Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
Silvio Dutra

Todas imagens extraídas da galeria do Google.
kuryos - Silvio Dutra
RSS - As recentes de:Silvio Dutra
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



Silvio Dutra
Aniversário: 25/11
Cadastrado desde: 29/08/2012 -

Texto mais recente: A Origem e a Cura do Mal

Textos & Poesias || Evangélicas

Imprimir
Pastores Segundo o Coração de Deus
13/02/2018
Autor(a): Silvio Dutra

Pastores Segundo o Coração de Deus


   John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

"E vos darei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com ciência e com inteligência." (Jeremias 3:15)

Todos os nomes dos oficiais da igreja sob o Novo Testamento têm uma dupla significação, - uma significação geral e mais ampla, e uma significação especial. Como, por exemplo, "diácono", tem uma significação geral; significa qualquer ministro ou servo; e tem uma significação especial, quando denota aquele oficial peculiar que foi instituído na igreja para cuidar dos pobres. E assim também, o nome de pastor tem uma noção mais geral e uma mais especial. Em geral, significa qualquer mestre ou oficial na igreja, ordinário ou extraordinário; e numa noção especial, significa aquele oficial peculiar na igreja que, como tal, se distingue de um mestre: "Ele deu alguns para serem pastores e mestres", Efésios 4:11; pois há uma distinção entre pastor e mestre, não em termos de diploma, mas em ordem. Não uso a distinção no sentido daquelas que fazem bispos e presbíteros serem diferentes em grau, mas não em ordem; mas é uma distinção quanto àquela bela ordem que Cristo instituiu em sua igreja. Cristo instituiu uma linda ordem em sua igreja, que deve ser descoberta e aplicada. E eu desejei às vezes que eu pudesse viver para vê-lo; mas eu não acho que devo. No entanto, eu recomendaria a meus irmãos o caminho para descobrir a ordem de Cristo na igreja: - não há como descobri-lo senão pela harmonia que existe entre dons, ofícios e edificação. A origem de toda ordem e regra da igreja está em dons; o exercício desses dons é feito por ofício; o fim de todos esses dons e ofícios é, edificação.
Agora, acredito que posso demonstrar que todos os dons espirituais comuns que Cristo deu à sua igreja, são redutíveis a quatro cabeças; e todos elas são para o exercício desses dons; pois todos devem ser exercidos de forma direta.
Aqui você encontrará a bela ordem de Cristo na igreja, e não mais. Eu digo, todos os dons podem ser reduzidos a quatro cabeças. A primeira cabeça desses dons deve ser exercida pelo pastor; uma cabeça pelo mestre; um pelo governante; e um pelo diácono; e todos esses dons, exercidos por todos esses oficiais, respondem a todos os fins para a edificação da igreja. Pois é uma opinião vã, que a regra e a conduta da igreja de Cristo são em um ou em todos. Não há nada no que declarei, senão qual é o desígnio do apóstolo em Romanos 12: 6-8. Vamos estudar mais essa harmonia, e devemos encontrar mais a beleza e a glória dela.
Devo falar dos pastores mencionados aqui no texto; e eu falo deles em geral, como todos os mestres que ensinam na igreja, - que é a significação geral da palavra. E tudo o que eu falo sobre eles é, para me lembrar, e meus irmãos, a vocês, um pouco do dever de tal pastor; - o que lhe incumbe, o que se espera dele. Agora, não procuro passar por todos os deveres necessários de um pastor ou mestre; eu apenas projeto dar alguns exemplos.
Primeiro. O dever de um tal oficial da igreja, - um pastor, mestre, ancião da igreja, - é mencionado no texto, - "alimentar a igreja com conhecimento e compreensão". Essa alimentação é pela pregação do evangelho. Não é um pastor aquele que não alimenta seu rebanho. Pertence essencialmente ao ofício; e isso não de vez em quando (de acordo com a figura e a imagem que é criada no ministério no mundo, - um ídolo morto) à medida que a ocasião seja oferecida. Mas o apóstolo diz, Atos 6: 4: "Nós perseveraremos na palavra". É "trabalhar na palavra e doutrina", Timóteo 5:17; - fazer todas as coisas subservientes a esta obra de pregação e instruir a igreja; trazê-la à condição mencionada pelo apóstolo em Colossenses 1:28. Ele fala de sua pregação e do modo de sua pregação: "o qual nós anunciamos, admoestando a todo homem, e ensinando a todo homem em toda a sabedoria, para que apresentemos todo homem perfeito em Cristo."
