Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
Silvio Dutra

Todas imagens extraídas da galeria do Google.
kuryos - Silvio Dutra
RSS - As recentes de:Silvio Dutra
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



Silvio Dutra
Aniversário: 25/11
Cadastrado desde: 29/08/2012 -

Texto mais recente: Sobre a Paciência de Deus

Textos & Poesias || Evangélicas

Imprimir
A Lei de Deus
17/09/2019
Autor(a): Silvio Dutra

A Lei de Deus




Por Wilhelmus à Brakel (1635-1711)



Traduzido, adaptado e editado
por Silvio Dutra


 ( torah ), que é a palavra hebraica para lei,    é derivado de  (hora ), que significa - para ensinar, para instruir. Assim, uma lei é uma lição ou instrução da maneira que devemos seguir. Isso também é verdade para  (Mitzvah), que significa - mandamento,  (Chaq), que significa - instituição, bem como  (mishpat), que significa “julgamento” ou “julgamentos”. Para fazer uma distinção entre essas palavras, como se aquela fosse se referir à moral e outras às leis cerimoniais e civis, não há fundamento (cf. Sl 119). Em grego, temos a palavra nomos - um derivado de  (nemein) - que significa “dirigir” ou “distribuir”, pois a lei rege a vida do homem e a recompensa ou punição são distribuídos de acordo com o cumprimento dessas diretrizes.
Em latim, temos a palavra lex - um derivado de legere - que significa "ler", pois as leis são lidas para os sujeitos e são exibidas para serem lidas. Também pode ser um derivado de ligare, que significa "obrigar" - pois a lei obriga a obediência. "Direito" em nosso idioma pode ser um derivado de "saber" porque o conhecimento da lei de Deus tem impressionado com a natureza do homem, e Deus tornou mais claro à Sua igreja a fim de que eles conheçam isso.
Assim, em virtude da etimologia da palavra, podemos dizer que a lei é uma regra conhecida e obrigatória de conduta.
A palavra "lei" é usada de várias maneiras. Significa:
1) a lei da natureza (Rm 2: 14-15);
2) a corrupção da natureza do ser humano que domina nos não convertidos e frequentemente domina os convertidos (Rm 7:23);
3) a Palavra inteira de Deus (Sl 19: 7-8);
4) os livros de Moisés (Lucas 24:44);
5) o evangelho (Rm 3:27; Is 2: 3);
6) as leis civis (Jo 19: 7);
7) as leis cerimoniais (Hb 10: 1); e
8) a lei moral, compreendida nos dez mandamentos (Mat 22: 36-38). A lei nesta última conotação é o assunto de nossa discussão aqui.
A lei é a regra de vida dada ao homem por Deus, o único legislador, para governar a disposição de seu coração, pensamentos, palavras e conduta por meio disso.
Se encararmos a lei como uma condição da aliança de obras, ela acarreta a ameaça de morte aos transgressores e a promessa de vida para quem a observa perfeitamente. Se, no entanto, a vemos no contexto das circunstâncias e o objetivo com o qual foi declarada no Monte Sinai, então os verdadeiros participantes da aliança podem de fato perceber o que suas transgressões merecem e quais seriam as consequências da perfeita obediência. A punição devida a eles foi levada pelo Fiador, no entanto, e por sua comissão contínua de ofensas eles percebem prontamente que não podem cumprir perfeitamente a lei nem obter a salvação pela lei, mas apenas através do Fiador, Jesus Cristo. Eles também entendem que por suas transgressões Deus os castiga como Pai e que Ele graciosamente recompensa seus sinceros esforços.
O Doador da Lei
O Legislador é Deus, que é o Criador e Preservador de todas as coisas e o Senhor de Sua igreja - Sua propriedade.
O ato de legislar consiste em vários aspectos. Deve haver:
1) alguém que é superior a outro em majestade e
excelência;
2) subordinação adequada do destinatário da lei ao legislador;
3) a obrigação do sujeito ao superior para obedecer às leis que foram emitidas; e
4) leis em si relacionadas à conduta.
Somente Deus, em virtude de Sua natureza, é o majestoso e exaltado. Ele dá vida ao homem e por Sua influência preserva seu ser. O próprio Senhor é digno de ser obedecido. Ele tem autoridade para emitir comandos, mesmo que não houvesse criatura. A existência da criatura pressupõe sua origem nEle, e, portanto, a criatura é sujeita a Ele em sua existência e funcionamento. Além disso, a criatura é obrigada a prestar toda a obediência ao seu Criador. Mesmo se a criatura inteligente não tivesse um mandamento expresso, no entanto, desde o primeiro momento de sua existência, é obrigado a obedecer a Deus como o único legislador em tudo o que Ele imprimiu sobre sua natureza e tudo o que Ele ordenaria ou proibiria em relação a uma variedade de assuntos. Essa obrigação é até impressa na consciência do homem para que ele se familiarize e aprove tanto sua obrigação quanto à vontade deste legislador e obrigar-se a obedecê-lo.
Essa disposição torna homem apto a conhecer a Deus, o Legislador, por Suas obras e a perceber e experimentar esse relacionamento vinculativo de uma maneira mais animada.
O homem, no estado de perfeição, tinha tudo isso perfeitamente impresso com sua natureza, e após a queda esta impressão permaneceu em todos os homens, embora imperfeitamente. Isso geralmente é chamado de Lei da Natureza.
(Nota do    Tradutor: Deus imprimiu leis em todos os seres que criou, e tudo no universo segue a lei natural impressa por Deus para o seu funcionamento segundo a Sua vontade, e o único ser que veio a transgredir esta lei natural foi o ser humano, em razão de ter sido criado como um agente moral, com livre arbítrio, pelo qual faz escolhas que podem ser diferentes daquelas que Deus imprimiu em suas consciências. Uma agravante nesta desobediência humana reside no fato de ter sido o homem criado à imagem e semelhança de Deus, isto é, um ser espiritual assim com o próprio Deus. E o grande alvo de Deus na criação do homem não era o de que ele fosse um mero ser natural, mas sobretudo espiritual, porque este é o destino eterno reservado para a forma de existência do ser humano, inclusive com um corpo espiritual no lugar do seu atual corpo natural.
Quando o homem pecou, ele ficou destituído desta vida espiritual que o mantinha em comunhão com Deus, porque desde que o pecado entrou no mundo toda a humanidade encontra-se em estado de morte espiritual, incapaz de responder à vida tal como ela se encontra na divindade.
Então, não é possível haver verdadeira obediência a Deus caso o homem não nasça de novo do Espírito, porque a carne, o homem natural não está sujeito à lei de Deus e nem mesmo pode estar.
Como a Lei de Deus, tal como Ele é santa e espiritual, como poderia o homem carnal obedecê-la do modo pelo qual convém ser obedecida?
Foi por este motivo que houve a destruição pelo dilúvio nos dias de Noé, quando o próprio Deus declarou o seguinte: “Então, disse o SENHOR: O meu Espírito não agirá para sempre no homem, pois este é carnal; e os seus dias serão cento e vinte anos.” (Gênesis 6.3). Com exceção de Noé, toda aquela geração não respondia ao propósito de Deus na criação do homem, pois apenas este era espiritual, no meio de toda uma geração carnal que não respondia ao trabalho do Espírito Santo neles buscando convencê-los do pecado, da justiça e do juízo.
Depois de Noé, Deus encontrou um homem de fé na pessoa de Abraão, a quem chamou de seu amigo, porque fez toda a Sua vontade, seguindo a instrução e direção do Espírito Santo, para instruir a todos os da Sua casa a caminharem com Deus em espírito, cumprindo os mandamentos que Ele lhe havia dado para serem guardados por seus descendentes em todas as gerações, especialmente dor aqueles que seriam chamados através do filho da promessa, Isaque. Deste, Deus escolheu Jacó para ser o portador da promessa de ser o ancestral da Semente bendita em que seriam abençoadas todas as nações da Terra, a saber, o Senhor Jesus Cristo. Os descendentes de Jacó, cujo nome Deus mudou para Israel, se multiplicaram no Egito, e permaneceram na terra de Gósen, ao leste do Egito, por cerca de 400 anos, quando de lá saíram em direção à terra prometida, sob a liderança de Moisés.)
