Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
Silvio Dutra

Todas imagens extraídas da galeria do Google.
kuryos - Silvio Dutra
RSS - As recentes de:Silvio Dutra
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



Silvio Dutra
Aniversário: 25/11
Cadastrado desde: 29/08/2012 -

Texto mais recente: Sabedoria e Poder na Criação

Textos & Poesias || Evangélicas

Imprimir
Perseverança em Santidade - Por Spurgeon
12/06/2018
Autor(a): Silvio Dutra

Perseverança em Santidade - Por Spurgeon

“E farei um pacto eterno com eles, para que não me desvie deles para fazer o bem; mas porei o meu temor no coração deles, para que não se apartem de mim” (Jeremias 32:40)

No final da manhã do sábado fomos chamados a uma profunda busca de coração. Foi um discurso muito doloroso para o pregador, e não foi menos para muitos de seus ouvintes. Alguns de nós nunca esqueceremos aquela figueira, coberta de folhas intempestivas, que não deu frutos, e foi condenada a ser um farol para o infrutífero de todas as eras. Senti que estava na cirurgia, usando o bisturi: senti grande ternura e a operação foi dolorosa para minha alma. Quando o leque era usado para afugentar o joio, parte do trigo sentia que não era muito pesado: o vento o agitava em seu lugar, de modo a temer que fosse levado para o fogo. Hoje, confio que veremos que, apesar de toda peneiração, nenhum grão verdadeiro será perdido.
Que o próprio Rei se aproxime e banqueteie com seus santos hoje! Que o Consolador que convenceu do pecado agora venha nos alegrar com a promessa! Percebemos a respeito da figueira, que foi confirmada em sua esterilidade: ela não deu frutos, embora fizesse grandes profissões, e foi feita para permanecer como era. Vamos considerar outra forma de confirmação: não a maldição da continuação no hábito enraizado do mal; mas a bênção da perseverança em um caminho estabelecido de graça. Que o Senhor nos mostre como ele confirma seus santos em justiça, e faz com que as obras que ele começou neles permaneçam e perseverem, e até mesmo sigam em frente rumo à perfeição, de modo que eles não se envergonhem no dia de sua aparição!
Nós vamos para o nosso texto prontamente. No mundo existem homens e mulheres com os quais Deus se encontra em relacionamento de aliança. Misturado com essas miríades de pessoas esquecendo-se de Deus, ou mesmo desafiando a Deus, há um número de pessoas pactuadas que pensam em Deus, conhecem a Deus, confiam em Deus e estão até mesmo ligadas a Deus. Deus fez com eles uma aliança. É uma maravilha de misericórdia que Jeová entre em aliança com os homens; mas ele fez isso. Deus se comprometeu-se com seu povo, e eles, em retorno, através de sua graça, se comprometeram com Deus. Estes são os Aliançados do Céu, em laços de amizade, aliança e até união com o Senhor seu Deus. Esta aliança permanecerá quando as montanhas partirem e os montes forem removidos: não é coisa do tempo que passa; mas, como seu autor, é eterna. Pessoas felizes que estão unidas ao Senhor por um vínculo eterno!
Esses aliançados podem ser conhecidos por certas marcas e evidências. É muito importante que saibamos que nós mesmos pertencemos a elas. Eles são um povo, de acordo com o texto, a quem Deus está fazendo o bem. Amigo, você percebe que ele está fazendo bem a você? O Senhor tem lidado graciosamente com você? Apareceu a ti e disse: “Eu te amei com amor eterno; por isso com benignidade te atraí.” Todas as coisas funcionam juntas para o seu bem? Quero dizer, para o seu bem espiritual? Seu bem duradouro? Você recebeu o maior bem pela renovação do Espírito Santo? Ele deu Cristo a você? Ele fez você odiar o mal e se apegar ao que é bom? Se estes bons dons lhe foram concedidos, ele te fez bem; pois esses dons são o resultado do pacto e garantem que ele permaneça firme entre Deus e sua alma.
Essas pessoas são conhecidas por terem o temor de Deus em seus corações. Julgue você, se é no seu próprio caso. Esta é a promessa da aliança –“Eu porei meu medo em seus corações.” Você teme o Senhor? Você reverencia a Jeová, nosso Deus? Você deseja agradar ao Senhor? Você busca o favor dele? Você deseja ser como ele? Você é como ele em algum grau humilde? Você se sente envergonhado quando vê com que tristeza você fica aquém; e isso faz com que você tenha fome e sede de justiça? A presença graciosa de Deus é o seu céu aqui embaixo? É todo o céu que você deseja acima? Se assim for, esse temor de Deus em seu coração é o selo da aliança para você. Para você Deus tem pensamentos de amor que nunca mudarão.
