias; ou, em quarto lugar, de um verdadeiro zelo piedoso, que foi imposto, tão facilmente será, por algumas aparências da verdade. Sem uma devida consideração dessas coisas, nunca saberemos como agir corretamente, em relação a elas, por quem somos repreendidos por isso, e não somos culpados. 2. Considere a diferença entre uma repreensão e uma censura; pois eles podem ser ambos falsos, e aquilo de que somos reprovados não tem mais verdade nele do que o que nos é censurado. Sim, podemos ser sinceramente reprovados pelo que é falso, e reprovados com perversidade com o que é verdadeiro. Então, Agostinho chama o idioma da empregada para a mãe sobre beber vinho, "Durum convicium", embora a questão fosse verdade. Mas um opróbrio é a atuação de uma concepção mental, e de alegria no mal. Para uma repreensão, é essencial que ele nasça do amor. "Quem eu amo, eu repreendo", é a regra absoluta dessas coisas. Deixe um homem repreender outro, embora para o que é falso, se ele o ama, é uma repreensão; mas deixe ele repreender outro, no entanto, para o que é verdadeiro, se for de uma mente que se deleita no mal, é um opróbrio; e se for falso, é, além disso, uma calúnia. 3. Onde um homem, em tais casos, é plenamente justificado pelo testemunho de sua própria consciência, testemunhando a sua integridade e inocência; ainda que ele se abata demais na ocasião, se ele não vigiar diligentemente seu próprio espírito; que a maioria dos homens julga serem colocados na máxima liberdade sob tais provocações prejudiciais, como eles as estimam. Por isso, mantenhamos nossas mentes em condições de paz, em qualquer caso, e para que não possamos perder a vantagem do que nos aconteceu, devemos imediatamente aplicá-las a outros deveres que a ocasião presente exija; como: primeiro. Para sondar nossos próprios corações e caminhos, se não temos certamente sobre nós a culpa de alguns males maiores do que o que é falsamente carregado sobre nós, ou para o qual somos reprovados por erro. E, se assim for, após o exame, veremos rapidamente o pouco motivo para tumultuar, e nos levantarmos com indignação contra a carga que sofremos. E não possamos ver muito da sabedoria e bondade de Deus, que nos faz exercitar com o que podemos suportar com o escudo impenetrável de uma boa consciência, enquanto ele gentilmente esconde e cobre os maiores males de nossos corações, com respeito ao que não podemos deixar de nos condenar? Em segundo lugar. Para considerar que não é de nós mesmos que não somos culpados do mal suspeitado e acusado. Nenhum homem de sobriedade pode, por qualquer erro, nos repreender por qualquer coisa, que seja nunca tão falsa, mas que é meramente de graça soberana que nós realmente não contraímos a culpa dela; e humilde agradecimento a Deus nesta ocasião, por sua verdadeira graça preservadora, diminuirá a vantagem e tirará o fervor da nossa indignação contra os homens por suas supostas relações prejudiciais conosco. Terceiro. Tais repreensões, se não há uma maldade aberta e uma iniquidade contínua manifestada nelas, devem ser consideradas como graciosas advertências providenciais, para tomarmos cuidado, em qualquer momento, para que não sejamos verdadeiramente ultrapassados com o que no presente estamos falsamente encarregados. Pouco conhecemos os perigos que nos acompanham continuamente, as tentações com as quais podemos nos surpreender de forma inesperada, nem quão perto de sua conta podemos estar para qualquer pecado ou mal que nos julguemos mais distantes e menos desagradáveis. Nem, por outro lado, podemos entender facilmente os meios pelos quais o Deus santo e sábio emite as providências escondidas de impedir a graça que são continuamente administradas para nossa preservação; e nenhum homem sábio, que entende qualquer coisa do engano de seu próprio coração, com o número incontável de ocasiões invisíveis de pecado com que ele é abrangido continuamente, mas prontamente aceita tais repreensões, como advertências providenciais para a vigilância nas coisas de que antes ele não estava ciente. Quinto. Quando a mente, por essas considerações, é tranquila e pesada para a modernização cristã, então um homem, em tais casos, paciente e pacificamente, deve defender a inocência e sua própria reivindicação. E aqui, também, há necessidade de muita sabedoria e circunspecção; não é uma pequena dificuldade para um homem administrar devidamente o ego e a inocência, ambos que são capazes de nos influenciar até mais do que a veemência do espírito comum. Mas as direções que poderiam, e de fato deveriam ser dadas sob todas essas cabeças particulares, não poderiam, de modo algum, ser confinadas aos limites fixados neste discurso. (2.) Se a questão da repreensão é verdadeira, de fato, deve ser devidamente considerada, se a ofensa pela qual qualquer pessoa é reprovada seja privada ou pública, é acompanhada de escândalo.
