Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
Silvio Dutra

Todas imagens extraídas da galeria do Google.
kuryos - Silvio Dutra
RSS - As recentes de:Silvio Dutra
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



Silvio Dutra
Aniversário: 25/11
Cadastrado desde: 29/08/2012 -

Texto mais recente: Para o Atribulado

Textos & Poesias || Evangélicas

Imprimir
Hebreus 3 - VERSÍCULOS 3 a 6 – P 2
12/07/2018
Autor(a): Silvio Dutra

Hebreus 3 - VERSÍCULOS 3 a 6 – P 2



   John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado eEditado por Silvio Dutra

3. Que esta sua glória e honra era incomparavelmente maior que a de Moisés. 1. Para a construção da casa de Deus, três coisas são requeridas: - Primeiro, a distribuição da planta e do padrão dela, em suas leis, ordenanças e instituições, para que ela possa responder ao fim para o qual é projetada. Em segundo lugar, a preparação e adequação dos materiais, e a compactação deles juntos, para que possam crescer até formarem uma casa, um templo sagrado, uma habitação para Deus; e isto é propriamente, a “construção da casa”. Terceiro, a solene entrada da presença de Deus nela, para sua apropriação, dedicação e santificação para Deus. Estas três coisas coincidiram tanto nas antigas casas típicas, no tabernáculo de Moisés e no templo de Salomão. A primeira coisa foi que o padrão foi preparado e mostrado a Moisés no monte: Êxodo 25: 8,9, “E me farão um santuário, para que eu possa habitar no meio deles. Segundo tudo o que eu te mostrar para modelo do tabernáculo e para modelo de todos os seus móveis, assim mesmo o fareis.” E o verso 40: “Vê, pois, que tudo faças segundo o modelo que te foi mostrado no monte.” Deus fez com que Moisés visse, “um modelo”, “uma semelhança”,    “uma representação” da casa que ele teria construído, e também as coisas que lhe pertenciam. Este nosso apóstolo chama tupov, Hebreus 8: 5, "uma imagem expressa" dele; que continha não apenas o tecido material, mas também as leis, ordenanças e instituições da adoração de Deus para com ele, pois tudo isso Deus mostrou e declarou a Moisés no monte, como está expresso na história. Em segundo lugar, Moisés preparou todos os materiais aptos para essa construção do tabernáculo pela oferta voluntária do povo; e, pela habilidade de Bezaleel e Aoliabe, edificou, ajustou e criou uma casa, um tabernáculo ou um santuário. Veja Êxodo 35-40. Em terceiro lugar, a presença gloriosa do Senhor entrou no tabernáculo assim erigido, e Deus habitou ali: Êxodo 40:34: “Então uma nuvem cobriu a tenda da congregação, e a glória do SENHOR encheu o tabernáculo.” Deus veio, e de uma maneira maravilhosa tomou posse desta sua casa. Assim foi também na preparação e construção do templo: - Primeiro, o padrão disto, de toda a estrutura, e todas as ordens, ordenanças e adoração dele, foi dado e mostrado a Davi, que o entregou a Salomão, seu filho. Então ele conclui o relato que ele deu de todas as preocupações particulares dessas coisas: 1 Crônicas 28:19: “Tudo isto, disse Davi, me foi dado por escrito por mandado do SENHOR, a saber, todas as obras desta planta.” Em segundo lugar, Salomão preparou materiais em abundância e, pela habilidade de Hirão, os colocou em uma casa, e todos os utensílios sagrados, como está amplamente expresso na história. Terceiro: O templo sendo erigido, a gloriosa presença de Deus entrou nele: 1 Reis 8: 10,11, “Tendo os sacerdotes saído do santuário, uma nuvem encheu a Casa do SENHOR, de tal sorte que os sacerdotes não puderam permanecer ali, para ministrar, por causa da nuvem, porque a glória do SENHOR enchera a Casa do SENHOR.” É evidente, então, que essas três coisas são necessárias para a construção da casa de Deus, da qual esses tecidos materiais eram um tipo e uma representação. E tudo isso foi perfeitamente efetuado por Jesus Cristo, o Filho de Deus. Eu já disse antes, que não é a casa ou igreja desta ou daquela época, lugar ou geração, que é pretendida nesta expressão, mas a igreja de Deus em todas as eras e lugares. O exemplo deste trabalho está na igreja do Novo Testamento, cuja fundação em