Como o Messias deveria vir ao mundo como sendo descendente de Abraão segundo a carne, Deus confinou Seu povo à semente de Abraão, e os separou de outras nações, Ele então pronunciou a lei com uma voz audível do Monte Sinai e a inscreveu em duas tábuas de pedra. Isso geralmente é referido como A Lei dos Dez Mandamentos . Tanto da lei da natureza como da lei das Escrituras, Deus é o autor e doador (Rm 2: 14-15).
Quando Deus pronunciou a lei do Sinai, começou com: "Eu sou o Senhor, teu Deus". (Êx 20: 2); “Existe um legislador capaz de salvar e destruir” (Tiago 4:12). O Filho de Deus ficou em um relacionamento com a igreja como seu mediador e rei desde o início da aliança da graça. A doação da lei é atribuída a Ele em razão desse relacionamento.
Ele é chamado de "Anjo", isto é, o mensageiro, porque foi designado pelo Pai como mediador e também porque o Pai executa tudo o que pertence à igreja por Ele. “Eis que eu envio o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim; de repente, virá ao seu templo o Senhor, a quem vós buscais, o Anjo da Aliança, a quem vós desejais; eis que ele vem, diz o SENHOR dos Exércitos.” (Mal 3: 1). Ele é o anjo que tem o nome Jeová em Seu seio (Êx 23: 20-21); este foi o anjo Jeová que apareceu a Abraão (Gn 18: 1); este foi o anjo que apareceu a Moisés na sarça ardente (Êx 3: 2, 4, 6); e esse mesmo anjo, em sua função de rei, deu a lei. Isso é evidente na seguinte passagem: “E quando quarenta anos terminaram, apareceu-lhe no deserto do monte Sinai, um anjo do Senhor em uma chama de fogo em um arbusto. Este Moisés ... Deus enviou para ser um governante e um libertador pela mão do anjo que lhe apareceu na sarça. Este é ele (Moisés), que estava na igreja no deserto com o anjo que lhe falou no monte Sinai e com nossos pais” (Atos 7:30, 35, 38).
Ao dar a lei, o Senhor usou os anjos e Moisés como Seus servos. Isso deve ser observado nas seguintes passagens: "Quem recebeu a lei pela disposição dos anjos" (Atos 7:53); “... e (a lei) foi ordenada por anjos nas mãos de um mediador” (Gl 3:19). Ao dar a lei, os anjos acompanharam o
Filho de Deus, a Cabeça deles, como Seus servos e cercaram a montanha (Dt 33: 2). Após a lei ter sido inscrita nas tábuas de pedra, os anjos entregaram essas pedras a Moisés (Gl 3:19). Moisés, tendo recebido as tábuas dos anjos as trouxe ao povo e as deitou na arca (Êx 34:29; Dt 10: 5); da mesma forma, ele recebeu as leis cerimoniais de Deus sobre a montanha e as tornou conhecidas ao povo. À luz disso, diz-se: “a
Moisés foi dada a lei”(João 1:17).
A maneira pela qual a lei foi dada
A maneira de agir é dupla:
1) por pronunciamento verbal e
2) por inscrição em duas tábuas de pedra.
Foi antes de tudo pronunciado, e isso foi precedido por muita preparação.
Antes disso, a aliança foi realizada diante do povo, na qual o povo entrou solenemente.
Posteriormente, as pessoas tiveram que santificar-se por dois dias e lavar as roupas, a fim de estarem interna e externamente limpas ao terceiro dia (Êx 19:18). A montanha estava totalmente cercada de cercas para que ninguém pudesse tocar no monte, sendo anunciado que quem quisesse atravessar e tocar a montanha seria morto. Todo o Monte Sinai fumegava, queimava e tremia quando o Senhor desceu com uma extraordinária manifestação de Sua presença - sem qualquer forma ou aparência, mas em grandes trevas (cf. Êx 19:18; 20:21). Tudo isso foi acompanhado com terríveis trovões, raios e o som de trombetas (Êx 19:16, 18-19). Isso ocorreu para despertar grande respeito e reverência nas pessoas, convencendo-as de que não poderiam ser justificadas pelas obras da    lei. Além disso, foi projetado para despertá-los ao temor de Deus, a fim de que se guardassem contra a transgressão da lei.
Em segundo lugar, a lei foi dada por inscrição em duas tábuas de pedra. Primeiro, o próprio Senhor fez duas tábuas de pedra, gravou a lei sobre elas e as deu a Moisés. E as tábuas eram obra de Deus, e os escritos eram a escrita de Deus, gravada sobre as tábuas (Êx 32:19). Quando Moisés desceu da montanha, no entanto, e tomou consciência da criação e do culto ao bezerro de ouro e da violação da lei (que havia sido declarada para eles muito recentemente), ele quebrou essas duas tábuas de pedra em santo zelo (Êx 32:19). Posteriormente, o Senhor ordenou a Moisés que fizesse duas outras tábuas de pedra e as trouxesse a Ele. Isso ocorreu, e o Senhor por renovação escreveu a lei nas tábuas feitas por Moisés, dando-as a Moisés que as carregou ao povo e colocou em uma arca preparada para elas (Dt 10: 1, 4-5).
Não se pode resolver satisfatoriamente por que a lei não foi escrita em papel ou pergaminho, nem em prata ou ouro.
Podemos, no entanto, recorrer a isso ao coração humano, que é tão duro quanto uma pedra, para que ninguém, a não ser o próprio Deus, possa inscrever Suas leis lá (Ezequiel 36: 26-27). Podemos, portanto, refletir também sobre a duração eterna da lei, que não é abolida no Antigo ou Novo Testamento. Tampouco pode ser resolvido satisfatoriamente por que a lei não foi escrita com letras colocadas sobre a pedra e não por letras gravadas. Pode-se, no entanto, conjeturar que não é suficiente para observar e cumprir a lei externamente, mas antes deve ser gravada no coração (Jr 31:33).
Além disso, se alguém perguntar por que a lei não foi escrita em uma, mas em duas tábuas, nós
respondemos que a lei se refere a dois objetos: Deus e o próximo, como o Senhor Jesus mostra em Mateus 22:37, 39.
As circunstâncias a serem observadas quando as leis são dadas são hora e local. O tempo era de cinquenta dias após o êxodo do Egito. Eles foram então libertados da mão de seus inimigos e foram totalmente separados de todas as nações; eles haviam feito um pacto com Deus e prometeram que o Senhor seria o Deus deles e que eles andariam nos Seus caminhos. Para esse fim, eles precisavam de uma regra de conduta que o Senhor também lhes deu. A localização era uma montanha. O coração do homem deve ser desviado das coisas humildes desta terra e deve ser voltado para Deus e as coisas celestiais. "Eu levanto os meus olhos para os montes, de onde vem a minha ajuda" (Sl 121: 1); “A Ti levanto os meus olhos, ó Tu que habitas nos céus” (Sl 123: 1).
Era uma montanha na Arábia desolada - um local árido onde não havia nada para comer ou beber e onde nada atraente ou agradável era para ser encontrado. Eles tiveram que buscar e se deleitar somente em Deus e tiveram que viver somente da mão que os mantinha. Eles, portanto, tiveram que se esforçar diligentemente para manter a presença do Senhor, obedecendo e sendo dependentes dele.

A lei de Deus e sua relação com a aliança da graça
Muitas coisas devem ser consideradas com relação a esta lei e, ao fazê-lo, a natureza e o objetivo da lei serão mais evidentes. A título de prefácio, deve-se notar:
Primeiro, que um pacto foi feito entre Deus e Israel, a igreja em Horebe, antes da concessão da lei . Este está registrado em Êxodo 19.
(1) O requisito de Deus é afirmado no versículo 5: “Agora, pois, se quiserdes obedecer à minha voz e guardar a minha lei.”
2) A promessa é: “Sereis para mim um tesouro peculiar ... e sereis para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa” (Êx 19: 5-6). A nação concorda no versículo 8: “E todo o povo respondeu juntos, e disse: Tudo o que o Senhor falou, faremos.”
