Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
Silvio Dutra

Todas imagens extraídas da galeria do Google.
kuryos - Silvio Dutra
RSS - As recentes de:Silvio Dutra
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



Silvio Dutra
Aniversário: 25/11
Cadastrado desde: 29/08/2012 -

Texto mais recente: Lutando Contra o Pecado

Textos & Poesias || Evangélicas

Imprimir
A Grande Razão do Amor
14/05/2019
Autor(a): Silvio Dutra

A Grande Razão do Amor


Sermão nº 3398

Por Charles H. Spurgeon (1834-1892)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra



“Nós o amamos porque Ele nos amou primeiro.” (1 João 4:19)
Este é o ponto em que todos os cristãos genuínos se encontram. Todos eles podem dizer, sem exceção: “Nós O amamos”. Eles não concordam em doutrina - é uma pena, mas suponho que, enquanto estivermos neste corpo, nenhum de nós veremos todas as verdades. de Deus de uma só vez, e cada homem, vendo apenas uma parte da verdade, é mais provável que pense que o que ele não vê não é verdade - embora possa ser tão importante quanto aquilo que ele é capaz de perceber. Bem, bem, em meio a milhares de controvérsias entre o Calvinismo e o Arminianismo, e todas as formas que vários sistemas tomaram em relação a isto, e a isso, e o outro; ainda assim, todos os eleitos de Deus, sendo estimulados pela graça divina, unem-se nesta declaração: “Seja o que for que não acreditemos, nós O amamos”.
Há grande diversidade de experiências, assim como de doutrina. Alguns estão na penumbra e alguns parecem nunca deixar as adegas da casa do Senhor - eles têm exercícios espirituais profundos, duvidam, temem, tremem e têm medo. Outros sobem até o telhado do palácio e olham para o exterior sobre a cena bela ao redor. Seus pés estão acostumados a dançar com deleite espiritual e seus corações cantam docemente diante do Senhor. Deles é uma experiência de comunhão e não de corrupção. Eles estiveram com Jesus e seus rostos foram feitos para brilhar com Sua companhia. Talvez, se eu contasse a minha experiência, pudesse diferir do seu ponto de vista experimental - na medida em que ficássemos bem abertos enquanto os polos se separam - mas, se estamos em Cristo, podemos, cada um de nós, dizer com igual verdade e intensidade “Nós o amamos”. Ali juntamos as nossas mãos! O que quer que não tenhamos sentido, provado ou conhecido, nós o amamos! E você também notará, nesta breve expressão, que existe uma força, um poder, derivado principalmente do fato do caráter desse amor. "Nós o amamos." Você sabe, amar o invisível é um trabalho árduo. Parece contrário à natureza e a todos os instintos do amor. O amor sempre procura uma pessoa viva para compreender. Mas quando é colocado, “nós o amamos”, é tão natural que sentimos que podemos amar, através da força da natureza divina dentro de nós, com toda a vitalidade e intensidade de nossa piedade! Podemos amá-lo - aquele abençoado Filho de Deus, aquele que condescende, aquele que sacrifica, morre como Cordeiro - que ascendeu, reinando, vindo como Salvador, para quem nossos corações são atraídos. “Nós o amamos”. Dependendo disso, devemos ter mais pregação sobre a pessoa de Cristo e nossos corações devem assumir cada vez mais uma confiança e afeição por ele. Uma religião meramente doutrinal é quase certa em se degenerar em fanatismo. Uma religião experimental irá, mais cedo ou mais tarde, afundar na escuridão. Entenda o que quero dizer. Eu não estou falando contra doutrina ou experiência. Pelo contrário, eu diria que tudo o que eu pudesse a favor de ambos - e eles entram na vida de todos os homens que vivem perto de Cristo, mas ainda fazem um ou outro o grande pensamento-mestre, meditando sobre qualquer um deles, disputando por eles, vivendo para eles, joga toda sua força neles e você pode degenerar! Mas quando você vive como para Ele; quando Ele é a verdade em que você acredita; quando Ele é o caminho que você pisa; quando Ele é a vida que você experimenta, e quando a doutrina, a prática e a experiência se encontram nEle como linhas em um centro - então você não deve ser degradado, você não deve degenerar - mas você deve se levantar! Você deve ir de glória em glória, sendo mudado pela presença do Senhor. "Nós o amamos", então. Mas devo fazer uma observação antes de mergulhar no texto, a saber, que, para amar essa pessoa abençoada, sendo uma pessoa, fica claro para todos que pensam, que deve, em primeiro lugar, ter alguma familiaridade com Ele. e então alguma convicção profunda a respeito de Sua excelência. Não podemos amar quem não conhecemos ou estimamos. Se não soubermos nada sobre Cristo, não tivermos compreensão dele, não teremos qualquer grau ocupando nossas mentes com ele, e podemos falar sobre o amor a ele, mas será mera conversa.
