Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
Silvio Dutra

Todas imagens extraídas da galeria do Google.
kuryos - Silvio Dutra
RSS - As recentes de:Silvio Dutra
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



Silvio Dutra
Aniversário: 25/11
Cadastrado desde: 29/08/2012 -

Texto mais recente: Depravação Humana

Textos & Poesias || Evangélicas

Imprimir
O Pacto de Redenção entre o Pai e o Redentor
08/02/2019
Autor(a): Silvio Dutra

O Pacto de Redenção entre o Pai e o Redentor


Por John Flavel (1627 - 1691)
Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra
Jan/2019
2
F588
Flavel, John - 1627 - 1691
O Pacto de Redenção entre o Pai e o Redentor /
John Flavel
Tradução e adaptação Silvio Dutra Alves – Rio
de Janeiro, 2019.
29p.; 14,8 x21cm
1. Teologia. 2. Pregação. 3. Alves, Silvio Dutra.
I. Título.
CDD 252
3
"Por isso, eu lhe darei muitos como a sua parte, e com os poderosos repartirá ele o despojo, porquanto derramou a sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu." (Isaías 53:12)
Neste capítulo, o evangelho parece ser resumido; o assunto disso é a morte de Cristo, e a questão gloriosa: lendo-o, o eunuco antigo e muitos judeus, desde então, foram convertidos a Cristo.
Cristo é aqui considerado absoluta e relativamente. Absolutamente, sua inocência é industriosamente vindicada, verso 9. Embora ele sofreu coisas graves, mas não por seus próprios pecados, "porque não havia violentado a Lei, nem havia engano em sua boca"; mas relativamente considerado na capacidade de uma garantia para nós: assim a justiça de Deus é tão plenamente justificada em seus sofrimentos; verso 6. "O Senhor colocou sobre ele a iniquidade de todos nós." Como ele veio para sustentar essa capacidade e uma relação de segurança para nós, é nestes versos claramente afirmado por seu pacto e acordo com seu Pai, antes que os mundos fossem feitos, verso 10, 11,12.
4
“10 Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade do SENHOR prosperará nas suas mãos. 11 Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniquidades deles levará sobre si. 12 Por isso, eu lhe darei muitos como a sua parte, e com os poderosos repartirá ele o despojo, porquanto derramou a sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu.”
Nestes versos temos:
1. Seu trabalho.
2. Sua recompensa.
3. O respeito ou relação de cada um com o outro.
(1) Sua obra, que na verdade era uma obra difícil, derramar sua alma até a morte, agravada pelos companheiros, com os quais, contados com transgressores; a capacidade na qual, carregando todos os pecados dos eleitos, "ele levou os pecados de muitos em e pela maneira
5
de seu porte, humildemente, e perdoando", ele fez intercessão pelos transgressores; este foi o seu trabalho.
(2.) A recompensa ou fruto que lhe é prometido para este trabalho, "portanto, eu vou dividir-lhe uma porção com os grandes, e ele vai dividir o despojo com os fortes", em que há uma alusão clara aos conquistadores na guerra, para quem estão reservados as mais ricas vestes, e os mais honrados cativos para seguir o conquistador, como um complemento à sua magnificência e triunfo, estes estavam acostumados a vir atrás deles em cadeias, Isaías 45:14, veja Juízes 5: 3.
O respeito ou relação entre esse trabalho e este triunfo: alguns terão esse trabalho para não ter outra relação com essa glória, do que um mero antecedente a um consequente: outros lhe dão o respeito e a relação de uma causa meritória a uma recompensa. É bem observado pelo Dr. Featly, que a partícula hebraica " lachen ", que nós damos, portanto, observando a ordem, não vale muito a disputa sobre isso, seja a ordem de casualidade, ou mera antecedência; nem prevejo qualquer absurdo em chamar a exaltação de Cristo a recompensa e o fruto de sua humilhação: no entanto, é claro, seja um ou outro, é que o Pai aqui concorda e promete dar a ele, se ele vai realizar a redenção dos eleitos, derramando sua alma até a morte.
