Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
Silvio Dutra

Todas imagens extraídas da galeria do Google.
kuryos - Silvio Dutra
RSS - As recentes de:Silvio Dutra
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



Silvio Dutra
Aniversário: 25/11
Cadastrado desde: 29/08/2012 -

Texto mais recente: O Maior e Melhor Dom

Textos & Poesias || Evangélicas

Imprimir
Tempos Perigosos
17/02/2018
Autor(a): Silvio Dutra

Tempos Perigosos


   John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

"Sabe, porém, isto, que nos últimos dias sobrevirão tempos perigosos." (2 Timóteo 3.1)
Você conhece o meu modo, nessas ocasiões, de falar tão claramente e familiarmente quanto posso ao que é nosso presente interesse; e assim eu pretendo fazer neste momento, se agradar a Deus ajudar nossas fraquezas.
As palavras contêm um aviso de perigos iminentes. E há quatro coisas nelas: - Primeiro, a maneira do aviso: "Sabe porém".
Em segundo lugar, o próprio mal que eles são avisados: "tempos perigosos".   
Em terceiro lugar, o modo da sua introdução: "Eles virão". Em quarto lugar, a sua época: "Eles virão nos últimos dias: - Primeiro. A maneira da advertência: "Isto sabe também" - "Timóteo, para as outras instruções que eu lhe dei como se comportar na casa de Deus, para que você possa ser estabelecido como um padrão para todos os ministros do evangelho em futuras idades, também devo acrescentar isso, “isso também sabe”. “Pertence ao seu dever e ofício conhecer e considerar os julgamentos iminentes que estão chegando sobre as igrejas."
E assim, como justificativa do meu projeto atual, se Deus me permitir isso, eu vou aqui fazer o que é dever da ministros do evangelho: prever e tomar conhecimento dos perigos que as igrejas estão passando.
E o Senhor nos ajude, e todos os outros ministros, a serem despertados para esta parte do nosso dever! Você sabe como Deus apresenta isso (Ezequiel 33) na parábola do atalaia, para advertir os homens dos perigos que se aproximam. E verdadeiramente Deus nos deu esta lei: - Se avisamos as igrejas de seus perigos que se aproximam, cumprimos nosso dever; se não o fizermos, seu sangue será exigido em nossas mãos. O Espírito de Deus previu uma negligência para crescer sobre nós nesta matéria; e, portanto, a Escritura apenas propõe o dever, por um lado, e, por outro, exige o sangue do povo nas mãos dos vigias, se não cumprirem seu dever. Então fala o profeta em Isaías 21: 8: "Então clamou aquele que viu: Senhor, sobre a torre de vigia estou em pé continuamente de dia, e de guarda me ponho todas as noites.". Um leão é um emblema do julgamento que se aproxima. "Rugirá o leão no bosque, sem que tenha presa?", diz o profeta Amós. O dever dos ministros do evangelho é advertir sobre os perigos iminentes.
Ainda; o apóstolo, ao falar a Timóteo, também nos fala a todos nós: "Isto conhece você também". É a grande preocupação de todos os professantes e crentes, de todas as igrejas, terem o coração muito fixo sobre o presente quanto a perigos se aproximando. Perguntei por muito tempo sobre sinais e evidências de libertação, e eu não sei o que, que quase perdemos o benefício de todas as nossas provações, aflições e perseguições. O dever de todos os crentes é estar atentos a perigos presentes e iminentes. "Senhor", dizem os discípulos, Mateus 24, "qual será o sinal da sua vinda?" Eles foram estabelecidos para a sua vinda. Nosso Salvador responde: "Eu lhes direi: 1. Haverá abundância de erros e falsos mestres; muitos dirão: "Eis que o Cristo está aqui, ou ali, não lhe deis crédito". 2. Deve haver uma apostasia da santidade: "A iniquidade abundará, e o amor de muitos esfriará". 3. Haverá grande sofrimento das nações: "Nação se levantará contra nação e reino contra reino". 4. Deve haver grandes perseguições : “E eles vos perseguirão, e vos trarão diante dos governantes; e sereis odiados de todos os homens por causa do meu nome." 5. Haverá grandes sinais da ira de Deus no céu: "Sinais nos céus, no sol, na lua e nas estrelas". O Senhor Jesus Cristo conhece os crentes - como eles devem procurar sua vinda; ele fala sobre todos os perigos. Tenha intenção sobre essas coisas. Eu sei que você é capaz de ignorá-las; mas estas são as coisas sobre as quais você deve vigiar.
Não ser sensível a uma época presente perigosa, essa é a segurança que a Escritura condena; e deixarei isso com você, em suma, sob estas três coisas: 1. É esse quadro de coração que, de todos os outros, Deus detesta e aborrece. Nada é mais odioso para Deus do que um quadro seguro em dias perigosos. 2. Dizer: Não vou temer isso e irei adiante, quanto ao meu senso, ao dia do julgamento: uma pessoa segura, em períodos perigosos, está seguramente sob o poder de uma luxúria predominante, seja ela aparente ou não. 3. Este quadro seguro e sem sentido é um certo presságio da ruína que se aproxima. Sabe, irmão, ore, conheça isso, imploro a você, por você e pela minha própria alma, que você será sensível e afetado pelos perigos da época em que somos moldados. O que são esses tempos, se Deus me ajude e me dê um pouco de força, eu vou mostrar-lhe um pouco.
