Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
Silvio Dutra

Todas imagens extraídas da galeria do Google.
kuryos - Silvio Dutra
RSS - As recentes de:Silvio Dutra
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



Silvio Dutra
Aniversário: 25/11
Cadastrado desde: 29/08/2012 -

Texto mais recente: As Tribulações dos Santos e os Livramentos Divinos – P2

Textos & Poesias || Evangélicas

Imprimir
O Espírito Santo e Seu Trabalho – Capítulos 2 e 3
12/02/2018
Autor(a): Silvio Dutra

O Espírito Santo e Seu Trabalho – Capítulos 2 e 3


John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado eEditado por Silvio Dutra

CAPÍTULO 2.
Para evidenciar ainda mais a natureza deste ofício e trabalho, podemos considerar e investigar os limites gerais dele, como exercitado pelo Espírito Santo; e são quatro: - Primeiro, condescendência infinita. Isto é entre aqueles mistérios da dispensação divina que podemos admirar, mas não podemos compreender; e é propriedade da fé sozinha para agir e viver em objetos incompreensíveis. O motivo que não pode compreender não negligenciará, como o que não tem nenhum interesse pode se beneficiar. A fé é mais satisfeita e apreciada com o que é infinito e inconcebível, como descansando absolutamente na revelação divina. Tal é essa condescendência do Espírito Santo. Ele é, por natureza, "sobre todos, Deus bendito para sempre", e é uma condescendência na divina excelência se preocupar de uma maneira particular com qualquer criatura. Deus "se inclina para contemplar as coisas que estão no céu e na terra" , Salmos 113: 5,6; quanto mais ele faz isso ao submeter-se à execução de um ofício em favor de vermes pobres aqui embaixo! Isso, eu confesso, é muito surpreendente e atendido com os raios mais incompreensíveis de sabedoria divina e bondade na condescendência do Filho; pois ele carregou o termo até a condição mais baixa e abjeta de que uma natureza racional e inteligente é capaz de carregar. Assim é representado pelo apóstolo, em Filipenses 2: 6-8: porque ele não só levou a nossa natureza em união pessoal com ele mesmo, mas se tornou nela, em sua condição externa, como servo, sim, como um verme e nenhum homem, um oprimido por homens e desprezado pelo povo; e tornou-se sujeito à morte, a morte ignominiosa e vergonhosa de cruz. Por isso, esta dispensação de Deus foi preenchida com infinita sabedoria, bondade e graça. Como essa humilhação do Filho de Deus foi compensada com a glória que se seguiu, nos alegraremos na contemplação de toda a eternidade. E então o caráter de todas as excelências divinas será mais gloriosamente conspícuo nesta condescendência do Filho de Deus do que nunca sobre as obras de toda a criação, quando este bem tecido do céu e da terra foi trazido, pelo poder divino e pela sabedoria, através de escuridão e confusão, do nada. A condescendência do Espírito Santo para o seu trabalho e cargo não é, de fato, do mesmo tipo, a "terminus ad quem", ou o objeto dele. Ele não assume nossa natureza, Ele não expõe a si mesmo as lesões de um estado e condição externa; mas, no entanto, é como ser mais o objeto de nossa fé na adoração do que a nossa razão em intervenção. Considere o que há em si: como uma pessoa na Santíssima Trindade, que subsiste na unidade da mesma natureza divina, deve comprometer-se a executar o amor e a graça das outras pessoas, e em seus nomes, - o que entendemos? Esta economia sagrada, nas atuações distintas e subordinadas das pessoas divinas nestas obras externas, só é conhecida, é entendida apenas por eles mesmos. Nossa sabedoria é aquiescer na revelação divina expressa. A fé mantém a alma a uma distância sagrada dessas profundidades infinitas da sabedoria divina, onde ela ganha mais pela reverência e pelo temor santo do que qualquer outra pode fazer pela sua tentativa máxima de se aproximar daquela luz inacessível em que essas glórias da natureza divina habitam. Mas podemos considerar cada vez mais esta condescendência com respeito ao seu objeto: o Espírito Santo torna-se assim um consolador para nós, pobres e miseráveis vermes da terra. E que coração pode conceber a glória desta graça? Que língua pode expressá-la? Especialmente aparecerá sua eminência se considerarmos os meios pelos quais ele nos conforta, e a nossa oposição que ele conhece, da qual devemos tratar depois. Em segundo lugar, indescritível amor acompanha a execução deste ofício, e que trabalha com ternura e compaixão. Do Espírito Santo é dito ser o amor divino, eterno e mútuo do Pai e do Filho. E embora eu saiba que muita cautela deve ser usada na declaração desses mistérios, nem as expressões a respeito deles se arriscam nem são justificadas pela letra da Escritura, ainda julgo que essa noção exprime de forma excelente, senão o distinto modo de subsistência, e ainda a operação mútua e interna das pessoas da Santíssima Trindade; pois não temos termos nem noção dessa eficaz complacência e descanso eterno que está além desse amor. Daí se diz que "Deus é amor", 1 João 4: 8,16. Não parece ser uma propriedade essencial da natureza de Deus apenas que o apóstolo pretende afirmar, pois nos é proposto como um motivo para o amor mútuo entre nós, e isso não consiste simplesmente no hábito ou no afeto do amor, mas na sua atuação em todos os seus frutos e deveres: pois assim Deus ama, assim