Si mesmo e ereção em Si mesmo o fez expressamente e particularmente empreender. “Sobre esta rocha”, diz ele, “edificarei a minha igreja”, Mateus 16:18; - a rocha estável da fé em si mesmo como o eterno Filho de Deus, e como projetado para a grande obra de Deus em glorificar-se entre os pecadores. Esse trabalho de construir a casa de Deus sempre foi, desde o início, realizado por ele mesmo. A primeira coisa necessária para isso pode ser considerada de duas maneiras: - Primeiro, quanto ao delineamento ou formação desta casa em sua própria mente eterna, como o Filho e a Sabedoria do Pai. Ele estava nos conselhos eternos do Pai sobre o fornecimento e enquadramento desta habitação para si mesmo. Deus desde toda a eternidade colocou o enredo e desígnio deste grande tecido e todas as preocupações dele na ideia de sua própria mente. E ali estava escondido, até mesmo de todos os anjos no céu, até a sua criação atual, até o evento, Efésios 3: 9-11. Esse desígnio de seu “propósito em Cristo Jesus” - isto é, este conselho de Deus, mesmo de Pai e Filho, Provérbios 8: 31-32, deveria ser realizado em e por ele. E esse padrão glorioso que ele tinha em mente em todas as épocas, e trouxe consigo para o mundo quando veio para lhe dar a última mão. Isto respondeu ao padrão ou modelo apresentado a Moisés no monte. Ele expressou esta concepção de sua mente, quando ele deu leis, regras, ordens, ordenanças, instituições de culto, todo o padrão da casa, como foi de diversas maneiras e em várias temporadas para ser erguida. Foi o Filho que, desde a fundação do mundo, imediatamente em sua própria pessoa, fez os negócios de Deus com os homens. Foi ele que andou no jardim quando Adão pecou e deu a primeira promessa a ele; que provou o fundamento da casa de Deus depois de séculos. Foi assim com o povo no deserto, que lhes deu suas leis e estatutos em Horebe, e assim construiu autocraticamente a casa de Deus. E para a igreja do Novo Testamento, quando ele imediatamente e transpondo visivelmente todos os assuntos do reino de Deus, é mais evidente que ele falou com e instruiu seus discípulos em todas as coisas relativas ao reino de Deus, Atos 1: 3, isto é, da sua casa. E como Deus ordenou a Moisés que ele fizesse todas as coisas de acordo com o modelo que lhe foi mostrado no monte, Cristo também exige de seus discípulos que ensinem os homens a fazer e observar todas as coisas que ele ordenasse, Mateus 28:20; que é, portanto, tudo o que pertence à casa de Deus. Segundo, a segunda coisa necessária para a construção desta casa é o fornecimento de materiais, e o enquadramento e ajustamento deles em uma casa para Deus. Ora, esta foi uma grande obra, especialmente considerando a condição de todas as pessoas em que esta casa deveria ser constituída. Eles estavam mortos em delitos e pecados, e a casa deveria ser uma casa viva, 1 Pedro 2: 5. Eles eram todos inimigos de Deus, estranhos a ele e debaixo de sua maldição; e a casa devia ser composta dos amigos de Deus, e de tal modo que ele se deleitaria em morar com eles e no meio deles. Eles eram pedras mortas, e a casa devia ser construída dos filhos de Abraão. Este, então, foi um grande e glorioso trabalho, e que ninguém poderia realizar, exceto aquele que era indizivelmente mais honroso do que Moisés ou todos os filhos dos homens. As particularidades deste trabalho são muitas e grandes; vou reduzi-los brevemente em quatro cabeças, como as que se assemelham e são representadas na construção do tabernáculo por Moisés: - Primeiro, então, Moisés reuniu os materiais do tabernáculo com uma oferta voluntária do meio do povo: Êxodo 35.4, 5, “Disse mais Moisés a toda a congregação dos filhos de Israel: Esta é a palavra que o SENHOR ordenou, dizendo: Tomai, do que tendes, uma oferta para o SENHOR; cada um, de coração disposto, voluntariamente a trará por oferta ao SENHOR: ouro, prata, bronze.” Por este meio, sem força, ou compulsão, ou imposição, foram trazidos os materiais do tabernáculo. E assim também o Senhor Jesus Cristo providencia para a edificação da igreja. Ele não junta homens à força ou violência, nem