Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
Silvio Dutra

Todas imagens extraídas da galeria do Google.
kuryos - Silvio Dutra
RSS - As recentes de:Silvio Dutra
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



Silvio Dutra
Aniversário: 25/11
Cadastrado desde: 29/08/2012 -

Texto mais recente: Sobre a Paciência de Deus

Textos & Poesias || Evangélicas

Imprimir
Os Assaltos de Satanás
07/10/2019
Autor(a): Silvio Dutra

Os Assaltos de Satanás


Por Wilhelmus à Brakel (1635-1711)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra


O diabo é um assassino desde o começo. Deus pôs inimizade entre os crentes e o diabo, que anda por aí entre eles como um leão que ruge, usando todos os dispositivos imagináveis e atos de violência para prejudicá-los - e se fosse possível, matá-los. Agora, queremos discutir isso.
Satanás agride os crentes
Pode ser confirmado irrefutavelmente da Palavra de Deus que o diabo agride os crentes.
(1) Isso deve ser observado na declaração de Deus: “E porei inimizade entre ti e a mulher e entre tua semente e a sua semente” (Gn 3:15).
(2) Isso também é evidente nos nomes que lhe são dados à luz disso, como o inimigo, Mateus 13:39, o tentador Mateus, 4: 3, o iníquo, Mateus 13:19 e o adversário, 1 Pedro 5: 8.
(3) É transmitido pela descrição de sua obra entre os crentes: “Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar;” (1 Pedro 5: 8). Suas obras são chamadas de "as artimanhas do diabo", Ef 6:16, golpes, 2 Coríntios 12: 7, tiros de dardos inflamados, Ef 6:16 e sedutoras (2 Cor 11: 3).
(4) Depois, há as exortações a nos armar contra ele e resistir a ele. "Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo;” (Ef 6:11); “Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar;” (1 Pedro 5: 8); “Sujeitai-vos, portanto, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós.” (Tiago 4: 7).
Você deve saber e estar preparado para o fato de que, no momento em que estiver inclinado a se arrepender e começar a mudar para Jesus, mesmo que seja senão de longe, o diabo se esforça com vingança para usar todas as suas artimanhas e maldades para impedir isso. Se ele não puder impedir isso, ele se esforçará para atormentá-lo e incomodá-lo, impedindo-o de viver uma vida santa e alegre.
Portanto, do seu lado você também deve se esforçar plenamente. Cingir-se com força e resistir a ele corajosamente.
É necessário que você se familiarize com seus dispositivos e operações, para que você se sinta menos ofendido e se sinta envolvido em batalha com tanto mais valor. Portanto, apresentaremos vários de seus métodos comuns a você. Ele geralmente se apresenta de uma forma tríplice: como um anjo de luz, como um diabo, ou ocultando-se - criando a ilusão de que nós mesmos estamos envolvidos. É seu último disfarce o mais prejudicial.
Satanás como um anjo de luz
O fato de ele ocasionalmente se aproximar de nós como um anjo de luz é ensinado pelo apóstolo: “O próprio Satanás transfigura-se em um anjo de luz” (2 Cor 11:14). Este não é realmente o caso, mas parece ser o caso de suas operações, pois ele frequentemente se aproxima dos piedosos sob a amável pretensão de piedade.
(1) Às vezes, ele chama sua atenção para assuntos que são bons por si mesmos, como uma doce passagem da Escritura, ou algumas experiências e movimentos doces do passado; e ele fará o possível para que você reflita sobre eles.
Ele faz isso com más intenções, no entanto, e em um momento inadequado. Ele faz isso, por exemplo, quando estamos envolvidos em um assunto específico, ou se ele souber que tudo o que será pregado será mais benéfico para nós. Ele faz com que haja um curto-circuito na seriedade com a qual estamos envolvidos naquele momento e nos fazer desistir, quando então a Palavra pregada nos passa despercebida. Tendo sido assim desviados, sentiremos falta de certas coisas e iremos embora vazios.
(2) Ele pode fazer uso do fato de que alguém, a quem não pode enganar de qualquer outra maneira, tem muita intenção de ser virtuoso. Sim, ele pode até incitar alguém a fazer isso (mesmo que o amor à santidade provenha do coração da pessoa piedosa). Seu objetivo, no entanto, é tornar essa pessoa disposta a estar sujeita à dispensação de Deus, e fazer com que ele se esforce continuamente por coisas maiores e mais elevadas, deixando-o triste, desencorajado e incrédulo, ou induzindo-o ao orgulho.
(3) Ele pode até encorajar alguém a ser virtuoso - sim, para a observação mais cuidadosa de seus pensamentos, palavras, e ações. No entanto, ele o faz para afastá-lo, para que ele possa se envolver em coisas externas ao seu chamado ou postas em vida. Sob uma doce pretensão, ele até o atrairá para coisas que são contrárias ao mandamento de Deus (que não passa de fanatismo), a pessoa que pensa que tudo o que vem à mente é de Deus. Não há limites para o que ele pode atrair um homem. Ele também pode fazer com que a consciência seja muito sensível, para que a pessoa se perceba como ofendida em tudo o que faz, levando-o a seguir seu caminho com muita ansiedade espiritual. Ou ele pode fazer com que ele veja quão longe ele fica aquém e, assim, faz com que ele repudie seu estado espiritual, mantendo diante dele que tal vida não pode coexistir com graça.
(4) Ele também pode estimular alguém a ser virtuoso com o objetivo de satisfazê-lo com a própria atividade, mantendo-o longe de Cristo e buscando e exercitando a fé justificadora. Assim, ele sutilmente roubará seu conforto e aquela santificação genuína que flui da justificação - e se alguém não nascer de novo, o manterá fora do céu. Esses assuntos todos devem ter em mente para não serem enganados por Satanás.
Ele se apresenta como é: um diabo
Às vezes, o diabo vem como um diabo para infligir terror.
(1) Isso pode ocorrer por meio de aparições, sensações, ruídos ou de outras maneiras diferentes. Isso ocorre raramente, no entanto, e geralmente é imaginário, pois alguns não conseguem distinguir isso da realidade.
(2) Isso pode ocorrer quando ele agita alguém para se render a ele, ou algo semelhante. Quão longe ele pode ir nisto, e o conhecem apenas aqueles que o experimentaram.
(3) Isso pode ocorrer quando ele ameaça matar ou infligir sofrimento a alguém, pelo qual a pessoa agredida vive com muito medo.
É assim que ele atormenta como um diabo. Se, no entanto, além disso, ele não conseguir executar parte de seu projeto secreto, ele causa pouco dano, apesar de impedir muito do que é bom.
Na maioria das vezes, o diabo se esconde e procura convencer o homem de que ele não tem mão no que aconteceu, mas antes, é a própria pessoa e que tais coisas procedem de seu próprio coração. Assim, ele procura impedir aquilo que é bom e corrompê-lo, provocar a comissão do pecado ou trazer a alma a um estado de perplexidade. A fim de impedir o que é bom, ele tem muitos dispositivos sutis, nivelando seu ataque tanto pela fé, oração, audição da Palavra ou santificação.
Seu alvo principal: fé e seu exercício
Primeiro, ele sabe que a fé é a fonte da vida espiritual e, portanto, procura obscurecer a fé em todos os seus aspectos.
(1) De repente, ele interpõe sugestões irracionais, como: “Tudo isso é verdade? Não é tudo isso imaginação?