Isso nos leva a uma consideração mais próxima do nosso texto. Nós notamos nele, primeiro, a eterna aliança: “Eu farei um pacto eterno com eles.“ Em segundo lugar, percebemos com reverência o Deus imutável da aliança: “Não me afastarei deles para fazer-lhes bem. “Em terceiro lugar, vemos com alegria as pessoas perseverantes nessa aliança: “Eu porei o meu medo em seus corações, para que eles não se apartem de mim.“ Tenho certeza de que não encontrarei linguagem adequada a um tema como esse; mas estou animado com a reflexão de que, por mais pobres e simples que sejam as minhas palavras, a questão de que falo é em si suficiente para o deleite de todos os verdadeiros crentes. Quando você tem uma abundância de comida sólida com a qual fazer uma refeição, você não precisa se preocupar, mesmo que perca os adornos de bom gosto da mesa. Os homens famintos não estão ansiosos por uma exposição de prato; nem mesmo para um enfeite de flores sobre a mesa. Eles estão melhor satisfeitos com alimentos sólidos. No meu assunto há comida digna de reis: por mais que eu possa esculpir, vocês que têm apetites não deixarão de se alimentar. Que o Espírito Santo faça assim!
I. Primeiro, aqui está A ALIANÇA ETERNA: “Farei uma aliança eterna com eles.“ No capítulo anterior do livro do profeta Jeremias, no trigésimo primeiro versículo, essa aliança é chamada de “uma nova aliança“; e é nova em contraste com a antiga que o Senhor fez com Israel quando os tirou do Egito. É nova quanto ao princípio sobre o qual se baseia. O Senhor dissera a seu povo que, se eles guardassem suas leis e andassem em seus estatutos, ele os abençoaria. Ele colocou diante deles uma longa linha de bênçãos, ricas e cheias: todas estas seriam a porção deles se dessem ouvidos ao Senhor e obedecessem à sua lei. Na verdade, Jeová era marido para eles, suprindo ternamente todas as suas necessidades e preservando-os em toda a sua jornada. Ele os alimentou com a comida dos anjos; ele os protegia durante o dia do calor e, à noite, ele iluminava a cidade de tendas com uma coluna de fogo. Ele mesmo andou no meio deles e revelou-se a eles como não havia feito a nenhuma outra nação: eles eram um povo próximo a ele, uma nação amada do Senhor. Mas sob as circunstâncias extremamente favoráveis em que viviam no deserto, onde não tinham preocupações temporais, nem vizinhos para enganá-los, não guardavam os estatutos de seu Deus; ou melhor, eles nem mesmo permaneceram fiéis a ele como seu Deus; porque adoravam uma imagem fundida e comparavam o Senhor da Glória a um boi que come erva. Eles se curvaram diante da imagem de um boi que tem chifres e cascos; e clamavam: Estes são os teus deuses, ó Israel, que te tiraram da terra do Egito. Assim eles quebraram a aliança da maneira mais arbitrária e perversa. Tal aliança foi facilmente violada por um povo rebelde; portanto, o Senhor, em sua imensurável graça, resolve fazer com eles uma aliança de um novo tipo, que não pode ser quebrada. O Senhor foi fiel ao antigo pacto: a quebra foi por parte do povo, como lemos em Jeremias 31:32: “Eles anularam a minha aliança, não obstante eu os haver desposado, diz o SENHOR.” Depois de longa paciência, visitou-os por suas iniquidades e suas carcaças caíram no deserto, pois não podiam entrar em seu descanso. Em épocas posteriores, ele os entregou nas mãos de seus inimigos, que eram um flagelo para eles; ele os fez serem levados cativos; e finalmente eles sofreram sob os romanos que queimaram sua cidade santa, e espalharam o povo em todas as terras. Eles não guardariam o pacto de Deus e, portanto, sua traição foi visitada sobre eles. Mas nestes dias o Senhor, em Cristo Jesus, fez com a verdadeira semente de Abraão, sim, com todos os crentes, um novo pacto; não segundo o teor do antigo, nem sujeito a ser quebrado como o outro. Irmãos, cuidem de distinguir entre o antigo e o novo pacto; porque eles nunca devem ser misturados. Muitos nunca captam a verdadeira ideia do pacto da graça; eles não entendem um pacto de pura promessa. Eles falam sobre a graça, mas eles a consideram como dependente do mérito. Eles falam sobre a misericórdia de Deus, e então combinam condições que fazem justiça ao invés de graça. Distinguir entre as coisas que diferem. Se a salvação é da graça, não é das obras, do contrário a graça não é mais graça; e se é de obras, não é de graça, senão o trabalho não é mais trabalho. A nova aliança é toda a graça, desde a primeira epístola até a palavra final; e teremos que lhe mostrar isso enquanto prosseguimos.
É uma aliança eterna, no entanto: esse é o ponto sobre o qual o texto insiste. O outro pacto era de duração muito curta; mas esta é uma aliança eterna. Apesar do pensamento moderno, espero que me seja permitido acreditar que a palavra “eterna“ significa duradoura para sempre. Embora exista algum significado na linguagem, ficaremos satisfeitos que “uma aliança eterna“ significa um pacto que nunca chegará ao fim. Por que é assim?