os conduz à profissão da verdade com a espada, como fizeram Maomé e outros aos seus ídolos; mas ele não convida ninguém, não recebe e não admite ninguém, senão aqueles que voluntariamente se oferecem. Assim como vem a ele, e se entrega ao Senhor, e aos oficiais de sua casa, pela vontade de Deus, ele admite, e nenhum outro, 1 Coríntios 8: 5; Romanos 12: 1. E aqui ele expõe a grandeza de seu poder, dando-lhes essa vontade de vir; porque eles não o têm em si mesmos, mas ele os faz “dispostos no dia do seu poder”, Salmos 110: 3. E esta obra que poderíamos manifestar para ser grande e gloriosa, poderíamos insistir nas particularidades dela. Em segundo lugar, os materiais do tabernáculo sendo oferecidos gratuitamente, foram sabiamente enquadrados e ajustados juntos, e moldados em um santuário para uma habitação do Senhor. Este foi o trabalho de Bezaleel e Aoliabe, pela arte, sabedoria e habilidade. Mas a criação da verdadeira casa espiritual de Deus por Cristo em todas as épocas é uma coisa cheia de sabedoria e santidade misteriosa. O apóstolo expressa isso em vários lugares; podemos tocar em alguns deles: Efésios 2: 20-22: “Jesus Cristo é a principal pedra angular; no qual todo o edifício, devidamente enquadrado, cresce para um templo santo no Senhor: em quem também vós juntamente sois edificados para morada de Deus no Espírito ”. As pedras vivas são reunidas por sua própria vontade, oferecendo-se ao Senhor, eles são por ele (como o tabernáculo da antiguidade) adequadamente enquadrados em um templo sagrado ou habitação para Deus. Como isto é feito, como ele diz em geral que é pelo Espírito, assim ele particularmente declara, capítulo 4:15, 16: “Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, de quem todo o corpo, bem ajustado e consolidado pelo auxílio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para a edificação de si mesmo em amor.” E ele expressa isto novamente para o corpo, com o mesmo propósito, Colossenses 2:19. Existem várias alusões nas palavras, tanto a uma casa material quanto para o corpo natural de um homem. A soma é que em Cristo, a cabeça deste corpo, o senhor e construtor desta casa, há um espírito de vida residente, que por ele é comunicado a cada pedra da casa, que lhe dá vida, utilidade, união à cabeça ou senhor do corpo ou casa, como também ordem e beleza em referência ao todo; isto é, estando todos igualmente unidos a Cristo, e agindo em seus lugares e ordem por um só Espírito, eles se tornam uma casa para Deus. Em resumo, a compactação e união dos materiais desta casa é dupla; - primeiro, físico e vivo; em segundo lugar, legal ou moral. O primeiro é, como foi dito, pela comunicação do mesmo Espírito de vida a todos aqueles que estão em Cristo tendo-o como sua cabeça, de modo que todos são animados e movidos pelo mesmo Espírito. O último é sua disposição regular em sociedades lindamente ordenadas, de acordo com as regras e leis do evangelho. Em terceiro lugar, para que a casa assim construída e compactada pudesse ser uma habitação para Deus, era necessário que uma expiação fosse feita para ela através de sacrifício, e que ela fosse purificada e santificada com o sangue dele. Isto nosso apóstolo declara em Hebreus 9: 19-21: “porque, havendo Moisés proclamado todos os mandamentos segundo a lei a todo o povo, tomou o sangue dos bezerros e dos bodes, com água, e lã tinta de escarlate, e hissopo e aspergiu não só o próprio livro, como também sobre todo o povo, dizendo: Este é o sangue da aliança, a qual Deus prescreveu para vós outros. Igualmente também aspergiu com sangue o tabernáculo e todos os utensílios do serviço sagrado.” Isso também Cristo deveria fazer na construção de sua igreja, como declara o apóstolo no mesmo lugar. Ele deveria fazer expiação pelo sacrifício de si mesmo, e aspergi-lo totalmente com seu próprio sangue, para que ambos fizessem expiação por isso e, da mesma forma, purificá-lo, santificá-lo e dedicar-se a Deus; que parte de seu trabalho na construção de sua casa a Escritura mais amplamente insiste. Em quarto lugar, o tabernáculo sendo erguido e aspergido com