Como ele faz isso? Versículo 29, "para isso também trabalho, lutando segundo a sua eficácia, que opera em mim poderosamente." Não há uma palavra na nossa tradução que responda à ênfase das palavras originais, - "para o qual eu trabalho", é trabalhar com diligência e intenção, com cansaço e esforço. "Eu trabalho pela eficiência de mim mesmo. Esforçando-me, - lutando como um homem que corre em uma corrida, ou se esforçando como um homem que luta pela vitória", como os homens fizeram em seus concursos públicos. E como? "De acordo com a efetiva operação em funcionamento ou internamente nele -que efetivamente trabalha em mim." Não podemos alcançar a ênfase por qualquer palavra em nosso idioma. E como é tudo isso? "Com poderoso poder". Aqui está o quadro do espírito do apóstolo (isso deve nos dar um temor para a consideração): "Trabalho com diligência, luto como em uma corrida eu luto pela vitória, - pelo poderoso poder de trabalho de Cristo trabalhando em mim; e isso com grande e excessivo poder." O que devo fazer é mostrar-lhe, em alguns casos, o que é necessário para esta obra de ensinar ou de alimentar a congregação com conhecimento e compreensão, neste dever de pregar a Palavra: - 1. Há sabedoria espiritual na compreensão dos mistérios do evangelho, para que possamos declarar como discípulo de Deus, as riquezas e tesouros da graça de Cristo, para as almas dos homens. Veja Atos 20:27; 1 Coríntios 2: 1-4; Efésios 3: 7-9.
“Porque não me esquivei de vos anunciar todo o conselho de Deus.” (Atos 20.27).
“E eu, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não fui com sublimidade de palavras ou de sabedoria. Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado. E eu estive convosco em fraqueza, e em temor, e em grande tremor. A minha linguagem e a minha pregação não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria, mas em demonstração do Espírito de poder.” (I Cor 2.1-4).
“Do qual fui feito ministro, segundo o dom da graça de Deus, que me foi dada conforme a operação do seu poder. A mim, o mínimo de todos os santos, me foi dada esta graça de anunciar aos gentios as riquezas inescrutáveis de Cristo, e demonstrar a todos qual seja a dispensação do mistério que desde os séculos esteve oculto em Deus, que tudo criou.” (Efe 3.7-9).
Muitos na igreja de Deus foram, naqueles dias de luz, crescendo e prosperando; eles tiveram uma ótima visão das coisas espirituais e dos mistérios do evangelho. O apóstolo ora para que todos possam ter isso, Efésios 1: 17,18: "para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê o espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele; sendo iluminados os olhos do vosso coração, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos." Realmente não é fácil para os ministros instruir com esse tipo de deveres. Se não houver algum grau de eminência em si mesmos, como devemos levar a pessoas à perfeição? Devemos trabalhar para ter um profundo conhecimento desses mistérios, ou seremos inúteis para uma grande parte da igreja. Existe sabedoria espiritual e compreensão nos mistérios, do evangelho exigido no presente. 2. Autoridade é necessária. O que é autoridade em um ministério de pregação? É consequente da unção, e não de um cargo. Os escribas tinham um chamado para ensinar na igreja; Mas eles não tinham unção, que poderiam evidenciar que tinham o Espírito Santo em seus dons e graças. Cristo não tinha nenhum chamado para fora; mas ele teve uma unção, - ele teve uma unção total do Espírito Santo em seus dons e graças, para a pregação do evangelho. Aqui havia uma controvérsia sobre sua autoridade. Os escribas dizem-lhe: Marcos 11:28: "Com que autoridade fazes estas coisas? e quem te deu essa autoridade?" O Espírito Santo determina o assunto, Mateus 7:29," Ele pregava como alguém que tinha autoridade, e não como os escribas." Eles tinham a autoridade do ofício, mas não a da unção; Cristo somente tinha isso. E a pregação na demonstração do Espírito, sobre a qual os homens discordam, não é nada menos do que a evidência na pregação da unção, na comunicação de dons e graça para eles, para a execução de seu ofício; pois é uma coisa vã para os homens assumirem e personificarem a autoridade. Tanto a evidência quanto a unção de Deus em dons e graça, tanto a autoridade que eles têm, e não mais, na pregação; e cada um, então, mantenha-se dentro de seus limites. 