A primeira razão pela qual é uma aliança eterna é que ela foi feita conosco em Cristo Jesus. O pacto das obras foi feito com a raça no primeiro Adão; mas o primeiro Adão foi defeituoso e falhou em breve; ele não suportava o estresse de sua responsabilidade, e assim esse pacto foi quebrado. Mas a garantia da nova aliança é nosso Senhor Jesus Cristo; e ele não é defeituoso, mas perfeito. O Senhor Jesus é o chefe federal de seus escolhidos, e ele representa-os: eles são considerados como membros de seu corpo, e ele é sua cabeça, seu porta-voz, seu representante. O Senhor Jesus, como o segundo Adão, entrou em aliança com Deus em favor de seu povo; e porque ele não pode falhar - pois nele não há fraqueza ou pecado - portanto o pacto do qual ele é a segurança deve ficar de pé. Ele permanece para sempre em seu sacerdócio de Melquisedeque e no poder de uma vida sem fim. Ele é, tanto em sua natureza quanto em sua obra, eternamente qualificado para estar diante do Deus vivo. Ele está em absoluta perfeição sob todas as forças e, portanto, o pacto está nele. Como está escrito, “eu o dei por um pacto para o povo“, vemos que a aliança não pode falhar, porque não pode falhar quem é a soma e a substância dela. Porque o Senhor Jesus representa todo o seu povo crente no pacto, portanto o pacto é eterno.
Além disso, o pacto não pode falhar porque o lado humano dele foi cumprido. O lado humano pode ser considerado como o lado fraco dele; mas quando Jesus se tornou o representante do homem, esse lado era certo. Ele cumpriu naquela hora todas as estipulações daquele lado do qual ele era a garantia. Ele exaltou a lei e a tornou honrável por sua própria obediência a ela. Ele atendeu às exigências do governo moral e corrigiu a santidade pelas ofensas do homem. A lei é mais glorificada por sua morte expiatória do que desonrada pelo pecado do homem. Este homem ofereceu um sacrifício pelos pecados para sempre, e isso é tão eficaz para o cumprimento do pacto que ele se assenta à destra de Deus. Visto que, então, aquele lado da aliança foi cumprido, o qual pertence ao homem, resta apenas o lado de Deus para ser cumprido, que consiste em promessas - promessas incondicionais, cheias de graça e verdade, como estas: “Então, aspergirei água pura sobre vós, e ficareis purificados; de todas as vossas imundícias e de todos os vossos ídolos vos purificarei. Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne. Porei dentro de vós o meu Espírito e farei que andeis nos meus estatutos, guardeis os meus juízos e os observeis.” Deus não será fiel aos seus compromissos? Sim, em verdade. Quando ele faz um pacto, e da parte do homem o pacto foi cumprido, depende dele, do lado do Senhor, nenhuma palavra cairá no chão. Até mesmo para os jotas e tils, todos devem ser realizados.
Além disso, a aliança deve ser eterna, pois é fundada sobre a graça de Deus. A primeira aliança foi condicionada à obediência dos homens. Se eles guardassem a lei, Deus os abençoaria; mas eles falharam através da desobediência e herdaram a maldição. A soberania divina determinou lidar com os homens, não de acordo com o mérito, mas de acordo com a misericórdia; não de acordo com o caráter pessoal dos homens, mas de acordo com o caráter pessoal de Deus; não de acordo com o que os homens possam fazer, mas de acordo com o que o Senhor Jesus faria. A graça soberana declara que ele terá misericórdia de quem ele tiver misericórdia, e terá compaixão de quem ele tiver compaixão. Esta base de soberania não pode ser abalada. O pacto que salva os homens de acordo com a vontade e o prazer de Deus é fundado sobre uma rocha; pois a livre graça de Deus é sempre a mesma, e a soberania de Deus está ligada à imutabilidade, como está escrito: “Eu sou o Senhor, não mudo; por isso os filhos de Jacó não são consumidos.” O menor toque de mérito coloca material perecível no pacto; mas se for de pura graça, então o pacto é eterno.
Ainda, no pacto, tudo o que pode ser suposto ser uma condição é fornecido. É necessário que um homem, para ser perdoado, se arrependa; mas então o Senhor Jesus é exaltado nas Alturas para dar arrependimento e remissão de pecados. É necessário que um homem, para ser salvo, tenha fé no Senhor Jesus Cristo; mas a fé é da operação de Deus, e o Espírito Santo opera em nós este fruto do Espírito. É necessário, antes de entrarmos no céu, que devemos ser santos; mas o Senhor nos santifica através da Palavra, e opera em nós para querer e fazer segundo a Sua própria vontade. Tudo o que é necessário também é fornecido. Se existe, em qualquer lugar na Palavra de Deus, qualquer ato ou graça mencionado como se fosse uma condição de salvação, é em outra Escritura descrito como um dom de aliança que será conferido aos herdeiros da salvação por Cristo Jesus. De modo que a condição, que pode parecer colocar o pacto em perigo, é tão certamente prevista, que daí não surge falha ou fratura.