Então, continuamente incita você a refletir mentalmente sobre essas sugestões e procurá-las. Se começarmos a ouvir, ele se apossará de nós e começará a apresentar argumentos sobre os quais ele exige uma resposta. E se ele chegar tão longe que você começa a responder pelo raciocínio, ele prosseguirá com sua argumentação e, repetidamente, apresentará novas provas. Quando a capacidade de raciocinar falha, ele passa a levá-lo de pensamentos ateístas fugazes a abraçar o próprio ateísmo. Você será gravemente pego na rede e será incapaz de ter conforto ou paz, e não poderá ser encorajado no que você estiver fazendo. Portanto, esteja atento para não dar atenção a essas interjeições passageiras e fugazes. Deixe-as passar e proceda como antes, confiando na Palavra de Deus.
(2) Às vezes, ele inesperadamente interrompe: “Você é realmente um filho de Deus? É realmente verdade? Você não enganou a si mesmo? Venha, examine-se, pois o que é bom pode suportar uma prova.” Às vezes ele faz isso quando podemos viver docemente pela fé, no exercício de seus atos extrínsecos, e quando podemos ter comunhão com Deus. Ou ele ocasionalmente, o faz quando somos menos capazes de fazer um julgamento sobre nós mesmos. Se o escutarmos, receberemos um revés em nossa fé desde o início e seremos impedidos de prosseguir nesse bom quadro. Quando vier para examinar se nosso fundamento é correto, ele faz o máximo para obscurecer o que é bom e reter diante de nós nossas corrupções com a máxima clareza. Ele então sugere: “Os piedosos são tais e tais, mas você está longe de viver uma vida assim! Assim, você se enganou; você não tem nada além de um entendimento esclarecido, e você não tem nada além de conhecimento principal. Você é um crente temporal e um hipócrita.” É assim que você começa a cambalear. Portanto, não dê ouvidos a essas interjeições, mas prossiga com os atos extrínsecos de fé, que não podem enganar. Pois mesmo que você tenha se enganado, é nesse ponto que você deve começar. É mais seguro praticar auto-exame ao lutar em oração; isto é, quando você está falando e negociando com o Senhor.
(3) Às vezes, ele faz sua cruz corporal parecer muito mais pesada do que é. Parece então que não há libertação, mas que se tornará cada vez mais pesada. Ele também sugerirá que isso não aconteceu com você no favor de Deus, mas como uma manifestação de Sua ira; que tudo é por causa dos seus pecados e é apenas o começo da eterna condenação. Ele sabe como impressionar isso em você sentença após sentença, fazendo-o de maneira avassaladora. Se você o ouvir, suas interjeições começarão a ter efeito, a fé começará a vacilar, você ficará facilmente desanimado e sua cruz o pressionará para baixo. Portanto, rejeite todas essas interjeições. Leve sua cruz sobre você e siga Jesus; aderindo à promessa de que você será sustentado e que o resultado será bom.
Seu Segundo Alvo: Oração
Segundo, como o diabo sabe que força, conforto e benefício podem ser derivados da oração , ele usa todo o poder e sutileza à sua disposição, para impedir que você ore ou incomodá-lo enquanto ora.
(1) Ele sugerirá o maior número possível de atividades, desviando seus pensamentos para outro lugar e induzindo-o a adiar a oração para um determinado momento (tendo outra coisa para fazer primeiro). Ele, portanto, procura fazer uma pessoa correr por aí de uma coisa para a outra; e se você segui-lo nisso, perderá seu desejo e estrutura animada para se envolver em oração. Se você encontrar isso, fique atento e saiba que seu inimigo mortal, o diabo, está em perseguição. Você deve ser em tudo mais diligente em seu esforço para superar todos esses obstáculos e diga a si mesmo: “Atualmente, é meu dever lutar contra isso, e desejo ser vitorioso sobre ele nisso.”
(2) Às vezes, ele sugere que a oração é um trabalho tão difícil - um trabalho que não é possível fazer, para o qual você é totalmente impróprio, atualmente está em uma condição pecaminosa demais e, portanto, você deve esperar uma temporada em que esteja mais apto para isso. Se isso faz com que você olhe contra a oração, ele ganhou vantagem sobre você. Portanto, prossiga e não se permita ser impedido. Comece, por mais incapaz que você seja, e depois de sua oração considere se foi difícil e se você era incapaz disso. Você então julgará de maneira diferente.
(3) Às vezes, ele dá uma profunda impressão de que a oração é ineficaz e infrutífera. Ele então interporá o    seguinte: “Você não ora com fé nem percebe claramente quem é Deus; em vez disso, você está orando a um Deus desconhecido. Você não tem uma percepção correta de si mesmo, não percebe sua pecaminosidade e indignidade, nem é tão humilde e de coração contrito como um suplicante deveria ser. Você não deseja sinceramente os assuntos pelos quais está orando, nem os sagrados objetivos necessários para a oração. Portanto, desista, pois não é agradável para Deus. Você não receberá esse assunto, pois Deus não ouve essas orações. Você não teve experiência suficiente que todas as suas orações são em vão? O que você recebeu como resposta em suas orações? ”Se, em algum grau, você prestar atenção a tais interjeições, ele conseguirá prejudicar o exercício de fé ao se envolver em oração e em diminuir sua medida de sinceridade e perseverança. Portanto, esteja familiarizado com seus dispositivos e se esforce ainda mais para vencer. Adira às promessas de Deus e sempre lembre-se de que o Senhor não ouve por causa do valor da oração, mas por ser a oração um meio ordenado por ele. Ele concederá seu desejo no tempo dEle, à maneira dEle e de acordo com a medida dEle - e você realmente experimentou isso ser assim.
(4) Às vezes, o diabo, como se estivesse jogando um punhado de poeira, também está ocupado lançando outros pensamentos em nossas mentes enquanto estamos orando. Ele também tentará levar nossa alma a uma estrutura apressada e ansiosa; isto é, fazendo parecer como se algo precisasse ser feito que não podia esperar. Ele despertará um desejo pela atividade em que estamos atualmente comprometidos, causando problemas ao coração ou, de repente, lembrando-nos de assuntos sobre os quais não pensamos há muito tempo. Familiarize-se também com este dispositivo e rejeite-o como não digno de sua atenção.
Seu terceiro alvo: os meios da graça
Terceiro, o diabo sabe que o Senhor geralmente abençoa a assembléia de crentes, o ministério da Palavra e a participação da Ceia do Senhor. Portanto, ele vai à igreja e procurará implementar suas práticas sobre você aí também. Ele pode sugerir-lhe razões pelas quais você não deve comparecer, sugerir todo tipo de pensamento para você, entorpecerá sua mente com sonolência (se ele puder fazê-lo), ou fará milhares de outras coisas para roubá-lo da Palavra ou para torná-la ineficaz. Lembre-se disso, familiarize-se com os dispositivos dele, fique atento e livre-se para que de forma alguma coopere com ele. Lembre-se de que, nesse momento, você deve lutar por uma vitória.
Seu Quarto Alvo: A Vida da Santificação
Quarto, já que o diabo sabe que a santificação é tão preciosa para você e, em um sentido especial, honra a Deus e edifica seu próximo, ele colocará armadilhas em todos os lugares para impedir que você se exercite. Ele pode sugerir que você seja o primeiro ser santo por dentro, ou que tal e qual não é seu dever. Ele sabe particularmente o quão vividamente deve se apresentar diante de você (e exagerar) as segundas intenções que ele conhece ainda não foram encontradas no coração de um homem imperfeito, e que prontamente surgirá com as melhores ações - sim, mesmo se você estivesse livre delas antes deste momento, ele sugerirá: “Veja, esse é o seu propósito.” Ao cantar, orar em uma reunião ou na presença de outras pessoas, soltar uma lágrima durante um sermão, exercer um dom ou repreender e exortar os outros, ele sugerirá imediatamente: para ser visto pelos homens. Ele assim impedirá você de prosseguir ou roubará o conforto que você caso contrário, teria. Portanto, familiarize-se com sua maldade, não preste atenção em suas interjeições, prossiga, e exercite essa virtude da melhor maneira possível - e o Senhor o tornará mais forte nessa área.