sangue, também estava com todos os seus utensílios para ser ungido com o óleo sagrado; e foi feito assim, Êxodo 40: 9,10. “Tu”, diz Deus, “tomarás o óleo da unção, e ungirás o tabernáculo e tudo o que nele está, e o consagrarás com todos os seus pertences; e será santo. Ungirás também o altar do holocausto e todos os seus utensílios e consagrarás o altar; e o altar se tornará santíssimo.” Essa unção era um tipo do Espírito Santo conhecido; ele é o “óleo de alegria” com o qual o próprio Cristo e todos os seus foram ungidos. Por isso, o Senhor Jesus Cristo, de maneira especial, cuida da construção de sua casa, a saber, tê-la ungida pelo Espírito Santo. Isto lhes prometeu: João 16: 7; e isto ele faz em conformidade, 1 João 2:27. Esta unção, com todos os efeitos abençoados e gloriosos dela, faz com que o Senhor Jesus Cristo conceda a toda esta sua casa. E estes são os chefes de alguns dos principais atos de Cristo na edificação da casa de Deus; tudo o que é feito por ele eficazmente, e somente por ele. Por fim, até a conclusão desta casa para uma habitação para o Senhor, a gloriosa entrada de sua presença era necessária. E isso também é cumprido por ele, de acordo com sua promessa de que ele estará conosco, entre nós, e habitará em nós pelo seu Espírito até o fim do mundo, Mateus 28:20, 1 Coríntios 3:16, 2 Coríntios 6:16, Efésios 2: 19-22. E assim demonstramos brevemente a primeira coisa expressa nas palavras, a saber, que Cristo era o construtor da casa, da qual Moisés era uma parte e um membro apenas. 2. A segunda coisa afirmada é que o Senhor Jesus Cristo é digno de toda a glória e honra, no ato de sua construção desta igreja, a casa de Deus. Isto também é diretamente ensinado pelo apóstolo, e incluído na comparação que ele faz dele com Moisés e sua preferência acima dele. Ele é digno de muito mais glória e honra do que Moisés. Que glória é que o apóstolo pretende, devemos primeiro inquirir; e então mostrar que ele é digno disso e também o tem. Primeiro, o Senhor Jesus Cristo tem uma glória essencial, a mesmo como a do Pai. Isto ele teve desde a eternidade, antecedente de todo o seu empreendimento de construir a casa de Deus. Ele e seu Pai são UM, João 10: 30. Antes de sua humilhação “ele estava na forma de Deus, e contou que não seria usurpação ser igual a Deus”, Filipenses 2: 6, - igual em dignidade e glória, por causa de a mesma natureza com ele, que é a fonte de toda glória e honra divinas. Esta é "a glória que ele teve com o Pai antes do mundo", que estava obscurecida por um período, em sua tomada sobre ele da "forma de um servo", Filipenses 2: 7, ele deseja a manifestação de novo, sobre a realização de sua obra neste mundo, João 17: 5, Romanos 1: 3,4. Mas esta não é a glória pretendida; porque a razão e a causa não é a construção da casa de Deus, mas a natureza divina, da qual é absolutamente inseparável. Se esta casa nunca tivesse sido construída, ainda assim ele teria sido glorioso para a eternidade. Em segundo lugar, há em Cristo a glória e a honra da natureza humana, glorificada após sua obediência e sofrimento. Esta natureza foi glorificada em virtude de sua união com o Filho de Deus de sua encarnação, como é expressado pelo anjo, Lucas 1:35: “Descerá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te envolverá com a sua sombra; por isso, também o ente santo que há de nascer será chamado Filho de Deus.” Mas recebeu um acréscimo inconcebível de glória, quando, sendo feito espiritual e celestial, e todo caminho glorificado além do que o entendimento do homem pode alcançar (pois enquanto "os nossos corpos vis se tornarão semelhantes ao seu corpo glorioso", ou seremos feitos semelhantes a ele "não aparecerá", não é concebível "o que seremos", 1 João 3: 2), foi recebido triunfalmente no céu, Atos 1: 9, ali para continuar “até os tempos da restauração de todas as coisas”, capítulo 3:21. Nem é isso, como absolutamente considerado, a glória e a honra aqui pretendidas; pois esta glória não é meramente aquilo que ele tem em si mesmo, mas aquilo que lhe é devido e dado a ele pela igreja. Terceiro, há a honra e a