3. Outra coisa necessária aqui é, a experiência do poder das coisas que pregamos aos outros. Penso, verdadeiramente, que nenhum homem prega bem aos outros aquele sermão que não o pregam primeiro ao seu próprio coração. Aquele que não se alimenta, digere e prospera, o que ele prepara para o seu povo, ele pode dar-lhes veneno, tanto quanto ele sabe; pois, a menos que ele encontre o poder disso em seu próprio coração, ele não pode ter nenhum fundamento de confiança de que terá poder nos corações dos outros. É uma coisa mais fácil trazer nossas cabeças para pregar do que nossos corações para pregar. Porque trazer nossas cabeças para pregar, é apenas preencher nossas mentes e lembranças com algumas noções de verdade, de nós mesmos ou de outros homens, e comunicá-los para dar satisfação a nós mesmos e aos outros: isso é muito fácil. Mas levar nossos corações para pregar, é transformar-se no poder dessas verdades; ou encontrar o poder delas, antes, em moldar nossas mentes e corações, e em sua entrega, para que possamos beneficiar; e ser movidos com zelo por Deus e compaixão pelas almas dos homens. Um homem pode pregar todos os dias da semana e não ter seu coração comprometido uma só vez. Isso nos fez perder poderosas pregações no mundo, e criou, em vez disso, pregações pitorescas; pois esses homens nunca buscam a experiência em seus próprios corações; e assim aconteceu que a pregação de alguns homens nos levaram a perder o poder do que chamamos de ministério; que, no entanto, haja uma ordenação de vinte ou trinta mil ministros, mas a nação perece por falta de conhecimento e é dominada por todos os pecados, e não é libertada deles até hoje. 4. Habilidade para dividir a palavra corretamente. Essa habilidade para dividir a palavra corretamente, é sabedoria prática ao considerar a Palavra de Deus, - retirar não só o que é alimento substancial para as almas dos homens, mas o que é encontrar comida para quem nós pregamos. E isso, - 5. Requer o conhecimento e a consideração do estado dos nossos rebanhos. Aquele que não tem o estado de seu rebanho continuamente em seus olhos, e em sua mente, em sua obra de pregação, luta de forma insegura, como um homem batendo o ar. Se ele não considerar o que é o estado de seu rebanho, com referência às tentações, em referência para a sua luz ou para a sua escuridão, para o seu crescimento ou para a sua decadência, para o seu florescimento ou para a sua murchidão, para a medida dos seus conhecimentos e conquistas; - aquele que não considera devidamente estas coisas, nunca prega direito a eles. 6. É necessário, também, que sejam movidos pelo zelo pela glória de Deus e compaixão pelas almas dos homens. Falando estas poucas e simples palavras, posso dizer: "Quem é suficiente para essas coisas?". Exige a sabedoria espiritual que é necessária para compreender os mistérios do evangelho, capaz de instruir e conduzir à perfeição mais desenvolvida em nossas congregações; - aquela autoridade que procede da unção, e é uma evidência de uma unção com as graças e dons do Espírito; que por si só dá autoridade na pregação; - essa experiência que conforma todas as nossas almas em cada sermão que pregamos, para sentir a verdade no poder dela; - essa habilidade para dividir a palavra corretamente, etc. Portanto, vemos que temos grande necessidade de orar por nós mesmos e que você deve orar por nós. Ore por seus ministros. Este, então, é o primeiro dever exigido dos ministros do evangelho. Em segundo lugar. Outro dever exigido é a contínua oração pelas igrejas sobre as quais Cristo os fez supervisores. Não tenho tempo para confirmar essas coisas por testemunhos particulares: você sabe com que frequência