Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
PAULO FONTENELLE DE ARAUJO

phfonte - PAULO  FONTENELLE  DE  ARAUJO
RSS - As recentes de:PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
&nbnsp;
 

----------------------------------------------------------------------------------------

PARTICIPE! Quero incluir Textos! É GRÁTIS, É fácil, É simples, EU POSSO!



PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
Aniversário: 11/02
Cadastrado desde: 06/03/2018 -

Texto mais recente: AUTORIDADES

Textos & Poesias || Contos

Imprimir
FILHOS CRESCIDOS
15/05/2019
Autor(a): PAULO FONTENELLE DE ARAUJO

FILHOS CRESCIDOS

         Berenice das Luzes nunca perdoou os filhos por terem se matado. O mais velho enforcou-se no armário. O segundo forçou um acidente fatal de motocicleta, pois não usava capacete em suas saídas ( logicamente o motoqueiro seria lançado contra a janela do caminhão). E o terceiro filho jogou-se do alto de um prédio em Copacabana.

         Berenice nunca perdoou os suicidas, mas se sentia culpada por tudo, embora a culpa nada resolvesse. Não haveria descanso e nem mesmo uma aposentadoria por tempo de culpa.

         Um dia a mãe dos suicidas passou a meditar sobre seu próprio fim. Pensava que apenas se arruinando encontraria os filhos na terra dos infelizes e perguntaria coisas ilógicas: "Porque escolheram mortes tão sofridas quando bastava respirar o gás do fogão? O cheiro de gás é adocicado e causa uma morte indolor”.

         Diria a eles que as mães listam as muitas opções para a forca dos filhos: cheirar gás, morder a maça envenenada com cianureto, tomar vários comprimidos de Nembutal.

         Berenice, contudo, apesar da tendência revelada, não se matou, pois tinha um quarto e último filho. Este filho cresceu, casou-se, tornou-se músico e ganhava a vida, tocando saxofone para os turistas em Copacabana.

         Berenice estranhava: um dos filhos de uma família de suicidas vai à praia e tudo está bem. Filhos remanescentes devem sentir na praia o cheiro adocicado dos vivos.

      Domingo, dia 24, Berenice foi hospitalizada, iria morrer de velhice, sufocada pelo saco plástico do tempo. No dia, o filho saxofonista tocou diversas vezes a marchinha “Cidade Maravilhosa”. Foi uma ironia    e    também sua homenagem à mãe.


Publicado no site: O Melhor da Web em 15/05/2019
Código do Texto: 139921

AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA!
DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!


Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto


CLIQUE AQUI! PARA LER OS TEXTOS CADASTRADOS!
ESSE LINK VAI PARA A PÁGINA PARA EXIBIÇÃO DOS TEXTOS!

Galeria de Fãs
  • Adicionar como fã (necessita estar logado)
    Vai para a página Geral dos Fãs!
    phfonte
     
     
Sou Fã de...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceria de Sucesso entre o site Poesias www.omelhordaweb.com.br e o www.efuturo.com.br
Confira. Adicione seus textos nele. O eFUTURO já começou.

Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.