glória que ele recebeu em sua exaltação como a cabeça da igreja. O que esta glória é ou quais são os efeitos de sua exaltação, foram amplamente declarados no capítulo 1: 2, 3, etc. Veja Mateus 28:18, Efésios 1: 20-22, Colossenses 1 : 15-18. Neste último lugar, tanto a natureza quanto a razão e consequências dela são expressas. A natureza disso é que ele é “o primogênito de toda a criação”, verso 15, ou senhor e herdeiro de toda a criação de Deus; “a cabeça do corpo”, com uma preeminência absoluta em todas as coisas, verso 18. E a razão que torna esta exaltação razoável é tomada da dignidade de sua pessoa absolutamente considerada, e a infinitude de seu poder: pois, em sua pessoa ele é "a imagem do Deus invisível", verso 15, ou "a imagem expressa" do Pai, como Hebreus 1: 3; e quanto ao seu poder, “por ele foram criadas todas as coisas que estão no céu e na terra” (verso 16), como é declarado amplamente, João 1: 1-3. Isso tornava justo, que tendo cumprido a obra designada a ele, mencionada nos versos 20-22, que ele desfrutasse de toda a glória e honra exigidas; isto é, que depois que ele construiu a casa de Deus, que ele fosse assim exaltado. O que esta glória ou honra de Cristo é, com respeito à igreja ou à casa construída por ele, será brevemente declarada, supondo, como foi dito antes , o que já foi ensinado sobre isso no primeiro capítulo. E pode ser considerado, - Primeiro, a respeito da colação sobre ele. Sua glória como eterno Filho de Deus era e é pessoal e natural para ele, assim como é para o Pai; pois cada pessoa possuindo “no solidum” da mesma natureza, cada um deles sendo Deus por natureza, e o mesmo Deus, eles têm a mesma glória. Mas esta glória de Cristo, como o construtor da igreja, como mediador, é consequente e conferida a ele pela vontade e doação real do Pai. Por ele foi ele designado para o seu trabalho, e dele recebe a sua glória. Ele “ressuscitou-o dos mortos e lhe deu glória”, 1 Pedro 1:21: isto é, não apenas o tornou glorioso por sua ressurreição, como ele foi “declarado o Filho de Deus com poder, de acordo com o Espírito de santidade, pela ressurreição dos mortos”, como Romanos 1: 4 - isto é, tornada conhecida por aquela operação milagrosa e divina como sendo o verdadeiro Filho de Deus, e sua natureza divina manifestada desse modo; nem somente porque foi depois “recebido em glória”, 1 Timóteo 3:16 - isto é, gloriosa e triunfantemente em sua natureza humana recebida no céu; mas porque era sua vontade que a glória e a honra fossem cedidas, atribuídas e pagas a ele. Pois assim ele fala acerca de toda a criação intelectual: como primeiro, para os anjos, ele diz: “Todos os anjos de Deus o adorem”, Hebreus 1: 6; e para os homens: “O Pai entregou todo o julgamento ao Filho, para que todos honrem o Filho, assim como honram o Pai” (João 5: 22,23). De modo que esta glória e honra é conferida ao Senhor Jesus Cristo como o construtor da igreja, pela concessão, doação e vontade do Pai. Segundo, quanto à natureza desta glória, consiste nisso, que ele é o objeto de todo culto religioso divino, e o principal autor de todas as suas leis pelo que ele é externamente e solenemente celebrado. Assim, há um duplo dever na igreja em referência àquele que é o construtor dela, nosso mediador, Jesus Cristo: 1. Que eles o sirvam, confiem nele, creiam nele, obedeçam a ele com toda submissão religiosa de alma e consciência. Por isso, ele diz: "Credes em Deus, crede também em mim" (João 14: 1); - “Credes em Deus Pai que me enviou, credes também em mim que sou enviado, com a mesma fé e confiança divinas”. Os mandamentos e exemplos para o mesmo propósito são multiplicados nas Escrituras, como já mostrei em outras partes. Jesus Cristo, nosso mediador, Deus e homem, o construtor da igreja, é o objeto apropriado de nossa fé religiosa, amor e temor, assim como é o Pai. Nele acreditamos que, em seu nome, nós podemos a ele sujeitar e comprometer nossas almas para a eternidade. Esta glória é devida a ele porque ele construiu a igreja, 2. A observação de todos os seus mandamentos, leis e instituições, como o grande soberano Senhor