Em segundo lugar. Há o mal e o próprio perigo, assim prevenido; e isto é, kairoi calepoi, tempos difíceis, tempos perigosos, tempos de grande dificuldade, como aqueles de pragas públicas, quando a morte está em todas as portas; vezes que tenho a certeza de que não devemos todos escapar. Não vou dizer mais isso agora, porque é o que eu devo falar principalmente depois.
Em terceiro lugar. A maneira de sua introdução, ejnsth sontai, - "virá".
Não temos nenhuma palavra em nossa linguagem que exprima a força de ejni> sthmi.
Os latinos o expressam por "imineo, incido", - a queda de uma galinha para sua presa. Agora, nossos tradutores lhe deram a maior força possível. Eles não dizem: "Os tempos perigosos virão", como se eles tenham prognosticado eventos futuros; mas, "Vem tempos perigosos". Aqui está uma mão de Deus nesse negócio; eles virão, serão tão instantâneos na sua vinda, para que nada os impeça; eles devem imediatamente pressionar e prevalecer. Nossa grande sabedoria, então, será o olho no desagrado de Deus em tempos perigosos; uma vez que existe uma mão judicial de Deus neles, e vemos em nós mesmos o motivo pelo qual eles devem vir. Mas quando eles virão?
Em quarto lugar. Eles "virão nos últimos dias".
As palavras "últimos" ou "últimos dias" são tomadas de três maneiras na Escritura; - às vezes para os tempos do evangelho, em oposição à igreja-estado judaica; como em Hebreus 1: 2: "Nos últimos dias nos falou pelo seu Filho"; e em outros lugares pode ser tomado (embora não me lembre do lugar) por dias, para a consumação de todas as coisas e o fim do mundo; - e é tomado frequentemente para os últimos dias da igreja; Timóteo 4: 1, "O Espírito fala expressamente, que nos últimos tempos alguns apostatarão da fé". E assim diz o apóstolo João, em 1 João 2:18, "Filhinhos, esta é a última hora; e, conforme ouvistes que vem o anticristo, já muitos anticristos se têm levantado; por onde conhecemos que é a última hora."
E essa é a época aqui pretendida. Mas ainda assim você pode entender em que sentido é dito: os últimos dias, os dias do evangelho; os últimos dias para a consumação de todas as coisas e do fim do mundo; os últimos dias, seguindo os dias da profissão de igrejas, as chamadas Igrejas Reformadas, ou nossas próprias igrejas, nas formas em que caminhamos; e os últimos dias em relação à nossa vida. Em qualquer sentido, que as palavras sejam tomadas, é hora de olharmos o que acontecerá nestes últimos dias.
Mas a observação que, no momento, devo insistir no texto é a seguinte: Quando as igrejas continuaram por algum tempo em sua profissão e começam a cair sob a decadência, períodos perigosos as alcançarão, o que será difícil para eles escapar: "Isto sabe também, que tempos perigosos virão".
Meu desígnio é apenas mover suas mentes um pouco para a obra do dia: e tudo o que devo fazer é mostrar, em vários casos, quais são as coisas que tornam uma época perigosa; e qual é o nosso dever com referência a períodos tão perigosos, tanto em perigo particular quanto em tempos perigosos em geral.
I. A primeira coisa que faz uma época perigosa é, quando a profissão de religião verdadeira é mantida externamente sob uma predominância visível de concupiscências horríveis e perversidades. E a razão pela qual eu o nomeio em primeiro lugar, é porque o apóstolo dá exemplos, neste lugar, "tempos perigosos virão". Por quê? "Pois os homens serão amantes de si mesmos, gananciosos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a seus pais, ingratos, ímpios, sem afeição natural, implacáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando-lhe o poder." Isso tornou a época perigosa.
Seja isso uma temporada ou não, você julga. E devo dizer, a propósito, podemos e devemos testemunhar contra isso, e lutar pelos pecados públicos dos dias em que vivemos. É tão glorioso ser um mártir por ter testemunhado contra os pecados públicos de uma época, como em dar testemunho de qualquer verdade do evangelho.
Agora, onde essas coisas estão, uma época é perigosa, - 1. Por causa da infecção. Igrejas e professantes podem ser infectados com isto. O historiador nos fala de uma praga em Atenas, no segundo e terceiro anos da guerra do Peloponeso, pela qual morreram multidões; e daqueles que viveram, poucos escaparam, mas perderam um membro, ou parte de um membro, um olho, outro um braço e outros um dedo, a infecção era tão grande e terrível. E, verdadeiramente, irmãos, onde vem esta praga, - da prática visível das concupiscências impuras sob uma profissão externa -, embora os homens não morram, mas um perde um braço, outro um olho, outro,    uma perna por ela: a infecção se difunde ao melhor dos professantes. Este torna-o um momento perigoso e perigoso.
