Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
Silvio Dutra

Todas imagens extraídas da galeria do Google.
kuryos - Silvio Dutra
RSS - As recentes de:Silvio Dutra
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



Silvio Dutra
Aniversário: 25/11
Cadastrado desde: 29/08/2012 -

Texto mais recente: É Preciso Poder

Textos & Poesias || Evangélicas

Imprimir
Hebreus 2 - Verso 1 – P1
15/05/2018
Autor(a): Silvio Dutra

Hebreus 2 - Verso 1 – P1


   John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra
Versículo 1.
“Por esta razão, importa que observemos, com mais firmeza, às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos.” (Hebreus 2.1)

Neste segundo capítulo, o apóstolo declara o seu desígnio, e qual é o seu objetivo especial em relação àqueles a quem ele escreveu. Não foi meramente sua instrução, ou a informação de suas mentes e julgamentos que ele pretendia; embora isso também estivesse em seus olhos e necessário para seu propósito principal. Eles tinham, por sua instabilidade e desmaio nas provações, administrado ocasião de outro discurso. Além disso, ele previu que eles tinham grandes dificuldades e tentações para lidar com isso, e estava com muito zelo para não abandoná-los, 2 Coríntios 11:2,3. Seu principal objetivo, portanto, em toda esta epístola, (como foi declarado) era prevalecer com os hebreus para a firmeza na fé do evangelho, e diligência em atender a todos esses caminhos e meios pelos quais eles poderiam ser estabelecidos. O fundamento de suas exortações para esse propósito, ele coloca na incomparável excelência do autor do evangelho. Daí inferências justas e convincentes para a constância na profissão de sua doutrina e obediência a ele, tanto em absoluto quanto em respeito à competição montada contra ele pelas instituições mosaicas, fluem naturalmente.
E estas considerações o apóstolo divide em várias partes, interpondo, em grande sabedoria, entre o manuseio delas, aquelas exortações que pressionaram em direção ao seu fim especial, antes mencionado.
E neste curso ele prossegue por várias razões; pois, - Primeiro, Ele se importa com eles e nós em geral, que ao lidar com as doutrinas do evangelho concernentes à pessoa e aos ofícios de Jesus Cristo, não devemos nos satisfazer em uma especulação nua deles, mas esforçar-nos para alcançar nossos corações. animado por eles para a fé, amor, obediência e firmeza em nossa profissão. Isto ele aplica imediatamente a eles. Instâncias para este propósito nos são dadas neste capítulo, sobre sua declaração precedente das excelências de Cristo e a glória de seu reino, para que seus ouvintes não sejam estéreis e infrutíferos no conhecimento dele.
Em segundo lugar, quanto aos hebreus em particular, ele os tinha, por assim dizer, tão inundados com aquele dilúvio de testemunhos divinos que ele havia derramado no início de sua epístola, e aquela declaração celestial e gloriosa que ele fizera da pessoa do Messias, que ele acha que é necessário dar-lhes tempo para considerar qual era a tendência desse discurso sublime, e qual era o seu especial interesse nisso.
Em terceiro lugar, o apóstolo interpõe a sua exortação neste lugar, para ser uma aplicação do que foi antes entregue, de modo a levá-los, assim, à consideração de argumentos de outra natureza (embora do mesmo uso e tendência), extraídos do sacerdócio. ou ofício sacerdotal de Cristo, e as obras ou efeitos disso. E aqui há uma grande parte da sabedoria apostólica, nas várias doutrinas e exortações, nesta epístola que consistem e fluem naturalmente da doutrina que a precede, assim sempre a principal questão dela conduz diretamente a algum outro argumento doutrinal, que ele pretende insistir em seguida. E isso veremos evidenciado na transição que ele faz da exortação estabelecida no início deste capítulo para o ofício sacerdotal de Cristo, nos versículos 6 a 9.
Os primeiros versos deste capítulo são puramente exortativos, com uma mistura de algumas considerações que servem para tornar a exortação pesada e convincente.
Versículo 1.
“Por esta razão, importa que observemos, com mais firmeza, às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos.”
O primeiro verso contém a exortação em si pretendida pelo apóstolo, aqueles que se seguem se referem às exigências especiais do mesmo.