sobre nossas almas e consciências em todas as coisas; pois “foi precisamente para esse fim que Cristo morreu e ressurgiu: para ser Senhor tanto de mortos como de vivos.”, Romanos 14: 9; - supremo Senhor sobre nós enquanto vivo, exigindo obediência a todas as suas leis, como um filho sobre sua própria casa; e quando estivermos mortos, para nos ressuscitar e nos levar ao seu trono de julgamento, como nos versículos 10, 11. E esta obediência ele dá em comando a todos os seus discípulos, Mateus 28:20. E nestas coisas consiste aquela glória peculiar que Cristo como este construtor da casa possui. Terceiro, duas coisas podem ser consideradas concernentes a esta glória: 1. O que é que é a razão formal disto, aquilo que dá a ele um objeto de reunião da adoração da igreja, e a adoração da igreja para ser verdadeiramente divina ou religiosa. 2. Qual é o motivo principal que prevalece conosco para dar-lhe esta glória e honra. Para o primeiro, não é outro senão a natureza divina. As excelências naturais e essenciais da Deidade são a razão formal e o objeto apropriado de todo culto divino. Nós adoramos o Senhor Jesus Cristo, que é Deus e homem. Ele é assim em uma pessoa; e sua pessoa que é Deus e homem é o objeto dessa adoração. Mas a razão formal e objeto disso é a natureza divina naquela pessoa. Dá-me licença para dizer que o próprio Deus não podia ordenar ao Senhor Jesus Cristo que fosse adorado com adoração religiosa divina, se ele não fosse Deus por natureza, pois a própria coisa implica uma contradição. O culto religioso não é senão uma atribuição dessa honra que é devida às excelências divinas; a saber, confiar, crer, temer, obedecer, amar e submeter-se à infinita santidade, bondade, retidão, poder, na primeira causa, no fim, e soberano Senhor de todos. Agora, atribuir a glória que é própria às excelências divinas, e que recebe sua natureza de seu objeto, onde as excelências divinas não estão, é abertamente contraditório. Além disso, Deus disse: “Eu sou o Senhor; esse é o meu nome; e não concederei a minha glória a outro”, Isaías 42: 8. Aquele que não tem o nome de Deus (isto é, sua natureza), não terá, nem poderá ter essa glória, que é o objeto da adoração mencionada. E há pouco mais do que idolatria grosseira no mundo do que aqueles que professam adorar a Cristo e acreditar nele, em uma palavra, para dar-lhe toda a glória que é devida a Deus, e ainda assim negar-lhe que assim seja. nossa adoração a Cristo, que é a nossa atribuição de glória a ele, ele é considerado de duas maneiras: - (1) Absolutamente, como ele é “sobre todos, Deus abençoado para sempre”, Romanos 9: 5. (2) Como ele é o mediador entre o Pai e nós. (1) No primeiro aspecto, ele é o objeto apropriado e último de nossa adoração. Nós acreditamos nele, oramos a ele; como Estevão ofereceu sua oração de morte para ele em particular. Eles apedrejaram Estevão, orando ou invocando nestas palavras: “Senhor Jesus, recebe meu espírito”, Atos 7:59. Assim, somos batizados em seu nome e, assim, iniciados em seu serviço, como nosso Senhor e nosso Deus, como Tomé expressa sua confissão a ele, João 20: 28. Assim podemos orar a ele direta e distintamente, fazendo de sua pessoa o último objeto de nossa fé, confiança e sujeição de alma nele. Veja Efésios 5: 23-25; 2 Coríntios 5:15; Tito 2:14; Romanos 14: 9,18. (2) Considere-o, por último, como o mediador entre o Pai e nós; então, ele é o objeto imediato, mas não o último de nossa adoração. Nesse sentido, “por meio dele cremos em Deus, que o ressuscitou dos mortos e lhe deu glória, para que nossa fé e esperança estivessem em Deus, 1 Pedro 1:21. Ele é o meio de nossa fé e esperança. Por ele “temos acesso ao Pai por um só Espírito”, Efésios 2:18. E de acordo com o seu comando, pedimos a Deus em seu nome e por amor dele, João 16: 23,24,26. E neste sentido, em toda a nossa adoração, interna e externa, em nossa fé, confiança, obediência e súplicas, o Pai é considerado como o objetivo final de nossa adoração, e o Senhor Jesus Cristo o Filho como aquele que adquiriu aceitação para nós, que defendemos nossa causa, administramos nossos