o apóstolo expressa-o para si mesmo, e obriga-o a outros, continuamente a orar pelo rebanho. Nomearei quatro razões pelas quais devemos fazê-lo e quatro coisas pelas quais devemos orar: 1. A minha primeira razão é; porque acredito que nenhum homem pode ter provas em sua própria alma de que ele exerce conscienciosamente qualquer dever ministerial em relação ao seu rebanho, quando não ora continuamente por eles. Que ele pregue tanto quanto ele puder, visite o quanto ele quiser, fale o quanto ele quiser, a menos que Deus mantenha nele um espírito de oração em seu quarto e família para eles, ele não pode ter provas de que ele faça qualquer outro dever ministerial de forma devida, ou que o que ele aceita com Deus. Eu falo com aqueles que são sábios, e entendidos nessas coisas. 2. Esta é a maneira pela qual podemos abençoar nossas congregações. A benção impetrada com autoridade, tanto quanto eu sei, é tirada de nós. Há apenas o que é ético e declarativo deixado para nós. Agora, não há nenhuma maneira pela qual podemos abençoar nosso rebanho pela instituição, senão por uma oração contínua por uma benção sobre eles. 3. Se os homens são senão como costumavam ser, não acredito que nenhum ministro, nenhum pastor do mundo, possa manter um amor devido à sua igreja, que não ore por eles. Ele encontrará muitas provocações, imprudências e desvios espontâneos, para que nada possa manter seu coração com amor inflamado em relação a eles, senão orando por eles continuamente. Isso conquistará todos os preconceitos, - se ele continuar assim. E, - 4. A minha última razão é esta, - em nossas orações por nosso povo, Deus nos ensinará o que devemos pregar a eles. Não podemos orar por eles, mas devemos pensar sobre o que oramos, e essa é a consideração de sua condição; e aí Deus ensina os ministros do evangelho. Se assim for com eles, é o que eles devem ensiná-los. Quanto mais oramos por nosso povo, melhor seremos instruídos sobre o que pregar para eles. Os apóstolos, para nos tirar de todas as outras ocasiões, "se entregaram à oração e à palavra", Atos 6: 4. A oração é em primeiro lugar. Não a pessoal, mas a oração ministerial para a igreja e o progresso do evangelho. Por que devemos orar? 1. Pelo sucesso da palavra que nós pregamos a eles. Isso cai com a luz da natureza. Devemos orar pelo sucesso da palavra até todos os fins dela; e isto é, para todos os fins de vida de Deus, - para a direção no dever, para a instrução na verdade, para o crescimento na graça, para todas as coisas pelas quais podemos chegar ao gozo de Deus. Devemos orar para que todos esses fins possam ser cumpridos em nossas congregações, na dispensação da palavra, ou então semeamos aleatoriamente, o que não terá sucesso apenas por nossa semeadura; para que o lavrador rompa o terreno em pousio, e jogue a semente, - a menos que haja chuva, ele não terá colheita; da mesma forma, depois de termos lançado a semente do evangelho, embora os corações dos homens estejam preparados em alguma medida, a menos que haja os chuveiros do Espírito sobre eles, não haverá lucro. Portanto, oremos para que uma benção possa ser sobre a palavra. Os ministros da palavra pregam, e seriam aceitos com as pessoas; pegue esse o segredo, ore por ele; e é a única maneira de aceitá-lo nos corações do povo: siga-o com oração. 2. Devemos orar pela presença de Cristo em todas as nossas assembleias; pois isso é disso que depende toda a eficácia das ordenanças do evangelho. Cristo nos deu muitas promessas, e devemos agir com fé em relação a elas e orar com fé; que é um grande dever ministerial; e se não o fizermos, ignoramos nosso dever e estamos dispostos a trabalhar no fogo, onde todos devem perecer;    lutamos no perigo, pois toda a eficácia das ordenanças de pregar e orar não depende de nada em nós mesmos, em nossos dons, noções, fervor, mas depende apenas da presença de Cristo. Faça o seu negócio, orar poderosamente nela na congregação, para tornar tudo eficaz. 