como os movimentos internos das pessoas santas, que são habitadas pelo Espírito, são todas as ações inefáveis do amor, em que a natureza do Espírito Santo está expressada para nós. O apóstolo ora pela presença do Espírito com os coríntios sob o nome do "Deus de amor e de paz", 2 Cor 13:11. E a comunicação de todo o amor de Deus para nós é comprometida com o Espírito; porque "o amor de Deus é derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos é dado", Romanos 5: 5. E, portanto, o mesmo apóstolo menciona distintamente o amor do Espírito, combinando-o com todos os efeitos da mediação de Cristo: cap. 15:30: "Peço-lhe, irmãos, pelo amor do Senhor Jesus Cristo, e pelo amor do Espírito"; "Faço isso por conta do respeito que você tem a Cristo, e tudo o que fez por você; que é um motivo irresistível para os crentes. Eu também faço isso pelo amor do Espírito; todo aquele amor com que ele age e se comunica com você". Portanto, em todas as atuações do Espírito Santo em relação a nós, e especialmente naquela de sua suspeição de um ofício em favor da igreja, que é o fundamento de todos eles, seu amor é principalmente considerado e ele escolhe esta maneira de agir e trabalhar para que possamos expressar seu caráter peculiar e pessoal, como ele é o amor eterno do Pai e do Filho e, entre todas as suas ações para nós, quais são todos os atos de amor, isso é mais visto naqueles em que ele é um consolador. Portanto, porque isso é de grande utilidade para nós, como deveria ter, e que terá, se devidamente apreendido, uma grande influência sobre a nossa fé e obediência, e é, além disso, a fonte de todas as consolações que recebemos por meio dele, daremos pouca evidência a isto, a saber, que o amor do Espírito é principalmente para ser considerado neste ofício por qualquer bem que recebamos de qualquer um, qualquer benefício ou presente alívio que possamos ter, não podemos receber nenhum consolo ou consolação a menos que estejamos convencidos de que ela procede do amor; e o que faz, nunca seja tão pequeno, tem refrigério e satisfação nela. É o amor sozinho, que é o sal de toda bondade ou benefício, e que tira tudo o que pode ser nocivo ou prejudicial. Sem uma apreensão e satisfação aqui, os efeitos benéficos multiplicados não produzem satisfação interna naqueles que os recebem, nem colocam um verdadeiro compromisso em suas mentes, Provérbios 23: 6-8. Por conseguinte, é nosso interesse em assegurar este fundamento de toda a nossa consolação, na plena confiança da fé, que o Espírito Santo carrega um amor infinito na realização desse ofício. E é evidente que assim foi, - 1. Da natureza do próprio trabalho; para a consolação ou conforto de qualquer um que necessite dele é um efeito imediato do amor, com suas propriedades inseparáveis de piedade e compaixão. Especialmente deve ser assim, onde nenhuma vantagem redunda no conforto, mas tudo o que é feito diz respeito inteiramente ao bem e ao alívio daqueles que são consolados; por que se outro afeto de mente pode ser o princípio aqui, de onde pode prosseguir? As pessoas podem ser aliviadas sob a opressão pela justiça, sob a vontade pela recompensa, mas para confortar e refrigerar as mentes de qualquer um é um ato peculiar de amor e compaixão sincero: então, portanto, essa obra do Espírito Santo deve ser assim estimada. Não pretendo apenas que seu amor seja eminente e discernível nele, mas que ele procede unicamente do amor. E sem uma fé aqui não podemos ter o benefício dessa dispensação divina, nem os confortos que recebemos sejam firmes ou estáveis; mas quando isso é uma vez gentilmente consertado em nossas mentes, não há uma gota de conforto ou refrigério espiritual administrado pelo Espírito Santo, senão o que procede de seu amor infinito, então eles estão dispostos a esse quadro que é necessário ser cumprido em suas operações. E, em particular, todos os atos em que consome a descarga deste ofício são todos atos do amor supremo, do que é infinito, como veremos na consideração deles. 2. A maneira da execução deste trabalho é expressada de modo a evidenciar e demonstrar expressamente que é uma obra de amor. Assim, é declarado onde ele é prometido à igreja para esta obra: Isaías 66:13: "Como alguém a quem consola sua mãe, assim eu vos consolarei; e em Jerusalém vós sereis consolados." Aquele que a mãe conforta deve estar em algum tipo de angústia; nem, de qualquer forma, pode haver um filho, cuja mãe é amável e terna, que não estará pronta para administrar a ele todo o consolo que ela possa dar. E como, ou de que maneira, essa mãe executará esse dever, é melhor concebido do que pode ser expressado. Nós não somos, nas coisas naturais, capazes de assumir uma concepção de maior amor, cuidado e ternura, do que em uma mãe terna que conforta seus filhos em perigo. E, neste caso, o profeta representa graficamente em nossas mentes a maneira pela qual o Espírito Santo descarregou este ofício em nossa direção. Nem uma criança pode contrair uma maior culpa, nem manifestar um hábito de mente mais depravado do que ser independente do carinho de uma mãe que se esforça para o seu consolo. Tais filhos podem, de fato, às vezes, através da amargura de seus espíritos, por suas dores e distúrbios, se surpreenderem com a perversidade, independentemente da bondade e compaixão da