Proseqein, “observar”, “atender”, “dar ouvidos”, “sermos cautelosos” ou “atentos”. Às vezes significa esperar, ou depositar confiança naquilo que é atendido. Também é usado para concordar com o que é dito por outro. No Novo Testamento, ele é usado principalmente em dois sentidos: 1. Ter cuidado, ou olhar para nós mesmos, quanto às coisas ou pessoas que podem nos ferir; como Mateus 7:15, 10:17, 16: 6, 11, 12; Lucas 12: 1; - ou então, ficar atento ao olhar diligentemente para nossos próprios interesses absolutamente, Lucas 17: 3, 21:34; Mateus 6: 1; Atos 20:28 2. Assistir com diligência e submissão de espírito às palavras de outrem, ou a qualquer negócio em que estamos empregados, Atos 8: 6, 16:14; 1 Timóteo 1: 4, 4: 1, 13; Tito 1:14 Assim é dito dos samaritanos, que eles muito ouviram Simão Mago: Atos 8:10. E é a mesma palavra pela qual a obediência reverente desse povo à pregação de Filipe é expressa, versículo 6. Uma assistência, então, com uma mente preparada para a obediência é aquela que a palavra importa.
Akuoustesin, “Às coisas ouvidas”; “naquilo que ouvimos”, - às coisas que são ouvidas por nós, que somos obrigados a atendê-las.
Parakuomen, Esta palavra não é usada em nenhum outro lugar no Novo Testamento. Em outros autores é tanto como “desviar-se”, “correr por”. Então, como em Xenoph. Cyropaed., Lib. iv., Piei”n ajpo Há nas palavras uma dedução do discurso precedente, e todo o verso é uma conclusão exortativa daí. Da proposição que ele fez da glória e excelência do Autor do evangelho, ele extrai essa inferência: “Portanto, devemos”, pelas razões e causas insistidas. E assim a palavra expressa a perda de qualquer forma ou meio, da doutrina do evangelho em que foram instruídos, e os benefícios disso. Vendo que o evangelho tem um Autor tão abençoado, devemos tomar cuidado para não perdermos nosso interesse por ele. Mas se tomarmos o sentido escolhido por Crisóstomo, para expressar a queda e o perecimento daqueles que assistem não como deveriam à palavra (cuja interpretação é favorecida pela tradução siríaca), então a palavra "portanto", “por esta causa”, respeita à cominação ou ameaça aí incluída. Como se o apóstolo tivesse dito: "Portanto, você deve comparecer", isto é, "atente para que você compareça, para que não caia e pereça". Eu prefiro abraçar o primeiro sentido, tanto porque a interpretação da palavra usada por Crisóstomo é tenso, como também porque o apóstolo evidentemente, nessas palavras, faz uma exortação à obediência, sobre seu discurso anterior sobre a pessoa de Cristo; nem, sem um respeito especial, ele estabeleceu qualquer fundamento para uma desobediência tão ameaçadora quanto pretendido estar nas palavras.
A expressão deve ser regulada pelas palavras que se seguem: "Todos nós, que ouvimos o evangelho, pregamos e fazemos profissão disso".
1. Manifesta que o dever que ele exorta a eles é de interesse geral para todos a quem o evangelho é pregado, - de modo que ele não coloca nenhuma carga singular sobre eles; e 2. Para que ele não pudesse ainda descobrir neles qualquer inveja de sua inconstância, ou que ele tivesse entretido quaisquer pensamentos severos a respeito deles, - apreensões das quais são capazes de exarar exortações, as mentes dos homens estando prontas o suficiente para desconsiderar aquela da qual eles são persuadidos, se suspeitarem que a culpa imerecida está no fundo da exortação.