Em segundo lugar, que esse pacto feito no Horebe (ou renovado solenemente, como já havia sido anteriormente) é a aliança de graça. Isso é evidente, pois,
(1) a aliança feita com Israel em Horebe é a mesma aliança que Deus havia estabelecido com Abraão, Isaque, e Jacó - que sem contradição era a aliança da graça. “Será, pois, que, se, ouvindo estes juízos, os guardares e cumprires, o SENHOR, teu Deus, te guardará a aliança e a misericórdia prometida sob juramento a teus pais;” (Dt 7:12); “Guardai, pois, as palavras desta aliança e cumpri-as, para que prospereis em tudo quanto fizerdes. Vós estais, hoje, todos perante o SENHOR, vosso Deus: os cabeças de vossas tribos, vossos anciãos e os vossos oficiais, todos os homens de Israel, os vossos meninos, as vossas mulheres e o estrangeiro que está no meio do vosso arraial, desde o vosso rachador de lenha até ao vosso tirador de água, para que entres na aliança do SENHOR, teu Deus, e no juramento que, hoje, o SENHOR, teu Deus, faz contigo; para que, hoje, te estabeleça por seu povo, e ele te seja por Deus, como te tem prometido, como jurou a teus pais, Abraão, Isaque e Jacó.” (Dt 29: 9-13).
(2) A aliança em Horebe contém todas as promessas da aliança da graça:
1) Serei um Deus para você e ...vós sereis para mim um tesouro peculiar acima de todos os povos” (Êx 19: 6); "Eu sou o Senhor teu Deus" (Êx 20: 2); “Hoje, fizeste o SENHOR declarar que te será por Deus, e que andarás nos seus caminhos, e guardarás os seus estatutos, e os seus mandamentos, e os seus juízos, e darás ouvidos à sua voz. E o SENHOR, hoje, te fez dizer que lhe serás por povo seu próprio, como te disse, e que guardarás todos os seus mandamentos.” (Dt 26: 17-18). É óbvio que esta é uma promessa da aliança da graça (cf. Gen 17: 8; Jer 31:33; 2 Cor 6:16).
2) A eles é prometido que serão um reino sacerdotal. ―E sereis para mim um reino de sacerdotes” (Êx 19: 6). Que esta é uma promessa da aliança da graça é evidente nas seguintes passagens:
"Vocês também ... são edificados ... um santo sacerdócio ... mas vós sois ... um sacerdócio real" (1 Pedro 2: 9); “E nos fez reis e sacerdotes para Deus” (Ap 1: 6). Esses dois incluem todas as outras promessas.
(3) Eles tinham os mesmos sacramentos: circuncisão e sacrifícios.
Terceiro, que toda a nação de Israel entrou no pacto da graça ao mesmo tempo (Êx 19: 8). No entanto, a maioria o fez apenas externamente e não na verdade; isto é, não com conhecimento, fé e amor. Assim, em razão dessa entrada externa, havia também um relacionamento externo entre Deus e o povo, e ao viver uma vida ímpia dizem que eles são infiéis a essa aliança (Sl 78:37). “Mas com muitos deles Deus não ficou muito satisfeito” (1 Coríntios 10: 5).
Quarto, que nenhuma pessoa não convertida está na aliança da graça, mesmo que tenha entrado externamente. Em vez disso, eles estão verdadeira e factualmente na aliança de obras como todos os pagãos.
Embora a aliança feita em Adão foi quebrada pela transgressão e a lei foi enfraquecida pela carne para justificar o homem e conceder vida, os homens permanecem sob a mesma obrigação e, sempre que pecam, quebram a aliança. Isto é como uma mulher que, tendo cometido adultério, não está, portanto, livre da lei do marido, mas uma e outra vez comete adultério. Esse também é o caso aqui. Quando uma pessoa não convertida peca, ele quebra repetidamente a aliança de obras em que ele está. Tendo entrado na aliança da graça em um sentido externo e ainda não andando na fé, ele assim despreza a Cristo e rejeita a aliança de graça oferecida.
(Nota do tradutor: para o teólogo instruído pode parecer estar havendo até aqui uma contradição de termos, ou paradoxo na citação da aliança da graça como sendo a aliança feita no Horebe que é tradicionalmente conhecida como sendo a aliança da Lei, uma vez que foi com a concessão da Lei através de Moisés que ela foi estabelecida.
Mas, a isto devemos explicar melhor dizendo que de fato não houve uma repetição da aliança de obras que havia sido feita por Deus com Adão e que atingiria todos os seus descendentes em todas as épocas, pois aquela aliança foi feita diretamente com o homem, e quando este se encontrava em estado de inocência, sem pecado, de modo que os termos da aliança consistiam na obediência perfeita do homem aos comandos de Deus. Uma vez que aquela aliança foi quebrada por Adão, e continua sendo quebrada por todos aqueles que se encontram debaixo da sua cabeça, como representante federal da raça humana, e não sob Cristo, estes permanecem debaixo da maldição e da condenação estabelecidas por Deus para os transgressores desta aliança de obras.
Mas, o que foi prometido ao próprio Adão, depois da sua queda, foi uma nova aliança, através de um descendente que seria o Fiador desta nova aliança de graça, pois o Senhor se mostraria misericordioso para com os transgressores que se arrependessem e se convertessem a Ele por meio da fé no Fiador.
Evidentemente, esta verdade encontrava-se em sombras no período do Velho Testamento, até que o Fiador se manifestasse, para que juntamente com Ele, pela Sua revelação, houvesse maior glória a Deus pela realização plena do seu plano de redenção.
Assim, o que foi prometido a Abraão, foi de fato a participação do benefício da aliança da graça feita entre o Pai e o Filho antes da criação do mundo, porque o próprio Abraão foi justificado pela graça, pela fé que teve na promessa de Deus, de que um seu descendente traria a bênção de Deus a todas as nações da Terra.
“6 É o caso de Abraão, que creu em Deus, e isso lhe foi imputado para justiça.
7 Sabei, pois, que os da fé é que são filhos de Abraão.
8 Ora, tendo a Escritura previsto que Deus justificaria pela fé os gentios, preanunciou o evangelho a Abraão: Em ti, serão abençoados todos os povos.
9 De modo que os da fé são abençoados com o crente Abraão.
10 Todos quantos, pois, são das obras da lei estão debaixo de maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas escritas no Livro da lei, para praticá-las.
11 E é evidente que, pela lei, ninguém é justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé.
12 Ora, a lei não procede de fé, mas: Aquele que observar os seus preceitos por eles viverá.
13 Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar (porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro),
14 para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios, em Jesus Cristo, a fim de que recebêssemos, pela fé, o Espírito prometido.
15 Irmãos, falo como homem. Ainda que uma aliança seja meramente humana, uma vez ratificada, ninguém a revoga ou lhe acrescenta alguma coisa.
16 Ora, as promessas foram feitas a Abraão e ao seu descendente. Não diz: E aos descendentes, como se falando de muitos, porém como de um só: E ao teu descendente, que é Cristo.
17 E digo isto: uma aliança já anteriormente confirmada por Deus, a lei, que veio quatrocentos e trinta anos depois, não a pode ab-rogar, de forma que venha a desfazer a promessa.
18 Porque, se a herança provém de lei, já não decorre de promessa; mas foi pela promessa que Deus a concedeu gratuitamente a Abraão.
19 Qual, pois, a razão de ser da lei? Foi adicionada por causa das transgressões, até que viesse o descendente a quem se fez a promessa, e foi promulgada por meio de anjos, pela mão de um mediador.
20 Ora, o mediador não é de um, mas Deus é um.
21 É, porventura, a lei contrária às promessas de Deus? De modo nenhum! Porque, se fosse promulgada uma lei que pudesse dar vida, a justiça, na verdade, seria procedente de lei.
22 Mas a Escritura encerrou tudo sob o pecado, para que, mediante a fé em Jesus Cristo, fosse a promessa concedida aos que creem.” (Gálatas 3.6-22).
A plenitude do cumprimento da Aliança da Graça, com o derramamento do Espírito Santo em todas as nações da Terra, o que era o teor central da bênção prometida a Abraão, só poderia ocorrer depois que Jesus se manifestasse no mundo e realizasse a obra da nossa expiação com a Sua morte e ressurreição.
Mas, não padece dúvida que os benefícios da Aliança da Graça, estiveram presentes para todos os crentes do período do Antigo Testamento, pois é dito pelo autor de Hebreus que aqueles que em Israel não entraram no descanso de Deus, isto foi em razão de não terem misturado a fé com as promessas do evangelho que foi também anunciado a eles, pois bem sabiam que Abraão havia sido justificado pela fé, e que homens como Moisés e Josué eram abençoados porque tinham o Espírito, por meio do qual manifestavam um verdadeiro amor espiritual a Deus e à Sua Lei.