mãe, que ela sabe muito bem como suportar; mas se eles continuam a não ter sentido disso, se isso não faz nenhuma impressão sobre eles, eles são de uma constituição profana. E assim pode ser às vezes com os crentes; eles podem, por meio de surpresas em perversão espiritual, por fraqueza, por desvantagens inexplicáveis, agirem de forma independente das influências divinas de consolo; - mas todas essas coisas o grande Consolador suportará e superará. Veja Isaías 57: 15-19: "Porque assim diz o Alto e o Excelso, que habita na eternidade e cujo nome é santo: Num alto e santo lugar habito, e também com o contrito e humilde de espírito, para vivificar o espírito dos humildes, e para vivificar o coração dos contritos. Pois eu não contenderei para sempre, nem continuamente ficarei irado; porque de mim procede o espírito, bem como o fôlego da vida que eu criei. Por causa da iniquidade da sua avareza me indignei e o feri; escondi-me, e indignei-me; mas, rebelando-se, ele seguiu o caminho do seu coração. Tenho visto os seus caminhos, mas eu o sararei; também o guiarei, e tornarei a dar-lhe consolação, a ele e aos que o pranteiam. Eu crio o fruto dos lábios; paz, paz, para o que está longe, e para o que está perto diz o Senhor; e eu o sararei." Quando as pessoas estão sob dores e desconsolações com base na dor e doença, ou similares, em um desígnio de conforto para com eles, ainda será necessário às vezes fazer uso de meios e remédios que podem ser dolorosos e vexatórios; e estes podem ser capazes de irritar e provocar pacientes pobres e rebeldes. No entanto, não é uma mãe desencorajada por este meio, mas prossegue em seu caminho até que a cura seja efetuada e o consolo seja administrado. Então Deus, por meio de seu Espírito, lida com sua igreja. Seu desígnio é "vivificar o espírito dos humildes e o coração dos contritos", versículo 15; e ele dá essa razão, ou seja, se ele não deveria agir em infinito amor e condescendência em relação a eles, mas lidar com eles por seus merecimentos, eles seriam totalmente consumidos, "o espírito definharia diante dele e as almas que ele fez ", versículo 16. No entanto, na busca deste trabalho, ele deve usar alguns remédios agudos, que eram necessários para curar seus problemas e para sua recuperação espiritual. Por causa de sua iniquidade, "a iniquidade da sua avareza", que era a principal doença em que trabalhavam, "ele estava irado e feriu-os, e escondeu seu rosto deles", porque o que fazia era necessário para a cura deles, versículo 17. E como eles se comportam sob este trato de Deus com eles? Eles crescem perversos sob sua mão, escolhendo preferivelmente continuar em sua doença do que ser assim curado por ele: "Eles continuaram perversamente no caminho de seus corações", versículo 17. Como, portanto, este Consolador sagrado agora lida com eles? Ele desistiu deles por causa da sua perversidade? Deixa-os e abandona-os sob a sua doença? Não; uma mãe terna não vai lidar assim com seus filhos. Ele administra seu trabalho com amor, ternura e compaixão tão infinitos, que superará toda a sua perversidade e não cessará, até que lhe tenha administrado com eficácia a consolação. Versículo 18: "Tenho visto", diz ele, todos estes " seus caminhos, "toda a sua perversidade e abortos espontâneos, e ainda assim, diz ele: "Eu o curarei"- "Não vou me desviar por causa de tudo isso da minha obra e da busca do meu desígnio; antes, eu irei levá-lo em um quadro certo, e ministrarei confortos a ele". E para que não haja falhas aqui, eu o farei por um ato de poder criador: "Versículo 19:"Eu crio o fruto dos lábios; paz, paz." Este é o método do Espírito Santo em administrar consolo à igreja, evidenciando abertamente esse amor e compaixão de onde procede. E, sem esse método, nenhuma alma deveria ser espiritualmente confortada sob seus abatimentos; pois somos capazes de nos comportarmos com mais força, mais ou menos, sob a obra do Espírito Santo em nossa direção. O amor infinito e a compaixão sozinhos, trabalhando com paciência e longanimidade, podem levá-lo à perfeição. Mas se nós não somos apenas perversos em ocasiões particulares, tentações e surpresas, nublando nossa visão atual do Espírito Santo em seu trabalho, mas também somos habitualmente descuidados e negligentes sobre isso, e nunca trabalhamos para entrar em satisfação, mas sempre nos entregando ao medo e à infelicidade da incredulidade, argumenta um quadro de coração mais depravado e ingrato, em que a alma de Deus não pode se agradar. 3. É uma prova de que o seu trabalho procede e é totalmente gerido no amor, porque nos adverte para não o entristecer, Efésios 4:30. E uma dupla evidência da grandeza de seu amor é aqui oferecida por esse cuidado: - (1.) Na medida em que aqueles que estão sozinhos estão sujeitos a ser entristecidos por nós que agem com amor para nós. Se não cumprindo a vontade e a regra dos outros, eles podem ser provocados, vexados, instigados contra a ira contra nós; mas aqueles que nos amam estão sofridos com nossos abortos espontâneos. Um professor de escola severo pode ser mais provocado com a culpa de seu aluno do que o pai, mas o pai está triste com ele quando o outro não está. Considerando que, portanto, o Espírito Santo não é sujeito ao afeto do sofrimento como é uma paixão em nós, somos advertidos para não o