Além disso, o pacto deve ser perpétuo, porque não pode ser substituído por algo mais glorioso. Na ordem do trabalho de Deus, ele sempre avança do bom para o melhor. A lei antiga foi afastada porque ele encontrou defeitos, e, portanto, a nova aliança deve durar até que uma falha possa ser encontrada nela; mas sabemos que isto nunca será. Esta é a glória que se sobressai: nenhum brilho pode exceder a glória de Deus na face de Jesus Cristo. Não pode haver nada mais gracioso, nada mais justo para Deus ou mais seguro para o homem do que o plano de salvação estabelecido no pacto da graça. A lua dá lugar ao sol, e o sol dá lugar a um brilho que excederá a luz de sete dias; mas o que há para substituir a luz da graça livre e do amor daquele que morreu por nós, a glória do amor que deu o Unigênito para que possamos viver através dele! O pacto da graça feito conosco em Cristo Jesus é a obra-prima da sabedoria e do amor divinos, e está estabelecido em tais princípios seguros que devem durar para sempre.
Amados, descansem no pacto da graça como lhes proporcionando segurança eterna e conforto ilimitado. Pode muito bem ser eterno, já que foi divino em sua concepção. Certamente o conselho do Senhor permanecerá. Quem mais poderia ter pensado em “uma aliança, ordenada em todas as coisas e segura“, sendo feita com o homem culpado? Foi também divino em sua execução e, portanto, deve perdurar. Quem poderia ter providenciado um Salvador como o Unigênito do Pai? Quem poderia ter dado a ele por uma aliança, senão o pai? A aliança é divina em sua manutenção. Note bem a palavra do Senhor: farei uma aliança eterna com eles. Ele não diz: “Eles farão uma aliança comigo“; mas farei um pacto com eles. Que Deus é o criador da aliança, é uma razão para sua certeza e eternidade. O Deus fiel deu garantias que a fixaram para sempre, a sua própria promessa e seu juramento; essas duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta. Através destes temos forte consolo têm os que fugiram para refúgio em Cristo Jesus. Assim, demoramos sobre esta primeira cabeça; mas é ainda muito pouco, comparado com a grandeza do assunto.
II. Em segundo lugar, temos agora que pensar com devoção no DEUS IMUTÁVEL DA ALIANÇA: “Não me afastarei deles, para fazer-lhes bem.“
Por favor, observe os termos aqui: o Senhor não apenas diz: “Eu não me afastarei deles“, mas eu não vou me afastar deles para fazer-lhes bem.” Ele não deixará de trabalhar para o bem dos seus escolhidos. O Senhor está sempre fazendo bem ao seu povo; e aqui ele promete que nunca deixará de abençoá-los. Ele não apenas sempre os amará, mas sempre provará seu amor pela bondade ativa e pela bênção. Ele está empenhado em continuar os dons e o trabalho de sua bondade. Com efeito, ele diz: “Eu não vou deixar de abençoá-los; eu continuamente, eternamente, lhes farei bem.“ Agora, por que Deus é assim imutável em suas ações para com os seus aliançados?
Ele não se afastará de fazer-lhes bem, primeiro, porque ele disse isso. É suficiente. Jeová fala e, em sua voz, está o fim de toda controvérsia. Ele diz: “Eu não vou me afastar deles, para fazer-lhes bem“; e temos certeza de que ele não perderá sua palavra. Eu não preciso trazer mais razões: isso é suficiente, o Senhor disse isso. Ele disse, e ele não o fará?
Ainda, lembremo-nos de que não há razão válida para que ele se afaste deles para fazer-lhes bem. Você me lembra de sua indignidade. Sim, mas observe que quando ele começou a fazer-lhes bem elas eram tão indignos quanto poderiam ser. Ele começou a fazer-lhes bem quando eles estavam mortos em delitos e pecados. Ele começou a fazer-lhes bem quando eram inimigos, rebeldes e condenados. Quando o pecador sente o movimento do amor divino sobre seu coração, ele não está em estado de louvor. Em alguns casos, o homem é um bêbado, um xingador, um mentiroso ou uma pessoa profana. Em certos casos, o homem tem sido um perseguidor como Manassés ou Saul. Se Deus parou de nos abençoar porque ele não via nada de bom em nós, por que ele começou a nos fazer bem quando estávamos sem desejo para com ele? Nós éramos uma massa de miséria, um poço de desejos e um montão de pecados quando ele começou a nos fazer bem. Seja o que for que podemos ser agora, não somos de outra forma do que éramos quando, pela primeira vez, ele revelou seu amor por nós. O mesmo motivo que o levou a começar o leva a continuar; e esse motivo nada mais é do que sua graça.
Além disso, não pode haver razão alguma na falta do crente por que o Senhor deveria deixar de lhe fazer bem, visto que previu todo o mal que estaria em nós. Nenhum filho errante de Deus surpreende seu Pai celestial. Ele previu todos os pecados que devemos cometer: ele propôs fazer-nos bem, apesar de toda essa iniquidade conhecida de antemão. Se, então, ele fez um pacto conosco, e começou a nos abençoar com todos os nossos pecados diante de sua mente, nada de novo pode surgir que possa alterar o pacto feito com todas essas desvantagens conhecidas e levadas em conta. Não há pecado escarlate que tenha sido omitido, pois o Senhor disse: “Venha agora, e vamos raciocinar juntos: apesar de seus pecados serem tão escarlates. Ele fez uma aliança de não se afastar de nós para nos fazer bem; e nenhuma circunstância surgiu, ou pode surgir, que fosse desconhecida para ele quando ele assim prometeu em sua palavra de graça.