[1.] Se for privado, então isto deve ser pesado, a saber, se isto era conhecido e observado pela própria pessoa reprovada ou não, antes de ser reprovada. Se não fosse tão conhecido (como podemos ser justamente reprovados por muitas coisas que, por ignorância ou inadvertência, ou conformidade com os costumes do mundo, não poderíamos ter notado) e se a repreensão traz luz e convicção com ela, a primeira melhoria especial de uma repreensão tão peculiar é a gratidão a Deus pela mesma, como meio de libertação de qualquer comportamento, ou trabalho, ou caminho, que era inaceitável à sua vista. E, portanto, um grande prospecto pode ser tomado da seguinte conduta da mente sob outras repreensões.    Pois, a prontidão para receber a luz e a convicção, com respeito a qualquer mal que ignoramos, é uma evidência de prontidão para se submeter à autoridade de Deus em quaisquer outras repreensões que tenham suas convicções perante eles: então o coração que é propenso a se fortificar, por quaisquer argumentos contra as condenações do pecado, será tão propenso à obstinação sob repreensões nas quais não pode reconhece-las como más. Se isto fosse conhecido antes de a pessoa ter sido reprovada, mas não suposto por ela que tinha sido observado por outros, - sob a cobertura daquela imaginação, em que o pecado frequentemente contesta a si mesmo, - essa alma nunca fará uma devida melhora de uma repreensão, porque não é sensível prontamente ao cuidado e à bondade de Deus para retirá-lo daquele retiro e forte em que o interesse do pecado tem feito a sua principal reserva.    [2.] Os pecados até agora públicos quanto à questão da ofensa ou do escândalo, são o sujeito ordinário de todas as reprovações ordenadas; e, portanto, não precisa em particular ser falado. Tendo mostrado a natureza das repreensões em geral, com tais considerações sobre a questão delas, que proporcionaram ocasião a várias direções particulares relativas ao dever em discussão, permanece que explicamos e confirmamos os outros dois títulos gerais compreendidos na observação deduzida do texto;      
II. Por que devemos receber repreensões, ordenada ou regularmente dadas a nós, estimando-as como um privilégio singular; e,
III. Como podemos melhorá-las adequadamente até o fim delas, a saber, para a glória de Deus e para a vantagem espiritual de nossas próprias almas.
Quanto ao primeiro destes, podemos observar: 1. Que as repreensões mútuas, para a cura do mal e a prevenção do perigo, são os principais ditames da lei da natureza e da obrigação de buscar o bem um do outro que a nossa participação no mesmo ser, descendência, original e final, é um pano deitado sobre nós. Isto Deus designou em nossa criação, e a isso a constituição racional de nossa natureza nos dirige. Buscar e esforçar-se para o outro, em todo o bem de que somos capazes no tempo, ou até a eternidade, foi indelevelmente implantado em nossa natureza e é indispensavelmente necessário para essa sociedade entre nós, com o grande fim de nossa vida conjunta para Deus, pelo qual fomos feitos. Todos os males mútuos da humanidade, seja de pessoas ou de nações, concebidos ou perpetrados um contra o outro, são efeitos de nossa fatalidade preventiva da lei de nossa criação. Daí Caim, o primeiro transgressor violento aberto das regras e limites da sociedade humana, pensou justificar ou desculpar-se por uma renúncia a esse princípio, que Deus na natureza tinha feito o fundamento de uma vida política ou sociável, com respeito ao temporal e ao fim eterno. "Eu sou", diz ele, "o guardião do meu irmão?" Gênesis 4: 9. Sim, Deus fez cada um o guardião de seu irmão tão longe quanto isso em todas as coisas, nas suas oportunidades e no seu poder, procure o bem e a libertação do mal. Naquilo que é bom para nós, aqueles que são espirituais e eternos têm a preeminência. Nada pode prejudicar senão o pecado e os males morais; cuja prevenção, portanto, um no outro, na medida em que somos capazes, é um dever da lei da natureza e o efeito principal desse amor que devemos a toda a descendência desse "único sangue" do qual Deus fez todas as nações. E um dos meios mais efetivos para esse fim são as reprovações das quais tratamos; e a obrigação é a mesma naqueles que as dão e naqueles a quem são dadas, com respeito aos seus diversos interesses neste dever. Portanto, negligenciar, desprezar, não agradecer graciosamente, repreensões tão justas e regulares que nos são concedidas a qualquer momento, é desprezar a lei da nossa criação e pisar o efeito primordial do amor fraterno. Sim, porque desprezar as repreensões e descartar o cumprimento desse dever, é abrir uma porta para aquele ódio e antipatia que, à vista de Deus, é assassinato. Veja Levítico 19:17, e 1 João 3:15. Deixe-nos, portanto, olhar para nós mesmos; pois não há sinal maior de uma degeneração da lei e de todos os fins de nossa criação, do que a falta de vontade de receber repreensões, justamente merecidas e administradas regularmente, ou não estimá-las como um efeito abençoado da sabedoria e da bondade de Deus para conosco. 