O que lhes é dito consiste em uma exortação a um dever e uma aplicação especial do mesmo. A exortação e o dever nas primeiras palavras - “Quanto mais abundantemente devem observar as coisas ouvidas”; e: "Para que não exista a oportunidade de se desviarem delas". Na exortação é expressa uma circunstância especial do dever em si, e a maneira de seu desempenho. O primeiro está incluído nessa palavra, "mais abundantemente", o que pode se referir à maneira de seu desempenho. Nas palavras em que se encontram no texto, Dei, “é necessário”, perissoterwv “muito mais”, “mais abundantemente”, une-se ao to, “portanto”, “por esta causa”, e parece imediatamente respeitá-lo, e assim intimar a excelente e abundante razão que temos para atender ao evangelho. Mas, se transpormos as palavras e as lermos como se assim se estabelecessem, então a palavra perissoterwv, "mais abundantemente", respeita à seguinte palavra prosacein, "atentar para”, “observar”. E assim expressa um pouco da maneira como o desempenho do dever é proposto. Assim, nossos tradutores relatam o sentido: "Devemos prestar atenção mais diligentemente" ou "dar atenção mais diligente". O leitor pode aceitar se o sentido que julga é mais adequado ao escopo do lugar. A primeira construção da palavra, expressando a necessidade de nossa atenção ser intimidada pela irrefutabilidade de suas razões, não é isenta de sua probabilidade.
Tome-o de modo absoluto, e o apóstolo informa-os que eles têm causas abundantes para cuidar das coisas ditas ou ouvidas, por causa daquele que as fala; pois somente com ele veio aquela voz da excelente glória: “Este é o meu Filho amado, ouçam-no”. Assim também no outro sentido, o apóstolo não está comparando a maneira como eles prestam atenção à doutrina da lei (que certamente eles devem ter feito com toda a diligência) e sua frequência ao evangelho, mas mostra as razões que eles tiveram para assistir a um e outro, como os seguintes versículos claramente manifestam. Este, então, pode ser aquilo que o apóstolo sugere nessa palavra, a saber, que eles tinham uma causa mais abundante e uma razão mais excelente para atentarem à doutrina do evangelho do que à lei, por causa disso, que aquele por quem o evangelho nos foi imediatamente pregado foi: o Filho de Deus mesmo. Mas a outra aplicação da palavra é mais comumente recebida, em que se pretende o dever imposto. Em referência ao dever exortado, exprime-se o seu objeto, “as coisas ouvidas”. Assim, o apóstolo escolhe expressar a doutrina da fé. o evangelho, com respeito ao caminho e maneira pela qual foi comunicado a eles, isto é, pela pregação; pois “a fé vem pelo ouvir e o ouvir pela palavra pregada” (Romanos 10: 14,15). E aqui ele magnifica a grande ordenança da pregação, pois em toda parte ele faz dela o grande meio de gerar fé nos homens. O próprio Senhor Jesus Cristo pregou primeiro o evangelho, Atos 1: 1. Concernente a ele, foi dito do céu: “Ouçam-no”, Mateus 17: 5, como aquele que revelou o Pai de seu próprio seio, João 1:18. Dele o evangelho veio a ser a palavra ouvida. Quando ele terminou o curso de seu ministério pessoal, ele atribuiu o mesmo trabalho para outros, enviando-os como o Pai o enviou. Eles também pregaram o evangelho e o chamaram de “a palavra”, isto é, aquilo que eles pregaram. Veja 1 Coríntios 1:18. Assim, no Antigo Testamento é chamado h;muv, Isaías 53: 1, “uma audiência”, ou aquilo que foi ouvido, sendo pregado. Assim, o apóstolo insiste e recomenda-lhes não apenas as próprias coisas em que foram instruídos, mas também o modo pelo qual lhes foram comunicadas, a saber, pela grande ordenança da pregação, como ele declara mais adiante, versículo 3. Este como o meio de acreditarem, como a base de sua profissão, eles foram diligentemente lembrados, considerados e atentos. O próprio dever dirigido, e a maneira de seu desempenho, são expressos na palavra prosaqein, “observar”, ou dar atenção. Que tipo de atendimento é denotado por esta palavra foi em parte antes declarado. É um atendimento com reverência, assentimento e prontidão para obedecer. Assim, Atos 16:14, “Deus abriu o coração de Lídia, para atender às coisas que foram ditas”, não para lhes dar apenas a audição; não havia necessidade da abertura de seu coração pela mera atenção de seu ouvido; mas ela compareceu com prontidão, humildade e resolução para obedecer à palavra. O efeito dessa atenção é expresso pelo apóstolo, em Romanos 6:17. Portanto, atender à palavra pregada é considerar o autor dela, a questão dela, o peso e a preocupação dela, os fins dela, com fé, sujeição de espírito e constância.