2. É perigoso, por causa dos efeitos; pois quando as luxúrias predominantes quebraram todos os limites da luz divina e regem, por quanto tempo você acha que as regras humanas as manterão em ordem? Eles atravessam tudo em uma época como o apóstolo descreve. E se eles vierem romper todas as restrições humanas, como eles romperam as divinas, eles encherão todas as coisas com a ruína e confusão.
3. Eles são perigosos na consequência; isto é, os julgamentos de Deus. Quando os homens não recebem a verdade no amor dela, mas têm prazer na injustiça, Deus lhes enviará forte ilusão, para acreditar em uma mentira. Então, 2 Tessalonicenses 2: 10,11, é uma descrição de como o papado veio sobre o mundo. Os homens professavam a verdade da religião, mas não a amavam, eles amavam a injustiça e a impiedade; e Deus lhes enviou o Papa. Essa é a interpretação do lugar, de acordo com os melhores teólogos. Você professará a verdade e, ao mesmo tempo, amará a injustiça? A consequência é a segurança sob superstição e impiedade. Este é o fim de uma época tão perigosa; e coisas semelhantes podem ser ditas quanto a julgamentos temporais, que eu não preciso mencionar. Consideremos agora o que é nosso dever em uma época tão perigosa: - (1.) Devemos lutar muito contra as abominações públicas do mundo e da nação em que vivemos. Eu apenas observaria aquele lugar em Ezequiel 9, em que Deus envia seus julgamentos e destrói a cidade; mas antes, ele faz uma marca nas testas dos homens que suspiram por todas as abominações que são feitas no meio dela. Você encontrará esta passagem referida em Apocalipse 7: 3, "Não prejudique a terra, nem o mar, nem as árvores, até que nós selemos os servos de nosso Deus nas suas frontes". Eu só observaria isso, que os tais são apenas os servos de Deus, que os homens professem o que quiserem, "que lamentam pelas abominações que são feitas na terra". E verdadeiramente, irmãos, certamente somos culpados neste assunto. Nós ficamos quase satisfeitos de que os homens deveriam ser tão perversos quanto eles são, e nos sentamos quietos e vemos o que aconteceria. Cristo foi desonrado, o Espírito de Deus blasfemado, e Deus provocado contra a nossa nação; e ainda não fomos afetados com essas coisas. Eu realmente posso dizer com sinceridade, bendigo a Deus, às vezes trabalhei com meu próprio coração sobre isso. Mas receio que todos nós cheguemos muito abaixo do nosso dever nesta matéria. "Rios de águas", diz o salmista, "corram nos meus olhos, porque os homens não guardam a tua lei." Horrível profanação do nome de Deus, horríveis abominações, que os nossos olhos viram, e nossos ouvidos ouviram, e ainda nossos corações não foram afetados com elas! Você acha que isso é um quadro de coração que Deus exige de nós em uma época desse tipo, para viver independentemente de tudo, e não para lutar pelas abominações públicas da terra? Os servos de Deus clamarão. Eu poderia falar, mas não sou livre para falar, para aqueles preconceitos que nos impedem de luto pelas abominações públicas; mas eles podem ser facilmente sugeridos para todos os seus pensamentos, e particularmente o que são aqueles que nos impediram de atender mais a este dever de luto por abominações públicas.
E deixe-me dizer que, de acordo com a regra das Escrituras, nenhum de nós pode ter provas de que devamos escapar aos julgamentos externos que Deus trará para essas abominações, se não tivéssemos sido entediados por elas; mas que, como uma vingança inteligente, quanto às dispensações externas, pode cair sobre nós como sobre os que são mais culpados deles, nenhuma evidência das Escrituras temos em contrário. Como Deus pode lidar conosco, eu não sei.
Isto, então, é uma parte do dever deste dia, - que devemos humilhar nossas almas por todas as abominações que estão sendo cometidas na nossa nação.
(2) Nosso segundo dever, em referência a esta época perigosa é, cuidar que não estejamos infectados com os males e pecados. Um homem pensaria que era bastante contrário; mas, na verdade, para o melhor da minha observação, isto é, e tem sido, o quadro das coisas, a menos que em alguma dispensação extraordinária do Espírito de Deus: - quando os pecados de alguns homens crescem muito alto, as graças de outros homens crescem muito baixas. Nosso Salvador disse-nos em Mateus 24:12, "porque a iniquidade abundará, o amor de muitos esfriará". Um homem pensaria que a abundância da iniquidade no mundo deveria dar grande provocação ao amor de uns aos outros. "Não", diz o nosso Salvador, "o contrário será encontrado como verdadeiro: quando os pecados de alguns homens crescem alto, as graças de outros homens diminuem."