Seu Principal Objetivo: Realizar a Comissão do Pecado
O diabo não está satisfeito em impedir você de fazer o bem nem estragar o que está fazendo, mas também procura levá-lo à comissão de todo tipo de pecado. Ao mesmo tempo, ele incitará Davi a se orgulhar e, assim, contar as pessoas; então ele fará com que uma bela Bate-Seba esteja presente para atrair a fornicação. Em outra ocasião, ele dará oportunidade de invejar, caluniar, mentir, ceder excessivamente ou cometer algum outro pecado. Não faz nenhuma diferença para ele, desde que ele possa fazer você cair. Ele o perseguirá longamente e usará mil meios e dispositivos.
(1) Ele freqüentemente começa de maneira remota, ocultando seu objetivo. Ele criará a maravilhosa ilusão de que você precisa relaxar e, portanto, procurará deixá-lo inativo, tornando-o um objeto adequado para ele. Ele criará a ilusão de que algo é entretenimento legal e, assim, procurará deixá-lo feliz. Ele vai depois sugerir várias coisas, como um vendedor que pergunta: "Você gostaria disso?" Ele passará de uma coisa para outra para ver se há algo em que você possa se interessar.
(2) Ele começa com pequenas coisas que inicialmente não parecem pecaminosas, ocultando sua pecaminosidade. Enquanto a alma cede a pequenos pecados, ela perde a ternura e o terno temor de Deus. Ele procederá assim de pequenos ou pecados moderados a refletir sobre coisas vãs, procurando apresentar essas coisas como agradáveis – e assim a alma assumirá uma disposição pecaminosa. Portanto, tenha cuidado e não ceda a nada, independentemente de quão pequeno pecado possa parecer ser.
(3) Então, novamente, ele procurará instigá-lo a cometer grandes pecados - particularmente aqueles pecados pelos quais você é naturalmente mais inclinado. É verdade que ele não conhece o coração, mas tomou conhecimento do pecado que você comete com mais frequência, e o pecado ao qual ele anteriormente o seduziu com mais facilidade. Ele também ouve a confissão de seus pecados e toma nota de todas as circunstâncias presentes. A partir disso, ele conclui o que seus pecados secretos e íntimos são. Estes ele persegue, e às vezes pode apresentar o pecado tão repentinamente e como sendo tão delicioso para a carne, que inflama instantaneamente, como pólvora. Aquele pecado que pensávamos ter sob controle se tornará repentinamente animado novamente. Ele, então, por assim dizer, fará com que a alma cambaleie, o que pode resultar em perseverança nesse pecado. Portanto, esteja em guarda.
(4) Quando você perceber tarde demais o que fez, e desejar voltar ao Senhor para ter sua vida interior restaurada à paz, à antiga ternura e à pureza de coração, ele virará a mesa e se esforçará para levá-lo à comissão de outros pecados internos: impaciência, inquietação, descrença e desespero. Portanto, permaneça firme.
Possível objeção: Estes são meus pecados; eles procedem do meu próprio coração.
Resposta: Alguns culpam demais o diabo para que possam se desculpar e outros não o culpam o suficiente. Eu mantenho que seu próprio coração é mau o suficiente para gerar todas essas coisas. Considere isso como a mais certa verdade: onde quer que sua vontade e afeto estejam envolvidos, tanto quanto refletir ou executar um determinado assunto – isso é seu próprio pecado, pelo qual você é responsável.
No entanto, também é verdade (um fato do qual você deve se lembrar clara e continuamente) de que:
Primeiro, o diabo procura se intrometer em tudo, está continuamente em alerta para tirar o melhor de você e, sob qualquer que seja a pretensão, irritá-lo ou empurrá-lo para a frente na prática de certos pecados.
Em segundo lugar, você pode realmente acreditar que o diabo é o instigador:
(1) Quando os assuntos acima mencionados lhe ocorrem repentinamente com uma clareza incomum, parecendo ser o mais vantajoso, doce e delicioso. (Repito, eles parecem ser assim, pois o diabo não pode afetar a vontade e não é capaz de torná-los doces.)
(2) Quando motivos de repente se juntam a isso, que são até contrários ao seu julgamento e vontade.
(3) Quando, além disso, esses assuntos são impressos com força e autoridade sobre você, a fim de sobrecarregar a vontade por tais diretrizes dominantes.
(4) Se o coração é perturbado, e há uma extraordinária falta de compostura e uma paixão motriz. E se você é, portanto, culpado de um pecado de comissão ou omissão, então reconhece a mão de Satanás nisso; ele é ambos: tentador e instigador. E se alguns desses pecados fizerem algumas incursões, saiba que ele também se unirá. Assim, você deve    entender o diabo como o instigador e você o seguidor. Esteja alerta e odeie tanto o diabo que você não o ouviria nem o obedeceria.
A interjeição de Satanás dos pensamentos pecaminosos
Há também outros conflitos dos quais ele é o autor, tendo como único objetivo atormentar os filhos de Deus. Os filhos de Deus não são participantes desses pecados, exceto quando eles se deixam incapacitar para servir a Deus em fé, esperança e amor. Somente a sua estrutura negativa é o seu pecado.
Eles deveriam ser mais fortes e, assim, não se permitirem ser perturbados de maneira pecaminosa pelo tumulto dele. Contudo, as interjeições em si não são seus pecados, mas do diabo. No entanto (observe isso), ele buscará continuamente convencê-lo de que é seu próprio pecado. Se você realmente começar a acreditar nisso, as interjeições dele terão efeito sobre você e irão trazê-lo em uma condição grave. Se, no entanto, você reconhecer as palavras do diabo como sendo a língua dele, você será capaz de resistir a elas com muito mais facilidade e ser menos perturbado.
Essas agressões ocorrem de tantas maneiras diferentes e relativas a tantas questões diferentes, que é impossível recitá-las todas. Também não desejo apresentar todas elas e preferiria ficar totalmente calado sobre o assunto. Para que sua maldade possa ser exposta, no entanto, e os filhos de Deus devem estar armados contra a insinuação: “Você é o culpado e procede do seu próprio coração”, apresentarei alguns assuntos em um sentido geral.
(1) Algumas interjeições parecem ser inteiramente infantis e ridículas; no entanto, são de natureza abrangente e geralmente têm consequências dolorosas. Por exemplo, ele pode sugerir: “Diga isto ou aquilo.” Ele pode ir um pouco mais longe e acrescentar: “Se você não diz isso e se não lida com isso, está condenado; se você fizer, está tudo bem.” Ele dá um passo além disso, se, de uma maneira convincente, ele exigir que você aceite isso ou aquilo, e então tente perturbá-lo, insinuando que você foi quem concordou. Assim, aquilo que parece ser tão infantil culminou em muita agitação.
(2) Às vezes, ele rapidamente interpõe uma passagem das Escrituras que é difícil de entender, e ele forçará isso levando-nos a considerar a Deus de maneira tola ou negar nosso estado espiritual, instigando-nos a responder a isso. Uma vez que uma pessoa começa a defender a verdade, Deus e seu estado espiritual, o diabo se apoderará cada vez mais dela, pois ele é um enganador desonesto. Portanto, não se deve responder - não importa como possa ser, mas permitir que passe.