6
DOUTRINA. Que o negócio da salvação do homem foi transacionado em termos de aliança, entre o Pai e o Filho, desde toda a eternidade.
Eu não estaria aqui enganado, como se estivesse agora a tratar do pacto da graça, feito em Cristo entre Deus e nós; não é o pacto da graça, mas da redenção, estou agora a falar, o que difere do pacto da graça, em relação ao federado, no primeiro é Deus o Pai e Jesus Cristo, que se unem mutuamente; no outro, é Deus e homem: eles diferem, também na parte receptiva, neste é exigido de Cristo que ele deveria derramar o sangue dele, naquele é requerido de nós que acreditemos. Eles também diferem em suas promessas; neste, Deus promete a Cristo um nome acima de todo nome, amplo domínio de mar a mar; naquele, para nós, graça e glória: de modo que estes são dois pactos distintos. A substância deste pacto de redenção é, em termos de diálogo, expressa a nós em Isaías 49, onde, (como os teólogos observaram bem) Cristo começa, no primeiro e no segundo versos, e mostra a sua comissão, dizendo a seu Pai, como ele os chamou, e o preparou para a obra da redenção; "Ouvi-me, terras do mar, e vós, povos de longe, escutai! O SENHOR me chamou desde o meu nascimento, desde o ventre de minha mãe fez menção do meu nome; fez a minha boca como uma espada aguda, na
7
sombra da sua mão me escondeu; fez-me como uma flecha polida, e me guardou na sua aljava." Por causa dessa medida superabundante do espírito de sabedoria e poder com o qual eu sou ungido e enchido; minha doutrina perfurará, como uma espada os corações dos pecadores; sim, como uma flecha, atraída para a cabeça, atinge profundamente as almas que estão a uma grande distância de Deus e da piedade. Tendo dito a Deus quão pronto e apto ele era para o seu serviço, ele saberá que recompensa ele terá por seu trabalho, pois ele resolve que seu sangue não será desvalorizado; em seguida, o Pai oferece-lhe o eleito de Israel por sua recompensa, oferecendo inicialmente um baixo (como os que fazem pechinchas costumam fazer) e oferece-lhe aquele pequeno remanescente, ainda com a intenção de oferecer mais: mas Cristo não será satisfeito com estes, ele valoriza seu sangue mais alto do que isso: portanto, no versículo 4 ele é levado a reclamar: "Eu mesmo disse: debalde tenho trabalhado, inútil e vãmente gastei as minhas forças; todavia, o meu direito está perante o SENHOR, a minha recompensa, perante o meu Deus." Esta é apenas uma pequena recompensa para um sofrimento tão grande como eu devo passar; meu sangue vale muito mais do que isso, e será suficiente para resgatar todos os eleitos
8
dispersos entre as ilhas dos gentios, bem como as ovelhas perdidas da casa de Israel. Então o Pai vem mais alto e diz a ele que ele pretende recompensá-lo melhor que isso; e, portanto, o versículo 6 diz: "Sim, diz ele: Pouco é o seres meu servo, para restaurares as tribos de Jacó e tornares a trazer os remanescentes de Israel; também te dei como luz para os gentios, para seres a minha salvação até à extremidade da terra." Assim é o tratado realizado entre eles, transacionando-o à maneira dos homens.
Agora, para abrir este grande ponto, vamos considerar aqui:
(1.) As pessoas transacionadas uma com a outra.
(2.) O negócio que foi transacionado.
(3.) A qualidade e a maneira da transação, que é federal.
(4.) Os artigos com os quais eles concordam.
(5.) Como cada pessoa realiza o seu compromisso mutuamente.
E, finalmente, a antiguidade ou eternidade desta transação de aliança.
(1) As pessoas transacionando e lidando uma com a outra nessa aliança; e de fato elas são grandes pessoas, Deus o Pai, e Deus o Filho, o
9
primeiro como um Credor, e o segundo como uma Fiador. O Pai busca satisfação, o Filho se empenha em dar isto. Se for exigido, por que o Pai e o Espírito não teriam também tratado sobre nossa redenção, como o Pai e o Filho? É respondido: Cristo é o Filho natural de Deus e, portanto, mais apto a nos tornar os filhos adotivos de Deus. Cristo também é a pessoa do meio na Trindade e, portanto, mais apto a ser o mediador e a pessoa intermediária entre nós e Deus. O Espírito tem outro ofício designado a ele, a saber, aplicar, como o vice-regente de Cristo, a redenção designada pelo Pai e comprada pelo Filho para nós.