(Nota do tradutor: Não se pense que com estas palavras que são verdadeiras em relação à promessa da aliança da graça, de que Deus perdoaria e se esqueceria de nossas transgressões e pecados, por conta de ter feito a expiação deles em Cristo, e ter feito dEle o grande Fiador e Garantia da Aliança, de modo que ainda que falhemos, a aliança jamais será rompida, que Spurgeon esteja insinuando que Deus não odeie o pecado e que não exija dos aliançados que o levem muito a sério, por um diligente esforço para que estes pecados sejam todos mortificados através da santificação operada pelo Espírito Santo.)
Além disso, gostaria que você se lembrasse de que somos por Deus neste dia vistos na mesma luz de sempre. Ele nos viu no início como debaixo do pecado, caídos e depravados, e ainda assim ele prometeu fazer-nos bem.
“Ele me viu arruinado na queda,
todavia me amou apesar de tudo. “
E se hoje eu sou pecador, se hoje eu tenho que gemer por causa da minha natureza má, ainda assim eu estou onde eu estava quando ele me escolheu, e me chamou, e me redimiu pelo sangue de seu Filho. “Quando ainda estávamos sem força, no devido tempo Cristo morreu pelos ímpios.” Nós éramos objetos indignos sobre os quais ele concedeu sua misericórdia, sem nenhum motivo além do que ele tirou de sua própria natureza; e se ainda não somos merecedores, sua graça ainda é a mesma. Se é assim, que ele ainda lida conosco no caminho da graça, é evidente que ele ainda nos vê como indignos; e por que ele não deveria fazer o bem para nós agora como fez no começo? Seguramente, a fonte sendo a mesma, a corrente continuará a fluir.
Além disso, lembre-se de que ele nos vê agora em Cristo. Eis que ele colocou seu povo nas mãos de seu querido Filho. Ele até nos colocou no corpo de Cristo; porque somos membros do seu corpo, da sua carne e dos seus ossos. Ele nos vê em Cristo para ter morrido, nele ter sido enterrado e nele ter ressuscitado. Como o Senhor Jesus Cristo é agradável ao Pai, assim também nele somos agradáveis ao Pai; porque estarmos nele nos identifica com ele. Se, então, nossa aceitação com Deus permanece na base da aceitação de Cristo com Deus, ela permanece firme e é um argumento imutável com o Senhor Deus por nos fazer bem. Se nos colocássemos diante de Deus em nossa própria justiça individual, nossa ruína seria segura e rápida; mas em Jesus nossa vida está escondida além do perigo. Acredite firmemente que até que o Senhor rejeite a Cristo, ele não pode rejeitar seu povo; até que ele repudie a expiação e a ressurreição, ele não pode rejeitar qualquer um daqueles com quem ele tenha feito aliança no Senhor Jesus Cristo.
O Senhor não se afastará de seu povo, de fazer-lhe bem, porque ele lhe mostrou assim muita bondade; e tudo o que ele fez estaria perdido se ele não o fizesse. Quando ele deu seu filho, ele nos deu uma garantia de que ele pretendia terminar seu trabalho de amor. Dizem de um homem que não termina seu trabalho, “este homem começou a construir, e não pôde terminar“; mas isso nunca será dito do Senhor Jeová. O Senhor Deus colocou toda a sua Deidade para salvar o seu povo e deu todo o seu ser na pessoa do Bem-Amado para a nossa redenção; e você pode acreditar que ele falhará? Certamente, a ideia é blasfema. Alguns de nós já conhecemos muito o seu amor para acreditar que algum dia deixará de fluir em nossa direção. Fomos tão favorecidos que não nos atrevemos a temer que seu favor nos faltará. Tão celestial, tão divino é o sentido do amor de Deus, quando é revelado à alma, que não podemos acreditar que foi dado para zombar de nós. Nós fomos levados com tais torrentes de amor, que nós nunca acreditaremos que elas possam ser secadas. O Senhor comungou conosco tão de perto que o segredo do Senhor está conosco, e ele reconhecerá para sempre aquele sinal místico pelo qual nossa união foi selada. Como Paulo, cada um de nós pode dizer: “Eu sei em quem tenho crido, e estou convencido de que ele é capaz de guardar aquilo que eu lhe confiei até aquele dia.“ O custo pelo qual nosso Senhor nos assegura que ele completará seus desígnios de graça.
