Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
Silvio Dutra

Todas imagens extraídas da galeria do Google.
kuryos - Silvio Dutra
RSS - As recentes de:Silvio Dutra
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



Silvio Dutra
Aniversário: 25/11
Cadastrado desde: 29/08/2012 -

Texto mais recente: Depravação Humana

Textos & Poesias || Evangélicas

Imprimir
A Natureza e a Necessidade do Sacerdócio de Cristo
09/02/2019
Autor(a): Silvio Dutra

A Natureza e a Necessidade do Sacerdócio de Cristo


Por John Flavel (1627 - 1691)
Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra
Jan/2019
2
F588
Flavel, John -1627 - 1691
A natureza e a necessidade do sacerdócio de
Cristo / John Flavel
Tradução e adaptação Silvio Dutra Alves – Rio
de Janeiro, 2019.
32p.; 14,8 x21cm
1. Teologia. 2. Pregação. 3. Alves, Silvio Dutra.
I. Título.
CDD 252
3
"Era necessário, portanto, que as figuras das coisas que se acham nos céus se purificassem com tais sacrifícios, mas as próprias coisas celestiais, com sacrifícios a eles superiores." (Hebreus 9:23)
A salvação (quanto à real dispensação dela) é revelada por Cristo como um profeta, adquirida por ele como um sacerdote, aplicada por ele como um rei. Em vão é revelada, se não for comprada; em vão revelada e comprada, se não for aplicada. Como é revelada, tanto para nós como para nós, pelo nosso grande Profeta, foi declarado. E agora, do ofício profético, passamos para o ofício sacerdotal de Jesus Cristo, que como nosso Sacerdote, comprou nossa salvação. Neste ofício está contido o grande alívio para uma alma angustiada pela culpa de pecado. Quando todos os outros relevos foram ensaiados, é o sangue desse grande sacrifício, borrifado pela fé na consciência tremente, que deve esfriar, refrescar e docemente compor e resolver. Agora, vendo tão grande peso pairando sobre este ofício, o apóstolo confirma e recomenda diligentemente isto nesta epístola, e mais especialmente neste nono capítulo; mostrando como foi figurado para o mundo pelo sangue típico dos sacrifícios, mas infinitamente
4
os excede a todos: e como em muitos outros aspectos mais importantes, tão principalmente nisso, que o sangue desses sacrifícios de animais purificou os tipos ou padrões de as coisas celestiais; mas o sangue desse sacrifício de Jesus purificou ou consagrou as próprias coisas celestiais, significadas por esses tipos.
As palavras lidas contêm um argumento para provar a necessidade da oferta de Cristo, o grande sacrifício, tirado da proporção entre os tipos e as coisas tipificadas. Se o santuário, o propiciatório e todas as coisas pertencentes ao serviço do tabernáculo, fossem consagrados pelo sangue; aqueles terrestres, mas sagrados, pelo sangue de touros e cordeiros, etc, muito mais as coisas celestiais tipificadas por eles, devem ser purificadas ou consagradas por sangue melhor que o sangue de animais. O sangue que consagra estes, deve tanto exceder o sangue que consagrou aqueles, como as próprias coisas celestiais, em sua própria natureza, exceder aquelas sombras terrestres deles. Veja, que proporção existe entre o tipo e o antítipo, a mesma proporção também há entre o sangue que os consagra; coisas terrenas com comum, coisas celestiais com o sangue mais excelente.
5
Assim, há duas coisas a serem especialmente observadas aqui:
Primeiro, a natureza da morte e sofrimentos de Cristo. Isto tinha a natureza, uso e fim de uma sacrifício, e de todos os sacrifícios, o mais excelente.
Segundo, a necessidade desta oferta ser levantada era porque era necessário corresponder com todos os tipos e prefiguração disto sob a Lei, mas isto foi especialmente necessário para a expiação do pecado, a propiciação da justiça de Deus, e a a abertura de um caminho para a reconciliação do pecador que viesse a Ele. O ponto que eu lhe darei a partir disto é:
DOUTRINA: Que o sacrifício de Cristo, nosso Sumo Sacerdote, é mais excelente em si mesmo, e mais necessário para nós.