3. Nossas orações devem ser com respeito ao estado e condição da igreja. É suposto que um ministro, esteja satisfeito de ter alguma medida de compreensão e conhecimento nos mistérios do evangelho; que ele seja capaz de conduzir o melhor da congregação para a salvação; que ele conhece sua medida, sua fraqueza e suas tentações; que ele conhece os tempos e as estações em que eles são atribulados e expostos, sejam tempos de adversidade ou prosperidade; e, na medida do possível, sabe como estão as pessoas. E devemos atender às nossas orações de acordo com tudo o que sabemos sobre eles, e ficar convencidos de que o próprio Cristo entrará para recuperar os que foram caídos, para confirmar quem está assim, para curar aqueles que fazem retrocesso, para fortalecer os que são tentados, para encorajar os que estão correndo e pressionando para a perfeição, para aliviar aqueles que estão desconsolados e nas trevas; e temos de todo esse tipo em nossas igrejas. E nossas orações devem ser para uma comunicação de suprimentos para eles continuamente, em todos esses casos. Terceiro. Cabe aos pastores e mestres de igrejas preservar a verdade e a doutrina do evangelho, que está comprometida com a igreja, - mantê-la completa e defendê-la contra toda a oposição. Veja as palavras de peso com que o apóstolo põe isso a cargo de Timóteo, 1 Timóteo 6:20, " Ó Timóteo, guarda o depósito que te foi confiado, evitando as conversas vãs e profanas e as oposições da falsamente chamada ciência.", e 2 Timóteo 1:14; "guarda o bom depósito com o auxílio do Espírito Santo, que habita em nós." Essa ordenança é dada a todos nós que somos ministros, "Mantenha bem a verdade, essa coisa abençoada." "É", diz o apóstolo, "o glorioso evangelho do Deus bendito, que a mim foi confiado.", 1 Timóteo 1:11. E está comprometido com toda a nossa confiança; e devemos mantê-lo contra toda oposição. A igreja é o esteio e o pilar da verdade, para manter e declarar a verdade, em e por seus ministros. Mas isso é tudo? Não; a igreja "é como a torre de Davi, edificada para sala de armas; no qual pendem mil broquéis, todos escudos de guerreiros valentes.", Cantares 4: 4. Os ministros do evangelho são broquéis e escudos para defender a verdade contra todos adversários e opositores. A igreja teve milhares de broquéis e escudos de homens poderosos, ou então a verdade teria sido perdida. Eles não existem apenas para declará-la na pregação do evangelho; mas para defendê-la e preservá-la contra toda oposição, - manter o broquel e o escudo da fé contra todos os opositores. Mas o que é necessário aqui? 1. É exigido uma apreensão clara em nós mesmos das doutrinas e verdades que defendemos. A verdade pode ser perdida tanto pela fraqueza como pela iniquidade: se não temos uma apreensão total da verdade, e que, por causa de seus próprios fundamentos e princípios, nunca poderemos defendê-la. Isto deve ser alcançado de todas as maneiras e meios, - pelo uso, especialmente, de uma oração e estudo diligentes, - para que possamos parar a boca dos adversários. 2. É necessário o amor da verdade. Devemos lutar com sinceridade pela verdade, e nunca "comprá-la e vendê-la", o que quer que saibamos, a menos que nosso amor e valor dela surjam a partir de um sentido e experiência nela em nossas próprias almas. Temo que haja muita perda de verdade, não por falta de luz, conhecimento e capacidade, mas por falta de amor. Tenho a vantagem sobre a maioria aqui presente, que eu conheço o concurso que tivemos para as verdades do evangelho antes. nossos problemas começarem, e fui uma pessoa adiantada envolvida neles; e conheci aqueles ministros piedosos que a disseram por suas vidas e almas, e que toda a oposição que foi feita contra eles nunca foi capaz de desencorajá-los. Quais foram essas doutrinas? - as doutrinas da predestinação eterna, a conversão efetiva a Deus e a obediência a reprovações perversas pela providência de Deus. Essas verdades não são perdidas por falta de habilidade, mas por falta de amor. Nós escasseamos em ouvir uma palavra deles; quase estamos com vergonha de mencioná-los na igreja; por