(2) O negócio transacionado entre eles; e essa foi a redenção e a recuperação de todos os eleitos de Deus: nossa eterna felicidade jazia diante deles, nossas queridas e eternas preocupações estavam agora em suas mãos: os eleitos (embora ainda não estando criados) são aqui considerados como existentes, sim e como criaturas caídas, miseráveis e desesperadas: como estas podem ser novamente restauradas à felicidade sem prejuízo da honra, justiça e verdade de Deus; isso, este é o negócio que estava diante deles.
(3) Pela maneira, ou qualidade da transação, era federal, ou da natureza de um pacto; foi por meio de compromissos e estipulações mútuas
10
que cada pessoa se comprometeu a desempenhar sua parte para a nossa recuperação.
Encontramos cada pessoa empreendendo por si mesmo por promessa solene; o Pai promete que ele "segurará a mão dele e o manterá", Isaías 42: 6. O Filho promete que ele obedecerá ao chamado de seu Pai para o sofrimento, e não "será rebelde", Isaías 50: 5. E, tendo prometido, cada um chama o outro para o seu compromisso. O pai está de acordo com a satisfação que lhe foi prometida; e, quando o pagamento for feito, ele não vai contestar um centavo, Romanos 8:32. "Deus não poupou seu próprio Filho", eu e ele, não diminuiu nada do preço total que ele deveria ter em suas mãos por nós.
E como o Pai estava estritamente sobre os termos da aliança, assim também fez Cristo; João 17:45 "Eu te glorifiquei na terra, (diz ele ao Pai) eu terminei o trabalho que você me deu para fazer, e agora, Pai, glorifica-me com você mesmo." Como se ele tivesse dito, Pai, o trabalho está feito, agora onde está o salário que me foi prometido? Eu peço a glória como a mim devida, tanto devida a mim como o trabalho do trabalhador é devido a ele, quando o seu trabalho é feito.
11
4. Mais particularmente; em seguida, consideraremos os artigos com os quais ambos concordam; ou o que cada um faz por si mesmo prometendo ao outro. E, para vermos o quanto o coração do Pai está empenhado na salvação dos pobres pecadores, há cinco coisas que ele promete fazer por Cristo, se ele empreender essa obra. Primeiro, Ele promete investi-lo, e ungi-lo para este ofício, responsivamente à miséria que repousa sobre os eleitos, e às muitas exigências da justiça para a comunhão com Deus, porque se o homem deve ser restaurado para a felicidade para sempre, a cegueira de sua mente deve ser curada, a culpa do pecado expiada, e seu cativeiro ao pecado deve ser levado cativo. Responsivamente Cristo deve, “ser feito de Deus para nós, sabedoria, justiça, santificação e redenção” (1 Coríntios 1.30). E Ele deve ser feito também para nós nosso Profeta, Sacerdote e Rei, mas Ele não poderia colocar a si mesmo nestes ofícios, porque se o fizesse, ele teria atuado sem uma comissão e consequentemente tudo que Ele fizesse teria sido invalidado, Hebreus 5.5 – “Assim, também Cristo a si mesmo não se glorificou para se tornar sumo sacerdote, mas glorificou aquele que lhe disse: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei.“ A comissão consequente ao comando, nestes ofícios, sendo
12
necessária para nosso resgate, o Pai o engajou nesta comissão tripartite.