(3) Às vezes, ele direcionará a atenção de uma pessoa para a eleição eterna; que uma pessoa é chamada e convertida em vez de outra pessoa, resultando na condenação de tantas pessoas. Ele fará isso para acusar Deus.
Quando alguém começa a refletir sobre isso e deseja defender Deus, ele é pego na armadilha. Portanto, resista a isso e não responda, pois assim você ficará ainda mais agitado. A vontade do Senhor é santa.
(4) Às vezes ele faz uso de uma cruz corporal ou espiritual para acusar Deus a respeito de suas ações, interpondo todo tipo de coisas que pesam na alma incomparavelmente mais que a cruz. No entanto, esteja atento a essas interjeições e as ignore. Adira ao fato de que Deus é soberano. Ele faz o que Lhe agrada, e não dará conta ao homem de Seus feitos.
(5) Às vezes, ele sabe como liderar alguém, a quem ele penetra há algum tempo, em torno de tal maneira, que a pessoa, ao desejar vir diante do Senhor ou quando começar a orar, parece estar focada num objeto que não seja Deus. Devido a pensamentos obscuros e à misteriosa operação do diabo sobre a imaginação, depois apareça como se estivesse orando a esse objeto, e não a Deus. Este é um grande impedimento para a oração.
(6) Às vezes, ele age como profeta e interpõe: “Tal e tal acontecerá com você; você vai acabar assim, e você ainda chegará à comissão de tais ações.” Ele não apenas interpõe isso, mas impõe vigorosamente à pessoa que certamente acontecerá dessa maneira. Ele repetirá isso repetidas vezes para que não haja dúvida com sua profecia. Às vezes, ele começará a mostrar essas coisas em um sonho e desejaria que esse sonho deve ser percebido como de origem divina, a fim de torná-lo mais enfático. Posteriormente, ele novamente fará uso desse sonho e impressionará as imagens desses assuntos de maneira a causar muita agitação. E assim ele aflige o corpo e a alma, gerando medo por assuntos futuros que ele predisse.
(7) Às vezes ele vem com dardos ardentes e maus pensamentos sobre Deus, fazendo-o com tanta veemência e persistência, que a alma não tem descanso dia ou noite. A pobre alma é então mortalmente ferida, e não pode suportar nem resistir a esses pensamentos. Eles retornam com força crescente, e parece que essas imagens são seus próprios pensamentos - o que agrava sua miséria.
Nesses ataques e outros semelhantes, o diabo opera sob cobertura. Todo o seu esforço e artifício é sugerir que não é ele quem interpõe tais pensamentos, mas que eles procedem do coração da pessoa agredida. Ele vai sugerir que tais pecados não podem coexistir com a graça e que, portanto, a pessoa será condenada eternamente. E quando chega ao fim dessas agressões se o Senhor em seu tempo não intervir e repreender Satanás?
Como as interjeições de Satanás podem ser distinguidas dos pensamentos de uma pessoa
Pergunta : Esses pensamentos não se originam na própria pessoa? Parece-me que tudo isso procede do meu próprio coração. Se eu somente soubesse que eles eram os pecados do diabo e suas interjeições, eu já estaria meio livrado. Podemos saber que é assim - e se sim, por que podemos saber disso?
Resposta: Primeiro, todos os quadros pecaminosos de incredulidade, desânimo, irritação e desespero são os pecados de uma pessoa, embora eles às vezes sejam causados pelos assaltos de Satanás. A iniciativa não veio da pessoa, mas do diabo. Você lhe deu muito espaço para operar e ficou excessivamente perturbado por isso. Você não deve ter dado a devida atenção a isso.
Em segundo lugar, vamos supor que todas as coisas descritas saíram do seu próprio coração. Então o quê? É isso imperdoável? Não; Cristo está pronto para receber todos aqueles que estão sobrecarregados com o pecado - também o chefe dos pecadores e blasfemadores (1 Tim 1:13).
Argumento Evasivo: Eu cometi o pecado contra o Espírito Santo, e isso é imperdoável.
Resposta: Este não é o pecado contra o Espírito Santo, pois não há remorso por esse pecado. Em vez disso, entristece você, você é oprimido por isso e ora.
Em terceiro lugar, você deve saber que essas e outras experiências semelhantes são, de longe, da maioria dos filhos de Deus.
Deveria, portanto, surpreendê-lo, que também lhe ocorreu?
Argumento evasivo: Minha disposição é totalmente diferente, no entanto. Eu não me encontrei nas coisas mencionadas, e eu nunca ouvi falar nem li de uma disposição semelhante.
Resposta: Talvez você saiba pouco do que os outros experimentaram e, portanto, não possa dizer: “Outros não experimentam isso.” Se, portanto, você examinar calmamente os casos descritos acima, acredito que encontrará seu caso lá. Não queria lidar com eles de maneira mais distinta e abrangente do que isso. Quem experimenta estas coisas será capaz de detectar seu próprio caso a partir dessas apresentações implícitas.
Quarto, que as interjeições mencionadas não são suas, mas sim os pecados do diabo, podem ser verificados quando:
(1) Eles ocorrem repentinamente, inesperadamente e como um raio - mesmo quando alguém está envolvido na execução de um bom e santo trabalho. Pois tudo o que procede do nosso coração gradualmente se forma por meio do raciocínio, e geralmente é acionado por uma determinada ocasião.
(2) Eles nos são impostos com força contra a nossa vontade e de uma maneira pela qual não podemos evitar. A alma rejeita-os e não deseja nem pensar nem aprová-los nem um pouco. No entanto, esses pensamentos retornam de novo. Portanto, é evidente que estamos sofrendo apenas como alguém que está sendo espancado, e que essas flechas estão sendo disparadas de fora. Portanto, use sua mente e julgue de acordo.
(3) São acompanhados de terror, de modo que a alma perde imediatamente a compostura, fica muito agitada, e torna-se incapaz de raciocinar racionalmente. O oposto é o caso quando os pecados procedem do próprio coração.
(4) As interjeições não são naturais e, portanto, são repulsivas à nossa natureza. Se essa é sua experiência, você pode e deve ter certeza de que eles não são seus pecados, mas sim os do diabo. Portanto, você não deve ser tão perturbado por eles mas resistir ao diabo com desprezo.
Pergunta: Existem algumas pessoas com quem o pensamento ainda pode ocorrer: “Há momentos em que posso realmente sentir que eles não são de uma fonte externa, mas são meus próprios pensamentos.”
Resposta: Uma pessoa é frequentemente ignorante da maneira como sua alma funciona e, portanto, é incapaz de distinguir o que procede da representação ou interjeição de Satanás, ou de si mesmo. Visto que, no entanto, somos da opinião de que entendemos isso, somos da opinião de que eles procedem da própria alma. Quando outra pessoa proferir coisas terríveis, você também entenderá o que está dizendo. Isso o incomoda, e você sabe que eles não são seus pecados, mas os de quem está falando. Isso também é verdade aqui.
Em segundo lugar, você também deve saber que quando o diabo se afastar de você, você ainda manterá uma disposição temerosa por algum tempo, como resultado do que havia sido interjeitado anteriormente. Essas coisas também não foram apagadas de sua memória ainda; no entanto, nada mais é do que uma memória. No entanto, essa disposição temerosa e a lembrança disso não é o pecado. De fato, essa disposição temerosa prova seu amor a Deus, pois você não deseja ouvir nem pensar em coisas tolas sobre ele.