Amados, temos certeza de que ele não cessará de nos abençoar, porque provamos que mesmo quando ele escondeu seu rosto, ele não se afastou de nos fazer bem. O Senhor retirou a luz de seu semblante, mas nunca o amor de seu coração. Quando o Senhor afastou seu rosto de seu povo, foi para fazer-lhe bem, deixando-o doente de si mesmo e ansioso por seu amor. Quantas vezes ele nos trouxe de volta, fazendo-nos sentir o mal do pecado que entristece o seu Espírito! Quando nós clamamos, “Oh, que eu soubesse onde eu poderia encontrá-lo!” Fomos muito abençoados pela angústia de nossa busca. Presta-me este    testemunho, você, povo provado de Deus; os castigos do Senhor sempre foram para o seu bem. Quando o Senhor te feriu até que a ferida ficou azul, teu coração foi melhorado. Quando o Senhor tirou o teu conforto, ele te fez bem ao aproximar você do bem maior. O Senhor te enriqueceu com tuas perdas e te fez saudável com tuas doenças. Se, então, o Senhor nosso Deus, quando ele é visto em cores mais escuras, não se afastou de nos fazer bem, estamos convencidos de que ele nunca cessará diariamente de nos carregar com benefícios.
Além disso, eu termino com este argumento, que ele envolveu sua honra na salvação de seu povo. Se os escolhidos e redimidos do Senhor são expulsos, onde está a glória de sua redenção? O inimigo não dirá do Senhor: Ele não tinha o poder de cumprir sua aliança, nem a constância de continuar abençoando-os? Será que alguma vez será dito de Deus? Ele perderá assim a glória de sua onipotência e imutabilidade? Eu não posso acreditar que qualquer propósito do Senhor possa falhar; tampouco posso conceber que ele possa retirar suas declarações de amor àqueles com quem ele está em aliança. O Deus a quem nós adoramos e reverenciamos, o Deus de Abraão, Deus e Pai de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, não se cansa nem se fatiga. “Ele está em uma mente e quem pode transformá-lo?“ Ele sempre estará atento à sua aliança. De nosso Senhor Jesus, nós verdadeiramente cantamos:
“Sua honra está empenhada em salvar
A pior de suas ovelhas,
Tudo o que seu Pai celestial lhe deu,
Suas mãos seguramente guardam.”
Se meus argumentos parecem bons para você ou não, é de pequena consequência; porque o texto é a Palavra inspirada de Deus e não pode ser mal entendido ou questionado. Assim diz o Senhor: Não me apartarei deles, para fazer-lhes bem.
III. A terceira parte do nosso assunto nos leva a ver O POVO PERSEVERANTE NA ALIANÇA: “ Eu porei o meu temor em seus corações, para que eles não se apartem de mim.“
Deixe-me ler claramente estas palavras: “eles não se apartem de mim”. Se houvesse apenas esse texto na Bíblia, seria suficiente para provar a perseverança final dos santos: “Eles não se afastarão de mim.” A salvação dos que estão em aliança com Deus é aqui prevista por uma promessa absoluta do Deus onipotente, que deve ser cumprida. É claro, incondicional, positivo: "Eles não se apartarão de mim." Não é realizado alterando o efeito da apostasia. Se eles se afastassem de Deus, seria fatal. Suponha que um filho de Deus se afaste totalmente do Senhor e perca totalmente a vida de Deus: e depois? Será que ele seria salvo? Eu respondo: sua salvação está no fato de que ele nunca perderá totalmente a vida de Deus. Por que perguntamos o que aconteceria em um caso que nunca poderia ocorrer? Mas se devemos supor, não tardamos em dizer que, se o crente estivesse totalmente separado de Cristo, ele deveria, sem dúvida, perecer eternamente. Se um homem não habita em Cristo, é lançado fora como um ramo e é queimado. As Escrituras são muito positivas sobre isso: se a graça fosse embora, a segurança teria desaparecido. O sal é bom: mas se o sal perder o sabor, com que será salgado? Se estes caírem, é impossível renová-los novamente para arrependimento. Se a obra da graça pudesse fracassar definitiva e totalmente em qualquer homem, o caso estaria além de qualquer remédio, já que os melhores meios foram, nessa suposição, experimentados e fracassaram. Se o Espírito Santo realmente regenerou uma alma, e ainda que a regeneração não a salvou da total apostasia, o que pode ser feito? Existe algo como ser nascido de novo; mas não existe tal coisa como nascer de novo e de novo. Regeneração é de uma vez por todas: e não pode ser repetida. As Escrituras não têm palavra ou insinuação de que isto poderia ocorrer. Se os homens foram lavados no sangue de Jesus e renovados pelo Espírito Santo, e este processo sagrado falhou, não resta mais nada. Quando as coisas antigas se foram e todas as coisas se tornaram novas, pode-se imaginar que elas envelhecerão de novo? Portanto, ninguém pode dizer: Embora eu volte ao meu antigo pecado e cesse de orar, arrepender-me, crer ou ter alguma vida de Deus em mim, ainda assim serei salvo porque fui um crente. Não, não, falador profano; o texto não diz: “Eles serão salvos embora eles partam de mim“; mas eles não se apartarão de mim - o que é um assunto muito diferente. Ai dos que se apartam do Deus vivo! porque eles devem perecer, e com eles nenhum pacto de paz foi feito.