Sacrifícios são de dois tipos: eucarísticos, ou de ação de graças, em testificação de tributo, dever e serviço; e em tipo de gratidão por misericórdias livremente recebidas; e expiatório, para satisfação de justiça, e assim a expiação e reconciliação de Deus. Deste último tipo foi o sacrifício oferecido por Jesus Cristo por nós; para este ofício ele foi chamado por Deus,
6
Hebreus 5.5. Nisto ele foi confirmado pela imutável promessa de Deus, Salmo 110.4, para isto ele foi singularmente qualificado pela sua encarnação, Hebreus 10.6,7, e a todos os fins disto ele tem completamente respondido, Hebreus 9.11,12. “Assim, também Cristo a si mesmo não se glorificou para se tornar sumo sacerdote, mas o glorificou aquele que lhe disse: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei;” (Hebreus 5.5). “5 Por isso, ao entrar no mundo, diz: Sacrifício e oferta não quiseste; antes, um corpo me formaste; 6 não te deleitaste com holocaustos e ofertas pelo pecado. 7 Então, eu disse: Eis aqui estou (no rolo do livro está escrito a meu respeito), para fazer, ó Deus, a tua vontade.” (Hebreus 10.5-7). “11 Quando, porém, veio Cristo como sumo sacerdote dos bens já realizados, mediante o maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, quer dizer, não desta criação, 12 não por meio de sangue de bodes e de bezerros, mas pelo seu próprio sangue, entrou
7
no Santo dos Santos, uma vez por todas, tendo obtido eterna redenção.” (Hebreus 9.11,12).
Meu presente desígnio é, a partir desta Escritura, abrir a natureza geral e necessidade absoluta do sacerdócio de Cristo, mostrando que seu sacerdócio implica nisto, e como tudo isto foi indispensavelmente necessário para a nossa libertação do deplorável estado de pecado e miséria.
Primeiro então, nos consideraremos o que isto supõe e implica; e então, em que consiste. E há seis coisas que isto também pressupõe, ou necessariamente inclui nele. 1. À primeira vista isto supõe a revolta do homem e sua queda da presença de Deus; e a terrível brecha feita entre ambos, necessitava de um sacrifício expiatório. “Pois o amor de Cristo nos constrange, julgando nós isto: um morreu por todos; logo, todos morreram.”. 2 Coríntios 5.14, morto sob a lei, sob a sentença de morte, e eternamente. Em todos os sacrifícios, desde Adão a Cristo, isto era ainda pregado ao mundo, que havia uma terrível brecha entre Deus e o homem, e ainda assim, a justiça requeria que nosso sangue deveria ser derramado. E o fogo queimando no altar, que queimava totalmente o sacrifício, era um
8
emblema vivo da queima da ira indignada que deveria devorar os adversários. Mas acima de tudo, quando Cristo, aquele verdadeiro e grande Sacrifício, foi oferecido a Deus, então o maior espelho que jamais ouve no mundo, foi colocado diante de nós, pelo qual podemos ver nossos pecado e miséria decorrentes da Queda. 2. Seu sacerdócio, supunha o imutável propósito de Deus de tomar vingança do pecado; ele não deixaria isto passar. Eu não irei determinar o que Deus poderia fazer neste caso, por seu poder absoluto, mas eu penso que isto é geralmente aceito, que, pelo seu poder ordenado, ele poderia fazer nada menos do que punir isto na pessoa do pecador, ou do seu fiador. Aqueles que resistem a tal perdão, como é um ato de caridade, como pessoas privadas que se perdoam mutuamente, devem ao menos supor que Deus partiu com sua justiça, e que também tornou inútil a satisfação de Cristo, como para a obtenção de perdão; sim, mais do que um obstáculo, do que um fundamento para isto.
Certamente, a natureza e verdade de Deus o obriga a punir o pecado. “Ele é puro de olhos para olhar a iniquidade.”, Habacuque 1.13. E
9
além disso, a palavra de Sua boca afirma que o pecador deve morrer.
3. O sacerdócio de Cristo pressupõe a absoluta impotência dos homens para apaziguar a Deus e recuperar seu favor por qualquer coisa que ele possa fazer ou sofrer. Certamente Deus não desceria para assumir um corpo para morrer e ser oferecido por nós, se a qualquer custo mais barato isso pudesse ser realizado; não havia outro meio de recuperar o homem e satisfazer a Deus.