O Senhor ordena que seu povo lute contra o diabo
Não basta saber que esses dardos inflamados foram disparados pelo diabo, pois assim não seremos libertados deles. Antes, é da vontade do Senhor que batalhemos contra o diabo, e no caminho da luta, Ele dará a vitória. Você pode perguntar: "O que devo fazer?"
(1) O melhor que você pode fazer a esse respeito é ignorar, resistir e não responder; deixe tudo passar. Considere isso como sendo parecido com alguém parado junto à sua janela e continuamente gritando essas coisas para você, o que seria muito problemático e doloroso para você. No entanto, você não ficaria tão chateado como se estivesse falando essas coisas.
(2) Veja isso como uma aflição - como se você tivesse dores no corpo. Permaneça quieto, tenha sua alma em paciência e sempre considere a mão de Deus nela. O Senhor decretou que é assim, quer mantê-lo humilde e tem determinado até onde vai    (Jó 1:12).
(3) Mantenha-se firme em sua fé. Mesmo que não seja um exercício ativo, deixe-a estar no fundo do seu coração. Portanto, verifique, por meio de sua experiência anterior, que você é um filho de Deus; no entanto, por enquanto abstenha-se de se examinar.
(4) Saiba que o Senhor Jesus venceu o diabo e esmagou sua cabeça (Gn 3:15). Seu domínio tem sido erradicado, Hb 11. Portanto, tenha boa coragem, considerando que ele é um inimigo conquistado.
(5) Considere a oração intercessora do Senhor Jesus: "Eu orei por ti, para que a tua fé não falhe" (Lucas 22:32).
(6) Acredite que o resultado será bom. Isso está de acordo com as promessas e foi confirmado pelo exemplo de outras pessoas e sua própria experiência durante outras épocas de conflito. Quanto mais severos forem os testes, maior será a medida de conforto, paz, alegria e força que o Senhor lhe concederá. Você mesmo vai perceber que durante esse conflito, você é mantido longe de muitos outros pecados e manifestações de orgulho.
(7) Seja muito constante em oração. Se você sente que tem pouca força para perseverar sinceramente e ampliar sua petição, então olhe uma e outra vez para o Senhor. Deixe o Senhor ver e ouvir sua volta para Ele, assim como seus suspiros e suas orações. Portanto, espere também naquele de quem sua ajuda deve vir, e não negligencie seus exercícios devocionais.
(8) Persevere durante esta estação de escuridão e agitação. Siga a Palavra de Deus e direcione suas ações de acordo - tanto em viver uma vida piedosa quanto no desempenho de seu chamado. Mantenha-se sempre ocupado nisto, pois as coisas nunca serão mais difíceis para você do que quando você está ocioso.
(9) Se você puder recorrer a um ministro experiente ou outro cristão forte, revele sua luta a eles e não tente lidar com isso sozinho. A oportunidade de derramar seu coração para eles, o apoio deles, bem como a intercessão será um meio adequado para ser encorajado - e a partir do momento em que você receber um pouco de coragem, aumentará em força.
Os crentes são exortados a darem forte resistência a Satanás
Portanto, esteja determinado a fornecer forte resistência. Para ser encorajado a fazê-lo, estimule-se a refletir sobre esses assuntos.
Primeiro, é a vontade de Deus que Seus filhos formem juntos um exército sob seu príncipe e rei Jesus, a fim de lutar contra o diabo e seus anjos. Essa batalha é expressa nas seguintes passagens: “Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão. Também pelejaram o dragão e seus anjos;” (Ap 12: 7); “Vi o céu aberto, e eis um cavalo branco. O seu cavaleiro se chama Fiel e Verdadeiro e julga e peleja com justiça. Os seus olhos são chama de fogo; na sua cabeça, há muitos diademas; tem um nome escrito que ninguém conhece, senão ele mesmo. Está vestido com um manto tinto de sangue, e o seu nome se chama o Verbo de Deus; e seguiam-no os exércitos que há no céu, montando cavalos brancos, com vestiduras de linho finíssimo, branco e puro. ” Ap 19: 11-14.
O Senhor Jesus destruiu o diabo por Sua morte; isto é, Ele removeu dele todo o poder que tinha sobre Seu povo.
Ao satisfazer à justiça pelos pecados deles pela Sua morte, Ele os livrou das mãos do tirano a quem eles se tornaram sujeitos através do pecado, de modo que ele não tem domínio sobre eles, nem jamais terá. Na sabedoria e bondade, dEle, no entanto, Deus concedeu ao diabo algum poder limitado para assaltar o exército de Cristo como inimigo, para que Seus filhos possam ser exercitados em batalha e alcançar a vitória sobre ele enquanto estão comprometidos - para a glória dEle, e a vergonha do diabo. Como é assim que você se juntou a um exército em guerra, cabe a você lutar bravamente, por todos que estão neste exército se opondo a esse inimigo - fazendo isso sob a supervisão de nosso general e dos santos anjos.
Portanto, esteja disposto e valente.
Em segundo lugar, quando consideramos a natureza desse inimigo, observamos que ele tem um ódio mortal e terrível por nosso amado Senhor Jesus, e por todos os que se apegam a Ele - e particularmente a você. Esse ódio faz com que ele se enfureça com veemência, e ele, “como leão que ruge, anda em busca de quem possa devorar” (1 Pedro 5: 8). Ele é sutil, cruel, e incansável em tentar roubar sua vantagem, prejudicá-lo e impedi-lo em sua conduta. Isso deve despertar seu ódio contra ele em troca. Observe isso em Davi para que você possa imitá-lo: “Não aborreço eu, SENHOR, os que te aborrecem? E não abomino os que contra ti se levantam? Aborreço-os com ódio consumado; para mim são inimigos de fato.” (Sl 139: 21,22).
Tal ódio não permitirá que ele tenha o prazer de prevalecer sobre você em um determinado assunto e triunfar sobre você.
Esse ódio até o motivará a não permitir que ele permaneça perto de você. Isso irá motivá-lo a afastá-lo para que ele fuja de você. Esse ódio fará com que você se regozije quando o pisoteia e frustra suas ações. Deus lhe deu a capacidade de odiar. É uma propensão natural e, portanto, use-a com mais veemência contra ele.
Terceiro, é uma coisa muito vergonhosa se você permitir que ele obtenha a vitória sobre você por descuido, descrença ou por ceder aos seus desejos - desejos que ele estimulou e despertou em você. Para ter certeza de que, de maneira sutil, ele colocou a mão dele em tudo. Que vergonha será quando você, ao retornar ao Senhor, for repreendido por Ele por ter sido tão desanimado por ter-lhe cedido imediatamente ou por ter-lhe prestado pouca resistência! Por outro lado, é uma questão gloriosa se você lutou bravamente contra os ataques dele, mesmo se você foi ferido ao fazê-lo.
Esse valor lhe dará muita liberdade para se aproximar do Senhor. Quão doce é quando o Senhor mostra que Ele tem prazer em estar envolvido em guerra (mesmo que você o tenha feito com pouca força), já que você lutou com toda a sua força e na retidão do seu coração! Quão doce é quando o Senhor, em resposta a isso, concede a você parte do maná oculto, que Ele prometeu aos que vencerem! Quão doce é quando Ele diz: “Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu Senhor.” (Mateus 25:21).