“7 Assim, pois, como diz o Espírito Santo: Hoje, se ouvirdes a sua voz,
8 não endureçais o vosso coração como foi na provocação, no dia da tentação no deserto,
9 onde os vossos pais me tentaram, pondo-me à prova, e viram as minhas obras por quarenta anos.
10 Por isso, me indignei contra essa geração e disse: Estes sempre erram no coração; eles também não conheceram os meus caminhos.
11 Assim, jurei na minha ira: Não entrarão no meu descanso.
12 Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo;
13 pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado.
14 Porque nos temos tornado participantes de Cristo, se, de fato, guardarmos firme, até ao fim, a confiança que, desde o princípio, tivemos.
15 Enquanto se diz: Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais o vosso coração, como foi na provocação.
16 Ora, quais os que, tendo ouvido, se rebelaram? Não foram, de fato, todos os que saíram do Egito por intermédio de Moisés?
17 E contra quem se indignou por quarenta anos? Não foi contra os que pecaram, cujos cadáveres caíram no deserto?
18 E contra quem jurou que não entrariam no seu descanso, senão contra os que foram desobedientes?
19 Vemos, pois, que não puderam entrar por causa da incredulidade.” (Hebreus 3.7-19).
“1 Temamos, portanto, que, sendo-nos deixada a promessa de entrar no descanso de Deus, suceda parecer que algum de vós tenha falhado.
2 Porque também a nós foram anunciadas as boas-novas, como se deu com eles; mas a palavra que ouviram não lhes aproveitou, visto não ter sido acompanhada pela fé naqueles que a ouviram.
3 Nós, porém, que cremos, entramos no descanso, conforme Deus tem dito: Assim, jurei na minha ira: Não entrarão no meu descanso. Embora, certamente, as obras estivessem concluídas desde a fundação do mundo.
4 Porque, em certo lugar, assim disse, no tocante ao sétimo dia: E descansou Deus, no sétimo dia, de todas as obras que fizera.
5 E novamente, no mesmo lugar: Não entrarão no meu descanso.
6 Visto, portanto, que resta entrarem alguns nele e que, por causa da desobediência, não entraram aqueles aos quais anteriormente foram anunciadas as boas-novas,
7 de novo, determina certo dia, Hoje, falando por Davi, muito tempo depois, segundo antes fora declarado: Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais o vosso coração.” (Hebreus 4.1-7).
Já Moisés havia advertido o povo para a necessidade de não apenas circuncidarem o prepúcio para poderem agradar a Deus. Eles deveriam também circuncidar o coração, ou seja purificarem os seus corações por um trabalho espiritual realizado pelo poder de Deus neles, para que pudessem assim amá-lo, servi-lo, e serem de fato salvos.
“12 Agora, pois, ó Israel, que é que o SENHOR requer de ti? Não é que temas o SENHOR, teu Deus, e andes em todos os seus caminhos, e o ames, e sirvas ao SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração e de toda a tua alma,
13 para guardares os mandamentos do SENHOR e os seus estatutos que hoje te ordeno, para o teu bem?
14 Eis que os céus e os céus dos céus são do SENHOR, teu Deus, a terra e tudo o que nela há.
15 Tão-somente o SENHOR se afeiçoou a teus pais para os amar; a vós outros, descendentes deles, escolheu de todos os povos, como hoje se vê.
16 Circuncidai, pois, o vosso coração e não mais endureçais a vossa cerviz.” (Deuteronômio 10.12-16).
Em quinto lugar, é preciso realmente fazer uma distinção entre a aliança feita em Horebe antes da entrega da lei (Êx 19), e a lei que foi declarada posteriormente a ela (Êx 20). A lei dos dez mandamentos não foi a aliança, pois a aliança havia sido feita antes disso. A lei é, por assim dizer, um apêndice ao pacto já feito, sendo uma regra para os participantes da aliança.
(Nota do tradutor:    Se considerarmos que a aliança que foi feita com Israel através da mediação de Moisés foi uma aliança de lei e de obras e não uma aliança de graça, então não haveria como qualquer um naquela aliança fosse salvo por Deus, uma vez que uma aliança de lei ou de obras exige um perfeito cumprimento de todos os mandamentos para que o homem possa ser justificado. Sabemos, pelo testemunho de todas as Escrituras que isto não é possível, pois não há quem não peque, e não seria de se admitir que Deus propusesse uma aliança para o fim de destruir a todos aqueles que entrassem em aliança com Ele, pois não está de acordo com a natureza e muito menos com o caráter santo, justo e amoroso de Deus, que sempre visa ao bem daqueles que chama a se aproximarem dEle.
Aos israelitas que no Velho Testamento se encontravam debaixo de uma aliança de graça, tanto quanto a nós no Novo Testamento que nos achamos debaixo da mesma aliança de graça, tanto quanto eles, era e ainda é hoje para nós, exigido o cumprimento dos mandamentos de Deus para que sejamos aceitos na comunhão com Ele, pois o pecado sempre interrompe tal comunhão. Mas, deles era exigido também o cumprimento de diversos mandamentos cerimoniais e civis nas condições estabelecidas para aquele período, até que Cristo viesse e cumprisse tudo aquilo que lhes havia sido ordenado em forma de tipo e figura.
Estas ordenanças cerimoniais e civis eram tantas e complexas que os apóstolos Pedro e Paulo as chamaram de “jugo insuportável”, que nem os judeus antigos e nem eles próprios, como os que viviam nos dias de Jesus, conseguiram dar conta de tais ordenanças do modo pelo qual era requerido pela Lei.
Tudo isto apontava para a necessidade de um Libertador, na pessoa de Jesus, que nos livrasse inclusive deste jugo pesado da Lei.
Somente Jesus cumpriu perfeitamente todas estas exigências da Lei, nunca falhando em quaisquer uma delas, de modo que pudesse nos justificar por Sua obediência como se vê em Romanos 5.)
Em sexto lugar, é preciso fazer uma distinção entre o conteúdo ou a substância da lei e a finalidade para a qual ela foi dada.
O conteúdo ou substância é idêntico às exigências da aliança de obras estabelecida com Adão, porque:
(1) Existe apenas uma santidade e, portanto, também pode haver apenas uma regra de santidade. A exigência realizada antes a Adão era perfeição, e este é igualmente o requisito da lei dos dez mandamentos.
(2) O requisito da aliança de obras está impresso na natureza do homem (Rm 2: 14-15). No entanto, a lei que é impressa na natureza do homem, é idêntica aos dez mandamentos, mesmo que eles não sejam iguais em clareza. Assim, os requisitos da aliança de obras e os dez mandamentos são idênticos.
(Nota do Tradutor: Deus jamais relaxará a perfeição da Sua justiça e santidade para que o homem que é fraco possa se ajustar a Ele. Por isso Jesus nos foi dado, para que possamos ser perfeitos assim como o nosso Pai é perfeito, e misericordiosos assim como Ele é misericordioso. Deus não pode inocentar o culpado, mas pode perdoá-lo para que prossiga na busca da perfeição espiritual. Na verdade, em relação ao homem, não poderia ser de outro modo, porque o propósito da sua criação é que ele seja à imagem e semelhança de Deus, sobretudo quanto ao Seu caráter e santidade.)
(3) A vida eterna foi prometida a Adão mediante perfeita obediência, o que também seria o resultado para a perfeita observância dos dez mandamentos. Porque Moisés descreve a justiça que é da lei, que o homem que faz essas coisas viverá por elas” (Rm 10: 5). O objetivo para dar a lei dos dez mandamentos é, no entanto, inteiramente diferente do propósito para o qual Deus deu a lei a Adão. A lei foi dada a Adão para assim obter vida, mas a lei dos dez mandamentos não foi dada para esse fim, pois ninguém é capaz de cumpri-la.
Foi dado para:
(1) Convencer o não convertido do pecado, pela contínua quebra da aliança de obras e a maldição e dignidade da condenação devido à transgressão.