E depois que tivermos conhecido a Cristo, pela leitura ou audição da palavra, abençoando-nos pelo Seu Espírito Santo, será necessário que sejamos levados a uma admirável confiança nEle, crendo que Ele é o totalmente amável, o chefe entre dez mil, dignos de toda nossa confiança, digno de toda nossa adoração e serviço! Então é quando o conhecimento produz fé que a fé dá nascimento ao amor! Faço esta observação porque às vezes tenho notado que ao falar com as crianças da escola dominical, não é incomum dizer-lhes que o caminho para ser salvo é amar a Jesus, o que não é verdade. O caminho para ser salvo para o homem, a mulher ou a criança é confiar em Jesus para o perdão do pecado - e então, confiando em Jesus, o amor vem como um fruto! O amor não é de forma alguma a raiz. A fé, sozinha, ocupa esse lugar. E acho que também ouvi jovens falarem sempre sobre a pergunta: "Eu amo o Senhor ou não?" - uma pergunta muito apropriada, mas não é a primeira, mas a segunda! A pergunta que deve sempre vir em primeiro lugar é: “Eu confio no Senhor ou não? Eu descanso inteiramente no que Ele fez por mim? Eu estou dependendo dEle para a vida eterna e salvação?” Se essa primeira pergunta for respondida, a segunda não será por muito tempo uma questão de dúvida! Mas se você começar com o segundo e negligenciar o primeiro, poderá envolver-se em consequências muito sérias. O grande preceito do evangelho não é “ame a Cristo”, mas “creia no Senhor Jesus Cristo e você será salvo” - não que amor seja menos que fé, mas esse amor, talvez, primeiro em excelência em alguns aspectos, vem em segundo lugar na ordem - e essa fé é a primeira a ser vista na alma e então o amor inevitavelmente e necessariamente se seguirá. Mas agora vamos ao texto: tratarei a primeira parte da sentença como a grande confissão geral de toda a Igreja - “Nós o amamos”. E a segunda parte da sentença como a mais gloriosa razão para esse amor - "Porque Ele nos amou primeiro." Não vou pregar esta noite, mas apenas despertar você sobre esses pontos.