O dever exortado a ser observado, tem um motivo ou imposição a ele subjugado, tirado do perigo que resultaria da sua negligência. E isso é ou do pecado ou punição que iria atendê-lo, de acordo com as várias interpretações da palavra “desviar-se” ou “cair”, antes mencionadas. Se significa “cair” ou “perecer”, então a punição da negligência deste dever é intimada. Nós pereceremos como a água que é derramada na terra. Além disso, a vida frágil do homem é comparada, 2 Samuel 14:14. Este sentido da palavra é abraçado por poucos expositores, mas tem seu grande sentido dado pelo discurso seguinte, nos versos 2 e 3, e por essa razão não é indigna de nossa consideração. Pois o desígnio do apóstolo nesses versículos é provar que perecerão merecidamente e seguramente, aqueles que negligenciarem o evangelho. E as seguintes partículas, ei gar, “e se”, no versículo 2, podem parecer relacionar-se com o que foi falado antes, e assim produzir uma razão pela qual os incrédulos deveriam perecer como ele havia insinuado. E, nesse sentido, a advertência aqui feita é que devemos atender à palavra do evangelho, para que, por nossa negligência, não tragamos a inevitável ruína e pereçamos como a água derramada no chão, que não pode ser recolhida novamente. Mas a verdade é que a palavra não estará bem reconciliada com este sentido e interpretação, a não ser que suponhamos que seja redundante e insignificante e, portanto, para deter os homens, para que, a qualquer momento, não sejamos lançados para fora. Mas não há razão justa para tornar essa palavra tão inútil. Permita-o, portanto, ser significativo, e pode ter um duplo sentido: 1. Para indicar um tempo incerto, “quando”, “ali quando”, “a qualquer momento”, 2. Um evento condicional, “forte”, “para que isso não aconteça”. Em nenhum desses sentidos, será permitido que as palavras sejam expostas da punição que ocorrerá aos incrédulos, o que é mais certo tanto quanto ao tempo como ao evento. Nem o apóstolo nos próximos versos ameaça aqueles que negligenciam o evangelho, que em algum momento eles podem perecer, mas os deixa saber que a sua destruição é certa, e que vem do Senhor. É, então, nossa perda pecaminosa a palavra e os benefícios que o apóstolo pretende. E nos versos seguintes ele não prossegue para provar o que ele havia afirmado neste verso, mas prossegue para outros argumentos com o mesmo propósito, retirados do evento inquestionável de nossa negligência da palavra, e perdendo os benefícios dela. A razão especial, portanto, por que o apóstolo assim expressa nossa perda da doutrina do evangelho por falta de diligente comparecimento a ela, deve ser indagada depois. Geralmente a expressão é vista como uma alusão aos vazamentos de vasos, que deixam escorrer a água que é derramada neles. E a palavra se refere às pessoas, não às coisas, porque contém um pecado. É nosso dever reter a palavra que ouvimos; e, portanto, não é dito que a palavra flui para fora, mas que nós, a derramamos. Mas podemos ainda investigar um pouco mais a razão e a natureza da alegoria. A palavra ou doutrina da Escritura é comparada a chuvas: Deuteronômio 32: 2: “Goteje a minha doutrina como a chuva, destile a minha palavra como o orvalho, como chuvisco sobre a relva e como gotas de água sobre a erva.” E há uma metáfora elegante na palavra; porque, assim como as gotas de chuva sobre a água a regam e a tornam frutífera, embora ela não perceba, assim a doutrina da palavra torna sensível para Deus as almas dos homens sobre as quais ela desce. E em relação à palavra do evangelho, é dito que o Senhor Jesus Cristo descerá como a chuva na grama cortada, Salmo 72. Assim, o apóstolo chama a pregação do evangelho aos homens a rega deles, 1 Coríntios 3 : 6,7; e ele compara a quem é pregado à terra que bebe da chuva, Hebreus 6: 7. Em busca dessa metáfora, diz-se que os homens derramam a palavra pregada a eles, quando, por negligência, perdem todos os benefícios. Então, quando nosso Salvador comparou a mesma palavra com a semente, ele expôs a queda dos homens por todos os meios e modos pelos quais a semente lançada na terra