Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
Silvio Dutra

Todas imagens extraídas da galeria do Google.
kuryos - Silvio Dutra
RSS - As recentes de:Silvio Dutra
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



Silvio Dutra
Aniversário: 25/11
Cadastrado desde: 29/08/2012 -

Texto mais recente: Sabedoria e Poder na Criação

Textos & Poesias || Evangélicas

Imprimir
O Conhecimento de Deus – P3
05/12/2018
Autor(a): Silvio Dutra

O Conhecimento de Deus – P3



Proposição II. Nenhum homem pode dizer em quaisquer de suas ações voluntárias que ele encontrou alguma força sobre ele. Quando algum de nós fez alguma coisa de acordo com nossas vontades, podemos dizer que não poderíamos ter feito o contrário? Estávamos determinados em nossa própria natureza intrínseca, ou nós não nos determinamos? Não agimos de acordo com a nossa razão, ou de acordo com as seduções exteriores? Nós encontramos qualquer coisa fora de nós, ou dentro de nós, que forçou nossas vontades ao abraçar isto ou aquilo? Qualquer ação que você faz, você faz isso porque você julga adequado, ou porque você fará isso. O que, embora Deus previsse que você faria isso, e que você faria isso ou você sentisse alguma força em você? Você não agiu de acordo com sua natureza? Deus prevê que você coma ou ande em tal momento; você acha alguma coisa que o leve a comer, senão seu próprio apetite? Ou andar, senão por sua própria razão e vontade? Se a presciência tivesse imposto alguma necessidade ao homem, não deveríamos provavelmente ter encontrado algum tipo de pedido dele na boca de Adão? Ele sabia como tanto quanto qualquer homem desde então soube da natureza de Deus, como descoberta na criação; ele não podia em inocência imaginar um Deus ignorante, um Deus que nada sabe de coisas futuras; ele não poderia ser tão ignorante de sua própria ação, mas ele deveria ter percebido uma força em sua vontade, se houvesse alguma; se ele tivesse pensado que a presciência de Deus impusesse qualquer necessidade a ele, ele não teria omitido o pedido, especialmente quando ele era tão ousado em cobrar a providência de Deus no dom da mulher para ele, para ser a causa de seu crime. (Gên. 3:12). Como é que a posteridade dele inventou novas acusações contra Deus, que seu pai Adão nunca pensou, que tinha mais conhecimento do que todos eles? Ele não encontrou causa de seu pecado, senão a liberdade de sua própria vontade; ele cobra, não sobre qualquer falta do diabo, ou qualquer falta de Deus; nem ele alega o dom da mulher como uma causa necessária de seu pecado, mas uma ocasião para isto, dando o fruto a ele.
Judas sabia que nosso Salvador tinha conhecimento prévio de sua traição, pois ele havia dito a ele na audiência com seus discípulos (João 13: 21-26), mas ele nunca acusou a necessidade de seu crime com a presciência de seu Mestre; se Judas não tivesse feito isso livremente, ele não teria razão para se arrepender; seu arrependimento justifica Cristo de impor qualquer necessidade sobre ele por essa presciência. Nenhum homem age em nada, mas ele pode dar conta dos motivos de sua ação; ele não pode ser pai de uma cega necessidade; a vontade não pode ser compelida, pois então deixaria de ser a vontade: Deus não arraigaria os fundamentos da natureza, ou modifica a ordem e torna os homens incapazes de agir como homens, isto é, como agentes livres. Deus conhece previamente as ações de criaturas irracionais; isso não conclui violência sobre sua natureza, pois achamos que suas ações são de acordo com sua natureza e espontâneas.
Não há assim, como muitos costumam pensar, determinismo quanto às ações de Deus, ou seja, que Deus tivesse programado e dirigido em cada um de nós, todas as nossas ações. Alguns chamam isto de destino, para justificar seus próprios erros e atribuí-los à vontade de Deus. Confundem, portanto, presciência com determinismo. Ele não determinou em cada homem, ou mesmo nos anjos, o que deveriam fazer, sendo suas vontades escravizadas à de Deus, de modo a não poderem fazer nada, senão aquilo que Ele teria determinado que eles fizessem. Não é assim, e nem mesmo poderia ser, pois neste caso, Deus seria o próprio autor do mal e seu principal agente.
Proposição III. A presciência de Deus não é, simplesmente considerada, a causa de qualquer coisa. Não coloca nada nas coisas, mas apenas as vê como presentes e decorrentes de suas causas apropriadas. O conhecimento de Deus não é o princípio das coisas, ou a causa de sua existência, mas diretiva da ação; nada é porque Deus sabe disso, mas porque Deus quer, positivamente ou permissivamente; Deus sabe tudo das coisas possíveis; todavia, porque Deus as conhece, elas não são trazidos à existência real, mas permanecem ainda como coisas possíveis; o conhecimento só apreende uma coisa, mas não age; é a regra de agir, mas não a causa de agir; a vontade é o princípio imediato, e o poder a causa imediata; saber uma coisa não é fazer uma coisa, pois podemos dizer que fazemos tudo o que sabemos: mas todo homem conhece aquelas coisas que ele nunca fez, nem nunca fará; conhecimento em si é uma apreensão de uma coisa, e não é a causa disso. Um espectador de uma coisa não é a causa daquilo que ele vê, isto é, ele não é a causa disso, como ele vê isto. Vemos um homem escrever, sabemos antes que ele escreverá em tal momento; mas esta presciência não é a causa de sua escrita. Nós vemos um homem andar, mas nossa visão dele não traz a necessidade de andar sobre ele; ele estava livre para andar ou não andar. Nós sabemos que a morte se apoderará de todos os homens, sabemos que as estações do ano serão bem sucedidas, mas não é nossa presciência a causa desta sucessão de primavera após o inverno, ou da morte de todos os homens, ou de qualquer homem. Nós vemos um homem lutando com outro; nossa visão não é a causa dessa disputa, mas alguns brigam entre si, excitando suas próprias paixões. Como o conhecimento do presente das coisas não lhes impõem necessidade enquanto estão agindo, e presentes, de modo que o conhecimento das coisas futuras não requer nenhuma necessidade sobre eles enquanto estão chegando. Estamos certos de que haverá homens no mundo amanhã e de que o mar refluirá e fluirá; mas é este nosso conhecimento a causa de que essas coisas serão assim? Sei que o sol nascerá amanhã, é verdade que se levantará; mas isso não é verdade, que a minha presciência o faz subir. Se um médico prognostica, ao ver as intemperanças de homens, que eles cairão em tal doença, é seu prognóstico qualquer causa de sua doença, ou da nitidez de quaisquer sintomas frequentes? O profeta predisse a crueldade de Hazael antes de cometê-la; mas quem dirá que o profeta foi a causa de sua comissão desse mal? E assim a presciência de Deus não tira a liberdade da vontade do homem, não mais do que um pré-conhecimento que temos das ações de qualquer homem tira sua liberdade. Nós podemos em cima de nosso conhecimento do temperamento de um homem, certamente presciente, que se ele cair em tal companhia, e ficar entre seus cálices; a mentira estará embriagada; mas este pré-conhecimento é a causa de que ele esteja bêbado? Não; a causa é a liberdade de sua própria vontade e não resistir à tentação. Deus pretende deixar tal homem para si e para o seu próprio caminho; e o homem sendo tão abandonado, Deus antecipa o que será feito por ele de acordo com a natureza corrupta que está nele; embora o decreto de Deus de deixar um homem à liberdade de sua própria vontade será certo, mas a liberdade da vontade do homem, assim como deixada, é a causa de toda a extravagâncias que ele comete. Suponhamos que Adão tivesse ficado firme, Deus não teria certamente previsto que ele teria ficado de pé? Ainda assim teria sido concluído que Adão havia permanecido, não por qualquer necessidade da presciência de Deus, mas pela liberdade de sua própria vontade. Porque deve então a presciência de Deus adicionar mais necessidade à sua queda do que à sua posição? E embora seja dito às vezes na Escritura, que tal coisa foi feita “para que se cumprisse a Escritura”, como João 12:38, “para se cumprir a palavra do profeta Isaías, que diz: Senhor, quem creu em nossa pregação? E a quem foi revelado o braço do Senhor?” A palavra não infere que a predição do profeta foi a causa da crença dos judeus, mas infere isso, que a previsão foi manifestada como verdadeira por sua incredulidade, e o evento respondeu à predição; essa previsão não foi a causa do pecado deles, mas o pecado previsto deles foi a causa dessa predição; e assim a partícula que é tirada (Salmo 51: 6), “Contra ti, contra ti só pequei, para que sejas justificado”, o Deus justificador não era o fim e a intenção do pecado, mas o evento disto em seu reconhecimento.