I. A GRANDE CONFISSÃO GERAL, "NÓS O AMAMOS". Agora, se você é um filho de Deus, você dirá, ou se você não disser isto, será verdade, "nós o amamos." Tão certo como sempre você passou das trevas para a luz, seja você um episcopal, um presbiteriano ou um batista, ou seja o que for, você concordará com essa declaração da única boca da única Igreja! Todos nós, sem exceção, que cremos nele, o amamos. Mas como nós o amamos? Nós O amamos, em primeiro lugar, não como deveríamos amá-lo. Confessamos isso com vergonha - e de modo algum como desejamos amá-lo. Nossa concepção do que é devido a Cristo é, sem dúvida, muito aquém do que é devido a Ele, mas estamos aquém de nossa própria concepção! Receio que muitos de nós sejam como as crianças da escola, que têm uma cópia boa e justa, colocadas no topo da página, e a próxima linha é escrita para imitar a cópia, e a próxima imita a imitação da cópia à medida que chega ao final da página - infelizmente, escrita pobre - como é diferente da cópia perfeita no topo! Então, o que é devido a Cristo está no topo - o que eu acredito sobre Cristo nos meus melhores momentos está próximo. O que eu realmente dou a Cristo vem ao lado disso - e então, bem abaixo na página, o quanto eu escrevo e até onde eu falo com o que meu amor sabe que eu devo dar a Ele! - “Sim, eu o amo e adoro. Oh, que pela graça o ame mais!” Agora, lembre-se, nós nunca cresceremos em amar mais a Cristo nos açoitando por não amá-lo mais. Chegamos a amar aqueles que amamos melhor conhecendo-os melhor, não falando a nós mesmos sobre o dever de amá-los, pois o amor e o dever, de uma forma ou de outra, não funcionam bem juntos. Quero dizer que falar de amor sendo espremido e pressionado pelo dever não é de todo congruente. O amor é como as primeiras gotas generosas do favo de mel - o mel virgem que escorre espontaneamente porque o favo está cheio até estourar. Tal é verdade, amor genuíno. Se você quer amar mais a Cristo, pense mais nele, pense mais no que recebeu dele. Estude mais seu caráter na Palavra de Deus. Aproxime-se com mais frequência de Deus em oração. Viva mais em comunhão santa com ele. Estes são os troncos que farão esse forno resplandecer. Este é o combustível secreto que porá nossa alma em fogo com amor a Jesus! Nós não o amamos como devemos, nem como desejamos. Mas por tudo isso, no próximo lugar, nós realmente o amamos. O diabo nos diz que não, mas quando se trata de quartos próximos, podemos nos voltar para alguém que sabe melhor do que o diabo, e podemos dizer: "Senhor, você sabe todas as coisas, você sabe que eu te amo". É uma misericórdia que Jesus Cristo não acredita em nossas ações, pois muitas vezes dizem: “Jesus, não te amamos”. Mas Ele lê nossos corações e nossos corações ainda batem com isto: “Oh, meu Deus! Na minha alma, eu amo a Cristo e, se fosse possível, jamais pecaria contra ele! Oh, miserável homem que sou, que eu deveria viver tão contrariamente à minha vida verdadeira e que o que eu deveria fazer, eu não faço, e o que eu não deveria, isso eu faço, pois eu acho essa lei em meus membros, trazendo-me em cativeiro. Pois eu provei de liberdade e sou, de fato, livre, e não serei o servo de ninguém, mas serei o desposado, o desposado de Cristo Jesus, meu Senhor.”
Sim, nós realmente o amamos! E nós também, se somos santos, o amamos praticamente. Nós nos deleitamos e esse é o verdadeiro padrão e medida do homem - naquilo em que ele se deleita. Nós nos deleitamos em Seu serviço, em Sua companhia, em Seus amigos. Não há nada - tenho certeza de que alguns de nós podem dizer isso sem egoísmo - não há nada que faça a nossa alma se sentir tão cheia de felicidade como quando temos oportunidades de glorificar o nome de Jesus Cristo! E se tivéssemos a oferta de todos os reinos do mundo, e apenas um grão de glória colocado em nossas mãos para que pudéssemos dar a Cristo - preferiríamos mais do que toda a riqueza das Índias e todos os royalties de todos os impérios! Porque glorificar a Cristo é um tesouro duradouro que deve habitar conosco quando o mundo está em chamas. Ensinar a uma criancinha o nome de Jesus; trazer a lágrima aos seus olhinhos sobre o Senhor moribundo é um trabalho melhor e mais doce para nós do que a própria capacidade de governar, se ela estivesse dissociada dEle –
“Existe um cordeiro entre o Seu rebanho,
Que eu desdenharia alimentar?