2. Considerando que a luz de natureza está diversamente obscurecida, e seu poder diretivo devastado em nós, Deus renovou sobre nós uma obrigação para este dever por instituições particulares, tanto no Antigo Testamento como no Novo. A verdade é, a eficácia da lei da criação, como a deveres morais, sendo extremamente prejudicada pela entrada do pecado; e o exercício do amor nativo original para a humanidade sendo impedido e obstruído por essa confusão e desordem em que todo o estado da humanidade foi lançado pelo pecado, - cada um sendo assim o inimigo de outro, como o apóstolo declara, Tito 3: 3, e essa desordem não sendo curada por aquela intervenção nas sociedades civis, que diz respeito apenas a fins políticos e temporais; o cumprimento deste dever estaria completamente perdido, pelo menos além do que era meramente parental. Por isso, Deus, na instituição de sua igreja, tanto no Antigo Testamento quanto no Novo, moldou os homens em sociedades e relações tão peculiares, como em que poderiam ser reunidos novamente para o seu exercício. Ele está tão disposto por nós, para que cada um conheça a todos quem é obrigado a repreender, e cada um conheça a todos quem é obrigado a ouvir. E, como ele curou essa confusão, em que fomos lançados, o que obstruía o exercício deste dever; assim, pela renovação de comandos positivos, atendidos com instruções, direções, promessas e ameaças, reforçando a entrega e recebimento de repreensões com respeito aos fins morais e espirituais, ele nos aliviou contra essa obscuridade da luz natural em que antes trabalhamos. Se eu fosse expressar os comandos, direções, exortações, promessas e ameaças, que são dadas na Escritura para este propósito, seria um trabalho tão infinito como eu suponho que não é necessário, para todos os que estão familiarizados com os escritos sagrados. Pode ser suficiente para o presente propósito que, - existe uma instituição expressa de Deus para dar e receber repreensões, e que seja um efeito de bondade infinita, benignidade e amor para conosco, - não por sorte, para receber repreensões, quando é nossa porção merecê-las e tê-las, é desprezar a autoridade de Deus em excesso, e seu cuidado gracioso para conosco. Quando, portanto, é necessário que qualquer um seja repreendido justa e ordenadamente, que ele recorde a autoridade e o amor de Deus nisto; que rapidamente lhe dará esse senso de seu valor e excelência, o que o tornará agradecido por elas: que é o primeiro passo para a sua devida melhora. 3. Uma consideração devida do uso, benefício e vantagem delas, lhes dará uma admissão pronta em nossas mentes e afeições. Quem sabe quantas almas, que agora estão em repouso com Deus, foram prevenidas por repreensões, como os meios externos, de descer no poço! A quantos foram uma ocasião de conversão, e sinceros retornos para Deus! Quantos foram recuperados por elas de um estado de retrocesso, e despertados de um sono no pecado! Quantos pecados grandes e sangrentos, em que a perpetração deles foi evitada? Quantas armadilhas de tentações têm sido o meio para serem quebradas e canceladas! Que vivificações foram para a graça, e que decepções para as armadilhas de Satanás, quem pode declarar! A vantagem que as almas dos homens fazem ou podem receber todos os dias por elas, é para ser mais valorizada do que todos os tesouros terrestres; e qualquer um de nós, quando se trata de nossa preocupação, através de uma preponderância de orgulho, paixão e preconceito, ou através de preguiça e segurança malditos, - o meio usual para a derrota dessas vantagens - manifestar-se para não ter interesse em, ou valorização, dessas coisas, por uma falta de disposição ou falta de vontade para receber repreensões, quando nos foram dadas no caminho e de acordo com a mente de Deus?