Deus conhece tudo na eternidade. Poderíamos dizer: conheceu tudo na eternidade, mas como o estado eterno é um estado no próprio Deus, que não é sujeito a tempo, a passado, presente e futuro, dizemos de um conhecimento na eternidade, pois ele é o Alfa e Ômega, o princípio e o fim, em si mesmo, como em um determinado ponto considerado, assim como não é possível determinar em uma circunferência onde é que ela começa e onde ela termina.
É em decorrência deste tipo de conhecimento que Ele é presciente. Não houve desconhecimento, em nenhum tempo, da formação progressiva das nações, até ao mapa geopolítico a que se deve chegar por ocasião da volta de Jesus.
Na descendência de Sem, filho de Noé, do qual descenderam os orientais, e entre eles os próprios israelitas, Deus levantaria a tenda da Sua habitação, pois foi com eles que começou a revelação, mas quem iria habitar nesta tenda seriam os descendentes de Jafé (os Ocidentais). Vários caminhos seriam percorridos para que se chegasse a este resultado, e Deus os conheceu a todos em Sua presciência, como por exemplo,    a sucessão de impérios no mundo antigo como o assírio, babilônico, persa, grego e romano. Daí, com dissolução do romano, a dominação do império sacro-germânico, e a dominação de reis cristãos no mundo ocidental sob a forte influência da Igreja Romana, até que se chegasse a formas republicanas de governo, e remoção da influência política de Roma, para a expansão da Reforma, que ocorre ainda até os dias de hoje.
Mas, são vistos os sinais de apostasia e de encaminhamento para a formação de um governo mundial para se fazer frente à ameaça representada pela Rússia e China em coligação com o Irã e outros países árabes, especialmente com o fim de destruir Israel e dominar o comércio mundial, entre muitos outros interesses imperialistas.
Vê-se presentemente um grande conflito no mundo ocidental entre as formas socialista e conservadora de governo. A primeira, representando uma luta direta contra os valores do cristianismo, e a segunda, ainda que não sendo propriamente uma luta pela conservação desses valores, segundo se encontram na Bíblia, todavia, luta contra a ideia de que Deus não exista, conforme apoiado pelo socialismo, e luta pela conservação da família nuclear, entre outros valores, como por exemplo o de que malfeitores devem ser punidos segundo as leis vigentes, e que a sociedade seja livre da obrigação de seguir qualquer orientação ideológica conforme é proposto principalmente pelo comunismo/socialismo.
Proposição IV. Deus não conhece as coisas porque elas acontecerão; mas as coisas são futuras, porque Deus as conhece. Presciência pressupõe o objeto que é conhecido de antemão; uma coisa que deve acontecer é o objeto do conhecimento Divino, mas não a causa do ato do conhecimento divino; e embora a presciência de Deus na eternidade preceda a presença real de uma coisa que é prevista como futura, mas o futuro, em relação ao seu futuro, é tão eterno quanto a presciência de Deus: como a voz é proferida antes de ser ouvida, e uma coisa é visível antes de ser vista, e uma coisa conhecida antes de ser conhecida. Mas como é que isso é cognoscível para Deus? Deve ser respondido, seja no poder de Deus como uma coisa possível, seja na vontade de Deus como uma coisa futura; ele primeiro quis, e depois sabia o que ele queria; ele sabia o que queria, e sabia o que queria permitir; como ele desejou a morte de Cristo por um determinado conselho, e quis a permissão do pecado do judeu, e o ordenamento da malícia de sua natureza para esse fim (Atos 2:22).
Deus decreta fazer uma criatura racional, e para governá-la por uma lei; Deus decreta não para impedir essa criatura racional de transgredir sua lei; e Deus prevê que o que ele não impediria, aconteceria. O homem não pecou porque Deus o previu; mas Deus previu, porque o homem pecaria. Se Adão e outros homens teriam agido de outra forma, Deus teria sabido que eles teriam agido bem; Deus previu nossas ações porque elas aconteceriam com o movimento de nosso livre arbítrio, que ele permitiria, com o qual ele concordaria, o qual ele ordenaria para seus próprios fins santos e gloriosos, para a manifestação da perfeição de sua natureza. Se eu vejo um homem deitado em uma pocilga, nenhuma necessidade é inferida sobre ele da minha vista para que fique naquele lugar imundo, mas há uma necessidade inferida por ele que está lá, que eu deveria vê-lo nessa condição se eu passar, e lançar meus olhos dessa maneira.
Proposição V. Deus não apenas previu nossas ações, mas a maneira de nossas ações. Ou seja, ele não sabia apenas que faríamos essas ações, mas que faríamos livremente; ele previu que a vontade se determinaria livremente para isto ou aquilo; o conhecimento de Deus não tira a natureza das coisas; embora Deus conheça as coisas possíveis, ainda assim elas permanecem na natureza da possibilidade; e embora Deus conheça as coisas contingentes, mas elas permanecem na natureza das contingências; e embora Deus conheça os agentes livres, eles permanecem na natureza da liberdade. Deus não previu as ações do homem, como necessárias, mas como livres; de modo que a liberdade é estabelecida por esta presciência. Deus não previu que Adão não tinha poder para ficar de pé ou que qualquer homem não tem poder para omitir uma ação tão pecaminosa, mas que ele não a omitiria. O homem tem o poder de fazer o contrário do que Deus antecipa que ele fará.
Adão não foi determinado por nenhuma necessidade interior de cair, nem qualquer homem por qualquer necessidade interior de cometer este ou aquele pecado em particular; mas Deus previu que ele cairia e cairia livremente; pois ele viu todo o círculo de meios e causas pelo qual tais e tais ações devem ser produzidas, e não pode ser mais ignorante dos movimentos de nossas vontades, e a maneira deles, que um artífice pode ser ignorante dos movimentos de seu relógio, e até onde a mola deixará cair a corda no espaço de uma hora; ele vê todas as causas principais a tais eventos em toda a ordem, e como o livre-arbítrio do homem obedecerá a isto, ou recusará isso; ele não muda a maneira da operação da criatura, seja ela qual for.
Proposição VI. Mas e se a presciência de Deus e a liberdade da vontade não puderem ser totalmente reconciliadas pelo homem? Devemos, portanto, negar uma perfeição em Deus para apoiar uma liberdade em nós mesmos? Será que preferimos prender a ignorância a Deus e acusá-lo de cegueira para manter nossa liberdade? Que Deus conhece tudo e, no entanto, que há liberdade na criatura racional, ambos estão certos; mas como plenamente reconciliá-los, pode superar a compreensão do homem. Algumas verdades que os discípulos não eram capazes de suportar nos dias de Cristo; e várias verdades que nosso entendimento não pode alcançar enquanto durar o mundo; no entanto, nesse meio tempo, devemos, por um lado, tomar cuidado em conceber Deus ignorante e, por outro lado, em imaginar a criatura necessária; aquele vai tornar Deus imperfeito, e o outro parecerá torná-lo injusto, punindo o homem por esse pecado que ele não poderia evitar, mas foi trazido por uma necessidade fatal. Deus é suficiente para apresentar uma razão de seu próprio procedimento e esclarecer tudo no dia do julgamento; isto faz parte da curiosidade do homem, desde a queda, intrigar os segredos de Deus, coisas muito altas para ele; onde ele confunde seu próprio entendimento. É uma afetação amaldiçoada que corre no sangue da posteridade de Adão, tentar saber como Deus, embora nosso primeiro pai sofreu e arruinou sua posteridade nessa tentativa; os caminhos e conhecimento de Deus que estão tão acima de nossos pensamentos e concepções como os céus estão acima da terra (Isaías 55: 9), e tão sublime, que não podemos compreendê-los em sua verdadeira e justa grandeza; seus projetos são tão misteriosos e os caminhos de sua conduta tão profundos que não é possível mergulhar neles. A força de nossos entendimentos estão abaixo de sua infinita sabedoria, e, portanto, devemos adorá-lo com um humilde espanto, e falar com o apóstolo (Rom 11:33): “Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos!” Sempre que nos deparamos com profundezas que não podemos sondar, vamos lembrar que ele é Deus, e nós criaturas; e não ser culpados de tão grande extravagância, a ponto de pensar que um sujeito pode penetrar em todos os segredos de um príncipe, ou um trabalhador entender todas as operações do artífice. Vamos apenas resolver não prender nada em Deus que seja indigno da perfeição de sua natureza e desonroso para a glória de sua majestade; nem imaginamos que podemos sair do rol de criaturas para a glória de Divindade, para entender completamente tudo em sua natureza.