negócios, justificamos nossas pessoas e prevalecemos por graça e misericórdia. E este é o caminho mais comum e permanente de fé na adoração a Deus. Dirigimo-nos ao Pai por meio de Cristo, o Filho, como mediador, considerando-o investido de seus ofícios na e sobre a casa de Deus. Isto o apóstolo exprime excelentemente, em Efésios 3: 14-19. Entretanto, é livre para nós dirigirmos nossas petições diretamente a Cristo como ele é Deus, igual ao Pai. E podemos ver aqui a diferença que existe entre nossa adoração a Cristo, o mediador, e a adoração dos santos e dos anjos pelos papistas. Mas isso eles comumente alegam, que eles só oram para os santos para que eles orem e intercedam com Deus por eles, admitindo que eles possam ser mediadores de intercessão, embora não de oblação. Bem, então, a oração deles para os santos é um ato distinto de adoração, do qual os santos são o único objetivo; que, sendo eles meras criaturas, é aberta e expressa idolatria. Mas agora em nossa adoração a Deus por Cristo, é a mesma adoração pela qual adoramos o Pai e o Filho, o Pai no e através do Filho; com os mesmos atos de fé e confiança, e pela mesma invocação - o primeiro como o objeto final de nossa intercessão, o outro como mediador de nossa aceitação. Mas será dito: não podemos orar a Cristo para orar ao Pai por nós, o que seria um ato distinto de culto religioso? Eu respondo: (1) Não temos precedentes nas Escrituras nem garantimos tal endereçamento; (2) Não parece agradável para a analogia da fé que devemos orar a Cristo para cumprir fielmente o seu próprio ofício. Mas isso podemos fazer, podemos orar a ele distintamente por graça, misericórdia, perdão, porque ele é Deus; e podemos orar ao Pai por ele, como ele é nosso mediador: que dois modos de adoração divina são suficientemente revelados na Escritura. Em segundo lugar, tendo considerado a razão formal da glória insistida, devemos, em seguida, inquirir sobre o grande motivo de darmos a ele esta glória, que o torna digno disso, e nos obriga em especial dever de dar a ele. Cristo nosso mediador, Deus manifestado na carne, Deus e homem, Cristo inteiro, sua natureza humana e divina em uma pessoa, é o objeto de nossa adoração e adoração religiosa; e é justo que devemos constantemente e continuamente adorá-lo, porque ele construiu a casa de Deus, por causa de sua obra de mediação. Como está no primeiro mandamento, assim é nesta questão ” Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de mim.”, Êxodo 20: 2, declarando-se o Senhor Deus, ele propõe a razão formal de todo culto religioso, e aquilo que o torna indispensavelmente necessário. Mas ainda assim, para mover o povo até o desempenho real disto, ele acrescenta aquele grande motivo em o que ele tinha feito para eles; ele os tirou da terra do Egito, da casa da servidão. Se ele não tivesse feito isso, toda a adoração e honra divinas eram devidas a ele; mas tendo feito isso, é uma obrigação forte ligá-los à diligência em sua observância. Então eu digo que é nesse assunto. Cristo deve ser adorado porque ele é Deus, mas o grande motivo aqui é o que ele fez por nós na obra da redenção. E a tudo o que dissemos sobre este assunto, temos o testemunho conjunto de todos os santos e anjos de Deus: Apocalipse 5: 8-13, “e, quando tomou o livro, os quatro seres viventes e os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro, tendo cada um deles uma harpa e taças de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos, e entoavam novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro e de abrir-lhe os selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes; e reinarão sobre a terra. Vi e ouvi uma voz de muitos anjos ao redor do trono, dos seres viventes e dos anciãos, cujo número era de milhões de milhões e milhares de milhares, proclamando em grande voz: Digno é o Cordeiro que foi morto de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor. Então, ouvi que toda criatura que há no céu e sobre a terra, debaixo da terra e sobre o mar, e tudo o que neles há, estava dizendo: Àquele que está sentado no trono e ao Cordeiro, seja