Existe um inimigo diante de quem o rosto,
eu temeria Seu motivo para pleitear?”
Alguns de vocês estão muito ocupados pregando para o meu Senhor e eu sei que quando você está pregando, seu principal desejo é que Ele possa ser exaltado em seus ouvintes. Você não suspira por isso? Você não desistiria de todas as graças da oratória, e falaria no estilo mais vulgar, se necessário, se pudesse ganhar uma só alma para Ele? Eu sei que vocês iriam, meus irmãos, pois este é o desejo de todo verdadeiro ministro!
E você, também, que esteve nas ruas hoje, pregando nas esquinas, eu espero - não, eu sinto que deve ser assim com você se você é dEle - que você falou por amor a Seu querido nome e quando você preferiria ter ficado em silêncio, foi o amor que desprendeu essa sua língua! Você não gostaria de poder falar melhor? Você não gostaria de poder chamar a atenção melhor? E é tudo por Ele, por amor a Ele, para que você possa pintá-lo melhor diante dos olhos dos homens! E vocês, queridos professores nas aulas, vocês que estiveram engajados na escola dominical, se vocês estão certos, e eu confio em vocês, vocês estão ensinando porque queriam torná-lo famoso e deixá-los ver as dores de Sua alma. E você, que não pode ir à escola, mas tem orado pelos seus filhos e conversado com eles, você que tem colocado seu dinheiro na caixa e cada um tem tentado fazer sua parte de alguma coisa para o Mestre - bem, se a Sua a vida está em seus corações e Seu sangue está aspergido em você, você pode dizer que deseja fazer tudo isso como uma evidência prática de que você o ama tanto! Todas as obras que você fez hoje, feitas em Seu Espírito, têm sido uma repetição desse versículo: “Nós o amamos”. Agora, você fará o mesmo em suas vidas comuns, pois temo que às vezes falhamos? Como servo, viva como alguém que ama a Jesus! Como mestre, como operário, como comerciante, como homem de aposentadoria e propriedade, ainda permita que este seja o guia de seus passos, a ordem de sua vida, o modelo pelo qual você molda sua conduta: “Nós o amamos.” Deixe cada respiração provar isso! Que cada palpitar dos pulmões, cada movimento da língua e da mão, prove a grande e abençoada realidade do fato de que nós o amamos! Irmãos e irmãs, podemos dar um passo adiante. Eu confio que amamos a Jesus Cristo não apenas de maneira prática, mas também amamos a Ele supremamente. Esse ponto muitas vezes incomodou bons corações. Eles disseram: “Eu não posso dizer que amo a Jesus Cristo melhor do que pai, ou mãe, ou marido, ou esposa, ou filho.” Não, você não pode dizer isso, e há muitas coisas que não podemos dizer, o que seria melhor para nós não dizermos, o que seria imodesto para nós dizermos, mas elas podem ser verdade para tudo isso! Aqueles que são belos, não falam da sua beleza, e aqueles que mais amam são geralmente os mais confiantes sobre o seu amor. Agora, você não pode comparar os amores, um com o outro, pois você pode comparar cinco a oito e dizer qual pode ser o maior. Não é um problema aritmético, mas eu vou colocá-lo à prova com você desta maneira - se você tivesse que perder aquele marido querido, ou então perder Jesus Cristo, o que você faria? Por que, não leva dois minutos para considerar! Você não os colocaria juntos na balança por um único segundo! Ele fica fora de vista, acima de todos os maridos e esposas queridas! Não podemos considerá-lo em tal relação como isso. Ou, coloque-o assim - se você tivesse que desistir da sua esperança do céu e do seu interesse em Cristo nesta noite, ou perder tudo o que você tem - o que você faria? Ora, acho que você não precisaria entrar naquela pequena câmara para calcular. "Não", você diz, "tudo o que eu tenho, porque é tão pouco! É uma coisa de cuidado para mim, e se não fosse, se eu tivesse mais, como eu ficaria muito feliz em ter que desistir mais, eu colocaria tudo e diria: “Senhor, eu deixei tudo para que eu pudesse seguir você. Mas ao deixar isso, eu apenas obtive uma maior consciência do Seu amor por mim e um prazer muito maior e mais profundo desse amor.”
