Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
PAULO FONTENELLE DE ARAUJO

Este cheiro sobre o altar mor, será Deus ou a ferrugem noturna das catedrais
phfonte - PAULO  FONTENELLE  DE  ARAUJO
RSS - As recentes de:PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
Aniversário: 20/01
Cadastrado desde: 06/03/2018 -

Texto mais recente: ANTES UM RETORNO

Textos & Poesias || Poema

Imprimir
PRINCESAS EM SÃO PAULO
15/05/2018
Autor(a): PAULO FONTENELLE DE ARAUJO

PRINCESAS EM SÃO PAULO

Hoje noite de gala no teatro Municipal de São Paulo.
Informa o cartaz
a estreia novo espetáculo do corpo de baile:
a fábula da Bela Adormecida,

Imagino a dança,
em uma cena apenas
o príncipe entra,
descobre a princesa dormente,
- sangue europeu imobilizado entre heras -
e cede o beijo de amor na face da mórbida.

Retiro-me do Municipal,
desço as escadarias e reparo
homens sanduíches dançam com placas
e anunciam Abreugrafias,
mistérios do corpo    na radiografia    a revelar-se.

Aquele homem sanduíche bem serve à população.

Inspiro-me e percebo.
Alguém está enclausurado
na praça Ramos de Azevedo.
Dorme por aqui
e na mesma condição da Bela princesa,
alguém dessa multidão
sempre fixa na praça
- camelôs, crentes, mendigos, desempregados .
Gente que parece se eternizar,
marcar o asfalto,
devastar a terra
em volta do castelo que o teatro representa
e prostrarem-se no chão
como quem se aplica a um pasto pobre.

Mas o que é isso?
Essa dança que surge agora e vejo.
O que são aqueles braços lançados na esquina?
Imagens da chapa de raio X enfim revelada,
delírios surgidos da agudização de um tumor?
Não! São índios, índios ali também,
que reencarnam em motocicletas,
rodopiam nos espelhos, nas vitrines,
e brincam
ao som de um tamboril.
Índios em cocares a florescer,
em miçangas a girar suspensas,
enquanto    brilha o meio-fio das ruas.

Porém, a clausura da turba real da praça
não percebe a dança.
As bocas entregues a monotonia do dia,
passantes em romaria,
não    dão conta do bailado.
Vejo perto da loja Mappim
um quilombo e outros departamentos,
vejo negros escravos a inventar estrelas,
golpes, piruetas e giros de luta africana
atravessam os faróis da rua Xavier de Toledo
e completam-se no fundo do Vale do Anhangabaú.

De súbito quero gritar,
percebo em mim a concretude de altar,
de pedra fundamental
que me faz calar,
porque todos os negros, todos os índios
são príncipes da cidade aberta para a noite
e    a praça Ramos de Azevedo
solta um cheiro de jasmim,
o mesmo de uma    praça de cidadezinha,
com o seu chafariz de anjo
e coqueiros tombados pela municipalidade.

O teatro abre uma    porta.
Lembro-me do ósculo do príncipe
no    rosto tenro da Bela Adormecida
e ocorre que os índios    e os negros
beijarão agora as princesas.

Os    índios beijam e se aproximam,
beijam e já me intimam:
“Levante o véu, por favor”!

DO LIVRO:"A CIDADE POSSÍVEL"

Publicado no site: O Melhor da Web em 15/05/2018
Código do Texto: 137386
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
  • Adicionar como fã (necessita estar logado)
Sou Fã de...
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.