Quarto, o diabo é um inimigo vencido e, portanto, a vitória é certa. O Senhor Jesus, como a semente da mulher, feriu sua cabeça, Gn 3:15, e o destruiu por Sua morte (Hb 2:14). “E, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz.” (Cl 2:15). Seria de fato, um guerreiro tímido aquele que não ousasse atacar um inimigo mortalmente ferido que já está caído e ainda luta um pouco. Deus permitiu que o diabo ainda lutasse para afligi-lo por ter um pobre filho do homem desprezado, pisado e infligido feridas mortais a ele. Ele nunca mais recuperará o poder sobre um filho de Deus. Ele pode causar algumas feridas, mas todo crente finalmente o vencerá no poder de Cristo e então eles jubilarão: “E, quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal se revestir de imortalidade, então, se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória. Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão? O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. Graças a Deus, que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo.” (1 Cor 15: 54-57). “Eles o venceram (o acusador dos irmãos que foi derrubado, o diabo) pelo sangue do Cordeiro, e pela palavra de seu testemunho; e eles não amaram suas vidas até a morte” (Apo 12:11).
Portanto, seja valente contra ele. Esteja ciente de sua fraqueza, no entanto, e não confie em sua própria força, pois isso de repente pode fazer você cair. Fique perto do capitão-chefe, Jesus. Refugie-se por Ele, tome posse de Sua força e lute por Sua força. Ore sem cessar: "Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal."
“13 Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis.
14 Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça.
15 Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz;
16 embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno.
17 Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus;
18 com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos” (Ef 6: 13-18).
Portanto: “Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.” (Ap 2:10).





Nota do Tradutor:
O Evangelho que nos Leva a Obter a Salvação
Estamos inserindo esta nota em forma de apêndice em nossas últimas publicações, uma vez que temos sido impelidos a explicar em termos simples e diretos o que seja de fato o evangelho, na forma em que nos é apresentado nas Escrituras, já que há muita pregação e ensino de caráter legalista que não é de modo algum o evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo.
Há também uma grande ignorância relativa ao que seja a aliança da graça por meio da qual somos salvos, e que consiste no coração do evangelho, e então a descrevemos em termos bem simples, de forma que possa ser adequadamente entendida.
Há somente um evangelho pelo qual podemos ser verdadeiramente salvos. Ele se encontra revelado na Bíblia, e especialmente nas páginas do Novo Testamento. Mas, por interpretações incorretas é possível até mesmo transformá-lo em um meio de perdição e não de salvação, conforme tem ocorrido especialmente em nossos dias, em que as verdades fundamentais do evangelho de Jesus Cristo têm sido adulteradas ou omitidas.
Tudo isto nos levou a tomar a iniciativa de apresentar a seguir, de forma resumida, em que consiste de fato o evangelho da nossa salvação.
Em primeiro lugar, antes de tudo, é preciso entender que somos salvos exclusivamente com base na aliança de graça que foi feita entre Deus Pai e Deus Filho, antes mesmo da criação do mundo, para que nas diversas gerações de pessoas que seriam trazidas por eles à existência sobre a Terra, houvesse um chamado invisível, sobrenatural, espiritual, para serem perdoadas de seus pecados, justificadas, regeneradas (novo nascimento espiritual), santificadas e glorificadas. E o autor destas operações transformadoras seria o Espírito Santo, a terceira pessoa da trindade divina.
Estes que seriam chamados à conversão, o seriam pelo meio de atração que seria feita por Deus Pai, trazendo-os a Deus Filho, de modo que pela simples fé em Jesus Cristo, pudessem receber a graça necessária que os redimiria e os transportaria das trevas para a luz, do poder de Satanás para o de Deus, e que lhes transformaria em filhos amados e aceitos por Deus.
Como estes que foram redimidos se encontravam debaixo de uma sentença de maldição e condenação eternas, em razão de terem transgredido a lei de Deus, com os seus pecados, para que fossem redimidos seria necessário que houvesse uma quitação da dívida deles para com a justiça divina, cuja sentença sobre eles era a de morte física e espiritual eternas.   
Havia a necessidade de um sacrifício, de alguém idôneo que pudesse se colocar no lugar do homem, trazendo sobre si os seus pecados e culpa, e morrendo com o derramamento do Seu sangue, porque a lei determina que não pode haver expiação sem que haja um sacrifício sangrento substitutivo.
Importava também que este Substituto de pecadores, assumisse a responsabilidade de cobrir tudo o que fosse necessário em relação à dívida de pecados deles, não apenas a anterior à sua conversão, como a que seria contraída também no presente e no futuro, durante a sua jornada terrena.
Este Substituto deveria ser perfeito, sem pecado, eterno, infinito, porque a ofensa do pecador é eterna e infinita. Então deveria ser alguém divino para realizar tal obra.
Jesus, sendo Deus, se apresentou na aliança da graça feita com o Pai, para ser este Salvador, Fiador, Garantia, Sacrifício, Sacerdote, para realizar a obra de redenção.
O homem é fraco, dado a se desviar, mas a sua chamada é para uma santificação e perfeição eternas. Como poderia responder por si mesmo para garantir a eternidade da segurança da salvação?
Havia necessidade que Jesus assumisse ao lado da natureza divina que sempre possuiu, a natureza humana, e para tanto ele foi gerado pelo Espírito Santo no ventre de Maria.
Ele deveria ter um corpo para ser oferecido em sacrifício. O sangue da nossa redenção deveria ser o de alguém que fosse humano, mas também divino, de modo que se pode até mesmo dizer que fomos redimidos pelo sangue do próprio Deus.
Este é o fundamento da nossa salvação. A morte de Jesus em nosso lugar, de modo a nos abrir o caminho para a vida eterna e o céu.
Para que nunca nos esquecêssemos desta grande e importante verdade do evangelho de que Jesus se tornou da parte de Deus para nós, o nosso tudo, e que sem Ele nada somos ou podemos fazer para agradar a Deus, Jesus fixou a Ceia que deve ser regularmente observada pelos crentes, para que se lembrem de que o Seu corpo foi rasgado, assim como o pão que partimos na Ceia, e o Seu sangue foi derramado em profusão, conforme representado pelo vinho, para que tenhamos vida eterna por meio de nos alimentarmos dEle. Por isso somos ordenados a comer o pão, que representa o corpo de Jesus, que é verdadeiro alimento para o nosso espírito, e a beber o sangue de Jesus, que é verdadeira bebida para nos refrigerar e manter a Sua vida em nós.
Quando Ele disse que é o caminho e a verdade e a vida. Que a porta que conduz à vida eterna é estreita, e que o caminho é apertado. Tudo isto se aplica ao fato de que não há outra verdade, outro caminho, outra vida, senão a que existe somente por meio da fé nEle. A porta é estreita porque não admite uma entrada para vários caminhos e atalhos, que sendo diferentes dEle, conduzem à perdição. É estreito e apertado para que nunca nos desviemos dEle, o autor e consumador da nossa salvação.
Então o plano de salvação, na aliança de graça que foi feita, nada exige do homem, além da fé, pois tudo o que tiver que ser feito nele para ser transformado e firmado na graça, será realizado pelo autor da sua salvação, a saber, Jesus Cristo.
Tanto é assim, que para que tenhamos a plena convicção desta verdade, mesmo depois de sermos justificados, regenerados e santificados, percebemos, enquanto neste mundo, que há em nós resquícios do pecado, que são o resultado do que se chama de pecado residente, que ainda subsiste no velho homem, que apesar de ter sido crucificado juntamente com Cristo, ainda permanece em condições de operar em nós, ao lado da nova natureza espiritual e santa que recebemos na conversão.