III. Mas agora, suponha que estivéssemos dispostos a recebê-las, será perguntado, em último lugar, quais as considerações que podem nos ajudar na sua devida melhora, e que orientações podem ser dadas a esse respeito? Uma resposta a esta pergunta deve encerrar esse discurso: e digo aqui: 1. Se não houver evidências abertas em contrário, é nosso dever julgar que toda repreensão nos é dada em um dever. Isso tira da ofensa com respeito ao reprovador, que injustamente é tomada, é uma entrada garantida para perder todo benefício e vantagem pela repreensão. A razão pela qual qualquer homem repreende regularmente outro, é porque Deus exige que ele faça assim, e por seu comando tornou seu dever para com aquele que é reprovado. E julgamos isso razoável, que alguém deve negligenciar seu dever para com Deus e para nós, e, em algum grau ou outro, se tornar culpado dos nossos pecados, por nenhuma outra causa, a não ser que devemos nos desagradar que não sofremos pecado com segurança, e, pode ser, que pereça eternamente (Lev 19.17)? E se estamos convencidos de que é dever de outro repreender-nos, não podemos deixar de estar convencidos de que é nosso dever ouvir e participar disso; e isso inclinará a mente para uma devida consideração do presente dever que nos cabe, e que é a nossa justa preocupação na repreensão. Além disso, se for feito em uma maneira de dever, é feito no amor; porque todas as repreensões ordenadas são efeitos do amor. E se estamos convencidos de qualquer um, que ele repreenda em uma maneira de dever, devemos estar convencidos de que o que ele faz procede do amor, sem limites ou dissimulação. Para o que não é assim, seja o que for, não deve repreender em um modo de dever. E isso irá remover todos os preconceitos obstrutivos, em todos os que têm a ingenuidade menos graciosa. Acabe desprezou o aviso de Micaías, porque pensava que se odiavam mutuamente; ele sabia como era consigo mesmo, e falsamente julgou pelo profeta, por sua necessária clareza em relação a ele. Mas, onde existem tais resistências, todas as vantagens das repreensões serão certamente perdidas. Onde, portanto, nossas mentes estão convencidas de que qualquer repreensão é um efeito do amor e dada em uma maneira de dever, estamos a meio caminho do cumprimento do dever a que somos direcionados por Deus. 2. Tome cuidado em apreciar habitualmente tais transtornos, vícios e problemas de mente, como são contrários a este dever e frustram o seu desígnio. Tais são, - (1.) Precipitação de espírito. As mentes de alguns homens com tal fúria se aplicam à sua primeira apreensão das coisas, que lançaram toda a alma em desordem e tornaram-na incapaz de uma consideração mais racional. Pode haver, é possível, algumas falhas e erros em repreensões úteis e necessárias, de alguma maneira ou de outra. Isso imediatamente é aproveitado por homens de espíritos apressados (um vício e loucura suficientemente condenados nas Escrituras), virou-se para uma provocação, fez questão de conflito e disputa, até que toda a vantagem da repreensão se perca e desapareça. É necessário um quadro de espírito quieto, gentil, e terno para este dever. (2.) Orgulho e altivez da mente, autopresunção, exaltação do espírito, - que serão inseparavelmente acompanhados com o desprezo dos outros, e um desprezo, que qualquer um que se pensa tanto mais sábio quanto muito melhor do que nós mesmos para nos repreenderem em qualquer forma, - são uma parede cercada contra qualquer benefício ou vantagem por repreensões; sim, coisas que transformarão o juízo em cicuta e o antídoto mais soberano em veneno. Nenhuma besta selvagem em um trabalho mais delirante, é mais raivosa, do que um homem orgulhoso, quando ele é reprovado. E, portanto, aquele que se manifesta para ser assim, se assegurou de estar mais perturbado por repreensões graves de qualquer homem sábio. Veja Provérbios 9: 7,8. (3.) Preconceitos, que são tão diversamente ocasionados, como infinitos para se contar. Se, agora, não tornamos nosso negócio constante limpar nossas mentes a partir dessas afeições depravadas, nunca falharão eficazmente para se exercitar em todas as ocasiões, para a total derrota de todo o uso ou benefício da mais necessária e regular repreensão. 