E há estas razões para isso: - [1.] Em tal época, somos propensos a ter pensamentos leves de grandes pecados. O profeta considerou-o como terrível, que, quando Joaquim lançou o rolo da profecia de Jeremias no fogo, até que fosse consumido, "contudo não temeram, nem rasgaram os seus vestidos, nem o rei nem nenhum dos seus servos que ouviram todas aquelas palavras.", Jeremias 36:24. Eles ficaram sem senso, tanto de pecado como de julgamento. E onde os homens (sejam eles em outros aspectos, nunca tão sábios) podem crescer sem senso do pecado, eles também se tornarão sem senso nos julgamentos. E temo, que a grande razão pela qual muitos de nós não têm nenhuma impressão sobre nossos espíritos de perigos nos dias em que vivemos é porque não somos sensíveis ao pecado. [2.] Os homens estão dispostos a tolerar-se em males menores, tendo os olhos fixos em abominações maiores de outros homens, que eles contemplam todos os dias; além disso, há aqueles que pagam sua homenagem ao diabo, - caminham em tais abominações e, portanto, sentem-se em menores males.
Isso faz parte da infecção pública, - que "e acham estranho não correrdes com eles no mesmo desenfreamento de dissolução, blasfemando de vós.", embora vivam na omissão do dever, conformidade com o mundo e em muitos tolos, dolorosos e ruidosos desejos. Eles se admiram com isso, que outros são culpados de abominações maiores. [3.] Ore para que se lembre disso, que tenha ocasião para isso (você pode conhecê-lo melhor do que eu, mas, no entanto, eu o conheço pela regra, tanto quanto você faz pela prática), esse comportamento geral no mundo, em tal uma época, está cheio de perigo. A maioria dos professantes é cultivada na forma e na complexidade daqueles com quem convivem.
Esta é a primeira coisa que faz uma época perigosa. Não sei se essas coisas podem ser preocupantes e úteis para você; elas parecem muito para mim, e não posso deixar de conhecê-las.
II. Uma segunda época perigosa é quando os homens estão propensos a abandonar a verdade, e os sedutores abundam para reunir-se aos que são assim; e você sempre terá essas coisas juntas. Vocês sabem que os sedutores são abundantes? Você pode ter certeza de que existe uma propensão nas mentes dos homens para abandonar a verdade: e quando há uma tendência, eles nunca querem sedutores, - aqueles que afastarão as mentes dos homens da verdade; pois há a mão de Deus e Satanás neste negócio. Deus deixa judicialmente os homens, quando os vê cansados da verdade e propensos a deixá-lo; e Satanás ataca na ocasião, e desencadeia sedutores. Isso faz uma época perigosa. O apóstolo descreve isso em 1 Timóteo 4: 1: "Agora o Espírito fala expressamente, que nos últimos tempos" (estes dias perigosos) "alguns se afastarão da fé, ouvindo espíritos sedutores e doutrinas de demônios". Então, Pedro adverte a quem ele escreve, 2 Pedro 2: 1,2, que "haverá falsos professantes entre eles, que, secretamente, trarão feridas condenáveis, negando mesmo ao Senhor que os comprou e traga sobre si uma destruição rápida; e muitos devem seguir seus caminhos perniciosos."
Chegarão tempos cheios de perigo, que retirarão os homens da verdade para a destruição.
Se for perguntado, como podemos saber se há alguma tendência nas mentes dos homens em qualquer época para se afastar da verdade? Há três maneiras pelas quais podemos julgar isso: - 1. A primeira é o mencionado em 2 Timóteo 4: 3, "Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos."
Quando os homens ficam cansados da sã doutrina, - quando é muito simples, muito pesada, também comum, muito alta, muito misteriosa, uma coisa ou outra que os desagrada, e eles ouvirem algo novo, algo que pode agradar, - é um sinal de que há naquela época muitos que são propensos a abandonar a sã doutrina: e muitos, como sabemos. 2. Quando os homens perderam o poder da verdade em sua conversa e são tão propensos e prontos para se separar da profissão em suas mentes. Você vê um homem mantendo a profissão da verdade sob uma conversa mundana? Ele quer, senão iscas de tentação, ou um sedutor, para tirar sua fé. A inclinação para ouvir as novidades e a perda do poder da verdade na conversa é um sinal de propensão a esta declinação da verdade. Tal temporada, você vê, é perigosa. E por que é perigosa? Porque as almas de muitos são destruídas nela. O apóstolo nos diz diretamente, em 2 Pedro 2: 1, de "Mas houve também entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá falsos mestres, os quais introduzirão encobertamente heresias destruidoras, negando até o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição." Será que eles permanecerão nisto? Não: "E muitos seguirão seus caminhos perniciosos, por causa de quem o caminho da verdade será mal falado". Irmãos, enquanto está bem conosco, pela graça de Deus, e nossas próprias casas não estão em chamas, ore para não nos deixar pensar que os tempos não são perigosos, quando tantos se voltam para erros perniciosos e caem em destruição rápida. Você diz que o tempo da praga pública não foi perigoso, porque você está vivo? Não. O fogo não foi terrível porque suas casas não foram queimadas? Não; não obstante, diga que foi uma praga terrível e um fogo terrível. E considere, não é esta uma época perigosa, quando as multidões têm uma inclinação para se afastar da verdade, e Deus, em juízo justo, permitiu que Satanás mova sedutores para atraí-los a caminhos perniciosos e suas pobres almas pereçam para sempre. Além disso, há uma grande habilidade em tal época para trabalhar indiferença nas mentes daqueles que não pretendem abandonar a verdade completamente. Pouco pensei que eu deveria ter vivido neste mundo para encontrar as mentes de professantes completamente indiferentes quanto à doutrina da eleição eterna de Deus, a eficácia soberana da graça na conversão dos pecadores, a justificação pela imputação da justiça de Cristo; mas muitos são, em relação a todas essas coisas, crescidos para uma indiferença: eles não sabem se são ou não. Eu abençoo a Deus, eu conheço alguma coisa da geração anterior, quando os professantes não ouviram essas coisas sem a mais alta oposição; e agora professantes eminentes começam a ser líderes nela: e há muito entre os melhores de nós. Não estamos tão preocupados com a verdade como nossos antepassados; eu queria poder dizer que éramos muito santos. 3. Essa tendência para se afastar da verdade é uma época perigosa, porque é a maior prova da retirada do Espírito de Deus de sua igreja: porque o Espírito de Deus é prometido para este fim "para nos levar a toda a verdade". E quando a eficácia da verdade começa a decair, é a maior prova do afastamento e retirada do Espírito de Deus. E eu acho que isso é perigoso; pois se o Espírito de Deus se afastar, nossa glória e nossa vida se afastarão.