Qual é a razão disso, senão a de que o Senhor pretende nos ensinar a enxergar que a nossa salvação é inteiramente por graça e mediante a fé? Que é Ele somente que nos garante a vida eterna e o céu. Se não fosse assim, não poderíamos ser salvos e recebidos por Deus porque sabemos que ainda que salvos, o pecado ainda opera em nossas vidas de diversas formas.
Isto pode ser visto claramente em várias passagens bíblicas e especialmente no texto de Romanos 7.
À luz desta verdade, percebemos que mesmo as enfermidades que atuam em nossos corpos físicos, e outras em nossa alma, são o resultado da imperfeição em que ainda nos encontramos aqui embaixo, pois Deus poderia dar saúde perfeita a todos os crentes, sem qualquer doença, até o dia da morte deles, mas Ele não o faz para que aprendamos que a nossa salvação está inteiramente colocada sobre a responsabilidade de Jesus, que é aquele que responde por nós perante Ele, para nos manter seguros na plena garantia da salvação que obtivemos mediante a fé, conforme o próprio Deus havia determinado justificar-nos somente por fé, do mesmo modo como fizera com Abraão e com muitos outros mesmo nos dias do Velho Testamento.
Nenhum crente deve portanto julgar-se sem fé porque não consegue vencer determinadas fraquezas ou pecados, porque enquanto se esforça para ser curado deles, e ainda que não o consiga neste mundo, não perderá a sua condição de filho amado de Deus, que pode usar tudo isto em forma de repreensão e disciplina, mas que jamais deixará ou abandonará a qualquer que tenha recebido por filho, por causa da aliança que fez com Jesus e na qual se interpôs com um juramento que jamais a anularia por causa de nossas imperfeições e transgressões.
Um crente verdadeiro odeia o pecado e ama a Jesus, mas sempre lamentará que não o ame tanto quanto deveria, e por não ter o mesmo caráter e virtudes que há em Cristo. Mas de uma coisa ele pode ter certeza: não foi por mérito, virtude ou boas obras que lhes foram exigidos a apresentar a Deus que ele foi salvo, mas simplesmente por meio do arrependimento e da fé nAquele que tudo fez e tem feito que é necessário para a segurança eterna da sua salvação.
É possível que alguém leia tudo o que foi dito nestes sete últimos parágrafos e não tenha percebido a grande verdade central relativa ao evangelho, que está sendo comentada neles, e que foi citada de forma resumida no primeiro deles, a saber:
“Então o plano de salvação, na aliança de graça que foi feita, nada exige do homem, além da fé, pois tudo o que tiver que ser feito nele para ser transformado e firmado na graça, será realizado pelo autor da sua salvação, a saber, Jesus Cristo.”
Nós temos na Palavra de Deus a confirmação desta verdade, que tudo é de fato devido à graça de Jesus, na nossa salvação, e que esta graça é suficiente para nos garantir uma salvação eterna, em razão do pacto feito entre Deus Pai e Deus Filho, que nos escolheram para esta salvação segura e eterna, antes mesmo da fundação do mundo, no qual Jesus e Sua obra são a causa dessa segurança eterna, pois é nEle que somos aceitos por Deus, nos termos da aliança firmada, em que o Pai e o Filho são os agentes da aliança, e os crentes apenas os beneficiários.
O pacto foi feito unilateralmente pelo Pai e o Filho, sem a consulta da vontade dos beneficiários, uma vez que eles nem sequer ainda existiam, e quando aderem agora pela fé aos termos da aliança, eles são convocados a fazê-lo voluntariamente e para o principal propósito de serem salvos para serem santificados e glorificados, sendo instruídos pelo evangelho que tudo o que era necessário para a sua salvação foi perfeitamente consumado pelo Fiador deles, nosso Senhor Jesus Cristo.
Então, preste atenção neste ponto muito importante, de que tanto é assim, que não é pelo fato de os crentes continuarem sujeitos ao pecado, mesmo depois de convertidos, que eles correm o risco de perderem a salvação deles, uma vez que a aliança não foi feita diretamente com eles, e consistindo na obediência perfeita deles a toda a vontade de Deus, mas foi feita com Jesus Cristo, para não somente expiar a culpa deles, como para garantir o aperfeiçoamento deles na santidade e na justiça, ainda que isto venha a ser somente completado integralmente no por vir, quando adentrarem a glória celestial.
A salvação é por graça porque alguém pagou inteiramente o preço devido para que fôssemos salvos – nosso Senhor Jesus Cristo.
E para que soubéssemos disso, Jesus não nos foi dado somente como Sacrifício e Sacerdote, mas também como Profeta e Rei.
Ele não somente é quem nos anuncia o evangelho pelo poder do Espírito Santo, e quem tudo revelou acerca dele nas páginas da Bíblia, para que não errássemos o alvo por causa da incredulidade, que sendo o oposto da fé, é a única coisa que pode nos afastar da possibilidade da salvação.
Em sua obra como Rei, Jesus governa os nossos corações, e nos submete à Sua vontade de forma voluntária e amorosa, capacitando-nos, pelo Seu próprio poder, a viver de modo agradável a Deus.
Agora, nada disso é possível sem que haja arrependimento. Ainda que não seja ele a causa da nossa salvação, pois, como temos visto esta causa é o amor, a misericórdia e a graça de Deus, manifestados em Jesus em nosso favor, todavia, o arrependimento é necessário, porque toda esta salvação é para uma vida santa, uma vida que lute contra o pecado, e que busque se revestir do caráter e virtudes de Jesus.
Então, não há salvação pela fé onde o coração permanece apegado ao pecado, e sem manifestar qualquer desejo de viver de modo santo para a glória de Deus.
Desde que haja arrependimento não há qualquer impossibilidade para que Deus nos salve, nem mesmo os grosseiros pecados da geração atual, que corre desenfreadamente à busca de prazeres terrenos, e completamente avessa aos valores eternos e celestiais.
Ainda que possa parecer um paradoxo, haveria até mais facilidade para Deus salvar a estes que vivem na iniquidade porque a vida deles no pecado é flagrante, e pouco se importam em demonstrar por um viver hipócrita, que são pessoas justas e puras, pois não estão interessados em demonstrar a justiça própria do fariseu da parábola de Jesus, para que através de sua falsa religiosidade, e autoengano, pudessem alcançar algum favor da parte de Deus.
Assim, quando algum deles recebe a revelação da luz que há em Jesus, e das grandes trevas que dominam seu coração, o trabalho de convencimento do Espírito Santo é facilitado, e eles lamentam por seus pecados e fogem para Jesus para obterem a luz da salvação. E ele os receberá, e a nenhum deles lançará fora, conforme a Sua promessa, porque o ajuste feito para a sua salvação exige somente o arrependimento e a fé, para a recepção da graça que os salvará.
Deus mesmo é quem provê todos os meios necessários para que permaneçamos firmes na graça que nos salvou, de maneira que jamais venhamos a nos separar dele definitivamente.
Ele nos fez coparticipantes da Sua natureza divina, no novo nascimento operado pelo Espírito Santo, de modo que uma vez que uma natureza é atingida, ela jamais pode ser desfeita. Nós viveremos pela nova criatura, ainda que a velha venha a se dissolver totalmente, assim como está ordenado que tudo o que herdamos de Adão e com o pecado deverá passar, pois tudo é feito novo em Jesus, em quem temos recebido este nosso novo ser que se inclina em amor para Deus e para todas as coisas de Deus.