Ele promete investi-lo com um eterno e real Sacerdócio, Salmo 110.4: “O Senhor tem jurado e não se arrependerá. Tu és sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque.” Este Melquisedeque sendo Rei de Justiça, e rei de Salém, que é, Paz, tinha um sacerdócio real, e sua descendência não sendo conhecida, tinha uma figura de eternidade nisto, e assim foi mais apto para tipificar e ser sombra forte do sacerdócio de Cristo do que o de Arão tinha sido, Hebreus 7.16,17,24,25, como o apóstolo os acomodou em seu texto. “16 constituído não conforme a lei de mandamento carnal, mas segundo o poder de vida indissolúvel. 17 Porquanto se testifica: Tu és sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque. 18 Portanto, por um lado, se revoga a anterior ordenança, por causa de sua fraqueza e inutilidade 19 (pois a lei nunca aperfeiçoou coisa alguma), e, por outro lado, se introduz esperança superior, pela qual nos chegamos a Deus.
13
20 E, visto que não é sem prestar juramento (porque aqueles, sem juramento, são feitos sacerdotes, 21 mas este, com juramento, por aquele que lhe disse: O Senhor jurou e não se arrependerá: Tu és sacerdote para sempre); 22 por isso mesmo, Jesus se tem tornado fiador de superior aliança. 23 Ora, aqueles são feitos sacerdotes em maior número, porque são impedidos pela morte de continuar; 24 este, no entanto, porque continua para sempre, tem o seu sacerdócio imutável. 25 Por isso, também pode salvar totalmente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles.”
Ele promete também fazer dele um Profeta, e um extraordinário, o Príncipe dos profetas; o chefe dos Pastores, e muito superior a todos os demais, assim como o sol é em relação a todos os planetas, como você vê isto em Isaías 42.6,7: “Eu, o SENHOR, te chamei em justiça, tomar-te-ei pela mão, e te guardarei, e te farei mediador da aliança com o povo e luz para os gentios; para
14
abrires os olhos aos cegos, para tirares da prisão o cativo e do cárcere, os que jazem em trevas.”
E não somente isso, mas fazê-lo rei também, e de todo o império do mundo, como se vê no Salmo 2.6,7,8: “6 Eu, porém, constituí o meu Rei sobre o meu santo monte Sião. 7 Proclamarei o decreto do SENHOR: Ele me disse: Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei. 8 Pede-me, e eu te darei as nações por herança e as extremidades da terra por tua possessão.”
Assim, ele promete qualificá-lo e equipá-lo completamente para o trabalho, por sua investidura neste ofício.
Segundo, e apesar de ele ter sabido que isto seria um duro e difícil trabalho para seu Filho assumir, um trabalho que teria quebrado os anjos no céu, e os homens na Terra, se fossem engajados nele, portanto ele promete ser levantado por ele, e assisti-lo e fortalecê-lo para isto: assim, vemos em Isaías 42.5,6,7: “5 Assim diz Deus, o SENHOR, que criou os céus e os estendeu, formou a terra e a tudo quanto
15
produz; que dá fôlego de vida ao povo que nela está e o espírito aos que andam nela. 6 Eu, o SENHOR, te chamei em justiça, tomar-te-ei pela mão, e te guardarei, e te farei mediador da aliança com o povo e luz para os gentios; 7 para abrires os olhos aos cegos, para tirares da prisão o cativo e do cárcere, os que jazem em trevas.” (Nota do tradutor: Muitos questionam porque Jesus teria necessitado de todo este fortalecimento recebido da parte do Pai na obra que teria que realizar, já que Ele era também Deus, e assim, certamente não deveria ter havido para ele qualquer dificuldade em realizá-la. Todavia, os que assim pensam se esquecem de que Ele se esvaziou do poder de sua natureza divina, e tudo fez como homem debaixo do poder e direção do Espírito Santo, pois assim importava que vivesse como homem para efetuar a nossa redenção.) “E lhes disse: A minha alma está profundamente triste até à morte; ficai aqui e vigiai.” (Marcos 14.34). “Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro; e,
16
como ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca.” (Isaias 53.7). Terceiro, Ele promete coroar seu trabalho com sucesso, e trazê-lo à alegria, Isaías 53.10 – “Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade do SENHOR prosperará nas suas mãos.” Ele não começará para não terminar, ele não derramará seu precioso sangue sobre termos incertos, mas ele verá e colherá os doces frutos esperados, assim como uma mãe se alegra esquecendo suas dores, quando ela deleitavelmente abraça e beija seu recém-nascido. Quarto, o Pai promete aceitá-lo em seu trabalho, ainda que certamente milhões morreriam, Isaías 49.4: “Eu mesmo disse: debalde tenho trabalhado, inútil e vãmente gastei as minhas forças; todavia, o meu direito está perante o SENHOR, a minha recompensa, perante o meu Deus.”. E, no verso 5 – “Mas agora diz o SENHOR, que me formou desde o ventre para ser seu servo, para que torne a trazer Jacó e para reunir Israel a ele, porque eu sou glorificado perante o SENHOR, e o meu Deus é a minha força.” Sua fé
17
tem então respeito ao pacto e à promessa. O acordo do Pai manifesta a satisfação que ele tinha nele, e em seu trabalho, mesmo quando ele esteve sobre a Terra, e quando veio a voz que o glorificou “Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.” Quinto, assim Ele se engajou a recompensá-lo altamente por seu trabalho, por exaltá-lo a uma singular e supereminente glória e honra, quando ele o tivesse concluído. Assim você lê no Salmo 2.7: “Proclamarei o decreto do SENHOR: Ele me disse: Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei.” Isto é falado do dia de sua ressurreição, quando ele tinha concluído seus sofrimentos. E assim o apóstolo expõe a aplica isto em Atos 13.32,33. Porque então o Senhor afastou a vergonha da sua cruz, e o investiu com tal glória, que Ele o olhou novamente como sempre o fizera. Assim se o Pai tinha dito, agora você tem novamente resgatado sua glória, e este dia é para você como se fosse um novo dia de nascimento. Estes são os incentivos e recompensas propostos e prometidos a ele pelo Pai. Essa foi a "alegria dada a ele" (como o apóstolo expressa em Hebreus 12: 2), que o fez tão pacientemente "suportar a cruz e desprezar a vergonha".
18
E da mesma forma Jesus Cristo reina e dá o seu compromisso ao Pai; que, nestes termos, ele está contente em se tornar carne, despir-se, por assim dizer, ele mesmo de sua glória, para vir debaixo da obediência e maldição da lei, e não recusar a qualquer dos sofrimentos mais difíceis que deveria agradar ao Seu Pai infligir a ele. Muito disto está implícito em Isaías 50: 5, 6, 7. "5 O SENHOR Deus me abriu os ouvidos, e eu não fui rebelde, não me retraí. 6 Ofereci as costas aos que me feriam e as faces, aos que me arrancavam os cabelos; não escondi o rosto aos que me afrontavam e me cuspiam. 7 Porque o SENHOR Deus me ajudou, pelo que não me senti envergonhado; por isso, fiz o meu rosto como um seixo e sei que não serei envergonhado.” Quando ele diz, eu não fui rebelde, ele quer dizer, eu estava sinceramente disposto, e contente em aceitar os termos; pois existe uma metonímia nas palavras, e muito mais é intencionado do que expresso. E o sentido deste lugar é bem entregue a nós em outros termos, Salmo 40: 6-10.
19
"6 Sacrifícios e ofertas não quiseste; abriste os meus ouvidos; holocaustos e ofertas pelo pecado não requeres. 7 Então, eu disse: eis aqui estou, no rolo do livro está escrito a meu respeito; 8 agrada-me fazer a tua vontade, ó Deus meu; dentro do meu coração, está a tua lei. 9 Proclamei as boas-novas de justiça na grande congregação; jamais cerrei os lábios, tu o sabes, SENHOR. 10 Não ocultei no coração a tua justiça; proclamei a tua fidelidade e a tua salvação; não escondi da grande congregação a tua graça e a tua verdade." E assim vê-se os artigos aos quais ambos subscreveram, ou os termos em que concordaram.
(5.) Mostrarei brevemente como esses artigos e acordos foram realizados em ambas as partes, e que isto foi precisa e pontualmente. Pois,
(1) O Filho tendo assim consentido, ele se aplica ao cumprimento de seu trabalho. Ele tomou um corpo, em que cumpriu toda a justiça, Mateus 3:15. E finalmente a sua saída foi feita como
20
oferta pelo pecado, de modo que ele pudesse dizer como em João 17: 4. "Pai, eu te glorifiquei na terra, terminei o trabalho que você me deu para fazer." Ele passou por todas as partes de sua obediência ativa e passiva, alegre e fielmente.