O que, agora, é nosso dever em referência a esta época perigosa? Avisos prévios de perigos nos são dados para nos instruir em nosso dever. (1.) O primeiro é, para não se contentar com o que você julga uma profissão sincera de verdade; mas para trabalhar para ser encontrado no exercício de todas aquelas graças que peculiarmente respeitam à verdade. Há graças que respeitam peculiarmente à verdade que devemos exercer; e se estas não forem encontradas em nossos corações, toda a nossa profissão dará em nada.
E estas são: - [1.] Amor: "Porque eles não amaram a verdade". Eles fizeram profissão do evangelho; mas eles não receberam a verdade no amor a ela. Havia falta de amor pela verdade. A verdade não fará nenhum homem bom, onde não há amor por ela. "Falando a verdade em amor", é a substância de nossa profissão cristã. Ore, irmãos, que trabalhemos para amar a verdade; e para tirar todos os preconceitos de nossas mentes, e que possamos fazê-lo. [2.] É a grande e única regra para nos preservar em tempos perigosos, trabalhar para ter a experiência do poder de toda verdade em nossos corações. Se assim for, aprendemos do Senhor Jesus. Como? Então, para "se despojar do velho homem, que é corrupto de acordo com as concupiscências enganosas", e "revestir-se do novo homem, que é criado segundo Deus em justiça e verdadeira santidade", Efésios 4: 22-24. Isto é aprender a verdade. A grande graça que deve ser exercida com referência à verdade em uma época como esta, é exemplificá-la em nossos corações no poder dela. Trabalhe pela experiência do poder de toda verdade em seus próprios corações e vidas. [3.] Zelo pela verdade. A verdade é o objeto mais adequado para o zelo. Devemos "lutar firmemente pela verdade, uma vez entregue aos santos", para estar disposto, como Deus nos ajude, a separar-se de nome e reputação, e submeter-se a desprezo e rejeição, tudo o que este mundo pode lançar sobre nós, ao darmos testemunho da verdade. Tudo o que esse mundo considera caro e valioso deve ser abandonado, e não a verdade. Este foi o grande fim pelo qual Cristo veio ao mundo. (2). Segure os meios que Deus designou e ordenou para sua preservação na verdade. Vejo que alguns estão prontos para dormir, e não se consideram preocupados com estas coisas: que o Senhor desperte seus corações!
Mantenha os meios de preservação na verdade, - o ministério atual.
Bendigo a Deus pelo restante de um ministério que valoriza a verdade, conhecendo a verdade, na fé sã. Há pouca influência sobre as mentes dos homens a partir desta ordenança e instituição de Deus, no grande negócio do ministério. Mas sabe que há algo mais nisso do que parece que eles têm melhores habilidades para disputar do que você; mais conhecimento, mais luz, melhores entendimentos do que você. Se você não sabe mais no ministério do que isso, você nunca terá benefício por isso. Eles são a ordenança de Deus; o nome de Deus está sobre eles; Deus será santificado neles. Eles são a ordenança de Deus para a preservação da verdade. (3.) Lembremos cuidadosamente da fé daqueles que foram antes de nós nesta nação, na profissão da última época. Eu sou capaz de pensar que não havia uma profissão mais gloriosa por mil anos na face da terra, do que a que havia entre os professantes da última era nesta nação. E de que fé eles eram? Eram meio arminianos e meio socinianos; meio papistas e meio eu não sei o que? Lembre-se de quão zelosos eles eram pela verdade; quão pouco as suas almas santas teriam suportado esses desvios públicos da doutrina da verdade que vemos, e não lamentamos, e nada fazemos nos dias em que vivemos. Deus estava com eles; e viveram para a sua glória, e morreram em paz: "segui a fé", e o exemplo persegue. E lembre-se da fé em que viveram e morreram: olhe ao redor e veja se algum dos novos credos produziu uma nova santidade para exceder a deles.