O que o homem chega a conhecer é por permissão e capacitação divina. Tanto isto é verdadeiro que se assim não fora, o homem de si mesmo já teria chegado há muito mais tempo a todo este domínio tecnológico que lhe tem sido dado por Deus nestes últimos tempos, principalmente com vistas a prover o que é necessário para um tão grande contingente populacional, como nunca fora visto antes no mundo. Não é demais lembrar que até o ano de 1920 a população mundial ainda não havia chegado a dois bilhões, e em 2011 chegou a 7 bilhões, e caminha para a estimativa de 8 bilhões em 2026. Há portanto, uma relação entre o progresso concedido no aumento científico, com o grande salto populacional.
Quer para onde quer que voltemos nossa atenção sempre nos depararemos com a ação do grande Provedor que dispôs todas as coisas para suprir a necessidade de manutenção da vida do homem na Terra.   
Por exemplo, o cálcio é o elemento fundamental na formação de nossos ossos, e se Deus não tivesse disposto este elemento na abundância em que se encontra na Terra, como haveria o suficiente para a formação de mais de 7 bilhões de esqueletos, e isto falando-se apenas de pessoas, sem contar com os esqueletos de todos os animais, e de tudo que depende do cálcio para a sua existência. Esta ilustração que fizemos pode parecer bizarra, mas o astato é um elemento químico raríssimo na natureza, e presume-se que haja apenas 32 gramas do mesmo em todo o planeta terra. Mas Deus não fez com que nossos ossos sejam compostos por astato.
Oxigênio e água foram disponibilizados em quantidades suficientes para manter a vida por séculos seguidos. A disponibilização de ambos é contínuo, quer da água pelo regime de chuvas, quer da liberação de oxigênio pelos vegetais.    E em muitas outras provisões pode ser vista a sabedoria de Deus em usar o seu conhecimento para a manutenção de toda a criação.
Quem escondeu o petróleo nas profundezas da Terra, para que no tempo próprio fosse explorado pelo homem como a principal fonte de energia, para vários fins, e por tanto tempo, e também como fonte para o fabrico de várias matérias primas?
Deus conheceu estas necessidades da criação em Si mesmo, por sua presciência, e as criou para sermos providos por elas.
Nada foi deixado de fora por Ele, no que seria necessário para a continuidade da humanidade, até a consumação do Seu plano eterno de fazer todas as coisas convergirem a Cristo.
III. A terceira é como Deus conhece todas as coisas. Como é necessário, devemos conceber que Deus seja um ser compreensivo, senão ele poderia não ser Deus, então devemos conceber sua compreensão para ser infinitamente mais pura e perfeita do que a nossa no ato dela, senão nós o compararíamos a nós mesmos, e o rebaixaríamos tão baixo quanto seu escabelo. Como entre criaturas existem graus de ser e perfeição, plantas acima da terra e areia, porque eles têm um poder de crescimento, animais acima das plantas, porque ao seu poder de crescimento há uma adição de excelência de sentido, criaturas racionais acima dos animais, porque, aos sentidos, acrescenta-se a dignidade da razão. A compreensão do homem é mais nobre que todo o poder vegetativo das plantas, ou o poder sensitivo dos animais: Deus, portanto, deve ser infinitamente mais excelente por sua compreensão e, portanto, na maneira de fazê-lo. Como o homem difere de um animal em relação ao seu conhecimento, assim também Deus difere do homem, em relação ao seu conhecimento. Assim como Deus está no ser e na perfeição, infinitamente mais acima do homem do que do homem está acima de um animal, a maneira de seu conhecimento deve ser infinitamente mais acima do conhecimento de um homem, do que o conhecimento de um homem está acima de uma fera; nossa compreensão pode agarrar um objeto em um momento que está a uma grande distância de nosso sentido; nosso olho, por um movimento elevado, pode ver os céus; a maneira do entendimento de Deus deve estar inconcebivelmente acima de nossos reflexos; como a maneira de ser é infinitamente mais perfeito que todos os seres, assim deve o modo de seu entendimento ser infinitamente mais perfeito que todos os entendimentos criados. De fato, a maneira do conhecimento de Deus não pode mais ser conhecida por nós do que sua essência pode ser conhecida por nós; e a a mesma incapacidade no homem, que o torna incapaz de compreender o ser de Deus, torna-o incapaz de compreender a maneira do entendimento de Deus. Como há uma grande distância entre a essência de Deus e nossos seres, também existe entre os pensamentos de Deus e nossos pensamentos; os céus não são muito mais altos que a terra, porque os pensamentos de Deus estão acima dos pensamentos dos homens, sim, e do mais alto anjo (Isaías 55: 8, 9), ainda que não saibamos a maneira do conhecimento de Deus, sabemos que ele conhece; como se não soubéssemos a infinitude de Deus, mas sabemos que ele é infinito. É a única prerrogativa de Deus conhecer a si mesmo, o que ele é; e é igualmente sua prerrogativa saber como ele sabe; a maneira de conhecimento de Deus, portanto, deve ser considerada por nós como livre daquelas imperfeições com as quais o nosso conhecimento está sobrecarregado. Em geral, Deus sabe necessariamente todas as coisas; ele é necessariamente onipresente, por causa da imensidão de sua essência; então ele é necessariamente onisciente, por causa da infinitude de sua compreensão. Não é mais a liberdade de sua vontade, se ele saberá todas as coisas, do que se ele será capaz de criar todas as coisas; não é mais a liberdade de sua vontade, se ele será onisciente, do que se ele será santo; ele pode ser tão ignorante quanto ele pode ser impuro; ele não conhece todas as coisas, porque as conhecerá, mas porque é essencial para sua natureza conhecê-las.