Aqueles que negam a satisfação de Cristo, e falam de sua morte para confirmar a verdade, e nos dão um exemplo de mansidão, paciência e abnegação, afirmando que estes são os únicos fins de sua morte, não apenas nisso, as fundações de seu próprio conforto, paz e perdão, mas mais ousadamente impedem e taxam a infinita sabedoria. Deus poderia ter feito tudo isso a uma taxa mais barata: os sofrimentos de uma mera criatura são capazes de atingir esses fins: as mortes dos mártires o fizeram. Mas quem morrendo pode satisfazer e reconciliar a Deus? Que criatura pode lhe trazer um adequado e proporcional valor para o pecado? Sim, por todo o pecado que já existiu, ou será transmitido às naturezas, ou cometido pelas pessoas, de todos os eleitos de Deus, desde
10
Adão, até o último que será encontrado vivo na vinda do Senhor? Certamente, ninguém, a não ser Cristo, pode fazer isso.
4. O sacerdócio de Cristo implica a necessidade de ser Deus-homem. Era necessário que ele fosse homem, para sua paixão, compaixão e dedução de sua justiça e santidade aos homens. Se ele não fosse um homem, ele não teria sacrifício para oferecer, nenhuma alma ou corpo para sofrer. A Divindade é imortal e, acima de tudo, aqueles sofrimentos e misérias que Cristo sentiu por nós. Além disso, sendo ele homem, enche-o de compaixão e terna sensação de nossas misérias: isso faz dele um sumo sacerdote misericordioso e fiel, Hebreus 4:15 e não somente cabe a ele ter piedade, mas também nos santificar; porque "aquele que santifica e os que são santificados são ambos de um", Hebreus 2: 11,14, 17. E, quando necessário, nosso Sumo Sacerdote deve ser Deus, pois o valor e a eficácia de nosso sacrifício resultam daí. “11 Pois, tanto o que santifica como os que são santificados, todos vêm de um só. Por isso, é que ele não se envergonha de lhes chamar irmãos,
11
12 dizendo: A meus irmãos declararei o teu nome, cantar-te-ei louvores no meio da congregação. 13 E outra vez: Eu porei nele a minha confiança. E ainda: Eis aqui estou eu e os filhos que Deus me deu. 14 Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo, 15 e livrasse todos que, pelo pavor da morte, estavam sujeitos à escravidão por toda a vida. 16 Pois ele, evidentemente, não socorre anjos, mas socorre a descendência de Abraão. 17 Por isso mesmo, convinha que, em todas as coisas, se tornasse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote nas coisas referentes a Deus e para fazer propiciação pelos pecados do povo.” (Hebreus 2.11-17).
5. O sacerdócio de Cristo implica a extremidade de seus sofrimentos. Nos sacrifícios, você sabe, houve uma destruição, uma espécie de aniquilação da criatura para a glória de Deus. O derramamento do sangue da criatura e a
12
queima de sua carne com fogo eram apenas uma ressentimento, ou uma leve semelhança do que Cristo suportou, quando ele fez de sua alma uma oferta pelo pecado.
E, por último, implica que o desígnio gracioso de Deus nos reconcilia a um ritmo caro a si mesmo, na medida em que ele chamou e confirmou a Cristo em seu sacerdócio por um juramento, e assim estabeleceu um sacrifício de valor infinito para o mundo. Pecados, para os quais nenhum sacrifício é permitido, são pecados desesperados, e o caso de tais pecadores é indefeso. Mas se Deus permitir, sim, e providenciar um sacrifício para si mesmo, quão claramente fala suas intenções de paz e misericórdia? Essas coisas são manifestamente pressupostas ou implícitas no sacerdócio de Cristo.
Este sacerdócio de Cristo é essa função, em que ele vem diante de Deus, em nosso nome e lugar, para cumprir a lei, e oferecer-se a ele um sacrifício de reconciliação pelos nossos pecados; e por sua intercessão para continuar e aplicar a compra de seu sangue para aqueles para quem ele o derramou: "Tudo isso está contido naquela Escritura famosa, Hebreus 10: 7-13.
13
“7 Então, eu disse: Eis aqui estou (no rolo do livro está escrito a meu respeito), para fazer, ó Deus, a tua vontade. 8 Depois de dizer, como acima: Sacrifícios e ofertas não quiseste, nem holocaustos e oblações pelo pecado, nem com isto te deleitaste (coisas que se oferecem segundo a lei), 9 então, acrescentou: Eis aqui estou para fazer, ó Deus, a tua vontade. Remove o primeiro para estabelecer o segundo. 10 Nessa vontade é que temos sido santificados, mediante a oferta do corpo de Jesus Cristo, uma vez por todas. 11 Ora, todo sacerdote se apresenta, dia após dia, a exercer o serviço sagrado e a oferecer muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca jamais podem remover pecados; 12 Jesus, porém, tendo oferecido, para sempre, um único sacrifício pelos pecados, assentou-se à destra de Deus, 13 aguardando, daí em diante, até que os seus inimigos sejam postos por estrado dos seus pés.” (Hebreus 10.7-13).