(2) Fazer com que os não convertidos, que foram familiarizados com a aliança da graça, desviem o olhar do pacto de obras como não sendo capaz de dar vida, e exortá-los a realmente entrar no pacto da graça e receber Cristo pela verdadeira fé para a justificação. Esse é o objetivo das múltiplas repetições das demandas do pacto de obras e as terríveis circunstâncias que acompanham o cumprimento da lei. A este respeito, a lei é um professor, guia, e diretor usado por Cristo (Gl 3:24).
(3) Com o objetivo de ser uma regra de vida firme para os participantes da aliança da graça, mostrar-lhes o caminho em toda a sua pureza, e incitá-los a entrar e perseverar dessa maneira, e guiá-los dessa maneira.
“De que maneira poderá o jovem guardar puro o seu caminho? Observando-o segundo a tua palavra.” (Sl 119: 9). Na referência a isso a lei é chamada: o caminho do Senhor (Sl 119).
Em sétimo lugar, é preciso fazer uma distinção entre o fim e o objetivo da concessão da lei e a opinião dos não convertidos a respeito.
Os israelitas não convertidos consideravam os dez mandamentos um requisito do pacto das obras, em cuja observância eles precisavam buscar a vida. Eles também viram as leis cerimoniais como tal e a misturaram com a lei moral. E assim, pela observância externa dessas leis - a cerimonial bem como as leis morais - eles procuravam ser justificados (cf. Rm 9: 31-32; 10: 3; Gl 5: 3-4).
Em oitavo lugar, é preciso também fazer uma distinção entre o mandamento e os incentivos dados para a sua observância.
Os incentivos à observância são expressos com o segundo, terceiro, quarto e quinto mandamentos, estabelecendo adiante, o que é prejudicial aos transgressores, bem como o que é rentável para aqueles que observam a lei.
Os mandamentos permanecem inalterados, mas os incentivos são apresentados sob vários aspectos. Tendo dito isso por meio de introdução, responderemos agora a várias perguntas.
A Lei dos Dez Mandamentos: Não é uma Aliança de Obras
Pergunta: A lei dos dez mandamentos é uma aliança de obras?
Resposta: Não; demonstraremos isso pelos seguintes motivos:
Primeiro, a justiça de Deus não pode permitir que um pecador entre em um pacto de amizade sem um Fiador em razão do castigo da aliança quebrada em favor do pecador. No entanto, os israelitas eram pecadores, e a aliança de obras é sem garantia. Assim, a lei não pode ser uma aliança de obras.
Em segundo lugar, a pessoa com quem Deus estabeleceria um pacto de obras deveria ser capaz de satisfazer as exigências da aliança de obras e obter vida em consequência dela, pela santidade e justiça de Deus a verdade não permitirá o estabelecimento de uma verdadeira aliança com base em uma promessa desonesta do homem. Estes atributos também não permitirão, como condição para a salvação, que o homem seja obrigado a realizar aquilo que ele não pode executar. Esses atributos não permitirão que a perfeição seja novamente posta diante do pecador impotente como condição para salvação e, assim, estabelecer uma segunda aliança de obras, mesmo que Deus, em virtude da condição original do homem quando ele foi incluído na aliança de obras, pode exigir retamente obediência perfeita do homem que voluntariamente privou-se de seu próprio poder.
Após a queda, o homem não é capaz de satisfazer perfeitamente as exigências de uma aliança de obras e, portanto, um novo pacto de obras não pode ser estabelecido com o homem, e a lei, consequentemente, não pode ser um pacto de obras.
Terceiro, se a lei era uma aliança de obras, Israel e todos os crentes do Novo Testamento (pois todos eles estão sob obrigação legal) estariam simultaneamente em dois pactos opostos. Eles estavam sob o pacto de graça, ou então ninguém poderia ter sido salvo. Portanto, pelas obras da lei, nenhuma carne será justificada em seus atos. (Rm 3:20). E se a lei fosse uma aliança de obras, eles estariam simultaneamente sob a aliança da graça e da aliança das obras. Isso é impossível, no entanto, pois um anula o outro. Se eles tivessem sido forçados a buscar a salvação pelas obras, não haveria espaço para o pacto da graça; e se eles tivessem sido obrigados a buscar a salvação pela aliança da graça, não haveria espaço para a aliança de obras, como o apóstolo demonstra claramente em Rm 11: 6. Além disso, se a lei fosse uma aliança de obras, destruiria as promessas. A lei, no entanto, não anulou as promessas (Gl 3: 17-18). A lei não é portanto, um pacto de obras.
Quarto, se a lei fosse uma aliança de obras, o homem teria que buscar a salvação pelas obras, pois é assim declarado: “Porque Moisés descreve a justiça que é da lei, para que o homem que faz essas coisas viva por elas. (Rm 10: 5). Isso, no entanto, não se pode fazer, pois não deve ser obtido dessa maneira. Por estarem ignorantes da justiça de Deus, e prestes a estabelecer sua própria justiça, não se submeteram à justiça de Deus. (Rm 10: 3); isto é, eles não são participantes da justiça de Cristo e, portanto, também não da salvação. A lei, portanto, não é uma aliança de obras.
Quinto, não pode haver manifestação de misericórdia na aliança de obras; no entanto, há espaço para misericórdia na lei dos dez mandamentos. E faço misericórdia a milhares daqueles que Me amam, e guardam os Meus mandamentos (Êx 20: 6). Assim, a lei não é o pacto das obras.
Objeção 1: A lei, que tem como conteúdo perfeita obediência pessoal, é chamada de aliança. “Disse mais o SENHOR a Moisés: Escreve estas palavras, porque, segundo o teor destas palavras, fiz aliança contigo e com Israel.” (Êx 34:27); “Então, vos anunciou ele a sua aliança, que vos prescreveu, os dez mandamentos, e os escreveu em duas tábuas de pedra.” (Dt 4:13). As tábuas são chamadas de tábuas da aliança (Dt 9:11).
Resposta: (1) A palavra aliança tem vários significados, de modo que, a partir de um único uso dessa palavra, não se pode concluir de que se refere a uma aliança literal estabelecida de comum acordo. Refere-se aqui a uma promessa imutável (Gên. 9: 9-10), uma ordenança firme (Jer 33:20) e um mandamento singular. “Fiz uma aliança com seus pais ...dizendo: Ao fim de sete anos, deixai ir todo homem a seu irmão.”(Jr 34: 13-14).
(2) A aliança em Horebe foi feita antes da concessão da lei e, portanto, a lei não pode ser a própria aliança.
(3) É uma maneira figurativa de fala, e o apêndice frequentemente (e, portanto, também aqui) leva o nome disso para o que é anexado.
Estabelecida a aliança da graça, a lei foi anexada a ela como uma regra de conduta para os participantes do pacto.
Objeção 2: Como a lei é continuamente contrastada com a graça, segue-se que a lei é a aliança de obras. Isso deve ser observado nas seguintes passagens: “Porque a lei foi dada por Moisés, mas graça e a verdade vieram por Jesus Cristo” (João 1:17); "Porque, se a herança provém de lei, já não decorre de promessa; mas foi pela promessa que Deus a concedeu gratuitamente a Abraão. (Gl 3:18; cf. Rom 4:14; Rm 10: 5-6).
Resposta (1) É necessário fazer uma distinção entre a substância e o conteúdo da lei e o objetivo para o qual foi dada. O objetivo da concessão da lei é que seja uma diretriz para a vida. Como tal, a lei não é contrastada com a graça; pelo contrário, é a graça que é uma regra constante da vida foi dada aos participantes da aliança. (pois se antes, quem governava o crente era o pecado, depois da sua conversão quem reina é a graça e não o pecado. Então a graça é o novo governante no coração do crente – nota do tradutor). No entanto, a lei no que diz respeito a suas demandas, e o conteúdo da aliança de obras feitas com Adão é contrastado com a graça. Contudo, a lei não foi dada para esse fim e, portanto, não se pode concluir que seja equivalente ao pacto das obras.
(2) Os judeus corromperam o verdadeiro propósito para o qual as leis morais e cerimoniais haviam sido dadas. Eles consideraram que era uma aliança de obras e buscaram a sua justiça nesta aliança - como muitos cristãos nominais ainda o fazem. Esses equívocos são identificados e repreendidos nos textos mencionados acima.