(2) O Pai cumpriu bem seus compromissos com Cristo, o tempo todo, não com menos fidelidade do que a de Cristo. Ele prometeu ajudar, e segurar sua mão, e assim ele fez; Lucas 22:43: "E apareceu-lhe um anjo do céu, fortalecendo-o." Essa foi uma das mais dolorosas batalhas com que Cristo sempre se encontrou; isso era ajuda e apoio sazonais. Ele prometeu aceitá-lo em seu trabalho, e que ele deveria ser glorioso aos seus olhos; assim ele fez: para ele e o declarou por uma voz do céu, Lucas 3:22. "Tu és o meu amado Filho, em quem me comprazo." Mas foi plenamente declarado na sua ressurreição e ascensão, que foram uma completa descarga e justificação dele. Ele prometeu a ele que "Ele deveria ver a sua semente", e assim ele fez; porque o orvalho do seu nascimento era como o orvalho da manhã; e desde que seu sangue foi frutífero no mundo. Ele prometeu gloriosamente recompensá-lo e exaltá-lo; e assim ele fez, Filipenses 2: 9, 10, 11: “9 Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome,
21
10 para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, 11 e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.”
Assim foram os artigos realizados. (6) Por fim, quando foi esse pacto entre o Pai e o Filho? Eu respondo, é datado na eternidade. Antes deste mundo ser feito, então eram suas delícias em nós, enquanto ainda não tínhamos existência, mas apenas na mente infinita e propósito de Deus, que decretara isso para nós em Cristo Jesus, como o apóstolo fala em 2 Timóteo 1: 9 – “que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos,” Que graça foi aquela que nos foi dada em Cristo antes do mundo ter começado, senão esta graça de redenção, que era eterna assim planejada e projetada para nós, daquele modo que foi aqui aberto? Então foi o conselho, ou consulta de paz entre ambos, como alguns tomam essa Escritura de Zacarias. 6:13 - “Ele mesmo edificará o templo do SENHOR e será revestido de glória; assentar-se-á no seu trono, e
22
dominará, e será sacerdote no seu trono; e reinará perfeita união entre ambos os ofícios.”
Em seguida, vamos aplicá-lo a nós mesmos.
Aplicação 1. A primeira aplicação que se nos oferece a partir daí é a segurança abundante que Deus deu aos eleitos para a salvação deles, e que não somente em relação ao pacto da graça feito então, mas também deste pacto de redenção feito com Cristo para eles; que de fato é o fundamento da aliança da graça. A única promessa de Deus é segurança suficiente para nossa fé, sua aliança de graça acrescenta - mais segurança; mas ambos vistos como efeitos e frutos deste pacto de redenção, tornam tudo firme e seguro. No pacto da graça, não questionamos o desempenho da parte de Deus, mas muitas vezes nos deparamos com os grandes defeitos de nossas partes. Mas quando olhamos para o pacto da redenção, não há nada que desconcerte nossa fé, sendo ambos federados infinitamente capazes e fiéis de desempenhar suas partes; para que não haja possibilidade de falha lá. Felizes seriam, se intrigados e perplexos, os cristãos voltassem seus olhos dos defeitos que estão em sua obediência, para a plenitude da obediência de Cristo; e vendo-se completos nele, quando mais coxos e defeituosos em si mesmos.