Proposição I. Deus sabe por sua própria essência; isto é, ele vê a natureza das coisas nas ideias de sua própria mente, e os eventos das coisas nos decretos de sua própria vontade; ele não os conhece vendo as coisas, mas vendo a si mesmo; sua própria essência é o espelho e o livro, onde ele contempla todas as coisas que ele ordena, elimina e executa; e assim ele conhece todas as coisas em sua primeira e original causa; que não é outra senão sua própria essência disposta, e sua própria essência executando o que ele quer; ele os conhece em seu poder, como o princípio físico; em sua vontade, como princípio moral das coisas, como alguns falam. Ele não empresta o conhecimento de criaturas, nem depende delas para meios de compreensão, como fazemos sendo pobres vermes, que estão em dívida com os objetos no exterior para nos ajudar com imagens de coisas, e para nossos sentidos para transportá-los em nossas mentes; Deus então adquiriria uma perfeição daquelas coisas que estão abaixo dele, e uma excelência daquelas coisas que são vis; seu conhecimento não precederia o ser de criaturas, mas as criaturas seriam antes do ato de seu conhecimento. Se ele entendeu por imagens tiradas das criaturas, como nós fazemos, haveria algo em Deus que não é Deus, pelas imagens de coisas tiradas de objetos externos: Deus então dependeria de criaturas para aquilo que é mais nobre que um ser nu; Porque ser compreensivo, é mais excelente do que apenas ser. Além disso, se o conhecimento de Deus de suas criaturas foi derivado das criaturas pela impressão de qualquer coisa sobre ele, como existe em nós, ele não poderia saber desde a eternidade, porque desde a eternidade não havia existência real de nada além de si mesmo; e, portanto, não poderia    haver imagens tiradas de nada, porque não havia nada além de Deus; como não há princípio de ser qualquer coisa. mas por sua essência; então, não há princípio do conhecimento de nada por si mesmo, mas de sua essência; se o conhecimento de Deus fosse distinto de sua essência, seu conhecimento não seria eterno, porque não há nada eterno além de sua essência. Sua compreensão não é uma faculdade nele como é em nós, mas o mesmo com sua essência, por causa da simplicidade de sua natureza; Deus não é composto de várias partes, uma distinta da outra, como nós somos e, portanto, não entende por uma parte de si mesmo, mas por si mesmo; de modo que seja, e para entender, é o mesmo com Deus; sua essência não é uma coisa, e o poder pelo qual ele entende outro; ele então seria composto, e não seria o ser mais simples. Isso também é necessário para a perfeição de Deus; porque dos mais perfeitos e nobres modos de saber, o mais perfeito e nobre é o conhecimento. A perfeição do conhecimento depende da excelência do meio pelo qual nós sabemos. Como um conhecimento pela razão, é um modo mais nobre de conhecer do que o conhecimento pelo sentido; assim é mais excelente que Deus saiba por sua essência, do que por qualquer coisa fora dele, qualquer coisa misturada com ele; o primeiro o tornaria dependente, e o outro demoliria sua simplicidade. Novamente, as naturezas de todas as coisas estão contidas em Deus, não formalmente; porque então a natureza das criaturas seria Deus; mas eminentemente, “Aquele que criou o ouvido, não ouvirá? Aquele que formou o olho, não verá?” (Salmo 94: 9). Ele tem em si mesmo eminentemente a beleza, a perfeição, a vida e o vigor de todas as criaturas; ele não criou nada contrário a si mesmo, mas tudo com alguns passos de si mesmo neles; ele não poderia tê-los pronunciado como bom se houvesse algo neles contrário a sua própria bondade; e, portanto, como sua essência representa-se principalmente, por isso representa as criaturas e as torna conhecidas para ele. Como a essência de Deus é eminentemente todas as coisas, então, ao entender sua essência, ele eminentemente entende todas as coisas. E, portanto, ele não tem conhecimento de si mesmo e outro conhecimento das criaturas; mas conhecendo a si mesmo como a causa original e exemplar de todas as coisas, ele não pode ser ignorante de qualquer criatura da qual ele é a causa; de modo que ele conhece todas as coisas, não por uma compreensão delas, mas por uma compreensão de si mesmo; entendendo seu próprio poder como a eficiência delas, a própria vontade dele como o ordenador deles, a própria bondade dele como o adorno e embelezador deles, a própria sabedoria dele como o distribuidor deles, e sua própria santidade, à qual muitas de suas ações são contrárias. Como ele vê todas as coisas possíveis em seu próprio poder, porque ele é capaz de produzi-los; então ele vê todas as coisas futuras em sua própria vontade, decretando para realizá-las, se elas forem boas, ou decretando permitir-lhes se eles são maus. Nesta classe ele vê o que ele vai dar a ser, e o que ele sofrerá para cair em uma deficiência, sem olhar para fora de si mesmo, ou emprestar conhecimento de suas criaturas; ele conhece todas as coisas em si mesmo. E assim seu conhecimento é mais nobre e de uma elevação maior que a nossa, ou o conhecimento de qualquer criatura pode ser; ele conhece todas as coisas por uma compreensão das causas em si mesmo.
Não se deve pensar no entanto, que as criaturas sejam partes de Deus, extensão de Sua própria essência. Elas são criadas sem terem participação de Sua natureza, porque se assim não fora, quando alguma delas fosse destruída, uma parte de Deus teria sido destruída também em consequência da imaginada possível participação de Sua essência.
Nem Deus seria mais completo e perfeito em razão do que criou, pois nenhuma criatura se torna mais perfeita ou acrescida de algo pelo que ela cria. Uma mulher que tenha gerado dez filhos não se torna mais poderosa ou diferente em si mesma, do que uma que tenha gerado apenas um, ou mesmo nenhum.
Proposição II. Deus conhece todas as coisas por um ato de intuição. Isto as escolas chamam um conhecimento intuitivo. Isso segue o outro; porque se ele sabe por sua própria essência, ele sabe todas as coisas por um ato, haveria outra divisão em sua essência, um primeiro e um último, um próximo e um distante. Como o que ele fez, ele fez por uma palavra; então o que ele vê, ele penetra por um relance da eternidade: como ele quer todas as coisas por um ato de sua vontade, então ele conhece todas as coisas por um ato de seu entendimento: ele não conhece algumas coisas discursivamente de outras coisas, nem sabe uma coisa sucessivamente após a outra. Como por um ato ele confere essência às coisas; então ele conhece a natureza das coisas.
1. Ele não sabe pelo discurso, como nós fazemos; isto é, deduzindo uma coisa de outra, e de noções comuns extraindo outras conclusões racionais e argumentando uma coisa de outra, e surgindo várias consequências de algum princípio. Mas Deus não precisa de raciocínios; para fazer inferências e abstrair coisas, seriam manchas na infinita perfeição de Deus; aqui seria uma mistura de conhecimento e ignorância; enquanto ele conhecia o princípio, ele não saberia a consequência e conclusão, até que ele realmente deduzisse; uma coisa seria conhecida após a outra, e assim ele teria uma ignorância, e então um conhecimento; e haveria diferentes concepções em Deus, e o conhecimento seria multiplicado de acordo com a multiplicidade de objetos; como é nos entendimentos humanos. Mas Deus sabe todas as coisas antes de existirem, e nunca foi ignorante delas (Atos 15:18) “Conhecidos de Deus são todas as suas obras desde o princípio do mundo”. Ele, portanto, conhece tudo de uma vez; o conhecimento de uma coisa não era antes de outra, nem dependia de outra, como no caminho do conhecimento humano. Embora, de fato, alguns façam discurso virtual em Deus; isto é, embora Deus tenha um conhecimento simples, ainda que virtualmente contenha um discurso pelo fluxo de um conhecimento de outro; a partir do conhecimento de seu próprio poder, ele sabe quais são as coisas que podem ser feitas por ele; e do conhecimento de si mesmo, ele passa para o conhecimento das criaturas; mas isso é apenas de acordo com a nossa concepção, e por causa da nossa fraqueza eles são apreendidos como dois atos distintos em Deus, um dos quais é a razão de outro; como dizemos que um atributo é a razão de outro; como se pode dizer que sua misericórdia é a razão de sua paciência; e sua onipresença ser a razão do conhecimento das coisas presentes feitas no mundo. Deus, de fato, por um simples ato, conhece a si mesmo e às criaturas; mas quando esse ato pelo qual ele conhece a si mesmo, é concebido por nós para passar para o conhecimento das criaturas, não devemos entendê-lo para ser um novo ato, distinto de outro; mas o mesmo ato em termos ou objetos diferentes; tal ordem está em nossos entendimentos e concepções, não em Deus.