pode ser perdida ou tornar-se não lucrativa, Mateus 13. E como ele mostra que existem vários meios pelos quais a semente que é semeada pode ser perdida e perecer, então há muitas vezes e ocasiões, caminhos e meios, nos quais e por meio dos quais podemos perder e derramar a água ou a chuva da palavra que recebemos. E estes o apóstolo considera naquela expressão, “a fim de que a qualquer momento”. Estamos agora inscritos na parte prática da epístola, e aquela que é de grande importância para todos os professantes em todos os tempos, especialmente para os que estão sob a boa providência de Deus, chamada na condição em que os hebreus estavam quando Paulo assim tratava com eles; isto é, uma condição de tentação, aflição e perseguição. E, portanto, consideraremos mais claramente as verdades úteis que nos são exibidas nestas palavras, que são as seguintes:   
I. O comparecimento diligente à palavra do evangelho é indispensavelmente necessário para a perseverança na profissão dela. Tal profissão eu quero dizer como é aceitável a Deus, ou será útil para nossas próprias almas. A profissão da maior parte do mundo é uma mera não-renúncia do evangelho em palavras, enquanto em seus corações e vidas eles negam o poder disso todos os dias. Uma profissão de salvação é aquela que expressa a eficácia da palavra para a salvação, Romanos 10:10. Isso nunca será o efeito de uma observância sem vida à palavra. E, portanto, devemos primeiro considerar o que é necessário para dar ouvidos ao evangelho, aqui recomendado a nós. E há nele (entre outras) as coisas que se seguem: 1. Uma avaliação devida da graça oferecida, e da própria palavra por essa conta. Prosaqein denota tal participação em qualquer coisa como provém de uma estimativa e valorização da mesma quanto ao seu valor. Se não temos tais pensamentos do evangelho, nunca poderemos atender a ele como deveríamos. E se considerarmos que não é como o principal motivo de preocupação, não o consideramos como deveríamos. O campo no qual este tesouro está escondido, ao ser ouvido, deve ser valorizado acima de todas as outras posses, Mateus 13:44. Aqueles que não apreciavam o banquete do casamento do rei acima de todas as designações e ocasiões mundanas, foram excluídos como indignos, Mateus 22: 7,8. Se o evangelho não for mais para nós do que para todo o mundo, nunca devemos continuar em uma profissão útil dele. Pais e mães, irmãos e irmãs, esposas e filhos, devem ser todos desprezados em comparação com ele e em competição com ele. Quando os homens ouvem a palavra como aquilo que se coloca sobre eles, assistência à qual eles não podem declinar sem inconveniências presentes ou futuras, sem considerar que todas as preocupações de suas almas estão ligadas a ela, eles serão facilmente vencidos por negligenciá-la. De acordo com a nossa estima e valorização, é assim que estamos atentos e atendemos a ela, e não de outra forma. Ouvir a palavra como um cântico daquele que tem uma voz agradável, que pode agradar ou satisfazer para o presente, é o que não beneficia os homens, e que Deus abomina, Ezequiel 33:32. Se a ministração do evangelho não for vista como aquela que é cheia de autoridade e glória, nunca será atendida. Isto o apóstolo pressiona, em 2 Coríntios 3: 8,9. Altos pensamentos constantes, então, da necessidade, do valor, da glória e da excelência do evangelho, como em outros relatos, e especialmente do autor dele, e da graça dispensada nele, é o primeiro passo para que ele seja atendido diligentemente. conforme é exigido de nós. Falhar nisso foi o que arruinou muitos dos hebreus a quem o apóstolo escreveu. E sem isso nunca devemos manter nossa fé firme até o fim. 2. O estudo diligente e a busca da mente de Deus, para que possamos crescer sábios nos mistérios, é outra parte deste dever. O evangelho é “a sabedoria de Deus”, 1 Coríntios 1:24. Nele estão depositados todos os depósitos e tesouros da sabedoria de Deus que algum dos filhos dos homens conhecerá neste mundo, Colossenses 2: 2,3. E esta sabedoria deve ser buscada como prata e ser revistada como tesouros escondidos, Provérbios 