(3) As Escrituras afirmam muito claramente que a lei não é contrária à promessa. “Porque Cristo é o fim da lei para justiça para todo aquele que crê”(Rm 10: 4); “É, porventura, a lei contrária às promessas de Deus? De modo nenhum! Porque, se fosse promulgada uma lei que pudesse dar vida, a justiça, na verdade, seria procedente de lei.” (Gl 3:21). É, portanto, evidente de que a lei não é contrária à promessa e que a lei dos dez mandamentos não é uma aliança de obras.
A lei dos dez mandamentos: não é a aliança da graça (a referência é à Lei e não à Antiga Aliança que foi feita com Israel)
Pergunta: A lei dos dez mandamentos é equivalente à aliança da graça, ou é um compêndio deste pacto?
Resposta: O pacto estabelecido em Horebe antes da concessão da lei é verdadeiramente o pacto da graça; contudo, negamos que a lei dos dez mandamentos seja a aliança da graça ou seu compêndio. Isso é evidente pelas seguintes razões:
Primeiro, todo o conteúdo da lei dos dez mandamentos estava perfeitamente impresso na natureza de Adão, e essa lei, se sua transgressão não tivesse interferido, teria sido transmitida perfeitamente aos seus descendentes. Depois da queda, a lei ainda está impressa nos corações dos pagãos, embora imperfeitamente ( cf. Rm 1: 19-20; 2: 14-15). Se, no entanto, a lei fosse um compêndio da aliança da graça e equivalente à aliança da própria graça, ela já teria existido antes da queda, e a aliança da graça teria sido naturalmente conhecida pelos pagãos à parte do evangelho. Isso é um absurdo, e, portanto, também que a lei é equivalente à aliança de graça.
Em segundo lugar, a lei é a exigência e condição do pacto de obras, sendo a vida prometida mediante obediência à lei: "Faça isso e você viverá". Qualquer coisa que seja idêntica à aliança de obras em suas demandas e o conteúdo não pode ser equivalente à aliança da graça. Pois onde a lei diz: "Faça isso e você viverá", a aliança da graça diz: “Acredite no Senhor Jesus Cristo e você será salvo.” Esses dois pactos também são distintos um do outro, e um pacto nega o outro (Rm 10: 5-6; 11: 6).
Em terceiro lugar, Cristo é a garantia da aliança da graça que, portanto, deve ser incluída na descrição deste pacto; não pode ser entendido à parte do conhecimento de Cristo. No entanto, na lei não há uma palavra a respeito de uma garantia, ou a respeito da fé na garantia, Jesus Cristo. Portanto, a lei não é equivalente à aliança de graça.
Quarto, a aliança da graça é eficaz para a regeneração, justificação e salvação do homem; contudo, a lei não é eficaz para a regeneração, justificação e salvação. “Se houvesse uma lei que pudesse dar vida, em verdade a justiça deveria ter sido pela lei”(Gl 3:21); “Porque se a herança é da lei, já não é mais pela promessa”(Gl 3:18); “Porquanto o que fora impossível à lei, no que estava enferma pela carne, isso fez Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança de carne pecaminosa e no tocante ao pecado; e, com efeito, condenou Deus, na carne, o pecado.” (Rm 8: 3). Sim, aqueles que estão sob a lei estão sob a maldição (Gl 3:10); a lei, portanto, não é equivalente à aliança da graça.
Em quinto lugar, a aliança da graça faz promessas – incluindo também a inscrição da lei no coração (cf. Jer 31:33; Ezequiel 36: 26-27). A lei, no entanto, apenas exige e não tem promessa, exceto sob a condição de perfeição e obediência pessoal - uma promessa que não pode ser cumprida por ninguém após a queda, pois ninguém é capaz de cumprir a condição. A lei exige, mas não promete eficácia. A lei, portanto, não é equivalente à aliança da graça.
A Aliança Feita em Horebe: Não Uma Mistura da Aliança das Obras e a Aliança da Graça
Pergunta: O pacto feito no Horebe é um pacto misto, constituído parcialmente pelo pacto de obras e parcialmente da aliança da graça? Alguns chamam essa aliança de aliança nacional e consideram que é assim. Eles
sustentam que Deus ficaria satisfeito e os abençoaria, mesmo que eles não vivessem em perfeita conformidade com a lei, se eles tivessem uma intenção sincera e se esforçassem seriamente para ser obedientes e praticar a verdadeira piedade - e se eles além disso, acreditava no Messias, sendo o cumprimento daquilo que lhes faltava.
Resposta (1) A palavra "nacional" não sugere que exista outra aliança além da aliança de obras e a aliança da graça. Apenas indica que Deus estabeleceu a aliança da graça com a nação de Abraão, Isaque, e Jacó, e que estaria confinado àquela nação até a vinda do Messias.
(2) Somente Cristo é a causa da justificação, e as obras do homem não desempenham nenhum papel na justificação. Deus fica, no entanto, satisfeito com os esforços sinceros dos crentes e recompensa-os graciosamente.
(3) Negamos, no entanto, que o pacto feito no Horebe seja um pacto misto, distinto do pacto das obras e da aliança da graça - como se uma aliança "híbrida" tivesse sido composta de ambas. Isso é evidente pelas seguintes razões:
Primeiro, fica claro por tudo o que provamos acima; ou seja, que a lei, tanto quanto o objetivo de sua emissão, não é equivalente ao pacto de obras e que um pacto de obras não pode ser estabelecido de novo com o pecador. Isso não pode ser feito em sua totalidade, mas também não parcialmente. Já foi mostrado que a lei não é equivalente à aliança da graça. Se a lei não é uma nem a outra, então um pacto misto não pode ser composto de ambos.
(Nota do Tradutor: se a Antiga Aliança fosse um pacto de obras, jamais Deus poderia ter exibido perdão e misericórdia a Davi pela grande transgressão que cometeu no caso do assassinato de Urias e o adultério com Bate-Seba, e permitindo que ele continuasse como rei sobre Israel, como fizera também a tantos outros e especialmente no    caso do rei Manassés que cometeu crimes horrendos por anos sucessivos, e veio por fim a ser perdoado e justificado por Deus, quando se arrependeu.
Em segundo lugar, Paulo mostra em Rm 11: 6 que um dos dois deve funcionar e que eles não podem ser misturados.
“E, se é pela graça, já não é pelas obras; do contrário, a graça já não é graça.” O caminho da aliança da graça e o caminho da aliança de obras estão tão distantes um do outro - sim, são tão completamente contraditórios - que uma mistura dos dois não é possível. Portanto, é impossível fazer um terceiro pacto com esses dois.
Terceiro, se as obras e a fé, a justiça do homem e de Cristo, se unissem, alguém adquiriria justiça parcialmente pelas obras e parcialmente pela fé, ao contrário de Rm 9: 30-32. Então Cristo não seria um perfeito Salvador, pois o próprio homem acrescentaria algo à sua justificação, ao contrário de Rm 3:24, 28 e Hb 7:25. Depois ele estaria sujeito parcialmente à maldição (Gl 3:10) e parcialmente às bênçãos em Cristo (Ef 1: 3). E além disso, se alguns eram hipócritas em sua obediência, o que então? A satisfação de Cristo também seria anulada? Eles poderiam então cair da graça? As promessas dessa aliança singular de graça seriam anuladas? Como você vê, essa a proposição é repleta de absurdos e, portanto, deve ser rejeitada.
Objeção: A santidade é necessária como condição para a aliança em Horebe. “Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos; porque toda a terra é minha,” (Êx 19: 5); “Então, o povo respondeu à uma: Tudo o que o SENHOR falou faremos. E Moisés relatou ao SENHOR as palavras do povo.” (Êx 19: 8). Por outro lado, a misericórdia é prometida aos que estão vivendo em retidão. “E faço misericórdia até mil gerações daqueles que me amam e guardam os meus mandamentos.” (Êx 20: 6). Desde que a obediência como condição e misericórdia procedente da graça livre se unem juntos, há um pacto misto, consistindo parcialmente no pacto das obras e parcialmente no pacto de graça. (Nota do Tradutor: esta conclusão de pacto misto já foi rejeitada anteriormente, mas o argumento apresentado deixa espaço para novas explicações, sobretudo no sentido de que Deus suportará muitas falhas de seus filhos, aliançados com Ele pela fé, na aliança da graça, porque vê sinceridade neles em buscar fazer a Sua vontade, e mais do que isso, porque a eleição deles é irrevogável, e Ele jamais abandonará aqueles que salvou por meio da graça, daí ser chamado de aliança da graça, pois foi o que foi ajustado na aliança entre o Pai e o Filho, de que o Filho seria o Fiador que salvaria perfeitamente aqueles que se convertessem a Deus.)