2. Nem ele sabe sucessivamente como nós sabemos: isto é, não por gotas, uma coisa após outra. Isso segue do primeiro; um conhecimento de todas as coisas sem discurso, é um conhecimento sem sucessão. O conhecimento de uma coisa não está em Deus antes de outra, um ato de conhecimento não gera outro; em relação aos objetos, uma coisa é antes da outra, um ano antes do outro, uma geração de homens antes da outra, um é a causa, o outro é o efeito; nas criaturas há tal sucessão, e Deus sabe que haverá tal sucessão; mas não existe tal ordem no conhecimento de Deus, pois ele conhece todas essas sucessões de uma só vez, sem qualquer sucessão de conhecimento em si mesmo. O homem, em sua visão das coisas, deve virar às vezes seu corpo, às vezes apenas seus olhos, ele não pode ver todo o conteúdo de uma carta de uma só vez; e embora ele veja todas as linhas na página de um livro de uma só vez, e todo    um país em um mapa, ainda para saber o que está contido neles, ele deve voltar seus olhos de palavra para palavra, e linha para linha, e assim sair de uma coisa depois da outra por vários atos e moções. Nós contemplamos uma grande parte do mar de uma vez, mas nem todas as dimensões dele; para saber o comprimento do mar, nós movemos nossos olhos de um jeito; para ver a largura dele, voltamos nossos olhos para outro lado; para contemplar a profundidade. E quando lançamos nossos olhos para o céu, parecemos receber instantaneamente toda a extensão do hemisfério; ainda há apenas um objeto que o olho pode tocar com atenção, e não podemos ver distintamente o que vemos em uma constelação, sem vários movimentos de nossos olhos, o que não é feito sem uma sucessão de tempo. E certamente o entendimento dos anjos é limitado, de acordo com a medida de seus seres; de modo que não pode se estender de uma só vez, para uma quantidade de objetos, para fazer uma aplicação distinta deles, mas os objetos devem apresentar-se um por um; mas Deus é todo olho, todo entendimento; como não há sucessão em sua essência, então não há nenhuma em seu conhecimento; sua compreensão na natureza e no ato é infinita, como está no texto. Ele, portanto, vê, eternamente e universalmente, todas as coisas por um ato, sem qualquer movimento, muito menos vários movimentos; as várias mudanças de coisas, em sua substância, qualidades, lugares, e relações, não retire nada do seu olho, nem traga qualquer coisa nova ao seu conhecimento; ele não faz a consideração das coisas presentes que desviam sua mente do passado; ou quando ele contempla as coisas futuras, desvia sua mente do presente; mas ele não os vê um após o outro, mas de uma vez e todos juntos; todo o círculo de seus próprios conselhos, e todas as várias linhas desenhadas a partir do centro de sua vontade, à circunferência de suas criaturas; como se um homem pudesse em um momento ler uma biblioteca inteira; ou, como se você devesse imaginar um globo de cristal transparente, pendurado no meio de uma sala, e enquadrado de modo a captar as imagens de todas as coisas na sala, as partes embutidas do chão e as partes particulares da tapeçaria sobre ele, o olho de um homem observaria toda a beleza da sala ao mesmo tempo. Como o sol por uma luz e calor enquadra coisas sensatas, assim Deus por um ato simples conhece todas as coisas; como ele sabe coisas mutáveis por um conhecimento imutável, coisas corporais por um conhecimento espiritual, então ele sabe muitas coisas por um conhecimento (Hebreus 4:13): "Todas as coisas estão abertas e nuas para ele", mais do que qualquer coisa pode ser para nós; e, portanto, ele vê todas as coisas de uma só vez, assim como podemos contemplar uma coisa sozinha. Como ele é o Pai das luzes, um Deus de infinita compreensão, não há nenhuma mudança em sua mente, nem qualquer sombra de reviravolta de seus olhos, como há da nossa parte, para contemplar várias coisas (Tiago 1:17); seu conhecimento sendo eterno, inclui todos os tempos; não há nada passado ou futuro com ele e, portanto, ele contempla todas as coisas por uma e a mesma maneira de conhecimento, e compreende todas as coisas conhecidas por um ato, e em um momento. Isso deve e precisa ser assim,
(1.) Por causa da eminência de Deus. Deus está acima de tudo e, portanto, não pode deixar de ver os movimentos de todos. Aquele que senta em um teatro, ou no topo de um lugar, vê todas as coisas, todas as pessoas; por um aspecto, ele compreende todo o círculo do lugar; enquanto que aquele que se senta abaixo, quando ele olha adiante, ele não pode ver as coisas por trás; Deus sendo acima de tudo, sobre tudo, em tudo, vê de uma vez os movimentos de todos. Todo o mundo, aos olhos de Deus, é menos do que um ponto que divide uma frase de outra em um livro; como um "grão de poeira" (Isaías 40:15); tão pouca coisa pode ser vista pelo homem de uma só vez; e todas as coisas sendo tão pequenas aos olhos de Deus, são vistas imediatamente por ele. Como sempre é apenas um momento para a sua eternidade, então todas as coisas são apenas como um ponto para a imensidão de seu conhecimento, que ele pode contemplar com mais facilidade do que podemos mover ou virar os olhos.
(2) Porque todas as perfeições do conhecimento estão unidas em Deus. Como os sentidos particulares são divididos no homem - por um ele vê, por outro ele cheira, mas todos aqueles estão unidos em um senso comum, e esse senso comum compreende tudo, então as várias e distintas formas de conhecimento nas criaturas é eminentemente unido em Deus. Um homem quando ele vê um grão de trigo, compreende imediatamente todas as coisas que pode com o tempo proceder dessa semente; assim, Deus, vendo sua própria virtude e poder, contempla todas as coisas que serão desdobradas com o tempo por ele. Temos uma sombra desse modo de conhecimento em nosso próprio entendimento; o sentido só percebe uma coisa presente, e um objeto apenas adequado e adequado a ele; quando o olho vê a cor, o ouvido ouve sons; nós vemos isso e aquele homem, uma vez isso, outro minuto aquilo; mas a compreensão abstrai uma noção da natureza comum do homem e molda uma concepção dessa natureza em que todos os homens concordam; e assim, de uma maneira, contempla e compreende todos os homens de uma só vez, compreendendo a natureza comum do homem, que é um grau de conhecimento acima do sentido e fantasia; podemos então conceber uma perfeição infinita mais vasta na compreensão de Deus. Quanto a saber, é simplesmente melhor do que nada saber; então, saber por um ato abrangente, é uma perfeição maior do que saber por partes, por sucessão, para receber informações e ter um aumento ou diminuição de conhecimento; ser como um balde, sempre descendo no poço, e buscar água a partir daí. É a fraqueza de um homem que ele está fixo em um objeto apenas de cada vez; é a perfeição de Deus que ele pode contemplar tudo de uma vez, e é fixado em um não mais do que em outro.
Deus declara a imaginação do homem como sendo continuamente má, e isto significa que o homem pensa de modo diverso do padrão de pensamento divino. De fato homem não se ocupa de conhecer a santidade de Deus e como ter uma parte de participação na influência desses atributos. Sua compreensão é carnal e não espiritual. Ele se inclina naturalmente para as coisas da carne, e não para as que são do Espírito.
Então, Deus pôde conhecer todo o mal que o homem poderia imaginar e criar, quando caísse no pecado e se afastasse da vida que há no Espirito. Ora, até mesmo naquelas coisas que aos olhos do homem parecem ser comuns, inocentes ou lícitas, pode haver o    grande pecado de buscar fazer o que seja apenas do interesse da carne, à parte de todo e qualquer interesse santo e eterno de Deus.
O homem foi criado para que sua vida fluísse da participação em comunhão com a vida do próprio Deus. Sem isto, o homem está morto espiritualmente e sob a condenação da maldição da lei.
Conhecendo esta situação, pela sua presciência, Deus, sendo conhecedor dos espíritos, sabia desde toda a eternidade, em quais poderia atuar pela intervenção de Sua graça, para conduzi-los à conversão deste estado miserável para o de bem-aventurança, da condição de trevas para a de luz, e da morte para a vida. Por isso Jesus nos foi dado como sacrifício, para que pudéssemos ser redimidos e trabalhados pelo Espírito Santo para sermos novas criaturas, que se inclinem para as coisas de Deus, e não mais para as que são carne.
Então, para este grande propósito, que se cumpre em meio a um grande palco de batalhas contra o diabo, a carne e o mundo, Deus intervém com seu amor e poder, porque e outra forma, ninguém se salvaria.
Pelas sucessivas gerações, em determinadas épocas e lugares do globo, o Espírito Santo tem produzido avivamentos, ele tem sido derramado mais efusivamente, para que as portas do inferno não prevaleçam contra a Igreja, e esta possa cumprir a missão que lhe foi designada para realizar no mundo.
Para isto, Deus tem reservado espíritos excelentes, como o de Daniel no passado, e tem marcado a vida da Igreja pela ação e exemplo destes líderes, que por suas vidas santas tornam-se modelares para o rebanho (os apóstolos, Lutero, Calvino, Jonathas Edwards, John Wesley, John Owen, Spurgeon, dentre muitos outros). Eles não chegam ao mundo por obra do acaso, mas Deus reserva a chegada deles para ocasiões oportunas conforme conheceu e previu por Sua presciência.