14
Ou, mais brevemente, o sacerdócio de Cristo é aquele pelo qual ele expia os pecados dos homens e obtém o favor de Deus para eles, Colossenses 1:20; 22. Romanos 5:10. Mas, porque insistirei mais amplamente nas várias partes e frutos deste ofício, bastará aqui falar tanto quanto à sua natureza geral; que foi a primeira coisa proposta para explicação. “20 e que, havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele, reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra, quer nos céus. 21 E a vós outros também que, outrora, éreis estranhos e inimigos no entendimento pelas vossas obras malignas, 22 agora, porém, vos reconciliou no corpo da sua carne, mediante a sua morte, para apresentar-vos perante ele santos, inculpáveis e irrepreensíveis,” (Colossenses 1.20-22). “10 Porque, se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida;” (Romanos 5.10).
Em segundo lugar, a necessidade do sacerdócio de Cristo vem em seguida a ser aberta. Ao tocar
15
no que afirmo, de acordo com as Escrituras, era necessário, para nossa salvação, que tal sacerdote, por meio de tal sacrifício, aparecesse diante de Deus por nós.
A verdade dessa afirmação será esclarecida por esses dois princípios, que são evidentes na Escritura, a saber, que Deus estava em plena satisfação, e não faria a redenção de um pecado sem ele: e esse homem caído é totalmente incapaz de oferecer-lhe tal coisa. satisfação; portanto, Cristo, que somente pode, deve fazê-lo, ou nós perecemos.
1. Deus permaneceu em plena satisfação e não pôde remeter um pecado sem ele. Isso será limpo da natureza do pecado; e da veracidade e sabedoria de Deus.
(1.) Da natureza do pecado, que merece que o pecador sofra por isso. O mal penal; em um curso de justiça, segue o mal moral. O pecado e a tristeza devem andar juntos; entre estes existe uma conexão necessária, Romanos 6:13. "O salário do pecado é a morte."
(2.) A veracidade de Deus exige isso. A palavra saiu de sua boca; Gênesis 2:17. "no dia em que comeres, certamente morrerás." A partir desse momento ele foi instantaneamente e
16
certamente sujeito à morte de alma e corpo. A lei declara amaldiçoado, "quem não continua em todas as coisas que estão escritas para fazê-las", Gálatas 3: 9 Agora, embora as ameaças do homem sejam muitas vezes coisas vãs e insignificantes, ainda assim Deus certamente terá lugar; "nem um ponto da lei falhará, até que tudo seja cumprido", Mateus 5:18. Deus será verdadeiro em sua ameaça, embora milhares e milhões pereçam.
(3.) A sabedoria de Deus, pela qual ele governa o mundo racional, não admite uma dispensação ou relaxamento das ameaças sem satisfação: pois, tão bom quanto nenhum rei, como nenhuma lei para o governo; tão boa nenhuma lei, como nenhuma penalidade; e tão bom sem penalidade, como não execução. Para este propósito, alguém bem observa; "É totalmente indecente, especialmente para a sabedoria e justiça de Deus, que aquilo que provoca a execução, deve obter a revogação de sua lei, que deve suplantar e minar a lei, para a única prevenção daquela lei que foi estabelecida antes. " Como se poderia esperar que os homens devessem temer e tremer diante de Deus, quando deveriam se sentir mais assustados do que feridos por suas ameaças contra o pecado? Então, Deus permaneceu satisfeito e não
17
admitiu nenhum tratado de paz, em qualquer outro fundamento.
Objeto. Que ninguém aqui objete, que a reconciliação sobre essa única pontuação de satisfação seja depreciativa para as riquezas da graça; ou que não permitimos a Deus o que fazemos aos homens, a saber, perdoar uma ofensa livremente, sem satisfação.
O perdão gratuito para nós, e a plena satisfação feita a Deus por Jesus Cristo por nós, não são "asurata ", coisas inconsistentes entre si, pois em seu devido lugar estarão mais completamente esclarecidas para você. E para negar a Deus o que permitimos aos homens, você deve saber que o homem e o homem estão em pé firme: o homem não é capaz de ser injustiçado e ferido pelo homem, como Deus é pelo homem, não há comparação entre a natureza das ofensas.