3. Reconhece, com certeza, que uma falha, um desvio, que qualquer um é devidamente reprovado, se a repreensão não for recebida e melhorada como deveria, não só é agravada, mas acumulada com um novo crime e marcada com um sinal perigoso de um mal incurável. - Veja Provérbios 29: 1. Deixe os homens fazerem o que puderem, abraçarem-se em suas expressões, ficarem bravos, apaixonados, desculpados ou paliativos; a menos que sejam arrumados e obstinados, suas próprias consciências tomarão parte com uma justa e regular reprovação. Se, em seguida, eles não forem modificados, a culpa é aumentada pela excitação ocasional da luz da consciência, para lhe conferir uma carga especial. E há um pecado adicional, no desprezo da própria repreensão. Mas o que principalmente deve fazer com que os homens sejam cuidadosos, e até mesmo tremer, neste caso, é que eles são submetidos a uma prova, se eles abandonarão o mal dos seus caminhos e ações, ou não, porque o que é ordenadamente reprovado por qualquer falha, negligencia ou despreza a repreensão, não pode ter garantia de que ele nunca seja libertado do mal repreendido; mas só ter medo de estar entrando em um curso de dureza e impenitência. 4. É útil para o mesmo fim, imediatamente comparar a repreensão com a Palavra da verdade. Esta é a medida, padrão e o diretório de todos os deveres, em que, em todos os casos duvidosos, devemos recuar imediatamente para conselhos. E enquanto que há duas coisas consideráveis em uma repreensão, - primeiro, a questão disso, que seja verdade, e uma justa causa ou motivo de uma repreensão; e, em segundo lugar, a luta que o reprovador tem para este dever, com a regra que ele andou por ele, - se ambos, para a substância deles, provarem ser justificados pela Escritura, então, nós, em tal caso, nada mais temos a ver com o reprovador, nem com nenhuma das circunstâncias, mas imediata e diretamente com o próprio Deus; para onde ele dá garantia expressa e direção para um dever em sua Palavra, sua própria autoridade é tão diretamente exercida como se ele nos falasse do céu. Por isso, a mente será impedida de muitas distrações e vaidosos relevos, que a imaginação tola sugerirá, e estará ligada ao seu dever atual. Deixe nossa falta de vontade de ser reprovado seja o que ele quiser, assim como nossos preconceitos contra o reprovador, se não estivermos, pelo menos, livres para trazer a consideração e o exame de um e outro para a Palavra da verdade, é porque nossos feitos são maus e, portanto, amamos as trevas mais do que a luz. Nenhuma censura mais amena e mais gentil pode ser transmitida a qualquer pessoa que não seja livre para trazer qualquer repreensão que lhe seja dada a um julgamento imparcial pela Palavra, seja de acordo com a mente de Deus ou não. Se isso for feito, então a convicção de sua verdade e necessidade aparece; então, que a alma conheça isso com o próprio Deus, e considere com sabedoria a resposta que ele retornará, e o que ele lhe dará. Por isso, 5. A melhor forma de manter nossas almas com prontidão para receber, e devidamente melhorar, as reprovações que nos podem ser regularmente feitas por qualquer um é manter e preservar nossas almas e espíritos, com constante admiração e reverência das repreensões de Deus, que são registradas em sua Palavra. A negligência ou o desprezo dessas repreensões, é aquilo em que a generalidade da humanidade se derrama e perece eternamente. Isso é tão completo e graficamente expresso, em Provérbios 1, que nada pode ser adicionado a isso. E o grande meio pelo qual muita dureza vem sobre os outros, através do engano do pecado, é a falta de manter um devido sentido ou reverência de repreensões e ameaças divinas em suas almas. Quando isso for feito, quando nossos corações são mantidos em um grande respeito por elas, exercitados com uma meditação contínua sobre elas, feitos ternos, cuidadosos, atentos por elas, - qualquer repreensão de qualquer um que caia em conformidade com elas, será conscienciosamente observada, e cuidadosamente melhorada. 6. Falhamos neste dever, a menos que estejamos sempre acompanhados de um profundo senso de nossa fragilidade, fraqueza, prontidão para parar ou apostatar, e sobre isso há uma necessidade de todas as ordenanças e visitas de Deus, que são destinadas a preservar nossas almas. A menos que tenhamos a devida apreensão de nosso próprio estado e condição aqui, nunca devemos receber repreensões de antemão para evitar os perigos, nem melhorar devidamente as críticas por serem ultrapassadas. É a alma humilde que teme sempre, e a partir de uma sensação de sua própria fraqueza, sim, traições e engano de seu coração, com o poder dessas tentações para o qual ela está continuamente exposta, que é provável que fará o trabalho da obrigação aqui descrita.



Publicado no site: O Melhor da Web em 10/02/2018
Código do Texto: 136505
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
Sou Fã de...