Proposição III. Deus conhece todas as coisas de forma independente. Isso é essencial para uma compreensão infinita. Ele não recebe seu conhecimento de qualquer coisa sem ele; ele não tem tutor para instruí-lo, ou livro para informá-lo: "Quem foi seu conselheiro?", diz o profeta (Is 40:13); ele não precisa dos conselhos dos outros, nem das instruções dos outros. Isso segue na primeira e na segunda proposições; se ele conhece as coisas por sua essência, então, como sua essência é independente das criaturas, assim é seu conhecimento; ele não pede emprestado imagens da criatura; não tem espécies ou imagens de coisas em seu entendimento, como nós temos; nenhum feixe da criatura atinge-o para iluminá-lo, mas irradia dele sobre o mundo; a terra não envia luz para o sol, mas o sol para a terra.
O nosso conhecimento, de fato, depende do objeto, mas todos os objetos criados dependem do conhecimento e da vontade de Deus; nós não poderíamos conhecer outras criaturas, a menos que fossem; mas as criaturas não poderiam ser a menos que Deus as conhecesse. Como nada que ele deseja é a causa de sua vontade, então nada que ele saiba é a causa de seu conhecimento; ele não fez coisas para conhecê-las, mas ele as conhece para fazê-las: quem vai imaginar que a marca do pé no pó é a causa que o pé está neste ou naquele lugar em particular? Se o seu conhecimento dependesse das coisas, então a existência das coisas precederia o conhecimento de Deus sobre elas: dizer que elas são a causa da vontade de Deus, é dizer que Deus não era a causa de seu ser; e se ele as criou, foi efetuado por um cego e ignorante poder; que ele criou, pois ele não sabia o que seria até produzi-lo. Se ele fosse devedor de seu conhecimento para as criaturas que ele fez, ele não teria conhecimento delas antes que ele as fizesse. Se o conhecimento dele dependesse delas, não poderia ser eterno, mas teria um começo quando as criaturas tivessem um começo.
Proposição IV. Deus conhece todas as coisas distintamente. Sua compreensão é infinita em relação à clareza; “Deus é luz e nele não há treva nenhuma.” (João 1: 5); ele não vê através de uma névoa ou nuvem; não há defeito em seu entendimento, nem argueiro em seus olhos, para tornar qualquer coisa obscura para ele. O homem discerne a superfície e fora das coisas; pouco ou nada da essência das coisas; nós vemos a coisa mais nobre senão “como num espelho sombrio” (1 Cor 13:12); a proximidade grande demais, bem como a distância grande demais de uma coisa, impede nossa visão; a a pequenez de um cisco escapa aos nossos olhos e, assim, de nosso conhecimento; também a fraqueza da nossa compreensão é incomodada com a multiplicidade de coisas, e não pode saber muitas coisas, senão confusamente: mas Deus conhece as formas e essência das coisas, todas as circunstâncias; nada é tão profundo, mas ele vê até o fundo; ele vê a massa e vê as partículas dos seres; sua compreensão sendo infinita, não é ofendida com uma infinidade de coisas, ou distraído com a variedade delas; ele discerne cada coisa infinitamente mais clara e perfeitamente do que Adão ou Salomão poderiam fazer qualquer coisa no círculo de seus conhecimentos; que conhecimento eles tinham, era dele; ele tem, portanto, infinitamente um conhecimento mais perfeito do que eles eram capazes em suas naturezas para receber uma comunicação dele. Todas as coisas estão abertas para ele (Hebreus 4:13); a menor fibra, em sua nudez e estrutura distinta, é transparente para ele, como, com a ajuda de óculos, a boca, pés, mãos, de um pequeno inseto, são visíveis a um homem, que parece aos olhos, sem essa ajuda, uma peça inteira, não diversificada em partes. Todas as causas, qualidades, naturezas, propriedades das coisas, estão abertas para ele; “Ele traz o exército do céu em número e os chama pelos nomes ”(Isaías 40:26); ele conta os cabelos de nossas cabeças: o que é mais distinto do que o número? Assim, Deus contempla as coisas em toda unidade, que compõe o todo; ele sabe, e ninguém mais pode, cada coisa em suas causas verdadeiras e íntimas, em suas causas original e intermediária; em si mesmo, como a causa de cada particular de seu ser, cada propriedade em seu ser. O conhecimento pelas causas é o mais nobre e perfeito conhecimento, e mais adequado à excelência infinita do Ser Divino; ele criou todas as coisas e mandou que um fim universal e particular; ele, portanto, conhece as propriedades essenciais de cada coisa, toda atividade de sua natureza, todas as suas aptidões para aqueles fins distintos, aos quais ele os ordena, e para os quais ele os governa e dispõe, e compreende a maioria das qualidades ocultas, infinitamente mais claras que qualquer olho, pode contemplar os claros raios do sol. Conhece todas as coisas como ele as fez; ele as criou distintamente e, portanto, as conhece distintamente, e que todo indivíduo; portanto, de Deus é dito (Gênesis 1:31) ver cada coisa que ele fez; ele fez uma revisão de cada criatura em particular que fizera e, a seu ver, declarou que era boa. Declarar o bem, que não era exatamente conhecido em todos os riachos, em toda a sua natureza, não havia consistido em sua veracidade; para todo aquele que fala a verdade ignorantemente, que não sabe que ele fala a verdade, é mentiroso em falar o que é verdadeiro. Deus sabe todo ato de sua própria vontade, seja positivo ou permissivo e, portanto, todo efeito de sua vontade. Precisamos atribuir a Deus um perfeito conhecimento; mas um conhecimento confuso não pode desafiar esse título. Conhecer as coisas apenas em uma pilha é indigno da perfeição Divina; pois se Deus conhece seus próprios fins na criação das coisas, ele sabe distintamente os meios pelos quais ele as levará a esses fins para os quais ele as designou: nenhum homem sábio terá fim, sem o conhecimento dos meios que conduzem a esse fim; uma ignorância então, de qualquer coisa no mundo, que cai sob a natureza de um meio para um fim Divino seria inconsistente com a perfeição de Deus; atribuir-lhe-ia uma providência cega no mundo. Como não pode haver nada imperfeito em seu ser e essência, então não pode haver nada imperfeito em sua compreensão e conhecimento, e portanto não é um conhecimento confuso, que é uma imperfeição. “As trevas e a luz são semelhantes para ele” (Salmos 139: 12); ele vê distintamente em um, assim como o outro; o que é a escuridão para nós, não é assim para ele.
Proposição V. Deus conhece todas as coisas infalivelmente. Sua compreensão é infinita em relação à certeza; cada título do que ele sabe está tão longe de falhar como o que ele fala; nosso Salvador afirma aquele (Mt 5:18), e há a mesma razão da certeza de um também como o outro; sua essência é a medida de seu conhecimento; de onde é tão impossível que Deus se engane no conhecimento de qualquer coisa no mundo, como é que ele deveria estar errado em sua própria essência; pois, conhecendo-se de forma abrangente, ele deve conhecer todas as outras coisas infalivelmente; desde que ele é essencialmente onisciente, ele não é mais capaz de erro em sua compreensão do que de imperfeição em sua essência; seus conselhos são tão infalíveis quanto sua essência é perfeita, e seu conhecimento tão infalível quanto sua essência é livre de defeito.
Ainda, desde que Deus conhece todas as coisas com um conhecimento da visão, porque ele as deseja, seu conhecimento deve ser tão infalível como seu propósito; agora o seu propósito certamente será efetuado “Jurou o SENHOR dos Exércitos, dizendo: Como pensei, assim sucederá, e, como determinei, assim se efetuará.” (Isaías 14:24); "Seu conselho permanecerá, e ele fará todo o seu prazer" (Isaías 46:10). Pode haver interrupções da natureza, a fundação dela pode estar fora de curso, mas não pode haver barreiras ao Autor da natureza; ele tem um poder infinito para continuar e completar as resoluções de sua própria vontade; ele pode efetuar o que ele quiser com uma palavra. A fala é um dos menores movimentos; ainda quando Deus disse: “Haja luz, houve luz” surgindo das trevas. Nenhuma razão pode ser dada porque Deus sabe que uma coisa é, senão porque ele infalivelmente quer que seja. Mais uma vez, as escolas fazem a diferença entre o conhecimento dos bons e maus anjos, que os bons nunca serão enganados; porque isso é repugnante ao seu estado abençoado; porque engano é um mal e uma imperfeição inconsistente com aquela perfeita bem-aventurança que os bons anjos são possuídos; e não seria muito mais uma mancha sobre a bem-aventurança daquele Deus, que é abençoado para sempre, estar sujeito a engano? Seu conhecimento, portanto, não é uma opinião, pois uma opinião é incerta; um homem não sabe o que pensar mas se inclina para uma parte da questão proposta, e não para a outra. Se as coisas não acontecem, portanto, como Deus as conhece, seu conhecimento seria imperfeito; e desde que ele sabe por sua essência, sua essência também seria imperfeita, se Deus fosse exposto a qualquer engano em seu conhecimento; ele conhece por si mesmo quem é a mais alta verdade; e, portanto, é impossível que ele erre em sua compreensão.