Para concluir, o homem só pode perdoar livremente o homem; em uma capacidade privada, na medida em que o erro diz respeito a si mesmo; mas não deve fazê-lo em uma capacidade pública, quando ele é juiz, e obrigado a executar a justiça imparcialmente. Deus é nosso Legislador e Juiz: ele não dispensará as violações da lei, a menos que fique estritamente em completa satisfação.
18
2. O homem não pode dar a Deus qualquer satisfação própria, pelo mal feito pelo seu pecado. Ele não encontra maneira de compensar e fazer as pazes com Deus, fazendo ou sofrendo sua vontade. (1.) Não fazendo: este caminho está fechado para todo o mundo; ninguém pode satisfazer a Deus ou se reconciliar com ele dessa maneira; porque é evidente que nossas melhores obras são pecaminosas; "Toda a nossa justiça é como trapos imundos", Isaías 64: 6. E é estranho imaginar que um pecado deva satisfazer outro. Se for dito, não o que é pecaminoso em nossos deveres, mas o que é espiritual, puro e bom, pode nos agraciar com Deus? Está à mão para responder que o que é bom em qualquer um dos nossos deveres é uma dívida que devemos a Deus, sim, devemos-lhe obediência perfeita; e não é imaginável como devemos pagar uma dívida por outra; desistindo de um antigo e contratando um novo contrato. Se fizermos algo que seja bom, seremos devedores à graça para isso, João 15: 5, 2 Coríntios 3: 5; 1 Coríntios 15:10. “Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.” (João 15.5).
19
“não que, por nós mesmos, sejamos capazes de pensar alguma coisa, como se partisse de nós; pelo contrário, a nossa suficiência vem de Deus,” (2 Coríntios 3.5). “Mas, pela graça de Deus, sou o que sou; e a sua graça, que me foi concedida, não se tornou vã; antes, trabalhei muito mais do que todos eles; todavia, não eu, mas a graça de Deus comigo.” (1 Coríntios 15.10). Em suma, aqueles que tiveram tanto a pleitear como os que agora vivem, saíram e abandonaram completamente todas as esperanças de apaziguar e satisfazer a justiça de Deus. É como se o santo Jó temesse a Deus e evitasse o mal tanto quanto qualquer um de vocês; todavia diz: Jó 9:20, 21. "Se eu me justificar, a minha própria boca me condenará; se eu disser que sou perfeito, isso também me parecerá perverso. Embora eu fosse perfeito, ainda assim não conheceria minha alma. Eu desprezaria a minha vida ". Pode ser que Davi fosse um homem segundo o coração de Deus tanto quanto você; todavia ele disse: Salmo. 143: 2. "Não entre em juízo com o teu servo; pois à tua vista ninguém será justificado." É como se Paulo tivesse vivido como uma vida santa, celestial e frutífera como o melhor de vocês e muito além de você; ainda ele diz, 1 Coríntios. 4: 4 "Porque de
20
nada me argui a consciência; contudo, nem por isso me dou por justificado, pois quem me julga é o Senhor." Sua sinceridade poderia confortá-lo, mas não podia justificá-lo. E o que eu preciso dizer mais? O Senhor calou a boca deste caminho para todo o mundo; e as Escrituras falam isso claramente: Romanos 3:20 "Portanto, pelas obras da lei, nenhuma carne será justificada diante dele." Comparar com Gálatas 3:21 e Romanos 8: 3. “É, porventura, a lei contrária às promessas de Deus? De modo nenhum! Porque, se fosse promulgada uma lei que pudesse dar vida, a justiça, na verdade, seria procedente de lei.” (Gálatas 3.21). “ Porquanto o que fora impossível à lei, no que estava enferma pela carne, isso fez Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança de carne pecaminosa e no tocante ao pecado; e, com efeito, condenou Deus, na carne, o pecado,” (Romanos 8.3). (2.) E como o homem nunca pode se reconciliar com Deus por obras, nem pelo sofrimento: isso é igualmente impossível; porque nenhum sofrimento pode satisfazer a Deus, senão aquele que é proporcional à ofensa pela qual sofremos. E se assim for, um sofrimento infinito deve ser
21
suportado: eu digo infinito, pois o pecado é um mal infinito, objetivamente considerado, pois prejudica um Deus infinito. Ora, pode-se dizer que os sofrimentos são infinitos, seja em relação à sua altura, excedendo todos os limites; o vazamento da ira de um Deus infinito: ou em relação à duração, sendo interminável e eterno. No primeiro sentido, nenhuma criatura pode suportar uma ira infinita, ela nos engoliria. No segundo, pode ser suportado como os condenados fazem. Para que nenhum homem possa ser seu próprio sacerdote, para se reconciliar com Deus pelo que ele pode fazer ou sofrer. E, portanto, aquele que é capaz, fazendo e sofrendo, de reconciliá-lo, deve realizá-lo, ou nós perecemos. Assim, você vê clara e resumidamente a natureza geral e a necessidade do sacerdócio de Cristo.