Ainda que haja o pecado residente no crente, ele se encontra destronado, pois quem reina agora é a graça de Jesus em seu coração, e não mais o pecado. Ainda que algum pecado o vença isto será temporariamente, do mesmo modo que uma doença que se instala no corpo é expulsa dele pelas defesas naturais ou por algum medicamento potente. O sangue de Jesus é o remédio pelo qual somos sarados de todas as nossas enfermidades. E ainda que alguma delas prevaleça neste mundo ela será totalmente extinta quando partirmos para a glória, onde tudo será perfeito.
Temos este penhor da perfeição futura da salvação dado a nós pela habitação do Espírito Santo, que testifica juntamente com o nosso espírito que somos agora filhos de Deus, não apenas por ato declarativo desta condição, mas de fato e de verdade pelo novo nascimento espiritual que nos foi dado por meio da nossa fé em Jesus.
Toda esta vida que temos agora é obtida por meio da fé no Filho de Deus que nos amou e se entregou por nós, para que vivamos por meio da Sua própria vida. Ele é o criador e o sustentador de toda a criação, inclusive desta nova criação que está realizando desde o princípio, por meio da geração de novas criaturas espirituais para Deus por meio da fé nEle.
Ele pode fazê-lo porque é espírito vivificante, ou seja, pode fazer com que nova vida espiritual seja gerada em quem Ele assim o quiser. Ele sabe perfeitamente quais são aqueles que atenderão ao chamado da salvação, e é a estes que Ele se revela em espírito para que creiam nEle, e assim sejam salvos.
Bem-aventurados portanto são:
Os humildes de espírito que reconhecem que nada possuem em si mesmos para agradarem a Deus.
Os mansos que se submetem à vontade de Deus e que se dispõem a cumprir os Seus mandamentos.
Os que choram por causa de seus pecados e todo o pecado que há no mundo, que é uma rebelião contra o Criador.
Os misericordiosos, porque dão por si mesmos o testemunho de que todos necessitam da misericórdia de Deus para serem perdoados.
Os pacificadores, e não propriamente pacifistas que costumam anular a verdade em prol da paz mundial, mas os que anunciam pela palavra e suas próprias vidas que há paz de reconciliação com Deus somente por meio da fé em Jesus.
Os que têm fome e sede de justiça, da justiça do reino de Deus que não é comida, nem bebida, mas justiça, paz e alegria no Espírito Santo.
Os que são perseguidos por causa do evangelho, porque sendo odiados sem causa, perseveram em dar testemunho do Nome e da Palavra de Jesus Cristo.
Vemos assim que ser salvo pela graça não significa: de qualquer modo, de maneira descuidada, sem qualquer valor ou preço envolvido na salvação. Jesus pagou um preço altíssimo e de valor inestimável para que pudéssemos ser redimidos. Os termos da aliança por meio da qual somos salvos são todos bem ordenados e planejados para que a salvação seja segura e efetiva. Há poderes sobrenaturais, celestiais, espirituais envolvidos em todo o processo da salvação.            
É de uma preciosidade tão grande este plano e aliança que eles devem ser eficazes mesmo quando não há naqueles que são salvos um conhecimento adequado de todas estas verdades, pois está determinado que aquele que crê no seu coração e confessar com os lábios que Jesus é o Senhor e Salvador, é tudo quanto que é necessário para um pecador ser transformado em santo e recebido como filho adotivo por Deus.
O crescimento na graça e no conhecimento de Jesus são necessários para o nosso aperfeiçoamento espiritual em progresso da nossa santificação, mas não para a nossa justificação e regeneração (novo nascimento) que são instantâneos e recebidos simultaneamente no dia mesmo em que nos convertemos a Cristo. Quando fomos a Ele como nos encontrávamos na ocasião, totalmente perdidos    e mortos em transgressões e pecados.
E fomos recebidos porque a palavra da promessa da aliança é que todo aquele que crê será salvo, e nada mais é acrescentado a ela como condição para a salvação.
É assim porque foi este o ajuste que foi feito entre o Pai e o Filho na aliança que fizeram entre si para que fôssemos salvos por graça e mediante a fé.
Jesus é pedra de esquina eleita e preciosa, que o Pai escolheu para ser o autor e o consumador da nossa salvação. Ele foi eleito para a aliança da graça, e nós somos eleitos para recebermos os benefícios desta aliança por meio da fé nAquele a quem foram feitas as promessas de ter um povo exclusivamente Seu, zeloso de boas obras.
Então quando somos chamados de eleitos na Bíblia, isto não significa que Deus fez uma aliança exclusiva e diretamente com cada um daqueles que creem, uma vez que uma aliança com Deus para a vida eterna demanda uma perfeita justiça e perfeita obediência a Ele, sem qualquer falha, e de nós mesmos, jamais seríamos competentes para atender a tal exigência, de modo que a aliança poderia ter sido feita somente com Jesus.
Somos aceitos pelo Pai porque estamos em Jesus, e assim é por causa do Filho Unigênito que somos também recebidos. Jamais poderíamos fazê-lo diretamente sem ter a Jesus como nossa Cabeça, nosso Sumo Sacerdote e Sacrifício. Isto é tipificado claramente na Lei, em que nenhum ofertante ou oferta seriam aceitos por Deus sem serem apresentados pelo sacerdote escolhido por Deus para tal propósito. Nenhum outro Sumo Sacerdote foi designado pelo Pai para que pudéssemos receber uma redenção e aproximação eternas, senão somente nosso Senhor Jesus Cristo, aquele que Ele escolheu para este ofício.
Mas uma vez que nos tornamos filhos de Deus por meio da fé em Jesus Cristo, importa permanecermos nEle por um viver e andar em santificação, no Espírito.
É pelo desconhecimento desta verdade que muitos crentes caminham de forma desordenada, uma vez que tendo aprendido que a aliança da graça foi feita entre Deus Pai e Deus Filho, e que são salvos exclusivamente por meio da fé, que então não importa como vivam uma vez que já se encontram salvos das consequências mortais do pecado.
Ainda que isto seja verdadeiro no tocante à segurança eterna da salvação em razão da justificação, é apenas uma das faces da moeda da salvação, que nos trazendo justificação e regeneração instantaneamente pela graça, mediante a fé, no momento mesmo da nossa conversão inicial, todavia, possui uma outra face que é a relativa ao propósito da nossa justificação e regeneração, a saber, para sermos santificados pelo Espírito Santo, mediante implantação da Palavra em nosso caráter. Isto tem a ver com a mortificação diária do pecado, e o despojamento do velho homem, por um andar no Espírito, pois de outra forma, não é possível que Deus seja glorificado através de nós e por nós. Não há vida cristã vitoriosa sem santificação, uma vez que Cristo nos foi dado para o propósito mesmo de se vencer o pecado, por meio de um viver santificado.
Esta santificação foi também incluída na aliança da graça feita entre o Pai e o Filho, antes da fundação do mundo, e para isto somos também inteiramente dependentes de Jesus e da manifestação da sua vida em nós, porque Ele se tornou para nós da parte de Deus a nossa justiça, redenção, sabedoria e santificação (I Coríntios 1.30). De modo que a obra iniciada na nossa conversão será completada por Deus para o seu aperfeiçoamento final até a nossa chegada à glória celestial.
“Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus.” (Filipenses 1.6).
“O mesmo Deus da paz vos santifique em tudo; e o vosso espírito, alma e corpo sejam conservados íntegros e irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. Fiel é o que vos chama, o qual também o fará.” (I Tessalonicenses 5.23,24).
“Assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém, muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade.” (Filipenses 2.12,13).








Publicado no site: O Melhor da Web em 07/10/2019
Código do Texto: 140661

AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
Sou Fã de...
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.