Nem essa perseverança dos santos vem pela remoção da tentação. Não se diz: Eu os porei onde não serão tentados; Eu lhes darei uma subsistência suficiente para que não sejam provados pela pobreza e, ao mesmo tempo, nunca sejam tão ricos a ponto de conhecer as tentações da riqueza. Não, o Senhor não tira o seu povo do mundo; mas ele lhes permite lutar a batalha da vida no mesmo campo que outros. Ele não nos remove do conflito, mas nos dá a vitória. Somos tentados como foi nosso Senhor; mas nós temos um caminho de fuga fornecido. Nosso coração é propenso a vagar, e não somos mantidos longe da cena de possíveis perambulações. Mas o que é dito é isto - “Eles não se afastarão de mim.” Que garantia abençoada! Eles podem ser tentados; mas eles não serão superados. Ainda que pequem em medida, todavia não pecarão a ponto de se afastarem de Deus. Eles ainda se apegarão a ele, e viverão em Cristo pela habitação do Espírito Santo.
Como, então, eles são preservados? Bem, não como alguns falam falsamente, como se tivéssemos pregado, que o homem que é convertido pode viver como quiser. Nós nunca dissemos isso; nós nunca pensamos assim. O homem que é convertido não pode viver como gosta; ou melhor, ele é tão mudado pelo Espírito Santo, que se ele pudesse viver como ele gosta, ele nunca pecaria, mas viveria uma vida absolutamente perfeita. Oh, quão profundamente desejamos ser limpos de todo pecado! Não pregamos que os homens possam se afastar de Deus e viver; mas que não se desviarão dele.
Isto é efetuado colocando um princípio divino dentro de seus corações. O Senhor diz: Eu porei o meu temor em seus corações. Nunca seria encontrado lá se ele não o colocasse lá. Nunca vai surgir naturalmente em qualquer coração. “Eu colocarei meu temor em seus corações“; isto é, regeneração e conversão. Ele nos faz tremer diante de sua lei. Ele nos faz sentir a astúcia e a amargura do pecado. Ele nos faz lembrar do Deus que uma vez esquecemos e a obedecer ao Senhor que uma vez desafiamos. “Eu vou colocar meu temor em seus corações“ é o primeiro grande ato de conversão, e é continuado ao longo da vida pela perpétua obra do Espírito sobre o coração. O trabalho que começa na conversão é devidamente realizado nos convertidos; pois o Senhor ainda coloca seu temor em seus corações. Como o Espírito de Deus opera, não podemos dizer: ele tem maneiras de agir diretamente sobre nossas mentes, que são todas suas, e não podem ser entendidas por nós. Mas sem violar a liberdade da nossa natureza, deixando-nos homens como éramos antes, ele sabe como nos fazer continuar no temor de Deus. Este é o grande presságio de Deus sobre o seu povo, “Eu porei o meu temor em seus corações.“ O que é esse temor de Deus?
É, primeiro, um santo temor e reverência do grande Deus. Ensinados por Deus, chegamos a ver sua grandeza infinita e o fato de que ele está presente em todos os lugares conosco; e então, cheios de uma devota sensação de sua divindade, não ousamos pecar. Já que Deus está próximo, não podemos ofender. As palavras, “meu temor“, também denotam temor filial. Deus é nosso Pai e sentimos o espírito de adoção, pelo qual clamamos “Abba, Pai“. Esse amor filial desperta em nós o temor de entristecer a quem amamos e, portanto, não temos desejo de nos afastar dele. Também se move em nossos corações um profundo sentimento de obrigação grata. Deus é tão bom para mim, como posso pecar? Ele me ama assim, como posso irritá-lo? Ele me favorece tão grandemente no dia a dia que não posso fazer o que é contrário à sua vontade. Você já recebeu uma escolha e uma misericórdia especial? Muitas vezes caiu no meu destino; e quando as lágrimas estão em meus olhos à vista de tão grande favor, senti que se uma tentação viesse a mim, chegaria num momento em que eu não tinha nem coração, nem olho, nem ouvido para isso. A gratidão fecha a porta contra o pecado. Grande amor recebido derruba a grande tentação de vagar. Nosso clamor é: O Senhor me banha em seu amor, ele me satisfaz com a comunhão mais próxima e mais querida consigo mesmo, e como posso fazer essa grande iniquidade e pecar contra Deus? Amado tão especialmente, e unido a ele por um pacto eterno, como podemos fugir em face de amor tão maravilhoso? Certamente, não podemos encontrar prazer em ofender um Deus tão gracioso; mas é nossa alegria cumprir os seus mandamentos, atentos à voz da sua palavra.
Vejam, amados, esta perseverança dos santos, é perseverança na santidade: "Não se apartarão de mim.“ Se a graça de Deus realmente mudou você, você mudou radical e duradouramente. Se você veio a Cristo, ele não colocou em você um mero copo da água da vida, mas ele disse: "A água que eu lhe der será nele uma fonte de água que jorra para a vida eterna". “O trabalho que é feito na regeneração não é um trabalho temporário, pelo qual um homem é, por um tempo, reformado; mas é uma obra eterna, pela qual o homem nasce para o céu. Há uma vida implantada no novo nascimento, que não pode morrer, pois é uma semente viva e incorruptível, que vive e permanece para sempre. A graça continuará trabalhando em um homem até que o leve à glória.