De ambos, vários corolários úteis, ou deduções práticas, se oferecem.
Corolário 1. Isto mostra, em primeiro lugar, a excelência incomparável da religião cristã reformada acima de todas as outras religiões, conhecidas ou professadas no mundo. O que outras religiões buscam, somente a religião cristã encontra, a saber, uma base sólida para a verdadeira paz e determinação da consciência.
22
Enquanto os judeus buscam em vão na lei, o maometano em suas observâncias externas e ridículas; o papista em seus próprios méritos; o crente só a encontra no sangue deste grande sacrifício; isso, e nada menos que isso, pode pacificar uma consciência angustiada, trabalhando sob o peso de sua própria culpa.
A consciência exige não menos que satisfazer, o que Deus exige para satisfazê-lo. O grande inquérito da consciência é: Deus está satisfeito? Se ele ficar satisfeito, eu estou satisfeito. Lamentável é o estado daquele homem, que sente o verme da consciência mordiscando a parte mais tenra da alma, e não tem alívio contra ela; que sente a intolerável e escaldante ira de Deus queimando por dentro, e não tem nada para resfriá-lo.
Ouça-me, você, que despreza os problemas de consciência, que os chamam de fantasias e caprichos melancólicos; se você tivesse tido apenas uma noite doente pelo pecado, se você já sentiu aquela vergonha, temor de horror e desespero, que são os efeitos sombrios de uma consciência acusadora e condenadora, você consideraria uma misericórdia indescritível ouvir falar de uma maneira para a descarga de um pobre pecador daquela culpa: você beijaria os pés daquele mensageiro que poderia trazer-
23
lhe notícias de paz; você o chamaria de abençoado, isso deveria direcioná-lo a um remédio eficaz. Agora, quem quer que você seja, que seja melhor em suas iniquidades, que se inclina dia após dia sob as feridas atuais, os presságios lúgubres de consciência, saiba que sua alma e paz nunca poderão se encontrar, até que seja persuadido a vir a esse sangue de aspersão.
O sangue deste sacrifício fala coisas melhores que o sangue de Abel. O sangue desse sacrifício é o sangue de Deus, Atos 20: 28. Sangue precioso de valor inestimável, 1 Pedro 1:18. Uma gota dele excede infinitamente o sangue de todas as criaturas, Hebreus 10: 4-6. Tal é o sangue que deve fazer bem a você. Senhor, eu devo ter tanto sangue (diz a consciência) que seja capaz de lhe dar plena satisfação, ou não pode me dar paz. O sangue de todo o gado sobre mil colinas não pode fazer isso. Qual é o sangue dos animais para Deus? O sangue de todos os homens do mundo não pode fazer nada neste caso. O que é o nosso sangue poluído? Não, não, é o sangue de Deus, que deve satisfazer você e eu.
“Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele
24
comprou com o seu próprio sangue.” (Atos 20.28).
“sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram,” (1 Pedro 1.18). “4 porque é impossível que o sangue de touros e de bodes remova pecados. 5 Por isso, ao entrar no mundo, diz: Sacrifício e oferta não quiseste; antes, um corpo me formaste; 6 não te deleitaste com holocaustos e ofertas pelo pecado.” (Hebreus 10.4-6).
Sim, o sangue de Cristo não é apenas o sangue de Deus, mas é sangue derramado em seu lugar, Gálatas 3:13 "Ele foi feito maldição por nós." E assim se torna sangue perdoador do pecado, Hebreus 9:22, Efésios 1: 7. Colossenses 1:14, Romanos 3:26. E, consequentemente, a consciência pacificadora e a alma aquietando o sangue, Colossenses 1:20, Efésios 2:13, 14, Romanos 3:26. “Com efeito, quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e, sem
25
derramamento de sangue, não há remissão.” (Hebreus 9.22).