entristecer, ou seja, para ensinar-nos com o amor e a compaixão, com aquela ternura e santo prazer , que ele realiza seu trabalho em nós e para nós. (2.) É assim que ele empreendeu o trabalho de consolar aqueles que são tão aptos e propensos a entristecê-lo, como na maioria das vezes fazemos. A grande obra do Senhor Jesus Cristo é deveria morrer por nós; mas o que coloca uma eminência no amor dele é que ele morreu por nós enquanto ainda éramos seus inimigos, pecadores e ímpios, Romanos 5: 6-10. E, como a obra do Espírito Santo é para nos confortar, então é lançada uma luz sobre isso, que ele consola aqueles que são muito propensos a afligir a si mesmos; pois, embora isto possa ocorrer, não serão, através de um afeto peculiar, feridos, molestados ou afligidos novamente por quem são afligidos, mas quem é o que se preparará para consolar aqueles que o afligem e, quando assim eles fazem?    Mas, ainda aqui, o Espírito Santo nos recomenda o seu amor, para que, mesmo que o aflijamos, por suas consolações ele nos recupera das maneiras com que ele se aflige. Portanto, isso deve ser consertado como um princípio importante nesta parte do mistério de Deus, que o fundamento principal da realização deste ofício de um consolador pelo Espírito Santo é o seu amor peculiar e inefável: tanto a eficácia de nossa consolação quanto a vida de nossa obediência dependem disso; pois quando sabemos que todas as ações do Espírito de Deus para nós, todas as impressões graciosas dele em nossas compreensões, vontades ou afeições são todas elas em busca desse amor peculiar infinito de onde ele tomou sobre ele o ofício de um consolador, eles não podem, mas todos eles influenciam nossos corações com refrigério espiritual. E quando a fé é defeituosa neste assunto, para que não se exerça na consideração desse amor ao Espírito Santo, nunca chegaremos a um consolo sólido, permanente e forte. E quanto àqueles por quem todas essas coisas são desprezadas e ridiculizadas, não é uma opção para mim se devo renunciar ao evangelho ou rejeitá-los do interesse do cristianismo, pois a aprovação de ambos é inconsistente. Além disso, é evidente quão grande motivo, portanto, surge para a obediência alegre, atenta e universal; porque todas as ações de pecado ou incredulidade em nós, são, em primeiro lugar, reações às operações do Espírito Santo em nós e sobre nós. Por eles, ele resistiu às suas persuasões, apagou-se em seus movimentos, e se sentiu triste. Se houver algum engenho santo em nós, isso excitará uma diligência vigilante para não ser ultrapassado com tais iniquidades contra o amor indescritível. Caminhará de forma segura e frutífera, aquele cuja alma é mantida sob o senso do amor do Espírito Santo. Terceiro, o poder infinito também é necessário, e, portanto, evidente na execução deste ofício. Isso foi consertado, que o Espírito Santo é, e sempre foi, o consolador da igreja. Qualquer coisa, portanto, que é falada, pertence-lhe peculiarmente. E é expresso como procedendo e acompanhado de poder infinito; como também, a consideração de pessoas e coisas declara que é necessário que assim seja. Assim, temos a igreja, o que causa seu abatimento. E quando isso é adicionado a qualquer problema pressionador, seja interno ou externo, ele constitui completamente um estado de desconsolação espiritual; pois quando a fé pode ter uma perspectiva do amor, cuidado e preocupação de Deus em nós e nossa condição, por mais graves que sejam as coisas para nós, ainda não podemos ser inconfortáveis. E o que é que, no consolo que Deus deseja que a sua igreja, ela tenha que considerar em si mesma, como um motivo seguro de alívio e refrigério? Isto ele declara nos seguintes versículos: Isaías 28-31, "Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o Senhor, o Criador dos confins da terra, não se cansa nem se fatiga? E inescrutável o seu entendimento. Ele dá força ao cansado, e aumenta as forças ao que não tem nenhum vigor. Os jovens se cansarão e se fatigarão, e os mancebos cairão, mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças; subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; andarão, e não se fatigarão." A igreja parece não duvidar do seu poder, mas de seu amor, cuidado, e fidelidade a ela. Mas é o seu poder infinito que ele escolhe primeiro para satisfazê-la, como aquilo que todas as suas atuações contra ela foram fundadas e resolvidas; sem uma devida consideração de que tudo o que de outra forma dele poderia ser esperado não daria seu alívio. E, isto sendo consertada em suas mentes, ele lhes propõe a sua compreensão e sabedoria infinitas: "Não há busca de seu entendimento". Concebam o direito de seu poder infinito, e deixem as coisas à sua sabedoria soberana e insondável para o gerenciamento delas, em termos de graus e épocas. A apreensão da falta de amor e cuidado em Deus para com eles foi aquilo que imediatamente provocou sua desconsolação; mas o fundamento disso estava na descrença de seu infinito poder e sabedoria. Portanto, na obra do Espírito Santo para a consolação da igreja, seu poder infinito é peculiarmente considerado. Então o apóstolo o propõe aos crentes mais fracos para o seu apoio e, como aquele que deve assegurar-lhes a vitória em seu conflito, que "maior é o que há neles do que aquele que está no mundo" 1 João 4: 4 . O