A promessa que, entre outras, Deus faz na aliança da graça é que Ele santificará os eleitos. Assim, ninguém pode entrar nesta aliança a menos que tenha um desejo de santidade, e ninguém pode se assegurar nem fingir estar na aliança da graça, a menos que seja um participante da santidade. Mostra-me a tua fé sem as tuas obras, e te mostrarei minha fé pelas minhas obras” (Tiago 2:18). Quando a santidade é necessária na aliança da graça, não é necessária como condição, mas como sinal de sinceridade. Os verdadeiros e falsos participantes da aliança são distinguidos um do outro, e por isso eles são identificados. Aqueles que não obedecem nem cumprem Sua aliança, não participam dela, e não pertencem a Deus. No entanto, aqueles que obedecem e cumprem Sua aliança mostram que são participantes da aliança e pertencem a Deus. Quando o povo aceitou a proposta de Deus, a maioria o fez apenas com a boca, e não
com um coração iluminado, disposto e sincero. Os verdadeiros crentes expressaram a obrigação que era deles, e aprovaram com deleite. Eles expressaram sua sinceridade em suas transações com Deus, bem como por sua disposição e vontade sincera de obedecer a Deus, sabendo que sua execução não era possível em sua força, mas no poder de Deus que os fez dispostos. Quando ouviram que Deus prometeu que faria isso para todos que verdadeiramente entraram em aliança com Ele, eles se renderam voluntariamente a essa aliança e declararam que era assim.
A Lei dos Dez Mandamentos: de Duração Eterna e Vinculação ao Crente do Novo Testamento
Pergunta : A lei dos dez mandamentos é uma regra de duração eterna, que todos os verdadeiros crentes no Novo Testamento também são obrigados a observar?
Antes de responder a essa pergunta, os seguintes assuntos devem primeiro ser observados por meio de prefácio.
Primeiro, a lei dos dez mandamentos, declarada no Sinai, não impõe obrigações aos pagãos que
nunca tiveram esta lei. "Pois todos os que pecaram sem a lei ..." (Rom 2:12). A lei da natureza é uma lei para eles.
Contudo, a lei moral pertence a todos os que estão na igreja, que têm a Palavra de Deus e que já ouviram a lei. Para eles, a lei é declarada e eles estão sob sua obrigação, proporcional à maneira pela qual é dada.
Em segundo lugar, o fundamento de ser obrigado à lei não é porque a razão ensina que algo é bom ou mal; pois então não seria a lei de Deus, mas uma afirmação racional. Que motivo mostraria ser bom para um, outro - também em virtude da razão (que é corrupta no homem) - julgaria como mal. Pelo contrário, a base para tal obrigação é o mandamento de Deus, a revelação da vontade de Deus e o fato de que Deus ordenou uma coisa e proibiu outra. Assim, a obrigação está relacionada à autoridade do Legislador e Sua vontade.
Em terceiro lugar, é necessário fazer uma distinção entre os próprios mandamentos no que diz respeito a substância, palavras e significado e os incentivos pelos quais são motivados. Os incentivos são retirados das circunstâncias que pertenciam apenas aos judeus, tais como: “que te tirei da terra do Egito, da casa de escravidão” e “Lembre-se de que você era um servo na terra do Egito”. A promessa relativa a Canaã, e promessas semelhantes, não pertencem a nós em nossas circunstâncias enquanto tais, mas apenas na medida em que devemos ser estimulados à obediência por bênçãos divinas. No entanto, mesmo que os incentivos relacionados a essas circunstâncias não pertençam a nós, os mandamentos, no entanto, permanecem em vigor e nos colocam sob obrigação.
Quarto, como a lei não foi dada como uma aliança de obras, ela também não tem esse objetivo hoje. Enquanto os não convertidos estavam então sob o pacto de obras, no entanto, e consequentemente sob a lei, sendo representativos do conteúdo da aliança de obras, todos os não convertidos também estão atualmente sob a aliança de obras e, portanto, também sujeitos à lei dessa maneira. Como a lei os condenou na época, o mesmo acontece hoje. Da mesma forma, como a lei foi dada lei aos participantes da aliança como diretriz para a vida, isso também é verdade hoje. E como participantes da aliança, por transgressão, trouxeram culpa sobre si mesmos, tornando-se dignos de punição – até que o Fiador tenha tomado isso deles e sobre Si mesmo - a lei também é uma regra de vida para os participantes da aliança no momento. Na transgressão, eles também se tornam culpados e dignos de punição, mesmo que Cristo, o Fiador, já tomou isso deles sobre Si e fez satisfação à justiça. Em toda transgressão a lei declara-os culpados e dignos de punição, mesmo que Cristo os tenha libertado da culpa e punição incorrida.
Em quinto lugar, como a lei não foi dada aos participantes da aliança naquele momento para serem justificados por ela, da mesma forma, não é dada para esse fim hoje, pois foi enfraquecido pela carne (Rm 8: 3).
Em sexto lugar, a lei é hoje tão rigorosa quanto no Antigo Testamento. Lei é lei, e justiça é justiça; nada pode ser esquecido aqui. Não somos menos livres do rigor da lei do que eram os antigos. A piedade sincera dos piedosos no Antigo Testamento era tão agradável a Deus e tinha uma recompensa tão graciosa quanto é agora é verdade no Novo Testamento.
Em sétimo lugar, os crentes do Antigo Testamento, por transgressão da lei, foram condenados, tiveram tristeza e dores de consciência, experimentaram um afastamento de Deus, oraram por perdão e buscaram reconciliação até que o Senhor falou de paz com eles novamente. Os piedosos do Novo Testamento não estão mais livres de todas essas emoções engendradas pela transgressão do que eram no Antigo Testamento.
Em oitavo lugar, ser obrigado significa que o homem é obrigado pela autoridade de Deus de obedecer a lei e que por transgressão, ele está sujeito a suportar a punição.
Em nono lugar, a revogação ocorre quando:
1) a obrigação termina, uma vez que a lei foi dada apenas por um período específico, e subsequentemente não seria mais uma lei - e, portanto, também não estaria mais em vigor. Tal era verdade para as leis cerimoniais, que estavam em vigor até a chegada de Cristo (a personificação das sombras), e não mais;
2) O legislador anula ou revoga as leis que foram emitidas sem qualquer limitação de tempo; ou 3) pela doação de leis que são diretamente opostas às outras leis e, portanto, não podem coexistir com as leis anteriores.
A eterna duração da lei dos dez mandamentos
Que a lei é e continua sendo uma regra de duração eterna é evidente pelas seguintes razões:
Primeiro, a lei da natureza permanece em vigor e coloca todos os homens sob obrigação (Rm 2: 14-15). A lei dos dez mandamentos é, no entanto, idêntico à lei da natureza no que diz respeito ao conteúdo (não da maneira com que foi dada) e, portanto, a lei dos dez mandamentos também permanece em vigor e é obrigatória nos dias do Novo Testamento.
Em segundo lugar, a lei foi solenemente concedida à igreja sem qualquer limitação de tempo. Esta lei nunca foi rescindida, nem jamais foi dada uma contra-lei para negar a outra. Assim, a lei permanece em vigor enquanto há uma igreja a quem é declarada.
Em terceiro lugar, o Senhor Jesus declara que a lei dos dez mandamentos não foi revogada, mas que permanece uma regra vinculativa para todos os momentos. “Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir. Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra. Aquele, pois, que violar um destes mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado mínimo no reino dos céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos céus.” (Mt 5: 17-19). É evidente que a referência aqui não é à lei cerimonial, pois Cristo sendo sua encarnação, a revogou e os apóstolos a pregaram como revogada.   
Cristo aqui fala da lei moral dos dez mandamentos, que é evidente pelo que é dito e pelo que se segue. Porque Cristo cita vários desses mandamentos, fornece a exposição correta e os purifica da falsa exposição dos antigos.