III. Uma terceira coisa que faz uma época perigosa é, professantes misturando-se com o mundo e aprendendo sua maneira. E se as outras épocas perigosas vierem sobre nós, isso também vem sobre nós. Este foi o fundamento e a fonte da primeira época perigosa que estava no mundo, que primeiro trouxe um dilúvio de pecado e depois um dilúvio de miséria. Foi o início da primeira apostasia pública da igreja, que deu na mais severa marca do desagrado de Deus. Gênesis 6: 2, "viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram." Este é apenas um exemplo da igreja de Deus, filhos de Deus, professantes, misturando-se com o mundo. Isso não era tudo, que eles levaram para si mulheres; mas este foi um exemplo que o Espírito Santo dá que a igreja naquela época degenerou e se misturou com o mundo. Qual é o fim de se misturar dessa maneira com o mundo? Salmo 106: 35, "Misturaram-se com as nações." E o que então? "E aprenderam seus costumes." Se alguma coisa sob o céu fará uma época perigosa, isso fará isto, - quando nos misturamos com o mundo e aprendemos seus costumes. Há duas coisas sobre as quais eu falo: - 1. onde professantes se misturam com o mundo. 2. O perigo disso. 1. Os professantes se misturam com o mundo naquilo em que é o mundo, que é próprio do mundo. O que é mais eminentemente e visivelmente do diabo, os professantes não se misturam tão rapidamente com isto; mas naquilo em que é o mundo, em suas próprias cores; - como na comunicação corrupta, isto é, o espírito do mundo, o extrato e o fruto da vaidade da mente, - com o qual o mundo está corrompido e corrompe. Um tipo de comunicação maldita, pelo qual os costumes do mundo são corrompidos, - isso vem do espírito do mundo. O diabo tem a mão em todas essas coisas; mas é o mundo e o espírito do mundo que está em comunicação corrupta. E como isso se espalhou entre os professantes! Comunicação leve, vã, tola! - passar a vida inteira de um homem; não sobre esta ou aquela ocasião, mas quase sempre, e em todas as ocasiões em todos os lugares! – Vaidade nos hábitos e vestuário do mundo é outro exemplo. Os hábitos e vestimentas do mundo são as coisas em que o mundo projeta para mostrar o que é. Os homens podem ler o que o mundo é por caracteres evidentes, nos hábitos e no vestuário que ele usa. Eles são cegos que não podem ler vaidade, insensatez, impureza, luxo no vestuário que o mundo coloca sobre si mesmo. A declinação dos professantes em imitar os caminhos do mundo em seus hábitos e roupas, faz uma época perigosa: é uma mistura em que aprendemos seus costumes; e os julgamentos de Deus resultarão disso. - Nesse sentido, também fomos crescidos como o mundo, que em todas as ocasiões somos tão independentes dos pecados do mundo e tão pouco preocupados com eles, como os outros. Ló morava em Sodoma, mas "a sua alma justa estava vexada com seus atos e discursos ímpios". Vivamos nós onde queiramos, quando nossas almas são vexadas, [assim] que não passamos pelas coisas do mundo, as maiores abominações , com o quadro de espírito que o próprio mundo possui? Por falar em voluptuosidade de vida, e outras coisas que acompanham esta triste mistura com o mundo que os professantes fizeram nos dias em que vivemos - comunicação corrupta, alegria de vestimenta, insensatez dos pecados e abominações do mundo ao nosso redor, ocorrem quase tanto sobre os professantes como sobre o mundo. Nós nos misturamos com as pessoas e aprendemos seus costumes. Mas, - 2. Essa época é perigosa, porque os pecados dos professantes nela são diretamente contrários a todo o desígnio da mediação de Cristo neste mundo. Cristo se entregou por nós, para nos purificar de obras mortas e purificar para si mesmo um povo peculiar, Tito 2:14. "Vocês são uma nação santa, um povo peculiar." Cristo trouxe o ódio do diabo e de todo o mundo sobre ele, para tirar um povo do mundo, e torná-lo um povo peculiar para si mesmo; e o fato de se jogarem novamente no mundo é o maior desprezo que pode ser atribuído a Jesus Cristo. Ele deu sua vida e derramou seu sangue para nos recuperar do mundo, e nos devolvemos a nós mesmos novamente àquilo de onde fomos retirados. Quão fácil foi demonstrar que esta é uma entrada para todos os outros pecados e abominações, e aquilo para o qual eu realmente acho que a indignação e o desagrado de Deus logo se revelarão contra professantes e igrejas neste dia! Se não nos diferenciarmos do mundo em nossos caminhos, não seremos diferenciados deles em nossos privilégios. Se nós somos o mesmo em nossas caminhadas, seremos assim em nossa adoração, ou não teremos nada. Quanto ao nosso dever em uma época tão perigosa, deixe-me apontar três precauções para você, e o que Senhor as aplique em seus corações: - (1.) A profissão de religião e a execução de