Espírito Santo, que lhes é concedido e que habita neles, é maior, mais capaz e poderoso do que Satanás, que tenta a sua ruína e do que o mundo, visto que ele é de poder onipotente. Os pensamentos de nossa desconsolação surgem das impressões que Satanás faz sobre nossas mentes e consciências, pelo pecado, tentação e perseguição; pois não encontramos em nós tal capacidade de resistência como de onde podemos ter uma garantia de conquista. "Isto", diz o apóstolo, "você deve esperar do poder do Espírito Santo, que é infinitamente acima de tudo o que Satanás tem para fazer oposição a você, ou para trazer qualquer desconsolação sobre você. Isso eliminará todo o medo que tem lhe atormentado e que o acompanha." E, no entanto, isso pode ser desconsiderado por aqueles que estão cheios de uma apreensão de sua própria suficiência, como para todos os fins de sua vida e obediência a Deus, como do mesmo modo, eles têm uma fonte de considerações racionais que nunca falham para eles, capaz de administrar todos os alívios e confortos necessários em todos os momentos; todavia, aqueles que são realmente sensíveis à sua própria condição e à dos outros crentes, se entenderem o que é ser consolado com as "consolações de Deus", e quão distantes elas são daquelas que os homens abraçam sob o nome de suas "considerações racionais", concederá que a fé de poder infinito é necessária para qualquer conforto espiritual sólido: porque, - 1. Quem pode declarar os abatimentos, tristezas, medos, e desânimo que os crentes são desagradados, na grande variedade de suas naturezas, causas, efeitos e ocasiões? Que alívio pode ser adequado a eles, senão o que é uma emanação do poder infinito? Sim, tal é o quadro espiritual e a constituição de suas almas, que, muitas vezes, rejeitarão todos os meios de conforto que não são comunicados por uma eficácia onipotente. Por isso, Deus "cria o fruto dos lábios, paz, paz", Isaías 57:19; produz paz nas almas dos homens por um ato criador de seu poder, e nos dirige, no lugar antes mencionado, para buscá-lo somente da infinita excelência de sua natureza. Ninguém, portanto, se encontrou com este trabalho de ser o conforto da igreja, senão o Espírito de Deus sozinho. Ele somente, por seu poder todo-poderoso, pode remover todos os seus medos e apoiá-los sob todos os seus abatimentos, com toda a variedade com que são tentados e provados. Nada além da onipotência em si é adequado para evitar as inúmeras desconsolações com que somos desagradados. E aqueles cujas almas são pressionadas e são expulsos de todos os relevos que não só oferecem a segurança carnal e o coração na adversidade, mas também de todos os desvios legítimos que o mundo pode administrar, entenderá que o verdadeiro consolo é um ato da grandeza excedente do poder de Deus, e sem o qual não será forjado. 2. Os meios e as causas de sua desconsolação apontam para a mesma fonte de seu conforto. Seja qual for o poder do inferno, do pecado. e do mundo, separadamente ou em conjunto, pode afetar, tudo é feito contra a paz e o conforto dos crentes. De quão grande força e eficácia eles estão em suas tentativas de perturbá-los e arruiná-los, por quais meios eles trabalham para esse fim, exigiria grande alargamento do discurso para declarar; e, no entanto, quando usamos nossa máxima diligência em um inquérito por eles, não precisamos de uma investigação completa sobre eles, sim, pode ser, do que muitas pessoas individuais encontram em sua própria experiência. Portanto, com respeito a uma causa e princípio de desconsolação, Deus declara que é ele quem consola o seu povo: Isaías 51: 12-15: "Eu, eu sou aquele que vos consola; quem, pois, és tu, para teres medo dum homem, que é mortal, ou do filho do homem que se tornará como feno; e te esqueces de Senhor, o teu Criador, que estendeu os céus, e fundou a terra, e temes continuamente o dia todo por causa do furor do opressor, quando se prepara para destruir? Onde está o furor do opressor? O exilado cativo depressa será solto, e não morrerá para ir à sepultura, nem lhe faltará o pão. Pois eu sou o Senhor teu Deus, que agita o mar, de modo que bramem as suas ondas. O Senhor dos exércitos é o seu nome." Ele considera necessário declarar seu poder infinito e expressar, em diversos casos, os seus efeitos. Por isso, se tomarmos uma visão do que é o estado e condição da igreja em si e no mundo; quão fraca é a fé da maioria dos crentes; quão grandes são os seus medos; quantos são seus desânimos; como também quão grandes as tentações, calamidades, oposições, perseguições, são exercidas; quão vigorosamente e acentuadamente essas coisas estão concentradas em seus espíritos, de acordo com todas as vantagens, para dentro e para fora, para que seus adversários espirituais possam aproveitar, - será manifesto como era necessário que sua consolação fosse confiada Àquele com quem o poder infinito sempre habita. E se a nossa paz interior ou externa parece diminuir a necessidade desta consideração, pode não ser mal, pelo exercício da fé aqui, colocar provisão para o futuro, vendo que não sabemos o que pode acontecer com o mundo. E devemos viver para ver a igreja nas tempestades, como quem sabe, mas podemos crer, que nosso apoio principal será que nosso Consolador é todo-poderoso, maravilhoso em conselho e excelente em operação.