Cristo cumpriu esta lei. Isso não implica que Ele, tendo cumprido isso por Sua obediência ativa, revogou esta lei, ou que Ele melhorou o que era imperfeito na lei, tendo dado uma lei mais perfeita em vez da que havia; antes, cumprir significa fazer. "Todo aquele que os fizer ..." (Mt 5:19); Aquele que ama o próximo cumpriu a lei” (Rm 13: 8); "... e assim cumprirão a lei de Cristo" (Gl 6: 2). Dessa maneira, Paulo pregou completamente o evangelho de Cristo” (Romanos 15:19), e cumpriu a Palavra de Deus (Colossenses 1:25). Desta lei, Cristo diz que não a destruirá , que nenhum jota ou til passará desta lei até que o céu e a terra passem, e aquele que romper e rejeitar o menor mandamento (em contraste com o maior mandamento em Mateus 22:38) será o menor no reino dos céus . Isso significa que ele não estará nele, que também é o significado de ser o menor (cf. Mt 20:16; 13:30). Isso prova ser irrefutavelmente verdade que a lei dos dez mandamentos é uma regra de duração eterna.
Quarto, o Senhor Jesus ordena a realização daquilo que é bom, uma vez que a lei exige isso. Então, a lei continua a ser uma lei vinculativa. Portanto, todas as coisas que vocês desejarem que os homens lhe fizessem, façam-no assim a eles: porque esta é a lei e os profetas” (Mt 7:12).
Em quinto lugar, a manutenção da lei moral é proposta e exortada em todo o Novo Testamento. Estas passagens são numerosas, mas apresentaremos apenas algumas.
(1) “Anulamos, pois, a lei pela fé? Não, de maneira nenhuma! Antes, confirmamos a lei.” (Rom 3:31). O apóstolo havia dito nos versículos 24 e 28 que somos livremente justificados por Sua graça através da redenção que está em Cristo Jesus, e esse homem é justificado pela fé sem as obras da lei. Com base nisso, ele propõe uma objeção: “então anulamos a lei pela fé?” A lei não nos pertence mais? Não temos mais nenhuma relação com isso? Foi revogado? Ninguém pode objetar que o apóstolo aqui fala das leis cerimoniais, já que nenhuma menção é feita a elas em todo o capítulo, nem no capítulo subsequente em que ele discute a justificação de Abraão. Além disso, o apóstolo mostra por sua resposta "de maneira nenhuma", etc., que ele esteja falando de uma lei à qual somos obrigados, que não pode ser outra senão a lei moral dos dez mandamentos, uma vez que somos completamente livres das leis cerimoniais. Ele declara que esta lei não é anulada, rejeitada e revogada pela fé para justificação sem as obras da lei; mas nós a confirmamos; isto é, declaramos e aprovamos que temos obrigação com ela - não para ser justificado por isso, mas como diretriz da vida para nos guiar na santificação que acompanha a justificação.
(2) “A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, exceto o amor com que vos ameis uns aos outros; pois quem ama o próximo tem cumprido a lei. Pois isto: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não cobiçarás, e, se há qualquer outro mandamento, tudo nesta palavra se resume: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. O amor não pratica o mal contra o próximo; de sorte que o cumprimento da lei é o amor.” (Rm 13: 8-10).    O dever estabelecido para cristãos é amor, a razão é que isso é exigido por lei. Qual lei? - a lei dos dez mandamentos, que proíbe adultério, assassinato, roubo, testemunho falso e cobiça. Assim, os cristãos estão sob obrigação aos dez mandamentos.
(3) “Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade; porém não useis da liberdade para dar ocasião à carne; sede, antes, servos uns dos outros, pelo amor. Porque toda a lei se cumpre em um só preceito, a saber: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.”(Gl 5: 13,14). Aqui é novamente instado a exercitar o amor porque a lei o exige, mostrando-se que é a lei que exige amor ao próximo como a si mesmo. É evidente em Mateus 22:39 que esta é a lei dos dez mandamentos, onde o Senhor Jesus, sobre a questão, que é o grande mandamento da lei, compreende a lei em dois mandamentos, o segundo aqui sendo citado pelo apóstolo.
(4) “Filhos, obedecei a vossos pais no Senhor, pois isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa), para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre a terra.” (Ef 6: 1-3). E se os filhos têm a obrigação de obedecer aos pais, devem ser motivados a isso porque o quinto mandamento exige que uma promessa seja adicionada a ele. A lei, portanto, permanece em vigor como diretriz para nossa vida.
(5) “Se vós, contudo, observais a lei régia segundo a Escritura: Amarás o teu próximo como a ti mesmo, fazeis bem; se, todavia, fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado, sendo arguidos pela lei como transgressores. Pois qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos. Porquanto, aquele que disse: Não adulterarás também ordenou: Não matarás. Ora, se não adulteras, porém matas, vens a ser transgressor da lei.” (Tiago 2: 8-11). O apóstolo demonstra que
a lei aprova a conduta daqueles que a obedecem e afirmando que peca contra todos os mandamentos aqueles que ofendem apenas um deles. Ele declara que está falando da lei que proíbe adultério, assassinato etc.
Essa, porém, é a lei dos dez mandamentos e, portanto, a lei dos dez mandamentos é uma regra eterna – como tanto no Novo Testamento como no Antigo Testamento.
(Nota do Tradutor: Por que Tiago afirma que pecar contra um mandamento significa pecar contra todos eles, senão em razão de que a santidade demanda obediência a toda a vontade de Deus e não apenas a partes da mesma. Quando alguém se dispõe voluntariamente a desobedecer a determinado mandamento de Deus, automaticamente a comunhão cessa, o Espírito Santo se entristece e apaga a sua atuação na vida do crente. Deus perdoará muitas faltas e se mostrará misericordioso para com o crente que teme a Sua Palavra, e que a honra, mas deixará entregue a si mesmo e sob disciplina e repreensão a todo aquele que tiver recebido por Filho e que deliberadamente transgride qualquer parte do que conheça como sendo a vontade de Deus.)
(6) Todos os pecados cometidos pelos crentes são transgressões da lei. “Todo aquele que comete pecado também transgride a lei: porque o pecado é a transgressão da lei ”(1 João 3: 4); "... porque onde não há lei, não há transgressão" (Rom 4:15). Os crentes no Novo Testamento, no entanto, pecam diariamente (cf. 1 João 1: 8, 10; 1 João 2: 1; Tiago 3: 2). A lei assim permanece em vigor como diretriz de vida, pois nos ajuda a entender quando nos rebelamos contra a vontade de Deus.
A lei de Cristo é equivalente à lei dos dez mandamentos
Argumento Evasivo 1: Os crentes pecam contra a lei de Cristo, mas não contra a lei dos dez mandamentos.
Resposta : A lei de Cristo é idêntica à lei dos dez mandamentos. Cristo não deu outra lei; Cristo deu essa lei dos dez mandamentos. A essa lei Ele se submeteu e viveu perfeitamente de acordo com ela, deixando-nos um exemplo. Ele mesmo também é uma lei viva. Cristo nunca deu liberdade para transgredir qualquer um dos dez mandamentos, sejam aqueles que dizem respeito a assassinato, adultério ou roubo, etc. Assim, a lei de Cristo é a lei do dez Mandamentos. (Nota do Tradutor: Como a justiça do crente deve exceder em muito a dos escribas e fariseus, baseada na Lei dos dez Mandamentos, deve-se ter em conta que outros mandamentos além dos que se encontram na Lei, foram dados por Jesus e pelo Espírito Santo aos apóstolos para a Igreja. Temos o novo mandamento de nos amar com o mesmo amor com que Cristo nos amou; temos a ordenança de congregarmos sempre para o culto ao Senhor e à busca e exercício dos melhores dons espirituais; de pregarmos e ensinarmos o evangelho em todas as nações da Terra, de sermos batizados em nome do Pai, do Filho e do Espírito, de participarmos da Ceia do Senhor, de mortificarmos o pecado, de negarmos a nós mesmos, carregar a cruz, seguir o exemplo de Jesus, de orar sem cessar, de vigiar em todo o tempo, de suportar pacientemente as provações, de dar graças por tudo, de amar os inimigos, de oferecer a outra face aos agressores etc.)



Publicado no site: O Melhor da Web em 17/09/2019
Código do Texto: 140502

AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
Sou Fã de...
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.