2: 4; isto é, com dores e diligência, como a daqueles que estão empregados nessa investigação. Homens com dores infalíveis e perigo penetram nas entranhas da terra, na busca daqueles tesouros escondidos que estão escondidos no vasto ventre da mesma. Prata e tesouros não são recolhidos por todos os passageiros preguiçosos na superfície da terra. Eles devem cavar, procurar e procurar, se pretendem se tornar participantes deles. E assim devemos fazer por esses tesouros da sabedoria celestial. O mistério da graça do evangelho é grande e profundo, tal como os anjos anelam perscrutar, 1 Pedro 1:12; que os profetas antigos, apesar da vantagem de suas próprias revelações especiais, inquiriram diligentemente por elas, versos 10, 11: enquanto agora, se alguém fingir, embora falsamente, uma revelação, eles imediatamente fizeram com a palavra, como aquilo que, pelo engano de sua imaginação, eles pensam estar embaixo deles, quando na verdade só se distancia deles e está realmente acima deles; como se um homem devesse ficar na ponta dos pés num montinho de terra e desprezar o sol surgindo recentemente acima do horizonte sobre ele. A busca diligente da palavra pertence a ela, isto é, Salmos 1: 2; ou um labor de todos os meios designados para se familiarizar com ela, para ser sábio no mistério dela e habilidoso em sua doutrina. Sem isso, nenhum homem vai segurar sua profissão. Nem qualquer homem negligencia o evangelho, senão quem não o conhece, 2 Coríntios 4: 3,4. Este é o grande princípio da apostasia no mundo: - os homens possuíram o evangelho, mas nunca souberam o que era; e, portanto, deixaram a profissão dele tolamente, como eles o consideraram levemente. Estudar a palavra é a segurança de nossa fé. 3. Misturar a palavra com fé é necessário nesta observação diligente. Veja Hebreus 4: 2. Não ouvir é como não acreditar. Crer é o fim da audição, Romanos 10: 10,11; e, portanto, a fé de Lídia é chamada de atenção, Atos 16:14. Ouvir e não acreditar, é na vida espiritual o mesmo que ver o alimento e não comer; agradará a fantasia, mas nunca nutrirá a alma. Só a fé realiza as coisas ditas ao coração e lhes dá subsistência, Hebreus 11: 1; sem o que, quanto a nós, fluem para cima e para baixo em noções frouxas e incertas. Esta, então, é a parte principal do nosso dever em prestar atenção às coisas ditas; pois dá entrada na alma, sem a qual eles são derramados sobre ela como água sobre um bastão que está completamente seco. 4. Trabalhar para expressar a palavra recebida, em conformidade de coração e vida com ela, é outra parte dessa atenção. Este é o próximo fim adequado de nossa audição da mesma. E fazer uma coisa designada para um fim sem visar a esse objetivo, não é melhor do que não fazê-lo em tudo. O apóstolo diz dos romanos, que eles foram lançados nos moldes da doutrina do evangelho, capítulo 6:17. Deixou em seus corações uma impressão de sua própria semelhança, ou produziu neles a imagem expressa daquela santidade, pureza e sabedoria que ele revela. Isto é para contemplar com a face aberta a glória do Senhor em um copo, e ser transformado na mesma imagem, 2 Coríntios 3:18; isto é, a imagem do Senhor Jesus Cristo, manifestada a nós e refletida sobre nós pelo evangelho. Quando o coração do ouvinte é vivificado e animado com verdades do evangelho, e por eles é moldado em sua semelhança, e expressa aquela semelhança em seus frutos, ou uma conversação se tornando o evangelho, então é a palavra atendida de maneira correta. Isto assegurará à palavra uma posição em nossos corações, e dará a ela uma morada permanente em nós. Esta é a morada da palavra, da qual existem muitos graus, e devemos almejar que ela seja abundante. 5. Vigilância contra toda oposição. aquilo que é feito contra a verdade ou o poder da palavra em nós pertence também a esse dever. E como essas oposições são muitas, também esta vigilância deve ser grande e diligente.


Publicado no site: O Melhor da Web em 15/05/2018
Código do Texto: 137383
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
Sou Fã de...
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.