Quinto, esta dispensação do Espírito é imutável. A quem quer que seja dado como um consolador, ele permanece com eles para sempre. Este nosso Salvador declarou expressamente na primeira promessa que ele fez de enviá-lo como um consolador, de uma maneira peculiar: João 14:16: "E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre." O momento desta promessa está em sua continuação imutável com a igreja. Havia, de fato, uma ocasião presente que tornava necessária esta declaração da imutabilidade de sua morada; pois, em todo esse discurso, nosso Salvador preparava os corações de seus discípulos para se afastarem dele, o que agora estava em mãos. E enquanto ele coloca todo o alívio que, nesse caso, ele daria por enviar o Espírito Santo, ele se preocupa não só de evitar uma objeção que possa surgir em suas mentes sobre esta dispensação do Espírito, mas também ao fazê-lo para garantir a fé e o consolo da igreja em todas as épocas; pois, como ele próprio, que tinha sido o seu consolo imediato e visível durante todo o tempo de seu ministério entre eles, agora estava se afastando deles, e que, assim, "o céu deveria recebê-lo até os tempos de restauração de todas as coisas", eles podem ter medo de que este consolador que agora foi prometido a eles poderia continuar também apenas por um período, pelo que eles deveriam ser reduzidos a uma nova perda e tristeza. Para garantir suas mentes aqui, nosso Senhor Jesus Cristo lhes permite saber que este outro consolador não deve apenas continuar com eles, até o fim de suas vidas, trabalho e ministério, mas permanecer com a igreja absolutamente para a consumação de todas as coisas. Ele agora é dado em uma aliança eterna e imutável, Isaías 59:21; e ele não pode mais afastar-se da igreja do que a eterna aliança segura de Deus pode ser abolida. Mas pode ser objeto de objeção, por exemplo, em investigar as promessas de Cristo, e a sua realização, pelo estabelecimento da fé, de onde é que, se o Consolador permanece sempre com a igreja, tantos fiéis em todas as idades passam, pode ser, a maior parte de suas vidas em problemas e desconsolação, sem experiência da presença do Espírito Santo com eles como um conforto. Mas essa objeção não tem força para enfraquecer nossa fé quanto à realização desta promessa; porque, - 1. Existe na promessa em si uma suposição de problemas e desconsolações sobre isso para acontecer com a igreja em todas as épocas; pois em relação a eles é que o Consolador é prometido para ser enviado. E fazem, senão sonhar, aqueles que pensam que tal estado da igreja neste mundo, deve ser acompanhado com tal garantia de toda satisfação interior e externa, que tão escassamente necessite desse ofício ou obra do Espírito Santo; sim, a promessa de que ele permaneça conosco para sempre como um consolador é uma predição infalível de que os crentes em todas as épocas devem encontrar-se com problemas, tristezas e desconsolação. 2. A realização da promessa de Cristo não depende da sua verdade sobre a nossa experiência, pelo menos não sobre o que os homens sentem sensivelmente em si mesmos sob suas angústias, muito menos sobre o que expressam com alguma mistura de incredulidade. Então, observamos antes, daquele lugar do profeta concernente à igreja, Isaías 40:27, que "O meu caminho está escondido ao Senhor, e o meu juízo passa despercebido ao meu Deus?", como também se queixou: "O Senhor me desamparou, o meu Senhor se esqueceu de mim.", cap. 49:14. Mas, no entanto, em ambos os lugares, Deus a convence de seu erro, e que, de fato, sua queixa era apenas um fruto da incredulidade; e por isso é habitual em grandes angústias, quando as pessoas são tão engolidas com tristeza ou dominadas pela angústia que não são sensíveis à obra do Espírito Santo em consolo. 3. Ele é um conforto para todos os crentes em todas as ocasiões em que eles realmente precisam de consolo espiritual. Mas, no entanto, se pretendemos ter experiência de seu trabalho aqui, para ter a vantagem dele ou benefício por isso, há muitas coisas necessárias de nós mesmos em uma maneira de dever. Se somos negligentes aqui, não é de admirar se estamos perdendo os confortos que ele está disposto a administrar. A menos que entendamos corretamente a natureza das consolações espirituais e as valorizemos tanto como suficientes e satisfatórias, não devemos aproveitá-las, pelo menos não nos tornar sensíveis. Muitos sob seus problemas supõem que não há conforto, senão na remoção dos problemas, e não conhecem nenhum alívio em suas dores, senão na remoção de sua causa. Na melhor das hipóteses, valorizam qualquer alívio externo antes dos apoios internos e refrigerantes. Tais pessoas nunca podem receber a consolação do Espírito Santo para qualquer experiência refrescante. Para procurar todos os nossos confortos dele, valorizar aquelas coisas em que suas consolações consistem sobretudo em todos os prazeres terrenais, deve ser esperado no uso de todos os meios para receber suas influências de amor e graça, ser fervoroso em oração por Sua presença conosco e a manifestação de sua graça são exigidos em todos aqueles para quem ele descarregou este ofício. E, enquanto nos achamos nestas formas de obediência e dependência santas, devemos encontrá-lo um consolador, e isso para sempre. Essas coisas são observáveis no ofício do Espírito Santo, em geral, como ele é o consolador da igreja, e na maneira de sua opração. O que é mais importante para a orientação de nossa fé, e a participação da consolação com respeito aqui, será evidente na declaração dos detalhes que a ela pertencem.