Quando Deus está trabalhando de forma progressiva para aperfeiçoar o caráter de um santo pela santificação, isto não significa que houve qualquer imperfeição no ato da salvação, mas que a perfeição dela, conforme determinada no conselho eterno de Deus, consistiria deste avanço progressivo, por mortificações continuadas do pecado, enquanto o homem estiver neste mundo, e pelo revestimento também progressivo do caráter e das virtudes do próprio Cristo. É por este meio, principalmente, que aprendemos quanto Cristo é valioso para nós, e que somos inteiramente dependentes de Sua graça para termos vitória sobre o pecado, o diabo e o mundo.
Deve ser considerado também que ao ter conhecido a disposição de cada um dos espíritos dos crentes, de forma que nem todos seriam como por exemplo, da têmpera de um apóstolo Paulo, nem por isso, deixamos de ser convocados a fazer progresso em santificação, conforme é da vontade de Deus para cada um de nós, até para o de espirito mais vacilante, conforme ele o conheceu em Sua presciência, porque a medida de glória será contada por nossos esforços sinceros em agradar o Senhor e nem tanto pela efetividade dos resultados de nossos trabalhos para ele. É o nosso amor pelo Senhor que deve ser demonstrado em nossas ações e orações. Como não existe determinismo do tipo, do que o que deve ser será, em relação a cada um dos nossos pensamentos e ações, pois somos responsáveis por nossos atos, e temos a liberdade de escolher o bem ou o mal, então devemos buscar o bem em Deus e resistir ao mal em todas as suas formas.
Proposição VI. Deus sabe imutavelmente. Sua compreensão não poderia ser infinita; tudo e todo ato que é mutável, é finito, tem seus limites, pois há um termo do qual ele muda e um termo para o qual ele muda. Há uma mudança no entendimento, quando ganhamos o conhecimento de uma coisa que antes nos era desconhecida; ou quando nós realmente consideramos uma coisa que nós não conhecíamos antes, embora tivéssemos os princípios do conhecimento dela; ou, quando sabemos isso distintamente, que antes conhecíamos confusamente. Nenhum destes pode ser atribuído a Deus sem um depreciativo manifesto de sua infinitude. Nosso conhecimento, de fato, está sempre chegando a nós ou fluindo de nós; nós passamos de um grau para outro; de pior para melhor, ou de melhor para pior; mas Deus nada perde pelas eras que são executadas, nem ganhará nada pelas eras que estão por vir. Se houvesse uma variação no conhecimento de Deus, pelas mudanças diárias e horárias do mundo, ele se tornaria mais sábio do que era, e não seria então perfeitamente sábio antes. Uma mudança nos objetos conhecidos, não ocorre nenhuma mudança na compreensão exercida sobre eles, a roda se move em volta, os raios da roda que são os mais baixos são atualmente os mais altos, e atualmente voltam a ser baixos novamente; mas o olho que os contempla não muda com os movimentos das rodas. O conhecimento de Deus não admite mais aumento ou diminuição do que sua essência; desde que Deus sabe por sua essência, e a essência de Deus é o próprio Deus, seu conhecimento deve ser vazio de qualquer mudança. O conhecimento das coisas possíveis, decorrentes do conhecimento de seu próprio poder, não pode ser mudado a menos que seu poder seja mudado, e Deus se torne fraco e impotente; o conhecimento de coisas futuras não podem ser mudadas, porque esse conhecimento surge de sua vontade, que é irreversível, “o conselho do Senhor permanecerá” (Provérbios 19:21); de modo que, se Deus nunca pode decair em fraqueza, e nunca se voltar para a inconstância, não pode haver variação de seu conhecimento. Ele sabe o que pode fazer e sabe o que fará; e ambos sendo imutáveis, seu conhecimento deve, consequentemente, ser assim também: Não era necessário que esta ou aquela criatura fosse e, portanto, não era necessário que Deus conhecesse esta ou aquela criatura com conhecimento de visão; mas depois que a vontade de Deus determinou a existência desta ou daquela criatura, seu conhecimento sendo então determinado para este ou aquele objeto, necessariamente continuou imutável. Deus, portanto, não sabe mais agora do que ele sabia antes; e no fim do mundo não saberá mais do que agora; e da eternidade ele não conhece menos do que conhece agora, e o que fará para a eternidade. Embora as coisas passem a existir e a ser, o conhecimento de Deus não varia com eles, pois ele os conhece bem antes deles, como quando eles são, e os conhece também quando eles passam, como quando eles são presentes.
Proposição VII. Deus sabe todas as coisas perpetuamente, isto é, em ato. Desde que ele sabe por sua essência, ele sempre sabe, porque sua essência nunca cessa, mas é um ato puro; de modo que ele não sabe apenas no hábito, mas no ato. Homens que têm conhecimento de alguma arte ou ciência, sempre no hábito, embora quando estão dormindo não o têm em ação: um músico tem o hábito da música, mas não tanto quanto pense nisso quando seus sentidos estão ligados. Mas Deus é um olho não sonolento; ele nunca dorme nem dormita; ele nunca dorme, em relação à sua providência, e, portanto, nunca adormece em relação ao seu conhecimento. Ele não conhece a si mesmo, nem qualquer outra criatura mais perfeitamente uma vez do que a outra; ele está perpetuamente no ato de conhecer, como o sol está no ato de brilhar; o sol nunca deixou de brilhar em uma ou outra parte do mundo, desde que foi primeiramente fixado nos céus; e Deus está no ato do conhecimento, desde que ele era Deus; e portanto, como sempre foi e sempre será Deus, sempre esteve e sempre estará no ato do conhecimento; sempre conhecendo a sua própria essência, ele deve saber sempre o que foi e deixou de existir, e o que virá e surgirá; como um relojoeiro sabe que relógio pretende fazer, e depois de ter feito isso, embora seja quebrado em pedaços, ou consumido pelo fogo, ele ainda sabe disso, porque ele sabe a cópia dele em sua própria mente. Alguns, portanto, em relação a este ato perpétuo do Divino conhecimento, têm chamado Deus não intellectus, mas o Intelecto de intelectos; não temos palavra adequada para expressar o ato do    entendimento; como seu poder é coeterno com ele, assim é o seu conhecimento; todos os tempos passados, presentes e futuros, são abraçados no seio de sua compreensão; Ele fixou todas as coisas em suas estações, que nada de novo vem a ele, nada de velho passa dele. O que é feito em mil anos, está realmente presente com o seu conhecimento, como o que é feito em um dia; já que “mil anos não são mais para Deus do que um dia” (Salmo 90: 4). Deus está no mais alto grau de ser e, portanto, no mais alto grau de compreensão. O conhecimento é um dos atos mais perfeitos em qualquer criatura. Deus portanto, tem todo conhecimento real, bem como essencial e habitual; Sua compreensão é infinita.
Pela eternidade e imutabilidade de Deus refletida em Seus decretos, a criação do que ele tem feito para ser eterno está garantida, e isto é aplicado sobretudo à nossa salvação em Cristo. Se um crente viesse a se perder eternamente depois de ter sido salvo, Deus teria mentido em sua promessa, e negado a sua eternidade e imutabilidade, o que é impossível de ocorrer, e portanto, também impossível que um crente venha a se perder para sempre.
Castigos, correções, morte física, tudo pode ocorrer ao crente desviado, vindo da parte de Deus, mas ele jamais terá o seu nome riscado do livro da vida, porque os nomes que lá estão escritos não podem ser retirados.