“no qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça,” (Efésios 1.7). “ e que, havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele, reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra, quer nos céus.” (Colossenses 1.20). “13 Mas, agora, em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, fostes aproximados pelo sangue de Cristo. 14 Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um; e, tendo derribado a parede da separação que estava no meio, a inimizade,” (Efésios 2.13,14).
Ó bendiga a Deus, que sempre a notícia desse sangue chegou aos seus ouvidos. Com as mãos e os olhos erguidos para o céu, admire a graça que coloca a sua sorte em um lugar onde esse som alegre soa aos ouvidos dos pobres pecadores.
Qual teria sido o seu caso, se sua mãe o trouxesse aos desertos da Arábia ou aos desertos da América! Ou que, se você fosse cuidado por um pai papista, que poderia ter lhe
26
falado de nenhum outro remédio quando estivesse em perigo pelo pecado, senão para ir em tal peregrinação, para chicotear a si mesmo, para satisfazer um Deus irado! Certamente a pura luz do evangelho brilhando sobre esta geração, é uma misericórdia que nunca será devidamente valorizada.
Corolário 2. Daí também ser inferido da necessidade da fé, a fim de um estado e senso de paz com Deus: para que propósito é o sangue de Cristo nosso sacrifício derramado, a menos que seja real e pessoalmente aplicado, e apropriado pela fé ? Você sabe quando os sacrifícios sob a lei foram trazidos para serem mortos, aquele que o trouxe colocava a mão sobre a cabeça do sacrifício, e assim foi aceito por ele, para fazer uma expiação, Levítico 1: 4, não apenas para significar, como não era mais dele, mas de Deus, a propriedade sendo transferida por uma espécie de imposição de mão; nem ainda que ele voluntariamente deu ao Senhor como seu próprio ato livre; mas principalmente notou o adiamento de seus pecados, e a penalidade devida a ele por eles, sobre a cabeça do sacrifício: e assim implicou nele uma execração, como se ele tivesse dito, sobre sua cabeça para carregar o seu pecado. Então os instruídos observam; os antigos egípcios estavam acostumados expressamente a imprecar,
27
quando sacrificaram; se algum mal estiver vindo sobre nós ou sobre o Egito, que ele se volte e repouse sobre esta cabeça, impondo sua mão, com estas palavras, na cabeça do sacrifício. E sobre esse fundamento, diz o historiador, nenhum deles comeria da cabeça de qualquer criatura viva. Você também deve colocar a mão da fé em Cristo, seu sacrifício, não para imprecar, mas aplicar e apropriar-se dele para suas próprias almas, tendo ele sido feito uma maldição por você. A isto todo o evangelho tende, a saber, persuadir pecadores a aplicar Cristo, e seu sangue às suas próprias almas. Para isto ele nos convida como em Mateus 11.28: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei.” Para este fim nosso sacrifício foi oferecido no altar, João 3.14,15. “E do modo por que Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado, para que todo o que nele crê tenha a vida eterna.” Os efeitos da lei, não somente sobre a consciência, enchem-na de tormentos, mas sobre toda a pessoa, trazendo-lhe more nisto, e aqui foi tipificado pelas serpentes ardentes, e Cristo pela serpente de bronze que Moisés levantou para os israelitas que foram feridos,
28
para olharem para ela. E assim por olhar para isto eles eram curados, assim por crerem, ou olharem para Cristo com fé, nossas almas são curadas. Aqueles que não olhavam para a serpente de bronze, infalivelmente morria, e assim todos aqueles que não olham para Jesus, nosso sacrifício, pela fé. Isto é verdadeiro, a morte de Cristo é a causa meritória da remissão, mas a fé é a causa instrumental da sua aplicação; e o sangue de Cristo é necessário em seu lugar, assim é nossa fé neste lugar também. Porque para a real remissão do pecado, e para se ter paz na consciência, deve haver a cooperação de todas as causas de remissão e paz. Como há a graça e o amor de Deus para uma causa eficiente, e a morte de Cristo nosso sacrifício, a causa meritória; assim, necessariamente a fé é a causa instrumental. E estas causas concursivas fazem tudo se encontrar docemente em suas influências e ações, em nossa remissão, e paz de consciência; e são todos eles em seus tipos e lugares absolutamente necessários para a aplicação disto. Qual seria a necessidade do sangue de Cristo ser derramado, se eu não tivesse qualquer interesse nisto, e nem influências salvadoras provenientes disto? Oh esteja convencido, que
29
este é o fim, o negócio da vida. A fé é a graça Fênix, como Cristo é a misericórdia Fênix. Ele é o dom, João 4.10. E este é o “trabalho de Deus”, João 6.29. A morte de Cristo, nunca salvou um alma sem a aplicação da fé. Mas, temo ao ver pecadores, ainda não tocados com o senso do pecado, e assim, necessitando totalmente do Médico, ou se alguém estando ferido com culpa, quando eles buscam se curar com seus próprios deveres e reformas. Assim como os médicos dizem que as feridas devem ser limpas, e a natureza ofereça o bálsamo necessário para curá-las, se isto for aplicado a feridas espirituais, quão necessário é que Cristo tenha deixado o seio do Pai, e vindo aqui embaixo para morrer na qualidade e natureza de uma sacrifício por nós?