CAPÍTULO 3.
Consideramos a promessa de Cristo de enviar o Espírito Santo para ser o consolador da igreja e, para esse fim, permanecer com eles para sempre. A natureza também desse ofício e trabalho, em geral , que aqui ele se compromete e realiza, com as propriedades dele, foram declarados. Nosso próximo inquérito é, a quem esta promessa é feita, e para quem é cumprida infalivelmente. Como e para o que termina, em que ordem, quanto aos seus efeitos e operações, o Espírito Santo é prometido a qualquer pessoa e recebido por eles, já foi declarado em nossos discursos anteriores, livro 4, cap. 3. Portanto, devemos, aqui, declarar apenas em particular a quem ele é prometido e recebido como um conforto; e isso é para todos, e somente para os crentes, - aqueles que são realmente assim. Todas as suas operações exigidas para fazê-los assim serem são antecedentes aqui; para a promessa dele para este fim, onde quer que seja registrado, é feito diretamente para eles, e para eles está confinado. Agora foi dado aos apóstolos, mas não lhes foi dado como apóstolos, mas como crentes e discípulos de Cristo, com um respeito particular às dificuldades e causas de desconsolação em que estavam ou se encontrariam com a consideração de seu ser assim. Veja as promessas deste propósito expressamente, João 14: 16,17,26, 15:26, 16: 7,8. E é declarado que o mundo, que naquele lugar se opõe àqueles que acreditam, não pode recebê-lo, cap. 14: 17. Outras operações efetivas que tem sobre o mundo, por sua convicção e conversão de muitos deles; mas como um espírito de consolação, ele não lhes é prometido nem pode recebê-lo, até que outros atos graciosos passaram sobre suas almas. Além disso, veremos que todas as suas atuações e efeitos como consolador são confinados aos que creem, e todos supõem a fé salvadora como antecedente deles. E este é o grande privilégio fundamental dos verdadeiros crentes, pelo qual, através da graça de nossa Senhor Jesus Cristo, eles são exaltados acima de todas as outras pessoas neste mundo. E isso aparecerá mais evidente quando consideraremos aquelas operações, atos e efeitos especiais, pelos quais a consolação é administrada a eles. Que a vida do homem é objeto de inúmeros problemas é evidente e incontrolável pela experiência universal. Que "o homem nasceu para os problemas assim como as faíscas voam para cima", tem sido o reconhecimento constante de todos os sábios em todas as épocas. E aqueles que projetaram afogar o senso deles em segurança e sensualidade da vida foram vistos tão fora dos princípios da natureza e dos ditames da razão, voluntariamente degenerando-se na condição de criaturas brutas e irracionais. Outros, que não renunciam ao privilégio de seu ser, sempre fizeram um inquérito principal sobre como ou de onde eles poderiam tomar e receber alívio e conforto por seu apoio contra os inevitáveis problemas, tristezas e desconsolação; sim, é natural e necessário para todos os homens fazerem assim. Todos os homens não podem deixar de buscar o repouso e a paz, não apenas por escolha, mas por instinto da natureza, o problema e a tristeza são diametralmente contrários ao seu ser e tendem à sua dissolução. Portanto, todos eles naturalmente procuram consolo: daí a melhor e mais útil parte da filosofia antiga consistiu na prescrição dos meios e formas de confortar e apoiar as mentes dos homens contra coisas nocivas e penosas para a natureza, com as dores que se seguem sobre isso; e os tópicos que descobriram para este propósito não foram desprezados, onde os homens estão destituídos de luz espiritual e revelação sobrenatural. Nem a sabedoria nem a razão do homem surgiram para qualquer coisa mais útil neste mundo do que descobrir quaisquer considerações racionais que possam dissipar as dores ou aliviar as mentes daqueles que são desconsolados: porque coisas que são realmente penosas para a generalidade da humanidade superam toda a satisfação real que essa vida e o mundo podem pagar; e colocar satisfação ou alívio na busca de desejos sensuais é brutal. Mas, no entanto, o que surgiu de toda a fonte e cabeças do consolo racional e filosófico? Qual refrigério conseguiu? O máximo alcançado foi apenas confirmar e tornar obstinadas as mentes dos homens em uma fantasia, uma opinião ou persuasão, contrariamente ao que eles sentiam e tinham experiência; porque o que eles defendiam era, porém, que a consideração da porção comum da humanidade, a inevitabilidade dos acidentes de luto, a falta de vida humana, o verdadeiro exercício da razão sobre objetos mais nobres, com outros da mesma natureza, deveriam satisfazer os homens que as coisas que eles suportaram não eram más ou menos graves. Mas o que tudo isso representa em comparação com este privilégio dos crentes, desta disposição feita para eles em todas as suas desconsolações, por aquele em quem eles acreditam? Este é um alívio que nunca entrou no coração do homem para pensar ou conceber. Nem pode ser entendido por ninguém, senão por quem é apreciado; para o mundo, como o nosso Salvador testifica, nem conhece esse Espírito nem pode recebê-lo; - e, portanto, o que é falado sobre ele e sua obra são vistos como uma fantasia ou a sombra de um