23
Aplicação 2. Daí também ser informado de que Deus Pai e Deus Filho confiam um no outro e confiam um no outro no negócio de nossa redenção. O Pai confia no Filho para o desempenho de sua parte; como está em Isaías 42: 1, "Eis o meu servo a quem eu sustento." Montanus o traduz como: “em quem eu me inclino ou dependo.” Como se o Pai tivesse dito, eis o servo fiel que eu escolhi, em quem minha alma está em repouso: sei que ele passará pela sua obra, posso confiar nele. E, para falar claramente, o Pai até então confiou em Cristo, que, com o crédito de sua promessa de vir ao mundo, e na plenitude dos tempos para se tornar um sacrifício para os eleitos, ele salvou todos os santos do Antigo Testamento, cuja fé também respeitou a um Cristo por vir; com referência ao que, se diz em Hebreus. 11:39, 40. "Ora, todos estes que obtiveram bom testemunho por sua fé não obtiveram, contudo, a concretização da promessa, por haver Deus provido coisa superior a nosso respeito, para que eles, sem nós, não fossem aperfeiçoados.", Isto é, sem Jesus Cristo manifestado na carne, em nossos tempos, embora acreditado, a entrar na carne, em seus tempos. E como o Pai confiava em Cristo, o mesmo acontece com Cristo, que depende e confia em seu pai. Pois, tendo realizado sua parte e deixado o mundo novamente, ele agora confia em seu Pai para a
24
realização dessa promessa feita a ele, Isaías 53:10. "Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade do SENHOR prosperará nas suas mãos." Ele depende de seu Pai para todos os eleitos que são deixados para trás, mas não regenerados , assim como os que já foram chamados, para que sejam preservados no reino celestial, de acordo com João 17:11. "E agora eu não estou mais no mundo, mas estes estão no mundo; e eu venho a ti; santo Pai, guarda, em teu próprio nome, aqueles que me deste." E pode-se imaginar que o Pai irá falhar em sua confiança, que de todas as maneiras se desempenhou tão pontualmente ao Filho? Não pode ser.
Aplicação 3. Além disso, inferimos a validade e o sucesso inquestionável da intercessão de Cristo no céu pelos crentes. Você lê, em Hebreus 7:25 "Que ele vive para fazer intercessão”, e, em Hebreus 12:24. "Que seu sangue fala coisas boas para eles." Não, que seu sangue deve obter o que invoca no céu, é indubitável, e que a partir do consideração deste pacto de redenção, pois aqui você vê que as coisas que ele agora pede ao seu Pai, são as mesmas que seu Pai lhe prometeu e fez pacto de dar a ele, antes que este mundo existisse.
25
O que ele pede para nós, é tão devido a ele como o salário do mercenário, quando o trabalho é terminado, se o trabalho for feito e feito fielmente, como o Pai reconheceu que é, então a recompensa é devida, e devida imediatamente, e sem dúvida, mas ele deve recebê-la das mãos de um Deus justo.
Aplicação 4. Da mesma forma, você pode ser informado da consistência da graça com plena satisfação à justiça de Deus.
O apóstolo, em 2 Timóteo 1: 9 nos diz: "Somos salvos de acordo com o seu próprio propósito e graça, que nos foi dado em Jesus Cristo antes do mundo começar", isto é, de acordo com os termos da graça deste pacto de redenção, e ainda assim você vê, como estritamente Deus provê na satisfação de Cristo assim, graça para nós e satisfação para a justiça, não são tão inconsistentes como os adversários socinianos os fariam, o que era dívida para com Cristo, é graça para nós: quando você ouve os homens gritarem: Aqui está a graça de fato! Tudo, e eu vou perdoar-lhe, lembre-se, como todas as bocas são caladas com esse texto de Romanos 3:24: "Sendo justificado gratuitamente por sua graça", e acrescenta, "pela redenção que está em Cristo".
Aplicação 5. Ainda, daí se infere a antiguidade do amor de Deus aos crentes! Que amigo antigo
26
ele tem sido para nós; que nos amou, providenciou para nós e inventou toda a nossa felicidade, antes de sermos criados, sim, antes do mundo existir. Nós colhemos os frutos desta aliança agora, a semente da qual foi plantada desde a eternidade; sim, não é apenas antigo, mas também mais livre: nenhuma excelência nossa poderia envolver o amor de Deus; porque ainda não existíamos.
Aplicação 6. Por isso julgue, quão razoável é que os crentes devem abraçar os mais difíceis termos de obediência a Cristo, que cumpriu com tais termos duros para a sua salvação: eles eram duros e difíceis termos, pelos quais Cristo recebeu você da mão do Pai: foi, como você já ouviu falar, derramando sua alma até a morte. Aqui você pode supor que o Pai diga, ao conduzir sua barganha com Cristo por você:
O Pai diz: Meu filho, aqui está uma companhia de pobres almas miseráveis, que se desintegraram totalmente e agora estão abertas à minha justiça! A justiça exige satisfação para eles, ou se satisfará na eterna ruína deles: o que será feito por essas almas; e assim Cristo retornará.