E eu tenho certeza de que até que Deus mostre a você a face do pecado, no espelho da lei, fazendo com que escorpiões e serpentes ardentes, que se encontram na lei, e em suas consciências, virem sobre você, e perfurando-o com seus ferrões mortais, até que você tenha alguns momentos sombrios, e dias de tristeza por causa do pecado, você nunca terá um interesse em procurar o sangue deste sacrifício de Jesus com lágrimas.
30
Mas, leitor, se esta for sempre sua condição, então você conhecerá o valor de Cristo; então você dará valor ao sangue que ele derramou. Assim, eu recordo da estória do nosso pobre Richard, quando ele estava no campo de batalha fugindo a pé de seus inimigos; ele clamou: “Oh agora um reino por um cavalo.” Assim, você clamará. Um reino por um Cristo; dez milhares de mundos agora, se eu os tivesse, pelo sangue que ele derramou na cruz.
Corolário 3. É Cristo o seu sumo sacerdote, e é seu sacerdócio, assim indispensavelmente necessário para nossa salvação? Então, livremente reconheça sua completa impotência para se reconciliar a si mesmo a Deus por alguma coisa que você possa fazer, ou sofrer; e deixe Cristo ter toda a glória de sua libertação ser atribuída a Ele.
É altamente razoável que aquele que tem pago todo o preço, deveria ter todo o louvor. Se algum homem pensa ou diz que ele poderia ter feito uma expiação por si mesmo, ele lança nenhuma leve reprovação sobre aquela profunda sabedoria que fez repousa o desígnio de nossa redenção na morte de Cristo. E portanto,
Corolário 4. Em último lugar, eu mais tentarei persuade-lo para ver sua necessidade deste
31
sacerdote, e seu mais excelente sacrifício; e convencê-lo a usá-lo.
O melhor de vocês possui uma natureza poluída e envenenada pelo pecado; esta natureza tinha necessidade deste sacrifício, ela deve ter o benefício deste sangue para o perdão e purificação, ou ser eternamente condenada.
Ouça-me, você que nunca derrama uma lágrima pelo pecado de natureza, se o sangue de Cristo não for aspergido em nossa natureza, teria sido melhor para você nunca ter sido gerado.
Seus pecados têm necessidade do sacerdote, e seu sacrifício, para obter remissão para eles. Se eles não forem remidos pelo sangue da cruz, eles nunca poderão ser apagados, e permanecerão com você no pó, eles se levantarão com você no dia do Juízo, clamando: “Nós somos suas obras, e nós o seguiremos.” Todo o seu arrependimento e lágrimas, que você pudesse chorar ainda que fossem como um oceano, não poderiam apagar o pecado. Seus deveres, mesmo o melhor deles, necessita deste sacrifício – é nesta virtude somente que podemos ser aceitos por Deus.
Onde Deus não veja o devido respeito à oferta de Cristo, ele não pode ser agradado, ou olhar você
32
ou qualquer de seus deveres e obras. Você não poderia se aproximar de Deus mais do que poderia se aproximar de um gogo devorador, ou habitar com chamas eternas.
Bem, então diga, eu necessito deste preço de todos os modos. Amo-o em todos os seus ofícios. Veja a bondade de Deus em prover tal sacrifício por você. Alimento, bebida e ar não são mais necessários para manter sua vida natural do que a morte de Cristo para dar e manter sua vida espiritual.
Oh, então deixe sua alma se elevar mais enquanto medita na utilidade e excelência de Cristo, que é assim revelado em cada parte do evangelho. E, com um profundo sendo sobre seu coração, que os seus lábios digam: “Bendito seja Deus por Jesus Cristo!”

Publicado no site: O Melhor da Web em 09/02/2019
Código do Texto: 139206

AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
Sou Fã de...
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.