sonho. E, embora o Sol da Justiça seja ressuscitado nesta matéria, e resplandece sobre todos os que habitam na terra de Gósen, mas aqueles que permanecem ainda no Egito usam apenas suas lanternas. Mas aqueles que são realmente participantes deste privilégio sabem, em certa medida, o que eles desfrutam, embora não sejam capazes de compreendê-lo em sua excelência, nem valorizá-lo de maneira devida; porque como o coração do homem, ou os nossos fracos entendimentos, concebem este misterioso glorioso de enviar o Espírito Santo para ser nosso Consolador? Somente eles a recebem pela fé, e têm experiência disso em seus efeitos. Existe, a meu ver, um privilégio indescritível daqueles que são crentes, antecedentes à sua crença, quando eles são eleitos, a saber, que Cristo somente morreu em seu lugar. Mas isso é como os poços que os servos de Isaque cavaram, que os filisteus se esforçaram como aqueles que lhes pertenciam, que, embora novos e úteis, em si mesmos, fizeram com que eles se chamassem Esek e Sitnah, [isto é, contenção e ódio]. Poderosos esforços para quebrar o recinto desse privilégio, e colocá-lo comum em todo o mundo, isto é, de fato, inútil; pois é afirmado que o Senhor Jesus Cristo morreu igualmente por todos e por todos os homens, pelos crentes e pelos descrentes, para aqueles que são salvos e aqueles que são condenados. E, para esse propósito, muitos argumentos são invocados para mostrar como a maioria daqueles por quem Cristo morreu não tem benefício real por sua morte, nem é exigido neles para provar que eles têm interesse nisso. Mas esse privilégio que agora tratamos é como o bem Rehoboth [isto é, espaço amplo, largueza – Gên 26.22]; Isaque manteve-se consigo mesmo, e os filisteus não se esforçaram por isso. Ninguém diz que o Espírito é um conforto para outros, senão para os crentes; portanto, é desprezado e reprovado pelo mundo, porque não tem interesse nisso, nem tem a menor pretensão de se esforçar por isso. Os crentes, portanto, consideram devidamente como eles são avançados, através do amor e cuidado de Jesus Cristo, em uma dignidade inexprimível acima do restante da humanidade, eles se regozijariam mais do que em tudo o que este mundo pode fornecer-lhes. Mas devemos prosseguir. Parece, a partir do que foi discursado, que esta não é a primeira obra salvadora do Espírito Santo sobre as almas dos homens. A regeneração e a santificação habitual sempre a precedem. Ele não consola senão aqueles que ele antes santificou. Tampouco são outros senão tão capazes de suas consolações; não há nada neles que possa discernir sua atuação, ou valorizar o que ele faça desse tipo. E esta é a verdadeira razão pela qual todo o trabalho do Espírito Santo como um consolador, em que consiste a realização da promessa mais gloriosa que sempre Cristo fez à sua igreja, e a maior evidência de seu cuidado contínuo, é tão negligenciado, sim, desprezado, entre a generalidade dos cristãos professos; - uma grande evidência do estado apostatado do cristianismo. Eles não podem ter qualquer preocupação em qualquer trabalho dele, senão em sua ordem correta. Se os homens não forem primeiro santificados por ele, nunca poderão ser consolados por ele; e eles próprios preferirão em seus problemas quaisquer relevos naturais antes das melhores e mais altas de suas consolações; pois, no entanto, eles podem ser propostos a eles, no entanto, eles podem ser instruídos na natureza, caminhos e meios deles, mas não pertencem a eles, e por que deveriam valorizar o que não é deles? O mundo não pode recebê-lo. Ele trabalha no mundo por convicção, João 16: 8, e sobre os eleitos para a conversão, João 3: 8; mas ninguém pode recebê-lo como um consolador, senão os crentes. Portanto, toda essa obra do Espírito Santo é pouco conhecida no seu máximo e desprezada por muitos. No entanto, é glorioso em si mesmo, sendo plenamente declarado na Escritura, nem menos útil para a igreja, sendo testemunhado pela experiência daqueles que realmente acreditam. O que permanece para a declaração completa deste ofício e obra do Espírito Santo é a consideração de seus atos pertencentes adequadamente, e dos privilégios dos quais os fiéis são feitos participantes. E considerando que muitos mistérios abençoados da verdade evangélica estão aqui contidos, eles exigiriam muito tempo e diligência em suas explicações. Mas, quanto à maioria deles, de acordo com a medida da luz e da experiência que eu alcancei, preveni-me na manipulação deles neste lugar; pois já falei na maioria deles em outros dois discursos, o relativo à perseverança dos verdadeiros crentes e ao outro da nossa comunhão com Deus e do Espírito Santo em particular. Como, portanto, vou poupar na repetição do que já está proposto para a visão pública, por isso não há muito que eu acrescente. No entanto, o que é necessário para o nosso projeto atual não deve ser totalmente omitido, especialmente considerando que mais luz e evidências podem ser adicionadas aos nossos esforços anteriores nesse tipo.



Publicado no site: O Melhor da Web em 12/02/2018
Código do Texto: 136518
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
Sou Fã de...
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.