Às vezes, no entanto, alguns de vocês jovens têm a oportunidade de mostrar o que vocês mais amam - se você ama a Jesus melhor do que todas as outras coisas, ou não. No caso do casamento, esse teste geralmente vem. E, lamentável é o fato de que muitas irmãs jovens e muitos irmãos também irromperão através da lei de Cristo: “Não sejais desigualmente unidos com incrédulos”. Sei que este é um ponto desconcertante e solene, marquem vocês. Você, de fato, dá a Cristo quando você toma aquele homem ímpio! E você, meu jovem, quando você busca aquela mulher sem Cristo, você nega a seu Senhor e Mestre - até onde você pode fazer isso, você o nega e o deixa em prol dos prazeres terrenos! Para tal ato como esse, sua consciência pode muito bem picá-lo, e se você for, de fato, servo do Senhor, a vara vai segui-lo, e em sua casa a mão do Senhor vai sair contra você enquanto você viver. Você chegou ao teste e não aguentou! Mas espero que haja muitos, muitos aqui que poderiam dizer: “Sim, com tudo que a beleza poderia apresentar para atrair meu coração, e toda essa riqueza poderia jazer aos meus pés para conquistar meu respeito. Com toda essa honra que poderia colocar diante de mim para deslumbrar meus desejos, sinto que devo obedecer ao meu Senhor e Mestre. Eu devo ser uma virgem casta para Ele, e entregar-me a Cristo e somente a Ele”.
Amamos a Cristo, irmãos e irmãs - confio em que o façamos supremamente! “Nós o amamos” também sempre. O amor de um crente a Cristo não é uma coisa de domingos, nem de reuniões públicas e reuniões de oração. “Nós o amamos” - é a expressão do homem sentado à escrivaninha, escrevendo uma carta, ou de pé no mercado vendendo seu trigo, ou na bolsa, negociando suas ações. "Nós o amamos." Nosso amor não é um espasmo. Não é uma mera emoção, uma coisa de excitação. Não, como a salamandra, não vive no fogo, mas depois morre quando o fogo se apaga. "Nós o amamos", sobriamente, de forma constante, persistente, segundo um espírito real e sério, e de negócios. “Nós o amamos” - está entrelaçado com nossa vida diária! Faz parte do nosso ser mais íntimo! Ele flui no sangue, respira nos pulmões, está em todos os lugares ao nosso redor e poderíamos deixar de existir em vez de deixar de ser amantes de Cristo. Quero dizer, claro, se somos, de fato, os filhos salvos de Deus. Nós o amamos, então, constantemente.
E ainda outra coisa, muito amada - nós o amamos cada vez mais. Nem sempre pensamos assim, mas é verdade, se estamos bem com Deus. Nós o amamos mais do que nunca. Quando somos convertidos pela primeira vez, pensamos que amaremos Jesus Cristo muito mais do que realmente provamos, e muito desse amor, depois, parte, mas é apenas o amor superficial e meio fictício que desaparece. Veja! Maria está acendendo o fogo e como a palha ou o papel ilumina o fundo, que grande labareda há! Assim que o jogo é colocado, as chamas correm pela chaminé. Mas volte em meia hora - por que, não há metade do fogo, nem crepitação nem barulho! Mas há menos calor? Porque, vejam, as brasas pegaram e a grelha inteira se tornou uma massa brilhante de fogo! Não há metade do fogo e do crepitar, mas há mais calor real e sólido. E assim é com o amor crescente no crente! No começo, há muita excitação, muito de novidade, mas depois há o calor constante e calmo de uma alma brilhante! Eu só posso dizer irmãos e irmãs, que se nós não amamos a Cristo, crescentemente, devemos fazê-lo. Ele é aquele que cresce sobre os crentes. Quanto mais o conhecerem, mais devem amá-lo. Quanto mais longa é a experiência de Sua fidelidade, Sua plenitude, Sua liberdade, Sua bondade e grandeza, mais profundo, mais firme e mais amplo, e superior, deve ser o amor deles por Ele! E eu confio que é assim.