Moisés pensou que isto seria possível, e propôs que se fosse possível para Deus trocar a retirada do seu nome do livro da vida para que o povo de Israel fosse salvo, Deus lhe disse que isto não seria possível, porque os que não têm os seus nomes no livro são aqueles que pecam obstinadamente contra ele, e que jamais alcançarão a salvação. Moisés era eleito e amado de Deus, como todo crente que é assim conhecido por Ele na eternidade, e portanto, têm seus nomes no livro, não porque não sejam pecadores, mas porque o amor divino os elegeu, e eles responderam à salvação para que a graça divina faça neles o trabalho de lhes purificar do pecado e lhes santificar no Senhor. E deste trabalho que começou na conversão, somos informados nas Escrituras que Deus o completará até o fim designado por Ele.
IV. Vejamos agora razões para provar isso.
Razão 1. Deus deve saber o que qualquer criatura sabe e mais do que qualquer criatura sabe. Não há nada feito no mundo, que não seja conhecido por alguma criatura ou outra; cada ação é pelo menos conhecida pela pessoa que age e, portanto, conhecida pelo Criador, que não pode ser ultrapassado por nenhuma das criaturas, ou todas elas juntas; e toda criatura é conhecida por ele, desde que toda criatura é feita por ele. E como Deus opera todas as coisas por um poder infinito, assim ele conhece todas as coisas por um entendimento infinito. Primeiro, a perfeição de Deus requer isso. Todas as perfeições que não incluem nenhum defeito essencial estão formalmente em Deus; mas o conhecimento não inclui defesas essenciais em si, portanto, é em Deus. O conhecimento em si é desejável e uma excelência; a ignorância é um defeito; é impossível que o menor grão de defeito possa ser encontrado no Ser mais perfeito. Desde que Deus é sábio, ele deve estar sabendo; pois a sabedoria deve ter conhecimento. Uma criatura não pode mais ser sábia sem conhecimento, do que ele pode ser ativo sem força. Agora somente Deus é "sábio" (Rom 16:27); e, portanto, apenas conhecendo no mais alto grau de conhecimento, incompreensivelmente além de todos os graus de conhecimento, porque é infinito. Ainda, quanto mais espiritual é qualquer coisa, mais compreensão terá. O corpo opaco não entende nada; o sentido percebe, mas a faculdade de compreensão está assentada na alma, que é de natureza espiritual, que conhece as coisas que estão presentes, lembra-se das coisas que já passaram, prevê muitas coisas por vir. Qual é a propriedade de uma natureza espiritual, deve ser, da maneira mais eminente, no espírito supremo do mundo; isto é, no mais alto grau de espiritualidade e mais distante de qualquer assunto. Mais uma vez, nada pode desfrutar outras coisas, senão por algum tipo de compreensão delas; Deus tem o maior gozo de si mesmo, de todas as coisas que ele criou, de toda a glória que se acumula para ele por eles; nada de perfeição e bem-aventurança pode estar faltando para ele. Felicidade não consiste em ignorância, e todo conhecimento imperfeito é um grau de ignorância: Deus, portanto, conhece a si mesmo perfeitamente e todas as coisas de onde ele projeta qualquer glória para si mesmo. A maneira mais nobre de agir deve ser atribuída a Deus, como sendo o mais nobre e excelente Ser; agir de acordo com o conhecimento é a maneira mais excelente de agir; Deus tem, portanto, não só conhecimento, mas a mais excelente maneira de conhecimento; pois é melhor saber do que ser ignorante, então é melhor saber da maneira mais excelente, do que ter um tipo médio e baixo de conhecimento; seu conhecimento, portanto, deve ser tão perfeito quanto sua essência, infinito também como aquilo. Uma natureza infinita deve ter um conhecimento infinito: um Deus ignorante de qualquer coisa não pode ser contado como infinito, pois não é infinito aquele a quem qualquer grau de perfeição está faltando.
Razão 2. Todo o conhecimento em qualquer criatura é de Deus. E você deve permitir a Deus um conhecimento maior e mais perfeito do que a qualquer criatura tem, sim, do que todas as criaturas possuem. Todas as gotas de conhecimento que qualquer criatura tem vêm de Deus; e todo o conhecimento em toda criatura, que sempre foi, é ou será, em toda a humanidade, foi derivado dele. Se todas essas várias gotas em criaturas particulares, foram coletadas em um espírito, em uma criatura, seria um conhecimento inconcebível, mas ainda inferior ao que o Autor de todo esse conhecimento; porque Deus não pode dar mais conhecimento do que ele próprio; nem a criatura é capaz de receber tanto conhecimento como Deus tem. Como a criatura é incapaz de receber tanto poder quanto Deus tem, pois então seria onipotente, por isso é incapaz de receber tanto conhecimento quanto Deus, pois então seria Deus.
Nada pode ser feito por Deus igual a ele em coisa alguma; se algo pudesse ser feito como conhecer a Deus, seria eterno como Deus, seria a causa de todas as coisas como Deus. O conhecimento que nós pobres vermes temos, é um argumento que Deus usa para afirmar grandeza de seu próprio conhecimento (Salmos 94:10): “Aquele que ensina o homem não saberá?” O homem tem conhecimento aqui atribuído a ele; o autor deste conhecimento é Deus; ele o forneceu e, portanto, de maneira mais elevada, o possui e muito mais do que pode cair sob a compreensão de qualquer criatura; como o sol ilumina todas as coisas, mas tem mais luz em si do que lança-se sobre a terra ou os céus: e Deus não contém eminentemente todo o conhecimento que ele transmite às criaturas, e infinitamente mais exato e abrangente?
Razão 3. As acusações de consciência evidenciam o conhecimento de Deus sobre todas as ações de suas criaturas. Não faz exame de consciência para a maioria dos pecados secretos, aos quais ninguém está a par de si próprio, o mundo inteiro além de ser ignorante do seu crime? Nem o medo de outro juiz fere o coração? Se um julgamento acima dele fosse temido, um entendimento acima dele, e discernir seus segredos é confessado por esses medos; de onde podem surgir esses horrores, se não houver um superior que entenda e registre o crime? A que perfeição do Ser Divino pode isto se relacionar, senão à onisciência? Que outro atributo deve ser temido, se Deus fosse defeituoso nisso? A nossa condenação por nossos próprios corações, quando ninguém no mundo pode nos condenar, torna legível, que há um "maior do que o nosso coração” em relação ao conhecimento, que “conhece todas as coisas” (1 João 3:20). A consciência seria um princípio vão, e sem ferrão sem isto; seria fácil silenciar todas as suas acusações e rir zombeteiramente diante de suas carrancas mais severas. Quem precisa incomodar-se, se ninguém conhece os seus crimes, senão eles próprios? Pecados ocultos, que atormentam a consciência, são argumentos da vontade de Deus e sua onisciência de todas as ações presentes e passadas.
Razão 4. Deus é a primeira causa de tudo, toda criatura é sua produção. Desde que todas as criaturas, desde o mais alto anjo até o mais baixo verme, existe pelo poder de Deus, se Deus entende seu próprio poder e excelência, nada pode ser escondido dele, que foi trazido por esse poder, assim como nada pode ser desconhecido para ele, que esse poder é capaz de produzir. Se Deus não sabe nada além disso ele mesmo; ele pode então acreditar que não há nada além de si mesmo; vamos então imaginar um Deus miseravelmente equivocado: se ele não sabe nada além de si mesmo, então as coisas não foram criadas por ele, ou não foram criadas e voluntariamente criadas, mas abandonadas antes dele estar ciente. ”Pensar que a Primeira Causa de Todos deveria ser ignorante daquelas coisas que ele é a causa, é fazer com que ele não seja um agente voluntário, mas natural e, portanto, necessário; e então que a criatura veio dele como luz do sol e umidade da água; isso seria uma opinião absurda da criação do mundo; se Deus for um agente voluntário, como ele é, ele deve ser um agente inteligente.
A faculdade da vontade não está em nenhuma criatura, sem aquela de entender também. Se Deus é um agente inteligente, seu conhecimento deve entender tanto quanto a sua operação, e cada objeto de sua operação, a menos que imaginemos que Deus perdeu a memória, naquela longa extensão de tempo desde a primeira criação deles. Um artíf

Publicado no site: O Melhor da Web em 05/12/2018
Código do Texto: 138787

AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
Sou Fã de...
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.