temor de ficar exposto ao desprezo público: mas não devemos ter vergonha da verdade. Com toda a força, não poderíamos encontrar um ministro piedoso, mas o erro do arminianismo foi considerado por ele como a ruína e veneno das almas dos homens: o tal tremeu, escreveu e contestou contra isso. Mas agora não é assim; a doutrina do evangelho é ainda a mesma, embora poucos tenham tomado conhecido dela por alguns entre eles, o amor por isto grandemente tem decaído - o senso e o poder quase perdidos. Mas não demos motivos para isso; nós não somos mais santos, mais frutíferos do que éramos sob a pregação dessas doutrinas e atendendo diligentemente a elas.    3. Tenha em mente qualquer opinião sobre novas opiniões, especialmente em, ou sobre, ou contra tais pontos de fé, como aqueles em que eles estavam antes e adormeceram, encontraram vida, conforto e poder. Quem teria pensado que devíamos ter chegado a uma indiferença quanto à doutrina da justificação, e discutir sobre o interesse das obras na justificação; sobre a redenção geral, que tira a eficácia da obra redentora de Cristo; e sobre a perseverança dos santos; quando estes foram a alma e a vida daqueles que viveram antes de nós, que acharam o poder e o conforto delas? Não devemos manter essas verdades, a menos que encontremos o mesmo conforto nelas que eles. Eu vivi para ver grandes alterações nos ministros piedosos da nação, tanto quanto ao zelo e valor das verdades importantes que eram como a vida da Reforma; e a doutrina do livre-arbítrio condenados em uma oração, ligada ao fim de suas Bíblias. Mas agora está crescido em uma coisa indiferente; e as horríveis corrupções que sofremos para serem introduzidas na doutrina da justificação enfraqueceram todos os sinais vitais da religião. Deixe-nos, pelo resto dos nossos dias, "comprar a verdade e não vendê-la", e fiquemos zelosos e vigilantes sobre qualquer coisa que se dê nas nossas congregações. Deixe um homem na congregação ter uma opinião, e ele a agitará mais do que todo o resto da congregação, edificando-se uns aos outros em sua santíssima fé. Tome cuidado para que não haja entre nós mesmos aqueles que falam coisas perversas; que é abrir caminho para lobos vorazes para quebrar e rasgar o rebanho. 4. Há habilidades necessárias para descobrir e poder se opor e confundir o sofisma astuto dos adversários. É necessária grande oração, vigilância e diligência, para que possamos atender a essas coisas. E aqueles que são menos qualificados podem fazer bem para aconselhar aqueles que estão atribulados, para dar-lhes ajuda e assistência. Por último. Devo mencionar um dever a mais que seja exigido aos pastores e mestres da igreja; e isto é, - que trabalhem diligentemente para a conversão das almas. Este trabalho está comprometido a eles. Não devo mencionar isso, mas corrigir um erro em alguns. O fim de todas as igrejas particulares é o chamado e a edificação da igreja universal. Cristo não designou seus ministros para olharem a si mesmos; eles devem ser o meio de chamar e reunir os eleitos em todas as épocas; e isso eles devem principalmente fazer pelo seu ministério. Eu confesso que existem outros meios e modos externos pelos quais os homens foram e podem ser convertidos. Eu acho, por longa observação, que a luz comum, em conjunto com aflições, começa a conversão de muitos, sem essa ou aquela palavra especial; e as pessoas podem ser convertidas em Deus por conferência religiosa. Pode haver muitas conversões ocasionais forjadas pela instrumentalidade de homens que têm dons espirituais reais para a dispensação da palavra, e ocasionalmente são chamados a isso. Mas principalmente este trabalho está comprometido aos pastores das igrejas, para a conversão das almas. Tome esta observação, - o primeiro objeto da palavra é o mundo. Nosso trabalho é o mesmo dos apóstolos; mas o método é diretamente contrário. Os apóstolos tiveram um trabalho que lhes foi confiado, e este foi o método deles: - O primeiro trabalho comprometido aos apóstolos foi o convencimento e conversão de pecadores a Cristo entre judeus e gentios, - pregar o evangelho, para converter infiéis; - isso representou o principal trabalho. Paulo não fez nada para administrar a ordenança do batismo, em comparação com isto. "Cristo não me enviou", diz ele, "para batizar, mas pregar o evangelho", 1 Coríntios 1:17.    