E outra coisa - nós O amamos e não temos vergonha de amá-lo - e não temos vergonha de confessar isso e não nos coramos para suportar a vergonha que nos vem depois da declaração. Ah, talvez eu esteja falando com alguns aqui - não sei onde estão - que amam meu Senhor, mas nunca disseram isso. Oh, vocês que estão na rocha, nos lugares secretos da escada, saiam e deixem que Ele ouça sua voz, pois aquela voz é doce para Ele, e seu rosto é gracioso em Seus olhos. Oh, não tenha vergonha de confessar que você o ama! Não há nada de que se envergonhar. Pode tornar um anjo orgulhoso poder amar a Cristo e declarar Seu amor. Vergonha de dizer que eu o amo? Não! Deixe a terra ouvir e deixe que fique com raiva! Deixe o inferno ouvi-lo e deixe-o ferver com fúria! No entanto, Ele é um tal que, ao dizer “Eu O amo”, sinto que é a maior e melhor declaração que a graça divina pode nos capacitar a fazer! Sim, nunca, em nenhuma circunstância, faça com que seja algo tímido, mas declare-o em suas ações e declare isso por sua profissão pública: “Nós o amamos!”
Irmãos e irmãs, bendizemos a Deus que o dia está chegando quando o amaremos mais que tudo. Este cortiço do nosso corpo está caindo gradativamente. Esses grilhões da carne estão enferrujando. Em breve seremos livres e quando o espírito emancipado O vir sem um véu para escondê-Lo, então nosso amor a Ele será aperfeiçoado! Ou se Ele vier antes da nossa morte chegar, nós O veremos como Ele é e seremos como Ele - e então, também, nosso amor se elevará à sua maturidade transcendente! É uma piedade que, enquanto outros amores morram como lírios, quebrados no caule, ou caiam como botões de rosa quando estouram e estão explodindo, nosso amor a Cristo continuará para sempre e sempre aumentando! E quando o céu e a terra passarem, o amor imortal, o amor eterno, ainda permanecerá! Enquanto Deus existir, o amor de Deus será derramado em nós e nossos corações o amarão continuamente em retorno.
Eu posso fazer uma pausa aqui para dizer - se é verdade que você o ama, queridos irmãos e irmãs - ame melhor o Seu povo, ame melhor o seu pobre, ame melhor a sua causa, ame melhor a sua verdade, ame mais pobres pecadores, ame mais as assembleias de Seus santos, ame mais a Sua Palavra, guarde mais Seus mandamentos, aproxime-se dEle, procure ser mais semelhante a Ele! Que essas verdades práticas, embora não ditas por mim, sejam vividas em sua conversa. Mas agora para a segunda cabeça; só podemos nos dar alguns minutos, mas é um assunto que pode muito bem ocupar a eternidade em nossa meditação.