Se alguém discorda do que eu disse, não posso evitá-lo; mas eu imploraria a eles que não discordassem do texto; porque a Escritura não pode ser quebrada. Leia: “Eu porei o meu temor em seus corações, para que eles não se apartem de mim.” Lá está isto, eles não se afastarão de mim. Mas se você perguntar, com que instrumentalidade Deus mantém esse temor no coração de seu povo? Eu respondo, é a obra do Espírito de Deus: mas o Espírito Santo geralmente trabalha por meios. O temor de Deus é mantido vivo em nossos corações pelo ouvir da Palavra; porque a fé vem pelo ouvir, e o santo temor vem pela fé. Seja diligente, então, ao ouvir a Palavra. Esse temor é mantido vivo em nossos corações lendo as Escrituras; pois, à medida que nos alimentamos da Palavra, ela sopra dentro de nós o temor de Deus, que é o começo da sabedoria. Este temor de Deus é mantido em nós pela crença da verdade revelada e meditação sobre ela. Estude as doutrinas da graça e seja instruído na analogia da fé. Conheça o evangelho bem e completamente, e isso trará combustível para o fogo do temor de Deus em seus corações. Gaste muito tempo em oração privada; pois isso incita o fogo e o faz queimar mais brilhantemente. Em resumo, procure viver perto de Deus, habitar nele; porque, o Senhor tem dito que se    permanecermos nele, e as suas palavras permanecem em nós, daremos muitos frutos, e seremos seus discípulos.
Considero esta preciosa doutrina da perseverança dos santos muito frutífera. Certa quinta-feira à noite, não muito tempo atrás, eu pregava essa doutrina com toda a minha força, e muitos se sentiam confortados por ela; mas, melhor ainda, muitos pensaram e foram levados a virar o rosto para a direção de Cristo. Alguns pregam uma doutrina que tem muita porta, mas é tudo porta, e quando você entrar, não há nada a ser tido; você não está mais seguro do que estava do lado de fora. Ovelhas não estão com pressa para entrar onde não há pasto. Alguns acham que minha doutrina é estreita, embora eu tenha certeza de que não é; mas se uma porta deve parecer estreita, ainda, se há algo que valha a pena quando você entra, muitos procuram admissão. Existem maravilhosas bênçãos providas no pacto da graça que aqueles que são sábios estão ansiosos para obtê-las. “Oh!” diz alguém, “se a salvação é uma coisa eterna, se essa regeneração significa uma mudança de natureza que nunca pode ser desfeita, deixe-me tê-la. Se a salvação é um mero artigo banhado que se desgastará, não o quero; mas se for prata pura, deixe-me tê-lo.” O dom da graça nos faz participantes da natureza divina e nos faz escapar da corrupção que está no mundo pela luxúria? Então vamos ter isso. Eu oro para que alguns aqui possam desejar a salvação, porque ela assegura uma vida de santidade. A doçura que me levou a Cristo foi isso - eu acreditava que a salvação era uma garantia de caráter. De que maneira melhor pode o jovem purificar a sua vida do que, colocando-se nas mãos sagradas do Senhor Jesus, para não deixá-lo pecar e cair? Eu disse - Se eu me entregar a Cristo, ele vai me salvar dos meus pecados. Portanto, eu vim a ele e ele me tem guardado. Oh, quão musicais são estas palavras: “ Eles não se afastarão de mim!“
Para usar uma figura antiga: certifique-se de pegar um bilhete até o fim. Muitas pessoas só acreditaram em Deus para salvá-las por um tempo; desde que sejam fiéis, ou enquanto forem sinceros. Amado, acredite em Deus para mantê-lo fiel e sincero por toda a sua vida: pegue um bilhete até o fim. Obtenha uma salvação que cubra todos os riscos. Não há outro bilhete emitido a partir do escritório autorizado, senão um bilhete de passagem. Outros bilhetes são falsificações. Aquele que não pode mantê-lo para sempre não pode mantê-lo por um dia. Se o poder de regeneração não durar pela vida afora, pode não durar uma hora. A fé no pacto eterno move o sangue do meu coração, me enche de alegria, me inspira com confiança, me excita com entusiasmo. Eu nunca posso desistir da minha crença no que o Senhor disse: “E farei um pacto eterno com eles, para que eu não me afaste deles para fazer-lhes bem; mas porei o meu temor no coração deles, para que não se apartem de mim.”
Deus te abençoe, pelo amor de Jesus! Amém.
Porções das Escrituras lidas antes do sermão - Hebreus 8; 10: 12-39.
Hinos do “nosso próprio livro de hinos“ – nºs 27, 229, 228.



Publicado no site: O Melhor da Web em 12/06/2018
Código do Texto: 137692

AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
Sou Fã de...
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.