Visitante, seja Bem-Vindo! 
Novo Cadastro
Esqueceu a Senha?

Login: 
Senha:
EDUARDO EUGÊNIO BATISTA

A vida não procura a morte, se você sabiamente, não optar por merecê-la!
Setedados - EDUARDO EUGÊNIO BATISTA

Textos & Poesias || Surrealistas
Imprimir
REVELAÇÕES
Autor(a): EDUARDO EUGÊNIO BATISTA
REVELAÇÕES

REVELAÇÕES

Acordo eu torpe, nesta infinita penitência,
Onde o meu pecado de sangue é mostrado,
Em delírios daqueles passados dias malditos...

Ainda que me perdoes a pobre consciência,
Agora uma sombra se acomoda ao meu lado,
Como um manto negro, sem rosto aos gritos...

Meu coração não mais existe, está petrificado,
Um angustiante lamento que me sai demente,
É a única vida em choro eterno, pelo meu fim...

Essa mágoa lenta come meu corpo já devorado,
Como se eu apodrecesse igual um vil indigente,
Abandonado e morto sem ser eu dentro de mim...

Oh! Senhor das desgraças, toma-me em sacrifício,
Leve minha carcaça imunda sem nenhum respeito,
Corte o grande mal retirando isso da minha cabeça...

Não me deixe aqui, feito esse morto vivo em suplício,
Atire-me em qualquer cova úmida e fria, a ser meu leito,
Retire minha vida, eu permito..., antes que eu enlouqueça...

Uma outra sombra chega e senta-se, grita e me dá pavor!
Parece que está querendo me avisar da vinda de alguém,
Escorrem suores gelados da minha face amarga, condenada...

Quando ao longe eu observo uma procissão, trazendo um andor,
Agora bem perto, me apavorei ao ver uma feia imagem do além,
Era um corpo todo coberto por vermes, uma criatura amaldiçoada...

Em sua testa ele trazia uma tatuagem de um completo eclipse lunar,
E os seus negros olhos, comiam a vida como o nosso medo da morte,
As sombras seguidoras aos gemidos arriaram o tétrico andor devagar...

As duas sombras, cada uma de um lado foram a ele me apresentar,
Não podia fugir, pois estava eu condenado pela maldade mais forte,
Ao estar frente a ele..., abriu sua boca e num gesto começou a sugar...

A aberração então para sempre,
Fez a minha alma abandonar,
Este meu corpo abominável...

E deste dia em minha mente,
Fiquei enclausurado a penar,
Pelo meu destino miserável.


Eduardo 777


Publicado no site: O Melhor da Web em 15/08/2011
Código do Texto: 82039
AQUI VOCÊ INTERAGE DIRETAMENTE COM O(a) AUTOR(a) DA OBRA! DEIXE UM COMENTÁRIO REFERENTE AO TEXTO!
É FÁCIL, É LEGAL, VALE A PENA!

Comente esse Texto - Seja o primeiro a comentar!
Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto
Meus Textos...




[ 1311 ] Texto s indicado s , porém não é o autor.




Galeria de Fãs