Filho: Ó meu Pai, tal é o meu amor e compaixão deles, que em vez de perecerem eternamente, eu serei responsável por eles como seu Fiador; traga todas as suas contas, para que eu possa ver
27
o que eles lhe devem; Senhor, traz todos para dentro, para que não haja pós-avaliação com eles. Preferirei escolher sofrer sua ira do que eles deveriam sofrer: sobre mim, meu Pai, sobre mim seja todo o débito deles.
Pai: Mas, meu Filho, se você se comprometer para eles, você deve contar para pagar a última moeda, não espere nenhum abatimento; se eu os poupar, não te pouparei.
Filho: Concordo, pai, deixa ser assim; carregue tudo em mim, eu sou capaz de descarregá-lo: e embora isso prove ser uma espécie de prejuízo para mim, apesar de empobrecer todas as minhas riquezas, esvaziar todos os meus tesouros (pois assim realmente aconteceu, (2 Coríntios 8: 9). "Embora ele fosse rico, ainda assim, para o nosso bem, ele se tornou pobre", mas estou contente em empreendê-lo.
Coro: Oh crentes ingratos, deixem a vergonha cobrir seus rostos; julgueis em vós mesmos agora, Cristo tem merecido que você deve ficar com ele por ninharias, que você deve encolher em algumas pequenas dificuldades, e reclamar, isso é difícil, e isso é duro? Oh, se você conhecesse a graça de nosso Senhor Jesus Cristo nesta sua maravilhosa condescendência por você, você não poderia fazê-lo.
28
7. Por último, quão grandemente todos nós estamos preocupados, para assegurarmos a nós mesmos, que somos desse número com o qual o Pai e o Filho concordaram antes do mundo; que fomos compreendidos no compromisso e pacto de Cristo com o Pai?
Objeção. Sim, mas você dirá, quem pode saber disso, não houve testemunhas desse acordo.
Solução. Sim, podemos saber, sem subir para o céu, ou buscar em segredos não revelados, que nossos nomes estavam naquele pacto, se,
(1) você é realmente crente; para todos esses o Pai então deu a Cristo, João 17: 8. "Os homens que você me deu (pois eles falaram imediatamente antes) acreditaram que você me enviou".
(2.) Se vocês conhecem a Deus salvificamente em Jesus Cristo, é porque foram dados a ele pelo Pai, João 17: 6. "Eu manifestei seu nome aos homens que você me deu." Por isso eles são discriminados do resto, verso 25. "O mundo não te conheceu, mas estes conheceram", etc.
(3) Se você é homem e mulher de outro mundo; João 17:16: "Eles não são do mundo, como eu não sou do mundo". Pode-se dizer de você, como dos homens que estão morrendo, que você não é
29
homem e mulher para este mundo, que você está crucificado e morto para ele, Gálatas 6:14, que você é estranho nisso? Hebreus 11:13, 14.
(4) Se você guardar a palavra de Cristo, João 17: 6. "Eles eram teus e tu mos deste; e eles guardaram a tua palavra". Guardar sua palavra, compreende o recebimento da palavra, em seus efeitos santificadores e influências em seus corações, e sua perseverança na profissão e prática até o fim, João 17:17, "Santifica-os na tua verdade, a tua palavra é a verdade". João 15: 7: "Se permanecerdes em mim e as minhas palavras permanecem em vós, pedireis o que quiserdes." Abençoada e feliz é aquela alma sobre a qual esses caracteres abençoados aparecem, que nosso Senhor Jesus colocou tão perto juntos, dentro da esfera de alguns versos, neste 17º capítulo de João. Estas são as pessoas que o Pai entregou a Cristo, e ele aceitou do Pai, nesta aliança abençoada.

Publicado no site: O Melhor da Web em 08/02/2019
Código do Texto: 139197

AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
Sou Fã de...
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.