II. A GLORIOSA RAZÃO PARA NOSSO AMOR. “Nós o amamos porque Ele nos amou primeiro”. É pessoal, mais uma vez, você vê pessoal novamente. “Nós” - “Ele” - duas pessoas - e aqui está a razão para isso - “porque Ele nos amou primeiro” - pessoas de novo! Nós não amamos a Cristo porque o ministro pregou, ou recebemos suas doutrinas, ou porque podemos entender que tais e tais coisas estão nos ensinamentos de nosso Senhor. A razão para o amor brota de Si mesmo, como segue depois de Si mesmo. É por causa de algo que Ele fez e algo que Ele disse, antes de qualquer coisa que Ele fez. “Nós O amamos porque Ele nos amou primeiro”. O amor é a causa do amor! Ele ama primeiro. Nós amamos em segundo lugar e depois dele porque Ele ama primeiro e antes de nós. Ele primeiro. Agora, isso é uma verdade experimental de Deus. Sabemos que Ele nos amou antes de amá-lo. Basta olhar para trás em sua vida antes da conversão. Ele amava você então. O que fez você amá-lo em tudo? Foi porque lhe disseram que Ele amava você e você acreditou nisso. A lei e os terrores da lei nunca fizeram você amá-lo - eles endureceram você. Foi uma sensação de perdão comprado por sangue que constrangeu você e você viu o amor de Cristo naquele perdão! E assim, você não poderia deixar de amá-lo em troca. Isso não é novidade - isso não é mera teoria - é uma grande verdade de Deus! Eu oro para que você veja que Jesus lhe amou quando você viveu descuidadamente, quando você negligenciou a Sua Palavra, quando o joelho estava inclinado em oração. Ah, ele amava alguns de vocês quando estavam no salão de dança, quando estavam no teatro - sim, mesmo quando estavam no bordel! Ele amou você quando você estava no portão do inferno e bebia danação a cada gole! Ele amou você quando não poderia estar pior ou mais longe dele do que estava! Maravilhoso, ó Cristo, é o teu estranho amor! Que amor é esse que brilhou sobre nós quando éramos servos e escravos de Satanás, os lavadores de pratos na cozinha da iniquidade? Quando nada era difícil demais para alguns de nós, se pudéssemos pecar - e mesmo assim Ele nos amou!
E havia outros de nós que eram tão ruins quanto isso - professantes orgulhosos, hipócritas e de coração podre que se vangloriavam de sua própria justiça própria, tão orgulhosos quanto Lúcifer, quando não havia nada de bom neles - e ainda assim fomos amados com Seu grande amor, com o qual Ele nos amou mesmo quando estávamos mortos em transgressões e em pecados! Bendito seja o seu nome! Agora, isso é uma questão de experiência, e é também uma questão de nossa firme convicção e jubilosa confiança de que Jesus nos amou antes disso - naquele dia tremendo, o centro das duas eternidades, o fim de uma dispensação e o começo de uma eternidade seguinte - o dia em que o sol escureceu e ainda pela primeira vez começou a brilhar, o dia em que a terra tremeu e o céu foi estabelecido - o dia em que os mortos surgiram e os pensamentos dos homens foram descobertos - naquele dia em que Ele, o substituto indicado, subiu ao Calvário com todos os pecados de todo o Seu povo sobre Ele, amontoados como um mundo tremendo - quando, como outro atlas, Ele suportou aquela carga esmagadora sobre Seus ombros e depois elevou todo o peso infinito ao esquecimento! Naquele dia Ele deu a prova suprema de Seu amor para nós. Olhe para aqueles olhos vermelhos de chorar - veja como Ele ama! Olhe para aquelas bochechas corrompidas com o cuspe imundo e machucadas pelos punhos dos escarnecedores! Veja como ele amou! Olhe para aquela cabeça ainda marcada pelas feridas pontiagudas da coroa de espinhos! Olhe para aquela boca sem igual e aquela língua tão ressecada. Olhe para todo o rosto, tão estragado a ponto de ser a morada da tristeza. Olhe para todo o corpo tão agonizante, torturado e definhando. Olhe para as delicadas mãos - aquelas fontes carmesim