deveres, sob uma conversa mundana, não são senão um meio sofisticado para liderar os homens com os olhos vendados para o inferno. Não devemos falar pequenas coisas em uma causa tão grande. (2.) Se você for como o mundo, você deve levar a porção do mundo. Vai com você como vai com o mundo. Pergunte e veja, em todo o livro de Deus, como irá com o mundo, - o que os pensamentos de Deus são sobre o mundo, - se não diz: "Se estiver na maldade, ele virá ao juízo", e isso "A maldição de Deus está sobre ele". Se, portanto, você será como o mundo, você deve ter a porção do mundo; pois Deus não as separará. (3.) Por fim, considere que, por isso, perdemos a causa mais gloriosa da verdade que já existiu no mundo. Não sabemos que tenha havido uma causa mais gloriosa da verdade desde os dias dos apóstolos, do que a que Deus prometeu à sua igreja e ao povo nesta nação, pela pureza da doutrina da verdade e das ordenanças; mas perdemos toda a beleza e glória desta mistura no mundo. Realmente penso que    vai alta a hora em que as congregações nesta cidade, pelos seus anciãos e mensageiros, deveriam consultar juntos como pôr fim a este mal, que perdeu toda a glória de nossa profissão. É um momento perigoso, quando os professantes se misturam com o mundo. Há outras épocas perigosas que eu pensava ter insistido; mas eu vou, senão nomeá-las. Quando há grande atendimento em tarefas externas, mas no interior, há decadência espiritual. Agora, meus irmãos, (a maioria desta congregação é tão peculiar, eu espero, através da bondade de Deus, - com sinceridade, embora com muita fraqueza, "Liberavi animam meam"), você sabe quanto tempo eu tenho tratado das causas e dos motivos de decadência interna, e os meios a serem utilizados para nossa recuperação; não devo, portanto, voltar a insistir neles. V. Os tempos de perseguição também são momentos de perigo. Agora, eu não preciso dizer se estas ocasiões estão sobre nós ou não; É seu dever investigar sobre isso. Se não há uma retenção externa da verdade sob uma prevalência visível de luxúrias abomináveis no mundo; se não há uma prontidão para abandonar a verdade, e os sedutores no trabalho para tirar os homens; se não há um mistério com o mundo, e neles aprendendo seus costumes; se não há decadência interna, sob o desempenho externo dos deveres; e se muitos não estão sofrendo sob perseguição e problemas, julguem e atuem em conformidade. Uma palavra de aplicação.
Aplicação 1. Vamos todos ser exortados a tentarmos afetar nossos corações com os perigos do dia em que vivemos. Você ouviu um discurso pobre e fraco sobre isso, e talvez ele seja rapidamente esquecido. Oh que Deus se agradasse em nos dar essa graça, para que possamos achar nosso dever nos esforçando para afetar nossos corações com os perigos dessas ocasiões! Não é hora de ficar dormindo no topo de um mastro em um mar agitado, quando há tantos perigos devoradores ao redor de nós. E o melhor para efetuar isso, - (1.) Considere as coisas presentes, e veja o que a Palavra de Deus diz sobre elas. Nós ouvimos esta e aquela história de uma perversa e prodigiosa maldade; e a trazemos na próxima oportunidade de conversa. Nós ouvimos sobre os julgamentos de Deus no mundo estrangeiro; e os trazemos para o mesmo padrão de nossa própria imaginação. E assim fazemos com as angústias dos outros; falamos sobre elas. Mas, irmãos, quando você observa alguma dessas coisas, como é com o mundo, se você afetar seu coração, tragam-na para a Palavra e veja o que Deus diz sobre ela: fale com Deus sobre isso; pergunte a Deus o que Ele disse destas prodigiosas maldades e juízos, - esta frieza que há sobre os professantes, e suas misturas e aprendendo os costumes do mundo. Você nunca terá seus corações afetados com isso, até você vir e falar com Deus sobre isso; e então você vai encontrá-los representados em um espelho que fará seu coração doer e tremer. E então, - (2.) Se você fosse sensível aos tempos perigosos presentes, tenha atenção na centralização em si mesmo. Embora a sua maior preocupação seja consigo mesmo, ou o mundo, todos os anjos no céu não podem fazer você perceber o perigo dos dias em que você vive. Se você persegue riquezas ou honras, nada pode torná-lo sensível aos perigos do dia. Portanto, não se centre em si mesmo. (3.) Ore para que Deus nos dê graça para ser sensível aos perigos do dia em que vivemos. Talvez possamos ter confiança, que, embora milhares caíram à nossa direita e à nossa esquerda, ainda assim poderemos estar de pé. Acredite, é uma grande graça. Dirija suas orações privadas, e suas orações familiares dessa maneira; e o Senhor nos ajude a apontar nossas orações públicas para isso, para que Deus faça nosso coração sensível aos perigos do tempo em que vivemos nestes últimos dias!