o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos.” Tudo o que afirmamos é aqui confirmado: (1) O Cordeiro aqui é Jesus Cristo, o Mediador, o Cordeiro de Deus que levou os pecados do mundo. (2) A adoração e honra atribuídas a ele são sagradas e religiosas, e isso de toda a criação. (3) É apenas uma e a mesma adoração que é dada ao Cordeiro e àquele que está sentado no trono, a saber, o Pai. (4.) A razão disto e grande motivo para isto, de onde se diz que ele é digno disto, isto é, é nosso dever contínuo executar isto para ele, é por causa das grandes coisas que ele tem feito para nós em nossa redenção e salvação; isto é, sua construção da casa de Deus. Do que foi dito, é evidente em que sentido adoramos “o homem Jesus Cristo” com divina honra e adoração, assim como sua natureza humana, em virtude de união pessoal, subsiste na pessoa do Filho de Deus, que pessoa é o objeto apropriado de nossa adoração. Para encerrar este assunto, aqui reside uma grande diferença entre Cristo e Moisés, que enquanto a obra de Moisés trouxe toda a honra e glória que ele tinha para sua pessoa, e que ainda era apenas uma obra inferior, a obra de um servo ou construtor ministerial, a pessoa de Cristo trouxe glória e honra à sua obra, embora fosse excelente e gloriosa; porque ele condescendeu e se humilhou até a morte de cruz - Filipenses 2: 6-8. Mas, ainda assim, o trabalho que está sendo feito, é uma causa de dar nova honra e glória a sua pessoa. Permanece apenas que eu dou brevemente as razões pelas quais este edifício da casa torna o Senhor tão digno de glória e honra. É assim: Primeiro, porque o trabalho em si era grande e glorioso. Grandes obras tornam os autores delas famosos e honrados. Por isso, têm sido os esforços dos homens para eternizar seus nomes, para se tornarem famosos e renomados por suas obras e edifícios. Esse foi o fim daquele empreendimento estupendo dos filhos dos homens no edifício de Babel; eles construiriam uma torre para se tornarem um nome, Gênesis 11: 4, - para obterem renome e glória. E eles foram imitados por sua posteridade, que em todas as épocas elogiaram suas palavras. Então, Nabucodonosor testifica de si mesmo: Daniel 4:30, “Não é isto”, diz ele, “a grande Babilônia que eu edifiquei para a casa do reino, pela força de meu poder e para a honra de minha majestade?” Mas, infelizmente, os pobres montões que perecem têm sido o produto de seus empreendimentos! Todos eles há muito tempo se tornaram um mimo para o tempo e a confusão. Quando Salomão saiu para construir uma casa típica e material para Deus, ele disse a Hirão, o rei de Tiro, em sua mensagem a ele que a casa que ele edificou era muito grande; porque, diz ele, "Grande é o nosso Deus acima de todos os deuses", 2 Crônicas 2: 5,6. Mas acrescenta ainda: “Mas quem pode construir uma casa para ele, visto que o céu e o céu dos céus não podem contê-lo? Quem sou eu então, para que eu lhe edifique uma casa, senão para queimar sacrifícios diante dele?”- O uso desta casa não é para Deus habitar, mas para nós adorá-lo. Não concebemos isso. Eu estou construindo um templo com tais pensamentos e apreensões quando as nações constroem as suas para as suas falsas divindades, a saber, para confiná-las a um lugar e mantê-las dentro. A imensidão da natureza de nosso Deus não admitirá tal coisa. É apenas um lugar para o seu serviço que eu pretendo. Mas agora isso tem feito Cristo; ele construiu uma casa para Deus habitar para sempre. E isso, em muitos relatos, foi um trabalho maior do que o da criação de todas as coisas a partir do nada. Mas se daquela antiga obra da criação surgisse toda a glória de Deus de acordo com a lei da natureza, quão excelente é esta honra e glória que se eleva a Jesus Cristo, e a Deus por ele, desta nova criação, de sua formação e criando “novos céus e nova terra, em que habita a justiça!” Em segundo lugar, é glorioso em todos os relatos de glória.


Publicado no site: O Melhor da Web em 12/07/2018
Código do Texto: 137908
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
Sou Fã de...
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.