contam a história! Olhe para os pés - aqueles riachos escarlates declaram quão profundo é o Seu amor! Sim, olhe para o Seu lado, aberto pela lança do soldado - aquela preciosa corrente de sangue e água declara com força dupla e indiscutível que Jesus ama! E nós não nascemos então - não estávamos aqui! Ele nos amou primeiro. Mas este grandioso livro nos faz ir mais longe do que naquele dia! Ele nos amou quando, no jardim, nossos primeiros pais nos mimaram e prometeu que Ele deveria ferir a cabeça da serpente. Sim, quando aquelas montanhas eram crianças, quando o velho mundo cinza e suas ruínas que falam de eras ainda eram recém formadas, sim, e antes disso - antes que a grande chama do sol fosse iluminada pela tocha divina, antes que as estrelas começassem a se agitar nas suas revoluções quase ilimitadas - quando não havia tempo, quando não havia dia a não ser o Ancião dos Dias e Ele morava sozinho, o infinito Jeová - mesmo assim, Jesus amava o Seu povo! Seus olhos prescientes os tinham visto. Sua escolha soberana os separara. Sua graça distintiva os havia discriminado e Seu propósito eterno os havia decretado para serem Seus para todo o sempre! Ele nos amou primeiro. Bem, se esta não é uma boa razão para amá-lo, onde tal razão poderia ser encontrada? Ele nos amou primeiro. Corações frios ! Ah, lajes de mármore! Oh, blocos de granito! Oh, icebergs! Se não derretemos agora, quando vamos derreter? Ele nos amou primeiro! Esse pensamento glorioso como fogo corre através de nossa natureza mais profunda e a refina, e nos coloca em um brilho. Nós devemos amá-lo porque ele nos amou primeiro! As palavras me deixam falar sobre esse amor dele. Foi um amor tão condescendente que Ele se inclinou do céu para nos alcançar, deixou de lado as realezas da glória e tomou sobre Si as enfermidades da terra! Foi um amor tão duradouro que as eras nunca diminuíram, nem diminuíram tanto quanto um único átomo. Foi um amor tão duradouro que as dez mil provocações da nossa incredulidade e do nosso pecado nunca a apagaram! Muitas águas não poderiam apagá-lo, nem as inundações poderiam afogá-lo. Foi um amor tão generoso que Jesus nos deu tudo! Ele nos deu o Pai e o seu Deus, porque não disse: “Meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”? Ele nos deu e nos dá este dia! Ele nos dá comunhão com Ele mesmo. Ele nos dá o Seu sangue para nos lavar. Ele nos dá a Sua justiça para nos vestir. Ele nos dá a Sua vida pelo nosso exemplo, o Seu trono para o nosso descanso no final. Oh, generoso amor, nada você retém! Você não reserva nada para si mesmo! Você dá tudo ao objeto amado. Era um amor que era bastante desinteressado. Jesus não tinha nada a ganhar. O ganho foi nosso. Foi um amor muito abnegado. Seus sofrimentos, quão intensos! Suas mágoas, quão terrível! E tudo por seu doce amor por nós que éramos seus inimigos! Eu teria a língua de um serafim, mas por um momento - uma língua de fogo para falar do meu Mestre! Como não posso ter isto, devo estar contente em dizer que este oceano do amor de Cristo é um que não deve ser medido. Mergulhe nele! Peça que você possa ser engolido por ele! Ore para que possa lhe batizar, para que você possa se perder em suas inundações avassaladoras e que, a partir daí, para você viver, possa ser Cristo e morrer possa ser ganho!
Irmãos e irmãs, o amor do Senhor é sobre você, e em você, e no poder de Seu Espírito vivificante, você pode viver por mais uma semana! E quando nos unirmos novamente, que nossos corações retenham um pouco do brilho da afeição que eu acredito que sentimos queimando em nossos corações esta noite. Para o seu nome seja o louvor! Amém.


Publicado no site: O Melhor da Web em 14/05/2019
Código do Texto: 139919

AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
Sou Fã de...
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.