Em comparação, eu digo que a pregação era seu principal trabalho. E então, seu segundo trabalho era ensinar aqueles que eram discípulos a fazer e observar tudo o que Cristo lhes mandava, e levá-los à ordem da igreja. Esse era o método deles. Agora o mesmo trabalho está comprometido com os pastores das igrejas; mas em um método contrário. O primeiro objeto de nosso ministério é a igreja, - construir e edificar a igreja. Mas o que então? A outra parte do trabalho é tirada, que eles não devem pregar para converter almas? Deus o proíba. Há várias maneiras pelas quais os que são pastores das igrejas pregam para a conversão das almas: 1. Quando outras pessoas que não são convertidas, vêm onde estão pregando, às suas próprias congregações (das quais temos experiência todos os dias), elas são convertidas a Deus pela execução pastoral de seu dever. "Não", dizem alguns; "Eles pregam à igreja como ministros, - para outros apenas como espiritualmente dotados". Mas ninguém pode fazer essa distinção em sua própria consciência. Suponha que haja quinhentos neste lugar, e uma centena desta igreja, você pode fazer a distinção, que eu preguei em uma dupla capacidade, - para alguns como ministro e para outros, não como ministro? Nem a regra, nem a razão, nem a luz natural, expressam qualquer coisa para esse propósito. Pregamos como ministros para aqueles a quem pregamos, para a conversão de suas almas. 2. Os ministros podem pregar para a conversão das almas, quando pregam em outro lugar ocasionalmente. Eles pregam como ministros onde eles pregam. Eu sei que o caráter indelével é uma invenção; mas o ofício do pastor não é tal como os homens podem sair de casa quando vão para o exterior. Isto não está no próprio poder de um ministro, a menos que seja legalmente demitido ou deposto, para impedi-lo de pregar como ministro. E é dever das igrejas particulares (um fim de sua instituição em ser chamada e reunir a igreja universal) para se separar com seus oficiais por uma temporada, quando chamado para pregar em outros lugares para converter as almas para Cristo. Tivemos um ministério glorioso na última era, - maravilhosos instrumentos para a conversão das almas. Eles os converteram como homens talentosos e não como ministros? Deus proíba. Eu digo, pode ser feito porque eles que receberam dons e não foram chamados para o cargo; mas não conheço nenhum motivo para que alguém se dedique ao exercício constante de dons ministeriais, e não diga ao Senhor em oração: "Senhor, aqui estou eu; envie-me." Eu tive tempo e força, devo contar-lhe o dever de pastores e mestres na administração dos selos, e o que é exigido para isso; e seu dever em dirigir e confortar as consciências de todos os tipos de crentes; - que prudência, pureza, condescendência e paciência são requeridas nela, como uma grande parte do nosso dever ministerial. Eu deveria mostrar-lhe, também, o seu dever no governo da igreja. Não que Cristo sempre pretendeu que apenas exercessem o governo da igreja, - e tirá-los desse grande e importante dever de pregar o evangelho; senão quando o tempo e as ocasiões lhes permitirão, atender ao governo da igreja.   
E, finalmente, em um procedimento exemplar e na reunião com outras igrejas de sua ordem, para a comunhão gerencial da igreja. "Quem é suficiente para essas coisas?" Orem, orem por nós; e Deus nos fortaleça, e nosso irmão, que foi chamado hoje ao trabalho. Não pode ser inútil para ele e para mim, ter consciência dessas coisas e implorar a assistência de nossos irmãos.




Publicado no site: O Melhor da Web em 13/02/2018
Código do Texto: 136528
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
Sou Fã de...
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.