Aplicação 2. A próxima coisa é essa, que há duas coisas em uma época perigosa, - o pecado e a miséria dela. Trabalhe para ser sensível ao primeiro, ou você nunca será sensível ao segundo. Embora os julgamentos estejam à porta, embora os céus estejam escuros sobre nós, e a terra trema debaixo de nós no dia de hoje, e nenhum homem sábio pode ver onde ele pode construir uma habitação permanente, - podemos falar dessas coisas; e ouvir sobre outras nações embebendo-se em sangue; e tendo sinais do desagrado de Deus, - avisos do céu acima e da terra embaixo; e nenhum homem é sensível a eles! Por que? Porque eles não são sensíveis ao pecado; nem sempre serão, a menos que Deus os faça assim. Devemos dividir os pecados em três categorias: em primeiro lugar, os pecados do mundo pobre, miserável e perecendo; em segundo lugar, os pecados dos professantes em geral; e em terceiro lugar, nossos próprios pecados e decadências particulares. E devemos trabalhar para afetar nossos corações com estes. Não é para você dizer isso e esse julgamento que se aproxima; - aos seus líderes e àqueles que estão na torre de vigia, para clamarem: "Um leão; meu senhor, vimos um leão." A menos que Deus faça nossos corações sensíveis ao pecado, não devemos ser sensíveis aos julgamentos.
Aplicação 3. Lembre-se de que é necessário um quadro especial de espírito em todos nós, em ocasiões tão perigosas como estas. E o que é isso? É um quadro de espírito de luto. Neste quadro de espírito de luto, diremos, desse quadro alegre de espírito que está sobre a nação e em nós! Que o Senhor nos perdoe; e mantenha-nos em uma estrutura de espírito humilde, quebrantada e triste, pois é uma graça peculiar que Deus procura em um momento como este. Quando ele derramará seu Espírito, haverá um grande luto, juntos e separados; mas agora podemos dizer que não há luto. O Senhor nos ajude, pois temos corações duros e olhos secos sob a consideração de todos esses perigos que estão diante de nós.
Aplicação 4. Mantenha a vigilância da igreja com diligência e pela regra. Quando digo regra, quero me referir à vida dela. Não tenho maiores zelos sobre o meu coração, do que Deus deve se retirar de suas próprias instituições por causa dos pecados do povo e deixar-nos apenas a carcaça da ordem externa. Para o que Deus lhes deu? Por sua própria iniciativa? Não; mas para que sejam roupas para fé e amor, mansidão de espírito e compaixão, vigilância e diligência. Retire estes e adeus a todas as regras e ordens externas, seja lá o que for. Mantenha um espírito que possa viver afetado com isso: obtenha um espírito de vigilância; mas não para pegar falhas, mas diligentemente, por puro amor e compaixão às almas dos homens, para cuidar deles, - esperar para fazê-los bons, tudo quanto possamos. Como ocorreu com um pobre homem, que pegou um cadáver e colocou-o de pé, e caiu; e ele ajustou-o novamente, e caiu; sobre o qual ele gritou: "Oportet esse aliquid intus", - "Ele quer algo dentro", para animar e vivificar; - assim é com a ordem e a regra da igreja; coloque-os sempre que quiser, todos cairão, se não houver um amor um ao outro, um deleite de um ao outro, "exortando uns aos outros no dia que se chama hoje, para que ninguém seja endurecido através do engano do pecado."
Aplicação 5. Reconheça que, em momentos como estes, todos nós não sairemos livres. Você não menciona uma época perigosa na Escritura, mas segue-se que alguns devem ter sua fé derrubada, outros seguirão caminhos perniciosos, e outros se desviariam. Irmãos e irmãs, como vocês sabem, se vocês ou eu podemos cair? Deixe-nos duplicar nossa vigilância, cada um; pois a temporada vem sobre nós em que alguns de nós podem cair.
Não digo que pereceremos eternamente; - Deus nos livra de entrar no poço! mas alguns de nós podem cair para perder um membro, algum membro ou outro; e nossas obras serão comprometidas com o fogo que as queimará a todas.
Deus acendeu um fogo em Sião que provará todas as nossas obras; e veremos em pouco tempo o que será de nós.
Aplicação 6. Por fim, tome essa grande regra que o apóstolo dá em tempos como aqueles com os quais nos preocupamos: "No entanto, o fundamento de Deus está firme" – Oh bendito seja Deus por isso! - "Deus sabe quem é dele".
O que, então, é exigido da nossa parte? "Que o que carrega o nome o nome de Cristo se afaste do mal". Sua profissão, seus privilégios, sua luz, não o protegerão; você se foi, a menos que todo aquele que nomeie o nome de Cristo se afaste de toda iniquidade. Que multidões perecem sob uma profissão todos os dias! Oh que nossos corações pudessem sangrar por ver almas pobres em perigo de perecer sob a maior profissão!
Você vai ouvir a soma de tudo? Tempos perigosos são trazidos sobre nós; muitos já foram feridos; muitos falharam. O Senhor nos ajude! A coroa caiu de nossa cabeça, - a glória da nossa profissão se foi, - o tempo é curto, - o juiz está diante da porta. Tomem, porém, essa palavra de conselho, meus irmãos: "Observem, portanto, que nenhuma dessas coisas possa vir sobre vocês, mas que vocês possam escapar e serem considerados dignos de comparecer perante o Filho de Deus".





Publicado no site: O Melhor da Web em 17/02/2018
Código do Texto: 136559

AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
Sou Fã de...
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.